As turmas de Nuno Crato

Nuno Crato ainda não tinha feito nenhum disparate notável. Arrependeu-se. Uma turma com 26 alunos é uma aberração. Com 30 nem quero imaginar, sendo certo que poucas escolas dispõe de salas com espaço para tanta gente, a menos que se parta para soluções criativas: alunos de pé, alunos sem carteira ou alunos às cavalitas de alunos.

Tanta conversa com o rigor e a aprendizagem destruída  num instante. A qualidade do ensino vai-se degradar no próximo ano lectivo a níveis que farão inveja a Maria de Lurdes Rodrigues.

Já agora, espero que o mesmo número seja imposto nos colégios privados que são subsidiados à turma. O sol quando se põe é para todos.

Comments

  1. Jorge Patrício says:

    Quando frequentei o Liceu as turmas tinham geralmente 40 alunos. Por vezes mais. Mas não foi por isso que deixámos de aprender, bastante mais do que se aprende agora. Claro, tínhamos a desvantagem de viver sob um regime opressor, que dava aos professores a autoridade de marcar falta disciplinar e até, imagine-se, a liberdade de pôr no olho da rua um desmiolado que perturbasse o funcionamento da aula.
    Felizmente, os tempos mudaram. Embora, nós, os antigos, tenhamos alguma dificuldade em nos adaptar. No meu caso, por exemplo, continuei a pagar com os meus impostos a escola pública que por sinal ficava do outro lado da rua, mas optei por pagar também a escola privada, a vários quilómetros de casa, onde fui colocar os meus filhos para evitar que convivessem com os orangotangos que andavam à solta na escola pública.

  2. Maria says:

    Tb tenho um filho num colégio privado e pago bastante , os resultados realmente são muito bons, mas tb há orangotangos,porque estes tb existem nas classes privilegiadas

  3. patriotaeliberal says:

    #0,

    LOL

    Sempre teremos os exames para fazerem a diferença! LOL!!!!!!

  4. Tito Lívio Santos Mota says:

    Eu tive a desgraça de frequentar o Liceu Camões onde as turmas eram de 35/37 alunos.
    Como a ordem alfabética me punha ao lado da porta (que ficava aberta verão como inverno…), o aproveitamento que tive no tal Liceu “Normal” ficou tão excelente que foi a única vez que chumbei na minha vida.
    Depois fui para Vila Franca de Xira (que tinha aberto entre tanto), onde as turmas não ultrapassavam os 30.
    (…)
    Digamos que conheço a diferença.

    Dou aulas e já dei a 40 e até 46.
    Prefiro nem comentar os resultados…

    Há sempre quem se safe. O problema é quem não se safa.
    E é nesses que temos que pensar, para além de pensar em tudo o que o tal que se safou não aproveitou por via de tais condições.

    No século XIX a escolaridade tinha duração “elástica” como “elásticos” eram os seus horários.
    Será que também vamos voltar a isso, só porque havia quem se desenrascasse? (la estou eu a dar más ideias ao governo, se me lê…)

  5. Tito Lívio Santos Mota says:

    O Crato(ino) não ia acabar com o eduquês????

    Como todos os predecessores juntou-lhe apenas mais uma camada de chico-espertês.

  6. Afonso Jorge says:

    Mas que é que estavam à espera?
    O Cratinho não era companheiro de carteira do Medina?

  7. Jota says:

    Nâo há dinheiro.


  8. Há, há. Pergunte ao Amorim.

Trackbacks


  1. […] alunos de uma turma pós-Crato vão para a escola de comboio; o maquinista, claro, ganha mais de 50 mil euros por ano! […]


  2. […] José Cardoso, no Aventar, April 14, 2012 at 08:00AM Partilhe:Gostar disto:GostoBe the first to like this […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.