Corsários da Barbária


Torre des Savinar, Torre del Pirata o Torre de Xescu Prats, Ibiza, Islas Baleares.Photo Coke Ruiz

Torre del Pirata, Ibiza . foto Coke Ruiz

Desde o declínio do Império Romano que os piratas Norte Africanos, conhecidos como piratas da Berbéria ou da Barbária, termo derivado da designação dada pelos romanos ao troço Ocidental da costa do Magrebe, atacavam navios mercantes e povoações costeiras mal defendidas, de forma indiferenciada, e buscando apenas o saque que daí obtinham. A partir do século XII a actividade dos piratas da Barbária ganha outros contornos, já que passa a integrar-se no contexto da guerra entre muçulmanos e cristãos, com o início dos ataques aos navios que transportam os cruzados para a Palestina e ataques às próprias povoações costeiras que lhes dão apoio.

Esta alteração legitima a sua actividade perante as autoridades do Norte de Africa e os piratas passam a ser considerados como corsários. As conquistas cristãs no século XIII no Al-Andalus e os êxodos de populações que se lhes seguiram, concretamente nos séculos XV e XVII, com a conquista do Reino de Granada, o estabelecimento da inquisição e a expulsão dos mouriscos, são a principal fonte de recrutamento para a actividade corsária ou corso.

De facto, a guerra aos cristãos levada a cabo pelos Andalusinos acaba por se transferir para o mar, estabelecendo-se muitos dos expulsos em núcleos costeiros de Marrocos, que se tornam autênticos “ninhos” de corsários que atacam permanentemente os navios e as costas da Ibéria.

02

Vista de satélite do “Mar das Éguas” e Estreito de Gibraltar

Em primeiro lugar importa distinguir o pirata do corsário. Enquanto o pirata é um fora da lei, que ataca e saqueia para seu benefício próprio, o corsário cumpre um objectivo político, actuando como uma espécie de guerrilheiro do mar, que apesar de obter lucros com a actividade que desenvolve, assume um papel muito importante no âmbito da política externa do país que serve. Abrigava-se num local que lhe era autorizado e a sua acção era reconhecida pelos governantes, através da concessão de uma “carta de corso”, repartindo com eles o produto do seu saque. A sua actividade não se resumia ao ataque a navios, mas também a incursões terra a dentro, onde não só pilhavam as regiões costeiras, como raptavam as populações para as escravizarem.

A entrada em cena dos corsários turcos, após a integração da Argélia no Império Otomano, vem dar uma nova amplitude à actividade corsária, já que a enquadra no âmbito das pretensões turcas de conquista da Europa e a generaliza territorialmente no Mediterrâneo. Este protagonismo dominante dos turcos no corso originou que a designação dos corsários Norte Africanos fosse muitas vezes a de “corsários turcos”, nomeadamente para os ingleses, que ainda hoje se referem a qualquer eventual ameaça às suas costas como “o perigo turco”.

Para nós portugueses, as designações que prevaleceram foram as de “corsários da berbéria ou da barbária”, “corsários berberes” ou “corsários mouros”. Daí a designação “anda mouro na costa”, utilizada quando algo corre mal, que convém não confundir com a expressão “anda moura na costa”, cujo significado é por demais conhecido.

03

O “chebec” ou “Xaveco”, um dos barcos muito utilizados pelos corsários mouros

Os desertores cristãos também são uma fonte de recrutamento para o corso, com a particularidade de transmitirem aos muçulmanos um grande número de conhecimentos em termos de técnicas de navegação que estes não detinham até aí. Por exemplo, é devido aos corsários de origem europeia que os turcos abandonam no século XVI as galeras a remos e adoptam os barcos de menor calado com vela latina, mais rápidos e facilmente manobráveis.

Os navios utilizados pelos corsários eram pequenos e rápidos, movidos tanto a remos como à vela e estavam equipados com canhões. Apesar de o corso no Atlântico só operar geralmente entre Abril e Outubro, tendo em conta que estes navios não suportavam as condições rigorosas do Inverno na região, há notícia que frequentemente atacavam os Açores, a costa Sul de Inglaterra e terão mesmo chegado à Islândia.

Normalmente o produto do corso era dividido da seguinte forma _ 10% para a autoridade da cidade, 45% para o armador do navio e 45% para a tripulação. Ironicamente, a maior parte das mercadorias roubadas aos europeus eram vendidas na Europa, principalmente no mercado italiano.

04

Venda de uma escrava europeia num mercado de Argel

Mas a grande actividade associada ao corso era o tráfico de escravos. Pensa-se que entre os séculos XVI e XIX os corsários tenham feito prisioneiras cerca de um milhão de pessoas em diversos países europeus.Os corsários procuravam geralmente cobrar os resgates no momento da captura, evitando o transporte dos cativos. Para isso mantinham-se nos locais de aprisionamento durante alguns dias, promovendo o pagamento dos resgates por familiares. Os reféns levados para o Norte de Africa tinham sorte diferente. Os mais ricos eram muitas vezes salvos após alguns anos de cativeiro, muitas vezes pelos chamados alfaqueques, profissionais do resgate de prisioneiros. As mulheres jovens eram rapidamente vendidas para os haréns. Quanto aos mais pobres, acabavam invariavelmente nos trabalhos forçados ou nas galés como remadores, onde o tempo de sobrevivência era muito reduzido.

Só em Argel, no auge da actividade dos corsários, ou seja, em meados do século XVI, estima-se em mais de 20.000 o número de europeus prisioneiros nas masmorras da cidade. Tetuan, Meknés e Salé ficaram também conhecidas como importantes centros de aprisionamento e venda de escravos.

As Masmorras de Tetuan

Os prisioneiros portugueses da “Guerra do Corso” eram muitas vezes encarcerados nas Masmorras de Tetuan, uma prisão criada num complexo subterrâneo formado por um conjunto de grutas naturais situado por baixo do Monte Dersa, onde assenta a Medina e o Ensanche da cidade. Conhecidas pelo nome de Mtamar, termo Árabe que significa “lugar de enterramento”, as Masmorras são de tal forma extensas e labirínticas que não se conhece a direcção e extensão das suas galerias. Os acessos ao seu interior encontram-se actualmente encerrados.

A origem das Masmorras de Tetuan remonta aos finais do séc. XV e inícios do séc. XVI, quando Sidi Ali Al-Mandari e os refugiados de Granada se instalaram na cidade, assumindo um papel importante como principal lugar de concentração e venda dos cativos ibéricos nos séc. XVI e XVII. “Das actividades bélicas e comerciais dos primeiros habitantes de Tetuan do século XVI nasceu um importante mercado de escravos. Neste contexto, as masmorras deram origem a um serviço público necessário que formou parte do sistema económico da cidade.” (BENABOUD, 2010, página electrónica citada)

Habs Qara

Habs Qara ou Prisão de Qara . foto Irene Spadacini

Outra masmorra célebre em Marrocos é a Prisão de Qara ou Habs Qara, prisão subterrânea construída por Moulay Ismail na cidade de Meknés. Foi projectada por um arquitecto português chamado Cara, que trocou o projecto pela sua liberdade. É também conhecida por Prisão dos Cativos Cristãos e estima-se que só no século XVII terão lá estado cerca de 50.000 prisioneiros.

A Habs Qara é um imenso labirinto que se desenvolve num raio de cerca de 7 km e se estende por debaixo de toda a cidade de Moulay Ismail. Com o terramoto de 1755 grande parte arruinou-se. O acesso ao seu interior faz-se actualmente apenas a uma zona muito restrita, por razões de segurança e controlo, já que é um espaço demasiado extenso.

Os prisioneiros de Qara eram utilizados como escravos nas obras de Moulay Ismail. Uma das suas tarefas era trazer mármore da cidade romana de Volubilis, que foi muito destruída nesse período.

05

Khayr Ad-Din Barbarossa ou Khayr Ad-Din Pacha

Khayr Ad-Din Barbarossa e seu irmão Aroudj Rais são talvez os mais célebres corsários da história. De origem turca, estabelecem-se em Argel, sob a protecção do Império Otomano, cuja soberania garantem na região. A sua actividade era sobretudo a de capturar populações e vendê-las como escravas, e o seu raio de acção ia desde o Mediterrâneo ao Mar do Norte. O número de cativos que aprisionavam era em muitos casos enorme, como são exemplo os 9.000 prisioneiros feitos em Lipari ou os 4.000 prisioneiros feitos na ilha de Ischia.

O título Rais ou Reis, derivado do Árabe “raís” ou “presidente”, era atribuído geralmente aos chefes corsários, casos de outros corsários famosos como Turgut Rais, Soliman Rais, Salah Rais “cabeça de fogo” ou Murad Rais.

403px-Arudsch-barbarossa

Aroudj Barbarossa, Aroudj Rais ou Baba Aroudj (Papá Aroudj), irmão mais velho de Khayr Ad-Din

A actividade dos irmãos Barbarossa preocupava tanto a coroa espanhola como a portuguesa:

No ano de 1517 a frota de Aroudj Barbarossa encontra-se sediada em Larache. Larache era um porto seguro para o corso da berberia, onde os navios eram abastecidos e reparados. A importância estratégica deste porto está patente na afirmação de Felipe II de Espanha, quando diz que “a cidade de Larache valia mais sozinha que toda a Africa”.

“Em 1517 o célebre corsário turco Barba Roxa percorre o Estreito com catorze navios de remos. Contra esta armada envia o Rei de Castela uma poderosa frota que no entanto não consegue capturar o famoso pirata turco. Este divide os navios, indo parte para Larache e outra para Argel. A intervenção espanhola e esta fuga para Larache vão assumir uma importância fundamental no desenrolar da actividade marítima da região. A primeira vem dar consistência às crescentes preocupações dos monarcas espanhóis para com a segurança das suas costas. O segundo facto transformou Larache num grande porto de piratas que em muito prejudicaram as ligações de Portugal com o Norte de África. Toda esta actividade corsária terá sido um dos motivos que levou D. Manuel a prover esta região com uma armada permanente. É a partir da sua criação oficial, em 1520, que a actividade naval portuguesa toma foros mais consistentes.” (GODINHO, 1998, pág. 122)

Sayyida Al-Hurra

Sayyida Al-Hurra, a “Senhora Livre”

Aicha As-Sayyida Al-Hurra Ibn Banu Rashid Al-Mandari Al-Wattasi, Hakima Tetuan foi a mais célebre de todas as corsárias do Magrebe. De origem Andalusa, nasceu em Granada por volta do ano 1485 no seio da família Banu Rashid. Após a queda do Reino de Granada estabelece-se com a sua família em Chefchauen. no ano de 1492, cidade da qual o seu pai foi qaid. Aos 16 anos casa-se com o sultão de Tetuan, Mohamed Al-Mandari e após a morte deste torna-se governadora  ou hakima da cidade. Pouco tempo depois casa-se com o Rei de Fez Ahmed Al-Wattasi, não abdicando do governo de Tetuan, que manteve durante 30 anos.

As-Sayyida Al-Hurra nunca esqueceu a humilhação de ter sido forçada a abandonar Granada e torna-se uma temida corsária que ataca sobretudo os navios portugueses que faziam a rota Lisboa-Lagos-Ceuta. Aliada de Khayr Ad-Din Barbarossa e do seu irmão Aroudj, com quem dividiu o domínio do Mediterrâneo, foi uma activa negociante de captivos da guerra do corso, negócio com o qual ganhou um poder imenso, dizendo-se que “comandava milhares de navios”.

06

Jan Janszoon van Haarlem, Jan Janz, Capitão John, aliás Murad Rais, o “Grande Almirante”

Outro corsário célebre foi Murad Rais. De nome Jan Janszoon, nasceu em Haarlem, na Holanda, quando o seu país estava ocupado pelos espanhóis. Ingressa na marinha e é capturado por corsários muçulmanos nas ilhas Canárias. É levado para Argel, onde se converte ao Islão e toma o nome de Murad Rais, ”o jovem”. Adere ao corso e escolhe Salé como sua base, da qual se torna governador. Entre 1619 e 1627 é eleito Presidente da chamada “República do Bouregreg” e entre 1640 e 1641 é Governador de Oualidia. Dos seus feitos contam-se um raid à Islândia e vários ataques a Inglaterra. Foi o mais famoso de todos os “Salé Rovers”.

Outros nomes de corsários mouros famosos são os de Hassan Corso, Cacchi “o diabo”, Hassan Português e o célebre Esnarigado ou Desnarigado, muito activo na zona de Ceuta.

Forte do Desnarigado

O Forte do Esnarigado ou Desnarigado na Península Almina

Segundo a lenda, o Esnarigado era um corsário berbere assim chamado porque tinha o nariz cortado, já que era um antigo escravo fugido das minas do Rif, onde os escravos eram marcados pela mutilação.

Em 1417 estabelece-se na zona de Ceuta, onde leva a cabo importantes acções de captura de soldados e pescadores portugueses.  No dia 6 de Maio desse ano desembarcou na praia do Castelejo, localizada nas imediações do Castelo Metene, e aprisionou a guarnição portuguesa que o ocupava. O episódio é narrado na Crónica do rei D. João II de Ruy de Pina, que descreve a incursão do Esnarigado à Praia do Castelejo em três fustas, não sendo claro se os cativos portugueses estavam no Castelo de Metene (ou do Desnarigado) ou se foram aprisionados junto à Porta de Almina por terem saído imprudentemente para pescar.

Alguns defendem que a patir daí a sua base passou a ser o agora chamado “Castillo del Desnarigado”, onde terá supostamente aprisionado os portugueses, facto que não parece muito credível, já que não o conseguiria manter face ao poder dos portugueses instalados em Ceuta. A sua actividade acabou com a sua captura nesse ano de 1417.

O actual “Castillo del Desnarigado” foi construído pelos espanhois no séc. XIX em estilo neo-medieval, sobre as ruínas do forte português do séc. XVI, por sua vez construído sobre uma fortificação árabe do séc. X.

07

Abdelouahed Ben Messaoud, embaixador de Marrocos na corte de Isabel I

A actividade dos corsários, enquanto actividade assumida pelos próprios estados que servem, é também enquadrada ao nível da política externa, dando origem a tratados e acordos e acompanhada pela troca de representantes diplomáticos.

Durante o período da ocupação espanhola de Portugal e da guerra entre Espanha e a Inglaterra pelo domínio do comércio no Atlântico, ingleses e marroquinos celebram uma aliança com implicações políticas e económicas. Esta aliança vem reforçar a actividade do corso junto da costa portuguesa, e origina a troca de embaixadores entre os dois países. Abdelouahed Ben Messaoud será o primeiro diplomata de Marrocos a permanecer em Londres, a partir do ano de 1600.

08

O almirante Hajj Abdelkader Perez

Outro embaixador de relevo foi o almirante marroquino Abdelkader Perez, que cumpriu funções diplomáticas em Londres entre 1723 e 1737. Como o nome indica, provinha de uma família de origem andalusa. Não se podendo falar da existência de uma marinha de guerra de Marrocos, o título de almirante era conotado com a sua origem de corsário. A aliança anglo-marroquina foi decisiva em determinados períodos, assegurando a presença da armada inglesa na defesa de portos de Marrocos e também na resolução de conflitos entre os próprios corsários mouros.

praças e bases corsarias

Praças-fortes e fortalezas portuguesas e principais bases de corsários em Marrocos

A relação dos corsários mouros com as cidades da costa Atlântica de Marrocos sempre foi evidente e o corso foi sem dúvida uma das razões que impeliu Portugal a estabelecer-se na região.

David Lopes refere as inegáveis vantagens que as praças de Marrocos prestaram na luta contra o corso, como foi o caso de Ceuta. “Desde então Ceuta foi padrasto dos mouros. A cavaleiro do Mediterrâneo e do Estreito, vigiava essa navegação inimiga, e impedia-a muitas vezes, ao mesmo tempo que protegia a outra navegação cristã entre o Mediterrâneo e o Atlântico. O benefício geral que daí resultava era muito grande e Portugal prestava um inestimável serviço à navegação europeia.” (LOPES, 1989, pág. 9)

Apesar de Larache se afirmar como a grande base do corso no Norte de Marrocos, e merecer da parte de Portugal a correspondente importância, é em Rabat-Salé que os corsários afirmam todo o seu poder, ao ponto de se constituírem numa república independente entre os anos de 1627 e 1668, que ficou conhecida pelo nome de “República do Bouregreg”, nome do rio que separa as duas cidades.

corsarios

Corsários

Do lado português, a actividade corsária era uma prática corrente desde o reinado de D. Dinis, que criou a primeira esquadra de guerra portuguesa comandada pelo almirante Manuel Pessanha e que operava no chamado “Mar das Éguas”, correspondente à zona marítima situada entre o Sul de Portugal e as costas Atlânticas da Andaluzia Espanhola e Norte de Marrocos. Mas foi sobretudo com o infante D. Henrique que a prática do corso se generaliza e se torna um instrumento eficaz e rentável da luta pela hegemonia naval e controlo das rotas marítimas nos mares a Sul de Portugal.

“A conquista de Ceuta, em 1415, permitiu reforçar a capacidade operacional portuguesa neste âmbito, sendo conhecidas as missões corsárias confiadas a armadas que largavam daquele porto marroquino e estavam sob a dependência do capitão da fortaleza, D. Pedro de Meneses, bem como dos infantes D. Pedro e D. Henrique, os quais gozavam de licenças expressas da Coroa para o efeito. O espírito corsário acabou mesmo por presidir à génese dos Descobrimentos, uma vez que as tripulações sucessivamente enviadas pelo infante D. Henrique, a partir de 1422, para tentar dobrar o Cabo Bojador compensavam invariavelmente o fracasso geoestratégico através do cometimento de assaltos à navegação muçulmana.” (PELÚCIA, 2014, página electrónica citada)

Bibliografia:

BENABOUD, Mhammad. “Las Mazmorras de Tetuán”. Associación Tetuán Asmir, 2010

DAN, Pierre. “Histoire de Barbarie et de ses corsaires”. Broché. Paris (1637) 2014

GANDIN, Jehanne Marie. “La remise de Larache aux Espagnols en 1610”. in Revue de l’Occident musulman nº7, 1970

GODINHO, Rui Landeiro. “A Armada do Estreito de Gibraltar no século XVI”. Actas do Colóquio Vasco da Gama os Oceanos e o Futuro. Escola Naval, 23 a 27 de Novembro de 1998

LOPES, David. “A Expansão em Marrocos”. Editorial Teorema, Lisboa, 1989 (Publicação original BAIÃO, António, CIDADE, Hernâni e MURIAS, Manuel . “História da Expansão Portuguesa no Mundo, 3 vols. Editorial Ática. Lisboa, 1937)

MAZIANE, Leïla. “Salé et ses corsaires, 1666-1727: un port de course marocain au XVIIe siècle”. Université de Rouen Havre, 2007

PELÚCIA, Alexandra. “Corsários e Piratas Portugueses”. Aventureiros nos Mares da Ásia, Lisboa, Esfera dos Livros, 2010

PELÚCIA, Alexandra. “Corso Português”. Temas e factos. FCSH.Universidade Nova de Lisboa. 2014. http://www.fcsh.unl.pt/cham/eve//content.php?printconceito=1195

SRHIR, Khalid; WILLIAMS, Malcolm; WATERSON, Gavin. Britain and Morocco during the embassy of John Drummond Hay”. 1845-1886

O meu agradecimento a Ashraf Benkaddour pelas suas preciosas pistas

Comments

  1. quem sou eu??

    .. este artigo está excepcional.. e nos dias a correm a um preço acessivel

    parabéns..

    ……

    não sendo da minha área, costumo brincar..

    nós Portugueses .. ou lá o que somos,, somos de brandos costumes… somos o resultado de tudo o que foge… até que chega ao mar e já não tem para onde ir … “amoucha” , aceita a escravatura e canta o fado.. quando é obrigado desenrrasca-se e normalmente vence .. sem saber porquê..
    (descobrimentos, soldado milhões .. Fernando Mamede, José Saramago ou Souto Moura)

    Quando emigram .. esquecem logo as origens e passados 15 dias já estão a falar estrangeiro esquecendo a sua lingua… e misturam-se , ao contrário de outras raças.. diz-se que Deus fez o Homem e o Português fez o mulato .. e os mais maus .. um determinado tipo de cabra… mais conhecido por “cabrão”

    bem mas estes cabrões … as nossa caravelas .. depois de anos no mar .. depois de centenas de mortos.. quando estavam mesmo a chegar a Lisboa.. vinham os piratas Ingleses e Holandeses..

    roubavam todas as especiarias e riquezas… e afundavam as casacs de nós .. com todos os valorosos marinheiros a bordo…

    normalmente só se safavam os cabrões—que eram depois galardoardos pelo rei… com um titulo qualquer…

    ENTRETANTO NÃO SE PAGAVAM OS SOLDOS OU LÁ COMO SE CHAMAVA — AOS DESGRAÇADOS DOS VERDADEIROS HEROIS–

    caros amigos .. isto é válido para a Monarquia , ou para a republica .. para a esquerda ou para a direita– para os cristão ou para os muçulmanbos..

    se não houver valores e respeito e dignidade — nada vale a pena

  2. rui esteves says:

    Bom artigo. Aprendi muito — por exemplo, a localização das praças fortes portuguesas em Marrocos que eu sempre imaginei viradas para o Mediterraneo e muitos outros pormenores que desconhecia. Parabéns ao autor.

    • José Rodrigues says:

      Ceuta está virada para o Mediterrâneo… bem como algumas outras (Alcácer Ceguer, Tanger), mas depois a expansão deu-se ao longo da costa africana..

      • Frederico Mendes Paula says:

        Ceuta, Tânger e Alcácer Ceguer eram acima de tudo praças situadas no estreito de Gibraltar (se quisermos precisar em termos geográficos Tânger até já está situada no Atlântico). E o controlo da navegação no estreito tinha uma importância estratégica fundamental porque permitia controlar os movimentos dos navios entre os dois mares numa pequena área. Isto era fundamental não só para a protecção dos navios mercantes portugueses, como para a própria defesa da costa portuguesa dos ataques dos corsários argelinos e turcos. Por outro lado esse controlo permitia aos corsários portugueses desenvolver a sua actividade com grande apoio logístico. O estreito de Gibraltar constituía ainda a ligação principal entre o Reino de Granada e Marrocos e o seu controlo enfraquecia directamente a capacidade de auxílio entre esses dois reinos.
        Mas é evidente que para Portugal a costa Atlântica era o objectivo principal _ era ao longo dela que a expansão portuguesa se processava e era aí que se tornava necessário criar bases de apoio logístico às embarcações que faziam a rota do Cabo.

  3. faltaram os piratas líbios exterminados pelos americanos no início do XIXº e os piratas tunisinos que assolaram o mediterrâneo central

    e de resto argel sempre teve uma preponderância maior do que as restantes baías do norte de africa

  4. Como sempre, um excelente artigo! Obrigado.

Trackbacks

  1. […] por razões estratégicas, já que asseguravam a navegabilidade das naus livre das pilhagens dos piratas norte africanos, garantiam a segurança do Sul de Portugal contra possíveis ataques do reino de Fez e asseguravam […]

  2. […] vice-rei de Granada, quando fez escala em Arzila por motivo de se encontrar em perseguição do corsário Khayr Ad-Din Barbarossa. Nessa ocasião o capitão de Arzila D. João Coutinho fez-lhe uma demonstração do estado de […]

  3. […] vice-rei de Granada, quando fez escala em Arzila por motivo de se encontrar em perseguição do corsário Khayr Ad-Din Barbarossa. Nessa ocasião o capitão de Arzila D. João Coutinho fez-lhe uma demonstração do estado de […]

  4. […] se terem dedicado a um comércio intenso com a Escandinávia, as suas acções no Al-Andalus foram actos de pura pirataria, já que não tinham como perspectiva nem a colonização, nem tão pouco o estabelecimento de […]

  5. […] com recurso ao frete de embarcações de carga a Castela e Aragão, não dispondo o país de uma armada preparada para apoiar eficientemente as tropas na batalha. No final, armada que saiu de Portugal […]

  6. […] estreito de Gibraltar, com uma situação geográfica que a tornava facilmente defensável, base da guerra de rapina de corsários e de apoio ao Reino de Granada, Ceuta era principalmente um importante entreposto comercial, que […]

  7. […] a fim de assegurar uma posição estável para o apoio às frotas portuguesas que faziam a rota da costa Africana. O objectivo era “concentrar forças numa fortaleza roqueira construída do zero segundo os […]

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s