Margarida Rebelo Pinto por Margarida Rebelo Pinto

O [Jorge Luís] Borges, que é o pai da literatura moderna, diz que andamos sempre a escrever o mesmo livro. (…)

Por acaso eu acho que os homens são muito mais de Vénus do que as mulheres pensam.(…)

Comecei pela fábula, porque sou uma fanática da minha casa de férias na Comporta.(…)

Já me aconteceu várias vezes ter de começar a escrever um livro a meio de outro porque as minhas mulheres estavam a ficar demasiado neuróticas.(…)

Sei lá. Eu acho que já fiz literatura pop e agora já não faço. Estou a fazer outra coisa que ainda não sei bem o que é.(…) [Read more…]

OE 2013: Pataniscas de Ar, Panados de Vento

Empobrecer é fodido. Terça-feira, a proposta do Governo para o Orçamento do Estado para 2013 será aprovada. Sinto-me impotente para contestar o que se mostra inevitável, embora nem discuta o facto patente a todos os olhos de não ter propriamente à testa do Governo quem se bata por mim, por cada um de nós com unhas e dentes. Um País sob intervenção externa não debate nem negocia orçamentos. Debate e negoceia minudências e montanhas que vão parir os ratos habituais. Simular baixar os danos sociais enquanto na verdade se submete ao receituário de base.

Desde logo, eu esperaria da Oposição em geral e do PS em particular ideias que merecessem o acolhimento pelos partidos do Governo: horroriza-me que os partidos não cooperem nem trabalhem sinergias práticas no sentido de desonerar as medidas mais gravosas sobre as pessoas. O que é que PSD e CDS têm para nos dar no que respeita à remoção de todas as situações de excepção na cúpula governativa e noutras zonas de conforto perpétuo?! Zero. Por que motivo não se renuncia ao pagamento dos subsídios de Natal dos assessores e adjuntos do Governo para fazer exactamente o que os Governos-PS nunca por nunca fizeram ou fariam enquanto caminhavam alegremente para o atascamento fatal do País?! Neste ponto, o Primeiro-Ministro e o Ministro das Finanças voltam a ser fracos, a falhar-me, hierárquicos, aristocratas. [Read more…]

Podias era fazer um upgrading no teu writestyle!

Margarida Rebelo Pinto. “Tive de fazer um downsizing do meu lifestyle”

A Aleivosa Prosopagnosia do Regime

Relvas e tal e não sei quê… Acho uma seca, não que se embirre com Cavaco, mas ser obrigado a aturar os esbirros do socratismo a embirrar com ele, basicamente uns merdas indefectíveis de um tipo de escondimento no anonimato vil, próprio de quem assaltou monumentalmente um Banco e se pôs à sombra por uns tempos, até que a poeira assente. Sobre Cavaco, fale quem quiser o que quiser e será pouco. Falarei também o que quiser, mas como se atrevem a abrir a boca nada mais que umas emanações prostitutas, anónimas, em sistemática defesa do Roubo Devastador que possibilitou o Esbulho em Decurso, Roubo consequência do Roubo?! Não ocupa a Presidência da República alguém menos inócuo e mais omisso que todos os demais anteriores titulares no cargo, tirando o facto de o primeiro mandato deste presidente ter decorrido em face da mais asquerosa incumbência de um mentiroso sociopata, alguém que não suportava a independência dos outros, das pessoas, das organizações, das empresas ou das instituições, alguém que não tolerava ser contrariado nem admita que se pensasse de modo diferente daquele que organizara com as suas poderosas agências de intoxicação a que chamava de comunicação, alguém, em cujo ideal de vida, todos seriam submetidos ao Regime Disciplinar da Função Pública, revisto e reforçado pelo seu Governo com intuitos controleiros, patrulheiros, intimidatórios, alguém que foi a mais séria ameaça contra a liberdade, contra a autonomia das iniciativas privadas e contra a independência pessoal que Portugal conheceu nas últimas três décadas, nas palavras definitivas de António Barreto. [Read more…]

O devir histórico (2)

Continuando.

Quanto se aborda numa perspectiva histórica, não importa se mais ou menos recente, qualquer facto com relevância, existe uma perenidade assertiva na alternância entre o “eu” ou o “nós” e o “eles”. Veja-se a dicotomia entre a vitória e a derrota. A vitória dá gosto partilhar, mas a derrota não. A tradicional diferença entre o “nós ganhamos” e o “eles perderam”, como é o caso, por exemplo, dos adeptos de um clube de futebol. Ou o clássico estado civil da culpa, pois que ninguém a quer por companheira. Da mesma forma que olhando para o passado glorioso do nosso país, não faltam razões para se afirmar que fomos grandes, fomos valentes, intrépidos, etc. Já quando o passado é inglório, o “eles” vem ao de cima. E isto vale para o passado distante, como para o passado recente. Assim, critica-se o ponto a que o país chegou – e repare-se que a própria ideia de “país” é, intrinsecamente, de um todo: território, povo, cultura, organização política, etc. -, sendo que, ao mesmo tempo, se apontam dedos acusadores de modo a não se ficar sequer tangido por esse todo do qual fazemos parte. Também, esta, é uma tradição recorrente. Principalmente quando as coisas correm mal. O facto é que um povo quando elege democraticamente por maioria os seus governantes, faz uma escolha. Podemos, individualmente, não concordar. Mas é inelutável que resulta de uma escolha popular, de uma expressão do povo. Porque é essa a essência da democracia: o poder do povo materializado nas escolhas que faz por maioria. Por isso, se um país chega ao ponto a que chegou o nosso, num regime democrático, não há como negar que a culpa é das escolhas que o povo fez. Se, individualmente, concordamos ou não com as escolhas da maioria, é questão diversa. “Nós”, enquanto povo, temos responsabilidades. Embora se possa sempre abdicar do preço da democracia – ter de aceitar as escolhas da maioria – e escolher alguém que decida por “nós”. Também já tivemos disso e não vai há muito tempo. É mais cómodo, dá menos trabalho, e podemos exercitar a toda a força o “eu” que existe em todos “nós”, e invocar o “nós” de que cada “eu” faz parte.

Discurso do Presidente do Uruguai, José Pepe Mujica, na Rio+20

Um dos mais brilhantes e lúcidos discursos sobre o mundo em que estamos e a vida que levamos.

Não podemos continuar indefinidamente sendo governados pelo mercado, e sim, temos de governar o mercado.

10 minutos – Legendado em português, inglês e linguagem gestual.

Cortar nas gorduras do ensino

Desprivatizando o ensino o estado pouparia 3.353.687 Euros.

Vamos ao castigo

A fazer fé nesta notícia, deduz-se a lógica reformadora: os cidadãos e seus mandatários é que têm culpa nos atrasos da Justiça. Não há Magistrados incompetentes, nem processos que se atrasam por culpa de quem os julga, nem recursos pendentes por meses ou mesmo anos nos tribunais superiores porque estes não despacham… Nada disso. A culpa é dos cidadãos e dos seus mandatários. Por isso, há que castigar essa gente. Apenas me resta uma dúvida: esta Ministra, enquanto Advogada, andou a exercer em que planeta?

Os privados é que sabem gerir a saúde

O grupo José de Mello Saúde está a trabalhar com a ARS Norte no sentido de encontrar uma solução para equilibrar a situação económico-financeira do hospital de Braga. A entidade gestora está ainda a ponderar fazer um pedido de reequilíbrio financeiro ao Estado.

%d bloggers like this: