Futebol Com Piada

O Midões ganhou por 4-1 ao Leocadenses em mais uma jornada do Campeonato Popular de  Futebol Feminino de Barcelos; estava muito frio e passou o comboio pouco depois.

O pior surdo é o que não quer ouvir a História

A História não permite, obviamente, adivinhar o futuro, mas, à custa de tantas repetições escusadas, já se percebeu que o Homem é um mau aluno da disciplina que Cícero considerou a mestra da vida.

O estudo referido pelo Diário de Notícias deve, portanto, ser lido, no mínimo, como um aviso, como mais um instrumento para compreender os dias em que vivemos. Os mesmos autores do estudo, escreveram acerca dos motins ocorridos este ano em Londres, analisados pela direita com um conveniente simplismo.

Entretanto, todos os dias se confirma que os governantes europeus e mundiais não são mais do que títeres dos muitos interesses privados que mandam na política, tudo assente em máquinas publicitárias poderosíssimas que tentam convencer o povo iliterato de que os direitos dos trabalhadores são privilégios intoleráveis e que foi graças a esses ditos privilégios – e não à corrupção institucional – que há dificuldades financeiras. O sempre disponível e hilariante Ramiro Marques chega, neste texto, a contar – eventualmente mal – uma história de excesso de fotocópias numa escola, deixando escapar a ideia de que foram atitudes destas que levaram o país à bancarrota, esquecendo os gastos que, ao longo de vários anos, os professores têm tido, para que possam exercer a sua actividade.

O entremez em que o PS aceita participar, abstendo-se de votar contra o orçamento, tem em Miguel Relvas um compère à altura, anunciando a possibilidade de, afinal, cortar apenas um dos subsídios dos funcionários públicos. Como é evidente, trata-se da velha estratégia de anunciar o péssimo para que o mau pareça bom. Vindo de quem vem não me espanta e não me espantará que muitos continuem a deixar-se enganar, agradecendo a Passos Coelho o favor de cometer apenas uma inconstitucionalidade em vez de duas.

Kuing Yamang, o “professor” chinês que enganou Maximiano Martins

Este vídeo é uma peta, um célebre hoax produzido para enganar (com sucesso) os blogues de política franceses. Um clássico referido por exemplo pelo Marco no Bitaites (ler O Venerável Professor Chinês é um Bolo).

Veio-me agora parar ao mail uma tradução portuguesa do texto, tolice pegada que não resisto a copiar. Lá fui googlar o nome do bolo para avisar quem me tinha reencaminhado a peta e, surpresa, vou dar com uma transcrição integral num artigo de opinião no madeirense Diário de Notícias. Adivinhem quem foi o otário? Maximiano Martins, candidato do PS-Madeira à presidência do Governo Regional. Com adversários assim Alberto João nem precisa de aliados.

E agora leiam as sábias palavras de Kuing Yamang… [Read more…]

A Grécia e a indústria militar

Já não tenho pachorra para o discurso politicamente correcto sobre a Grécia vivendo acima das suas possibilidades. Fica bem inventar arbustos onde até há jardins, mais as pensões a filhas solteiras como motor do endividamento externo, e hoje um ensaio sobre falsas cegueiras. A direita aproveita a Grécia para vergastar o estado social como se os atenienses vivessem em Estocolmo. Ora, para lá da corrupção típica de sucessivos governos de alterne,  talvez seja mais sensato olhar para a Grécia de hoje pensando na velha Esparta:

O segundo maior gastador em belicismos (% de PIB) da Nato continua a fazer comprinhas: os alemães estão muito chateados porque os franceses continuam a vender fragatas à Grécia (tipo empresto agora depois pagas), não porque isso seja absurdo neste momento mas porque não são eles a vendê-las. E talvez por aí pare o regabofe (não são só fragatas: os submarinos de Paulo Portas ao pé das encomendas gregas são uma brincadeira de meninos), até porque os maluquinhos insistem em comprar francês e americano, esquecendo-se de contribuir para a indústria militar alemã.

Claro que isto agora não interessa nada ao pé de umas vigarices na segurança social, e ainda sou acusado de propaganda anti-alemã se insisto muito em detalhes desta natureza.

Estas e outras fizeram de Arquiloco o meu poeta heleno favorito, muito por ter perdido um escudo em combate e cantado, antes o escudo que a vida.

Fonte do gráfico.

Ironia do Metro de Lisboa

Goze a viagem? Estão a gozar com quem?

Reparei nesta decoração numa carruagem do Metro de Lisboa, paga pelo Ministério das Obras Públicas Transportes e Comunicações. Não deixa de ser irónico se tivermos em conta os rumores que andam a circular.

A minha tv não tem comentadores assim

Pelo menos nos canais abertos. Deve ser avaria. Tenho o Medina Carreira, e aqueles rapazes todos garantindo que vivemos acima das nossas possibilidades, Não concordo com tudo  o que Gerald Celente diz, mas pelo menos não repete o discurso ideológico dos nossos comentadores habituais disfarçados de especialistas em economia, esse novo eufemismo para vendedor de banha da cobra, a que estica mas não dobra, e na austeridade curará todos os males do mundo. Amen.

L’État c’est moi

Como é que se separa o Estado das pessoas que personificam o Estado? Eu posso conceber um Estado hipotético onde todos contribuem conforme as suas possibilidades e onde a riqueza é proporcionalmente distribuída. Mas depois há os que,  pelas suas razões, preferem trabalhar menos e os que são mais ambiciosos. Há os que se contentam com pouco e aqueles para quem o céu não tem limite. As pessoas são diferentes e têm diferentes objectivos, pelo que as perspectivas igualitárias logo me arrepiam.

Mas voltando à minha questão inicial e indo ao detalhe, como é que se distingue o ministro das obras públicas das obras que são públicas? Por exemplo, o ministro decide fazer uma autoestrada; é o Estado que decide fazer uma autoestrada? O Estado não existe mas as pessoas que o personificam são concretas. Os governantes tomam decisões em função dos poderes que detêm. E um governante com mais poder é aquele que têm capacidade para decidir os rumos do dinheiro, ou da economia, como eufemisticamente se diz.

É nesta dicotomia que o diabo se esconde. [Read more…]

A nova ponte sobre o Tejo

nova ponte sobre o tejo

O presente, essa grande mentira social. I – Reciprocidade

1324074_a_christmas_carol___mn_225_300.jpg

4. Reciprocidade?

Apenas um esquema de iniciação. Porque sobre reciprocidade tenho escrito bastante, em vários textos publicados[1]. No entanto, o conceito deve ser esclarecido, para além da excelente tentativa de Alvin Gouldner[2]no seu texto clássico, citado neste livro e que tem orientado a minha análise. Mas, antes de entrar pelos comentários de Gouldner, é preciso lembrar outras distinções e definições, normalmente pouco referidas em textos. [Read more…]