A Reforma da Administração Local (Coimbra):

Convite:

Este Sábado, pelas 15h na sala 4 da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, um debate sobre a Reforma da Administração Local e que terá como oradores: o Secretário de Estado da Administração Local, Eng. Paulo Júlio; o Prof. Doutor Manuel Porto da Universidade de Coimbra e o Prof. Doutor Artur Pires da Universidade de Aveiro.

Uma organização do Instituto Francisco Sá Carneiro.

Troikinices e Cretinices!

troikaA maldita troika andou por cá. Em cada passagem, o tenebroso trio ataca sem pudor nem piedade direitos de cidadania básicos. Sobretudo, a frágil qualidade de vida de milhões de portugueses.

Desta vez, os senhores da troika deram-se ao prazer de ratificar a deliberação – para não lhe chamar roubo – do governo de corte dos subsídios de Natal e de férias a funcionários públicos e pensionistas; medida esta que, lembre-se, não estava elencada no tristemente célebre ‘memorando de entendimento’.

Todavia, as desumanas criaturas são insaciáveis em semear a maldade. Manifestaram agora o desejo de aplicar cortes de remunerações aos trabalhadores do sector privado. O eurocrata Jürgen Kröger exprimiu argumentos a favor da medida, nomeadamente os seguintes:

  1. A economia tem problemas de falta de competitividade e produtividade, solucionáveis, segundo ele, através da redução de salários também no sector privado.
  2. A medida teria a vantagem de travar “a transferência de trabalhadores do sector público para o privado”, atraídos por remunerações mais elevadas.

As observações e recomendações do Sr. Kröger são, no mínimo, disparates; próprios, de resto, de tecnocratas monetaristas, como o nosso Prof. Gaspar, cuja visão se centra em exclusivo no sector financeiro, ignorando a economia real do país – do nosso ou de outro onde infelizmente essas troikas intervêm. [Read more…]

Jorge dos Santos é um cidadão livre e George Wright gozou com o FBI. Bem feito

Discutindo com a primeira tentativa de democracia moderna do planeta, os EUA, é bom vermos que em Portugal a justiça às vezes funciona. Justiça não é perseguir um cidadão por pura vingança. Justiça não existe no país onde a raça determina a condenação e acima de tudo onde a pena de morte se pratica. O FBI, a polícia política que até os seus presidentes intimidou, perseguindo a sua vida privada, dançou o vira. Desapontem-se, pois então.

Bem vindo a Portugal na condição de cidadão finalmente livre Jorge dos Santos. Tu e a tua família bem o merecem.

E já agora, de quando em vez ter abraçado uma causa justa que ganha, sabe bem.

Cromo do Dia: Duarte Lima

Sem esquecer o princípio de presunção de inocência, que para mim é vital, torna-se óbvio que Duarte Lima, antigo menino de coro, antigo deputado & etc., é mais um dessa espécie que em Portugal floresce no meio do lodo e da lama para depois aparecer ostentando alvuras, dourados e, nos bons tempos, discursos moralistas. O cromo de hoje é Duarte Lima, o “Nenúfar”.

bpn

1+1?

A Sábado decidiu fazer uma sondagem cultural à porta de algumas universidades. Até admito que, entre as perguntas e a edição, haja (como é habitual no jornalismo) uma certa tendência para enfatizar um dos lados do problema.
Também posso admitir que naquele dia estivessem à porta das universidades os mais burros – ou os menos dotados, segundo a linguagem ideológica da pedagogia moderna. Se assim fosse, cumulando os dois factores, intercessionados num dado local e momento, teríamos o que se chama uma coincidência tramada.
Vamos dar, contudo, o benefício da dúvida e considerar esta peça jornalística um bom serviço ao conhecimento da população discente universitária e da sua cultural geral.
Se algumas perguntas são deprimentes, de tão óbvias que são as respostas, o resultado é mais que negativo. É trágico. A ideia que que pessoas que alcançam a universidade com um nível de literacia tão baixo já me parece tristemente frustrante para quem é professor (o meu caso) e para quem tem colegas alunos deste nível. Mas o hediondo é que se dêem respostas ou justificações como: «Eh pá! Coisas com Jesus Cristo?! Sou fraca em religião», como se saber quem pintou a Capela Sistina tivesse a ver com religião. [Read more…]

Pérolas “sociais-democratas”

Pedro Passos Coelho volta a por a tónica dominante da nossa competitividade nos salários baixos.

Nada de novo: desde Cavaco Silva que nos habituamos a ouvir “sociais-democratas” a defender semelhante tese.

O melhor de tudo é que com salários de miséria – embora não no entendimento de todos, pois há quem pense que não estamos tão mal assim -, continuamos, pelos vistos, a não ser competitivos.

A estes “sociais-democratas” aconselho, então, a tese comunista chinesa de promover o desenvolvimento económico à custa de mão-de-obra paga com lentilhas. Pode ser que assim se consiga atingir a tão almejada competitividade.

E já agora, Senhor Primeiro-Ministro, isto de andar constantemente a falar de assuntos de política interna no estrangeiro é muito pouco recomendável. Falar do que se passa cá lá fora é tão triste quanto termos tantos de fora a mandar cá.

Feriados, vamos lá acabar com o de Abril e o de Maio

A questão dos feriados tem sido uma batalha recorrente da direita patronal com um objectivo claro, baixar os salários, e outro oculto: tirar o 25 de Abril e o 1º de Maio do calendário. Acresce a ideologia do trabalho é que induca, com ou sem vinho que instrói, a velha glorificação típica das ditaduras. Libertem-se, dizem eles.

Como é de aritmética elementar, e sendo o salário contabilizado ao ano, retirar um feriado é muito simplesmente baixar os custos do trabalho, fazendo por isso parte da cartilha dos fundamentalistas dos salários que o ex-economista Álvaro Santos Pereira tanto criticava. Trabalhas mais e recebes o mesmo é igual a receberes menos. Sim o trabalho é uma mercadoria, não é um favor, e muito menos um dever patriótico.

Já aventei sobre o assunto, a mentira de que temos mais feriados do que os outros (sobre isto ler também este artigo e os seus comentários) ou a treta de considerar as pontes como algo mais que férias repartidas.

Neste momento o governo, e nisto Passos Coelho cumpre o que prometeu, prepara-se para tentar cortar com quatro feriados e terminar com as tolerâncias de ponto, assunto que aquando da primeira estadia da troika entre nós deu origem ao episódio caricato de António Simões, patrão dos patrões, insurgindo-se contra uma tolerância oferecida aos funcionários públicos, quando fez o mesmo na sua empresa. E pego na sua argumentação atrapalhada: [Read more…]

Subsistência, mais-valia, reciprocidade

Este texto é parte das minhas aulas aos meus discentes do ISCTE, hoje IUL, proferida a 7 de Março de 2005. Adoeci gravemente, com cancro na tiroidea, mas escrevi o livro «O presente, essa grande mentira social. A  mais- valia na reciprocidade», que reescrevo hoje, 14 de Novembro de 2011.

20070410klpgeodes_8.Ies.SCO.jpg

 1. O título desta conferência tem vários conceitos que precisam de ser esclarecidos para entender a Antropologia da Economia e a falência em que este governo e o anterior nos fizeram cair. O primeiro é o de subsistência. Entendido este conceito, devemos lembrar o que se tem definido como objetivo da atividade humana. Esta foi exprimida in extenso por Adam Smith nas suas duas obras citadas [Read more…]

Duarte Lima é rico, foi preso mas…

…nasceu pobre. É uma explicação que me dá jeito para manter o que escrevi ontem, confesso, mas que não anda longe da realidade. A aristocracia nunca apreciou recém-chegados. E depois acontece-lhes o azar de serem apanhados. Ainda falta perceber como num processo em julgamento há tanto tempo só agora é detido. Mistérios.

Os jornais garantem que o governo garante

In memoriam Manuel Dias

Não possuo estatísticas, mas aposto que é possível ler, todos os dias, vários títulos de jornais em que se afirma que alguém garante alguma coisa. Ora, a única pessoa que pode garantir alguma coisa acerca daquilo que penso sou eu.

No Público de ontem, aparecia o seguinte título:

Relvas garante que “não há intromissão” política na informação da RTP

Mesmo que todos acreditemos na sinceridade de Miguel Relvas, não seria mais seguro substituir aquele “garante” por afirma, diz, declara? E se – Deus nos livre! – viermos a descobrir que, afinal, o governo, ao contrário do que garantia, se intrometeu politicamente na informação da RTP?

No Diário de Notícias do mesmo dia, o malandro do verbo não está no título, mas aparece escondido com o rabo de fora num parágrafo:

O corte dos subsídios de Natal e de férias a funcionários públicos e pensionistas em 2012 e 2013 é “claramente” temporário, garantiu hoje o ministro das Finanças, Vítor Gaspar.

Aqui, também é engraçado tentar adivinhar durante quanto tempo após 2013 o corte será temporário. Quanto a garantias, mais uma vez, temos adivinhos ou telepatas no lugar de jornalistas. Se há coisa que temos aprendido é que a sinceridade dos políticos é claramente temporária. Mesmo que o não fosse, não há nada mais seguro do que não confundir declarações com garantias.

Conspiração contra o BES

Há alguma campanha montada para denegrir o Grupo Espírito Santo? Ou há fogo por baixo deste fumo todo?

Ontem saiu uma notícia no Público que aponta o envolvimento do presidente do BES Angola em esquemas de branqueamento de capitais. Lá teve o senhor Álvaro Sobrinho de pagar uma pequena fiança de 500 mil euros. Curiosamente a notícia já não estava na primeira página do Público on-line pela hora do almoço, mas não entremos em teorias da conspiração, o Grupo BES gasta muito em publicidade.

Há muito mais do que isto…

 
[Read more…]

Música grega de intervenção

Melhor dizendo, de resistência. A Grécia sempre teve grandes compositores e continua a ter na pessoa de Alkinos Ioannidis.

A letra original desta cantiga épica sobre a violência policial.pode ser encontrada aqui. A tradução automática para inglês funciona razoavelmente.

Hoje em Atenas luta-se nas ruas, em memória dos que caíram a 17 de Novembro de 1973 na luta contra a ditadura, agora que um homem da Goldman Sachs assumiu o governo helénico.

Por cá mais 1100 bastonadas vão ser contratadas e António Borges já está disponível. É a democracia moderna, estúpidos.

%d bloggers like this: