Número de alunos por turma – contributo para baralhar

O Ministério da Educação e Ciência decidiu aumentar o número de alunos por turma:

“5.3 — As turmas dos 5.º ao 12.º anos de escolaridade são constituídas por um número mínimo de 26 alunos e um máximo de 30 alunos.”

A experiência mostra que tirando uma ou outra escola onde o Director recorre a meios menos formais de manter as turmas em números aceitáveis, está bom de ver que a referência vai mesmo ser as três dezenas.

Os lugares comuns dos mais velhos viajam na máquina do tempo e ” no meu tempo também eram 30 e eu aprendi”. Pois, e quantos reprovaram? E quantos ficavam para trás? Quantos passavam do 1º ciclo? Os lugares comuns do comentador Nuno Crato também vão muito neste sentido.

Seria mais justo que o Governante de modo transparente fizesse ver ao Povo que aumentar o número de alunos nas turmas não é uma medida pedagógica. É só financeira e que, logo que possível (fim da presença da TROIKA?), voltaria atrás. Isto seria de político, mas disso, o Comentador Nuno Crato tem pouco, para não dizer nada.

Depois há as referências às turmas do mundo Asiático (Coreia, China, Malásia, Japão) como se as diferenças culturais, em particular a relação com a autoridade e com o reconhecimento da idade e da experiência (por exemplo do professor) como factores decisivos para a qualidade do trabalho a realizar.

Para dar a volta à questão sem a remeter para o campo das imbecilidades sugiro que o MEC permita que as escolas se organizem de modo a criarem as turmas que entenderem, com o número de alunos que definirem, desde que não passem a média definida pelo governo.

Sim, é isso mesmo que acabou de ler. O MEC define um número, mas depois cada escola organiza-se como entender. Em alguns casos 30 alunos pode ser razoável, como haverá situações em que 20 é manifestamente excessivo. Deixem é para as escolas a decisão, grupo a grupo, caso a caso. É a tal autonomia que todos falam, mas ninguém, de facto, deseja…

Comments


  1. Ensino básico, 30 por turma vai dar asneira. Estamos a preparar a segunda geração falhada no nosso país. No secundário frequentei uma turma de 16 e depois 15 numa escola pública, luxos dos anos 80…

  2. chatice_tuga says:

    O Sistema De Ensino Em Portugal!
    Maria do Carmo Vieira corta a direito…
    http://www.youtube.com/watch?v=b8utB7kwnhk

    Maria do Carmo Vieira diz o que me apetece dizer
    http://aventar.eu/2012/04/18/maria-do-carmo-vieira-diz-o-que-me-apetece-dizer/

    “A maior parte dos peritos são uma nulidade, vêm-me impingir coisas que não são debatidas, que não discutem comigo, não vou admitir que uma pessoa em sociologia ou em psicologia me venha dizer como é que eu vou leccionar a Literatura ou o Português, porque eu também não me vou meter com a área dela”.

    Os factos em retrospectiva histórica, aqui neste fabuloso testemunho.
    Charlotte Iserbyt: The Secret History of Western Education & Scientific Destruction of Minds

Trackbacks


  1. […] intervenção. Mas, sobre o impacto do número de alunos por turma já escrevi uma vez, e o outra e outra […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.