Você é excepcional

Se você

  • não trabalha na TAP nem na CGD,
  • nem no Banco de Portugal ou na ANA,
  • se não faz pare da administração da RTP-SA nem dos quadros EMPORDEF,
  • se não labora nos CTT, nem nas Águas de Portugal nem na CP Carga,

então parabéns, você é a excepção que vai pagar o buraco. Dizem que nestas empresas não haverá cortes salariais para evitar a fuga de quadros. Fuga para onde? Para as empresas onde os salários serão cortados, obviamente.

Comments

  1. palavrossavrvs says:

    Eu sinto-me parvo, ao olhar as invenções fiscais que me vitimaram nos últimos seis anos. Fui literalmente ESMAGADO aí, quando menos rendimentos tive, e apesar de ter sido sempre pobre, um professor pobre e selvaticamente empobrecido, especialmente depois que fui pai duas vezes.

    Agora com mulher, duas filhas pequenas e seiscentos euros de vencimento, metade dos quais para pagar metro e alimentação, lamento dolorosamente não ser desses bem-aventurados da TAP, da CGD, do Banco de Portugal, da ANA, da administração da RTP-SA, dos quadros EMPORDEF, dos CTT, das Águas de Portugal, da CP Carga.

    Ora, foda-se, minhas filhas e tu, minha pobre mulher, hoje ficamos a pão e água! O lombo é todo para aqueles senhores.

  2. Carlos Sequeira says:

    Não entendo a embirração de alguns contra os trabalhadores da CGD, passando ao lado dos outros bancos.
    A CGA é uma SA, em que o único accionista é o Estado, e NÃO depende do OGE. Os cortes aos trabalhadores da CGD não são assim uma redução na despesa do Estado, mas sim uma redução na receita, pelo IRS não cobrado.
    Não ouvi lamentos quando nos levaram o Fundo de Pensões, há alguns anos. Dividido por todos, FPs e não FPs, teria sido mais suave aos trabalhadores da CGD, não é?
    Por que não questionar todos as profissões que recebem parte do salário por baixo da mesa, isto é, em géneros? Por que não ir atrás daqueles que fogem ao pagamento de impostos? Ora bolas, eu até pago IRS sobre tudo o que ganho, e não tenho actualizações de vencimento há anos, apesar da inflação, ao contrário dos meus colegas de outros bancos.

  3. jorge fliscorno says:

    Tem razão na reclamação, Carlos. Eu próprio, em 2008, não sendo funcionário público mas estando numa empresa participada pelo estado vi a minha remuneração diminuída em um terço. Se era uma empresa que não dependia financeiramente do OGE, pensava eu, porque nos estão a fazer isto? Achei injusto. E neste Natal? Eu que agora estou numa empresa 100% privada, porque razão vi o meu subsídio de Natal cortado? Em nada contribuiu para a saúde das contas do estado. Pelo contrário, até entraram menos impostos. Também achei injusto.Mas mais injusto, ainda, é quando as exepções começam a ser regra.


  4. Faltam os privados, os Mexias, os deputados, os policias, os ministros e demais pessoas de bem.

  5. maria celeste ramos says:

    Falta de fecto TODOS os que ficam com o que nos TIRAM – muitos a quem é tirado – muito poucos a quem é MUITO ACRESCENTADO

Trackbacks


  1. […] pelo governo para gerir as outras empresas da defesa, terá direito de excepção. Lá está, você é excepcional. partilhar: Esta entrada foi publicada em política nacional, com as tags cortes salariais, PSD. […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.