Página de Diário III

 

(foto: Hugo Correia/Reuters)

A mulher, com seus bonitos oitenta anos, cabelo muito curto, brincos, camisola de gola alta,  ocupava o canto mais escondido do estabelecimento onde costumo tomar café. Sobre a sua mesa, não vi marcas de pequeno-almoço. No lugar da chávena e do prato, folhas soltas, muitas, manuscritas, espalhadas também sobre as cadeiras ao seu lado, num certo caos caseiro. Um livro aberto completava o quadro, tão real quanto a foto acima. Seria um dicionário?

Levantou-se. Voltou à mesa com o Jornal de Notícias. Movia-se como se estivesse na sua própria casa… Pousou-o dobrado sobre as suas coisas. Ficou a olhar para os títulos da primeira página da edição de ontem. Entretanto, outros clientes esperavam a oportunidade de agarrar o mesmo jornal que sabe bem ler de graça enquanto se toma o café.

Aquela senhora não estava com pressa alguma. Continuava na primeira página do jornal ainda dobrado como se mais nada existisse à sua volta, com todo o tempo do mundo. Estaria interessada na Greve Geral?

Não tive tempo de saber o que dizia o tal diário. Nem esse nem nenhum outro: um dia de muito trabalho. Ainda por cima, coisas que não podia adiar para outro dia nem fazerem outros por mim.

Bebi o café ao balcão e fui trabalhar, pensando nela. Matutando no que aquela mulher pensa disto tudo …

Comments


  1. a vida vale exactamente por tudo aquilo que sai do ordinário e nos leva…onde a nossa cabeça e o nosso coração se encontram…que experiência fantástica essa! e que texto maravilhosamente doce para uma imagem tão dura!

    obrigada!

  2. Céu Mota says:

    Eu é que agradeço a doçura do seu comentário, Lazy Cat!


  3. Uma excelente imagem de um momento unico.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.