Díalogos

Ursinhos de peluche.

Poupar na educação gastando mais

É preciso deixar a realidade estragar uma boa história

Sentir paz

Há dias, dei-me conta que tenho usado muito pouco a palavra «paz». Estava a fazer uma pequena oração com a minha filha de quatro anos quando, também, Lhe Pedimos pela Paz. A minha filha ouvia, talvez, a palavra pela primeira vez, porque me perguntou “O que é estar em paz?”. Demorei a dar-lhe uma boa resposta. Por fim, ficámos satisfeitas quando me ocorreu dizer que estamos em paz quando, por exemplo, estamos contentes uns com os outros. Depois de fechar a porta do seu quarto, veio-me à memória um parágrafo de Cidadela de Saint-Exupéry que gostaria de partilhar:

Meditei muito tempo sobre o sentido da paz. A paz tão-somente deriva dos filhos paridos, das colheitas arrecadadas, da casa enfim arrumada. A paz vem-nos da eternidade, em que ingressam as coisas acabadas, perfeitas. Paz dos celeiros cheios, das ovelhas que dormem, dos lençóis dobrados, paz que apenas da perfeição nasce, paz do que se torna oferenda a Deus, uma vez bem-feita.

Vivemos em paz. Temos a paz nas nossas vidas, a cada momento, e não sabemos dizer o que ela é (tal como acontece com o amor). E, pior, dar-lhe valor.

Poder – a mão direita

 

Voleibol Feminino – campeonato começa a aquecer

O campeonato de Voleibol Feminino continua e já se começa a evidenciar a força das quatro equipas com mais argumentos – neste momento o Castêlo, o Leixões, o Ribeirense e o Gueifães ocupam os 4 primeiros lugares. Se não houver surpresas, serão estas as 4 equipas que vão disputar a final four do título.

Este fim-de-semana, em Matosinhos, as Marias do Leixões têm jornada dupla:

– Sábado, 15h – Leixões / Belenenses;

– Domingo, 17h – Leixões / Castêlo.

A entrada é grátis.

 

Silicone (não) vale


Inês Aroso

O uso de silicone, principalmente no corpo feminino, é algo estapafúrdio. No entanto, as mulheres que aplicam estes extras, não se contentando com o material de série, só cometem semelhante estupidez porque querem agradar uns seres que vão em imitações: os homens.
Não sei o que é pior: o facto de haver homens que gostam de mulheres com silicone ou mulheres que põem silicone só para se tornarem mais apelativas para o sexo masculino. Uma coisa é certa: é evidente a diminuta capacidade masculina para distinguir o produto original do produto falsificado. Aliás, o interesse dos homens pelo efeito “silicone” é só mais uma prova em como é fácil as mulheres, quando querem, enganá-los…
Com a premissa “o que é natural é bom”, poderíamos lançar uma campanha publicitária contra o silicone. Tal e qual como os produtos biológicos, o que é natural faz melhor à saúde… Grandes, pequenas, rijas, moles, levantadas ou caídas, as “peças” naturais são sempre melhores (e nunca explodem, o que acontece às vezes com as de silicone)! Perguntar-se-ão: “peças”? Sim, peças… [Read more…]

Espaço 1999, umas décadas depois

Parece que os americanos se preparam para procurar água na lua.

Os institutos politécnicos poderão passar a leccionar cursos profissionais

O ensino politécnico, em Portugal, é um subsistema do ensino superior. Nos últimos anos, o número de alunos tem diminuído, o que constitui um problema cujas causas não serão difíceis de adivinhar, num país em crise.

Graças, muito provavelmente, a jogos de bastidores, que devem ter incluído queixas pungentes, Nuno Crato propõe que os institutos politécnicos passem a leccionar os cursos profissionais do ensino secundário, como uma das formas para resolver problemas de financiamento desses mesmos institutos. Segundo o ministro, essas instituições seriam necessárias ao país, ao contrário, depreende-se, dos milhares de professores que ficaram sem emprego, graças às muitas medidas tomadas pelo agora cavaleiro-defensor dos politécnicos.

Com a mesma mistura de leviandade e de desonestidade, Nuno Crato diz que os politécnicos “têm professores, instalações e conhecimentos que muitas escolas secundárias não têm”. É claro que não sabemos em que se baseia para fazer tais afirmações, mas a verdade é que isso não faz parte das suas preocupações.

Esta medida não visa melhorar o ensino profissional, como é evidente. Para além de colocar professores do ensino superior a dar aulas ao secundário, tarefas que exigem habilitações e competências diferentes, Nuno Crato irá contribuir para aumentar ainda mais o desemprego entre os professores do ensino básico e secundário, gente, pelos vistos, sem conhecimentos.

O adjectivo “vergonhoso” para qualificar o consulado deste ministro já é eufemismo.

Angela, chancelerina

Não vou receber-te de negro, porque, sinceramente, mulher, não mereces que eu me ponha de luto, que entristeça os meus dias e lance sobre eles a tua sombra de morcego hamburguês. Receber-te-ia, isso sim, com um punhado de bosta quente, perfumada com os aromas da terra, do trigo e da merda, que haveria de acertar-te em cheio na franja dourada de garnier nº 80, mas já sei que estarás entrincheirada, longe dos gritos e dos arremessos, nos gabinetes de janelas fechadas daqueles a quem não elegemos para que fossem teus serviçais, mas que a isso escolheram reduzir-se.

Angela, chancelerina, se viesses em paz eu podia levar-te à casa de modas Fernandes e Irmão, onde se vendiam saias-casaco dos que a ti te agradam, verde azeitona-de-martini, ombreiras exageradas, cortes quadrados, cintura muito subida, com a intenção falhada de favorecer bustos generosos e disfarçar ancas largas, mas também é certo que a loja fechou há pouco e nem os ciganos quiseram rematar o lote. Não importa, afinal, porque tu também não vieste em paz, a tua visita é parte da cedência que temos de fazer aos nossos amos. [Read more…]

PIB cósmico em crise

Até o Universo entrou em crise!!

“Há já muito tempo que o’PIB cósmico‘ entrou em crise, diz o cientista português que liderou a investigação internacional” que veio demonstrar o seguinte: “a taxa de formação de novas estrelas no cosmo é actualmente 30 vezes menor do que foi no seu auge, que se terá provavelmente verificado há 11 mil milhões de anos.”

Parece ainda”que vivemos num Universo dominado por estrelas velhas”, metade das quais nasceram há 11 mil a 9 mil milhões de anos. Mas, apesar de o futuro “poder parecer sombrio”, David Sobral privilegia um registo mais optimista: “De facto, temos a sorte de viver numa galáxia saudável, produtora de estrelas, que deverá contribuir fortemente para a formação de novas estrelas”.

Adoro metáforas…

O meu Universo é Portugal. O povo português, cada vez mais envelhecido, sim, é formado por estrelas! Vivemos num país maravilhoso, numa «galáxia saudável» e há «milhões de anos» que estamos em crise.

Este povo lusitano vê um futuro sombrio pela frente, mas teima em ser optimista e a manter alguma da sua «luz» original. Não há outro remédio.
Tenhamos as condições, e surgirão novas estrelas que não terão de mudar de «galáxia»!

Quem quer uma medalha ponha o dedo no ar

Nas terras pequenas desse Portugal profundo (tão profundo como a caridade de tia Isabel Jonet) há um hábito nobre, por ocasião dos feriados municipais: medalhar os cidadãos que se distinguem do outros, em áreas diversas, supostamente pela contribuição que deram à terra ou à sua gente. É uma espécie de óscares-de-trazer-por-casa em que as Câmaras penduram agradecimentos ao peito de quem lhes parece merecedor.

O problema é que este é para muitos autarcas o último ano de longos mandatos. E então é preciso encher o saco das medalhas até não poder mais, como vai acontecer em Pombal, no domingo, dia de S. Martinho e feriado municipal. Há medalhas para todos os gostos e feitios, num total de 26. Alguns dos que vão ser condecorados são repetentes. Outros há que ainda agora devem estar a perguntar-se por que razão vão ser considerados figuras de ouro no município. Será talvez o caso de Artur Trindade (pai), secretário-geral da Associação Nacional de Municípios, a quem esse barão das autarquias que é Narciso Mota (autarca de Pombal) vai agradecer não se sabe bem o quê.

Numa terra tão dada a fenómenos, o risco de ser medalhado é grande. Tão grande que, depois dos incêndios que há anos devastaram parte do concelho, o executivo homenageou até um falso benemérito, procurado por burla noutros pontos do país. Ou como diria Almeida Garret, se aqui voltasse,

– Foge cão, que te fazem barão!

– Pr’a onde, se me fazem visconde?

Do que o Sporting precisava era de um cabeceador como o Wilson da «Casa dos Segredos»


Soube ontem, durante um jantar de família, que existe uma pessoa chamada Wilson que deu uma cabeçada noutra pessoa chamada Hélio e que, por isso mesmo, foi expulsa da «Casa dos Segredos».  Na verdade, já tinha ouvido falar desse tal Hélio. Lembram-se do «Sai da frente Guedes» que se tornou famoso há uns tempos? Pois bem, ao que parece o cozinheiro até já participa em programas de televisão.
Toda esta conversa sobre a «Casa dos Segredos» decorria enquanto o Sporting jogava contra o Genk e, comme d’habitude, falhava os golos necessários para ganhar o jogo. Não consegui evitar a associação: do que o Sporting precisava era mesmo de um cabeceador como o Wilson. Ainda por cima, o rapaz é treinador de futebol. O Sá Pinto é que não o descobriu a tempo. Era vitória garantida.

A China e a picada de escorpião

Vejam só as voltas que o mundo dá. Essa China que nos anos 90 levou à destruição da nossa indústria têxtil, graças à ganância dos que, sistematicamente, deixaram ultrapassar o limite das já de si muito elevadas quotas de importações de têxteis, é a mesma China que agora quer impor uma taxa às importações de vinho europeu. Fica a curta quota portuguesa no mercado de vinho na China ainda mais curta. É o efeito do escorpião que pica o mercado que o alimentou.

Nota: o segundo link do post, sobre o panorama víniculo em Macau merece uma  leitura atenta