Quem não pecou que atire a primeira pedra

E ontem alguns manifestantes fartaram-se de não pecar.

Comments

  1. JotaB says:

    Eu poderei ser um dos próximos a ir para a frente da assembleia da república…
    Só não estive lá ontem porque resido a mais de 100km de Lisboa.
    Os nossos filhos merecem um futuro digno.
    Esta gentalha (os políticos) terá que ser responsabilizada.

  2. JotaB says:

    Eles não aprendem nada
    Por Vítor Belanciano
    “São pessoas crispadas, com as veias do pescoço dilatadas de gritar irados, à beira do desespero” (Miguel Manso)
    Não levei com bastonadas, mas ao meu lado, pais com filhos suportaram-nas. Não caí quando corria, em fuga, pelas ruas fora, mas vi quem caísse e fosse agredido violentamente pela polícia.

    Ler mais: http://www.publico.pt/Sociedade/eles-nao-aprendem-nada-1572610

    • jorge fliscorno says:

      Este artigo é muito interessante. Não destacaria essa parte, que me parece desculpabilizadora da violência, mas antes esta:

      «É uma tentação, a subida de tom dos manifestantes. Só não percebe quem não quer. Como forma de protesto, é discutível a sua eficácia. À violência do poder baseado na força deve responder-se com não-violência vigilante. A história mostra que quando um colectivo supera o medo sem violência, tende a unir-se mais, e a impor a sua vontade. O poder não está nos bastões, nem nas pedras, está na cabeça. Mas isso é a minha cabeça que pensa. »

      • JotaB says:

        Concordo plenamente.

        Limitei-me a transcrever a introdução do artigo, deixando o link para o mesmo.

  3. nightwishpt says:

    E por meia dúzia, Macedo dixit, sofrem mais de 120. Tem toda a lógica do mundo.
    Normalmente acontece pior a colaboracionistas, e qual é a frase? Quem usa a violência perde todo o respeito, não é?

  4. Maquiavel says:

    A meia dúzia que atirava pedras estava compacta e quase isolada. Se o objectivo fosse acabar com a desordem, seria facílimo parar com a “festa”, até porque já haviam 5 manifestantes feridos por causa das pedras.

    Mas o objectivo nunca foi parar com a arruaça da “tal” meia dúzia. Antes pelo contrário. De outro modo, nunca conseguiriam limpar a frente da Assembleia da República de milhares de manifestantes pacíficos, a coroar uma bem sucedida Greve Geral.

    • jorge fliscorno says:

      Segui muito de longe esse incidente, chamesmos-lhe assim. Suspeito que ambos os lados tiveram o que queriam. Uns queriam que a polícia abrisse à porrada e outros queriam abrir à porrada.

      • Maquiavel says:

        E pelos vistos os que queriam mais que a polícia abrisse à porrada eram os do Comando, como revelado pelo DN e Correio da Manhã, e denunciado pelo Sindicato da Polícia e Ordem dos Advogados.
        Isto num país a sério dava brado. Na chafarica tuga, é tudo normal, e quem levou bastonada ou foi preso tornou-se apedrejador, estivesse ou näo na manif.

Trackbacks


  1. […] encontrada no bordo do texto síntese que o Aventar coloca nos textos que nos edita. Frase que diz: Quem não pecou que atire a primeira pedra. E ontem alguns manifestantes fartaram-se de não […]


  2. […] o texto que escrevi ontem do Evangelho de João Apóstolo, Capítulo 8, versículo 7, que diz:  Quem não pecou que atire a primeira pedra. Acrescento no texto de ontem: E ontem alguns manifestantes fartaram-se de não pecar. Mais em […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.