Quanto ganha um estivador?

Ângelo Correia, o homem que na primeira greve geral portuguesa inventou uma revolução armada com pregos, com a lata que lhe é peculiar, garantiu que enquanto administrador de um porto assinava vencimentos de estivadores da ordem dos 5000 euros  por mês.

A realidade complica um bocado as coisas:

Por exemplo, um trabalhador da mais alta categoria da carreira – superintendente – poderia trabalhar 16 horas por dia, durante 22 dias seguidos, e mais 8 horas por dia todos os Sábados e Domingos do mês. Com esse horário, ele pode chegar a ganhar até aproximadamente 5.685.02€ (incluindo o subsídio de alimentação).

É ler este estudo de Alan Stoleroff, que desmonta a mentira. E quanto ganhava Ângelo Correia como administrador portuário, e  já agora, quantas horas trabalhava por mês?

Abraços

Quem não pecou que atire a primeira pedra

E ontem alguns manifestantes fartaram-se de não pecar.

Um partido que decide não ser governo

O Bloco de Esquerda escolheu ter uma liderança a dois. Imaginando que vence as próximas eleições, quem será o primeiro-ministro? Quem terá assento no Conselho de Estado? É o primeiro-ministro. Que nome figurará na legislação assinada pelo primeiro-ministro? E até num debate, vão os dois contra um opositor? Os do Bloco de Esquerda lá terão as suas razões; eu cá não vislumbro vantagem alguma em termos da qualidade política neste modelo de liderança bicéfala.

Outro aspecto que me causa incredulidade é a vontade do BE para nacionalizar a banca. Tivemos o problema privado do BPN transformado em problema público pelo PS de Sócrates e quer agora este partido nacionalizar os falidos BCP, BPI, BES, etc?! Repare-se bem na argumentação. Dizia Semedo hoje na RTP1 que assim era uma forma de meter o dinheiro emprestado à banca ao serviço da economia. E que tal esse dinheiro nem sequer chegar a ser oferecido à banca? Sei lá, assim tipo o capital não viver do estado? Realmente, depois de um buraco criado pelos socialistas, só cá faltavam n buracos criados pelos bloquistas.

São duas medias que me levam a concluir o óbvio. O Bloco de Esquerda é um partido que decidiu nunca ser governo. Pode por isso fazer as propostas que queira com a certeza que nunca será chamado a executá-las. Falar é fácil. E falar em eco ainda deve ser mais fácil. Uma coisa é certa, uma vez que para mim o factor de escolha no momento do voto é o programa eleitoral, aliado à memória do que é/foi executado quando este se transforma em programa de governo, nunca o BE terá o meu apoio com estas políticas.

A direita portuguesa é desonesta

Eu sei que corro o risco de me dizerem que não faz muito sentido utilizar um pleonasmo no título, mas há muito que confessei as minhas múltiplas incompetências, de entre as quais, destaco, a escrita. Pensei no descer para baixo ou no subir para cima, mas acabei por juntar direita e desonestidade.

E antes de baterem, permitam que explique.

Em Portugal, segundo dados do Eurostat, a hora de trabalho, em 2011, tinha um custo de 10,30€. Ou seja, 30,1% do custo na Alemanha.

Mas, comparando a nossa produtividade com a do país de Merkel, podemos verificar que a nossa é 72,6% da alemã.

Ou seja, se os nossos salários estivessem em linha com o que recebem os alemães, de acordo com as respectivas produtividades o nosso custo de hora laboral seria de  24,9€, isto é, mais de 100% do que realmente é.

Os portugueses, caros defensores do regime, são mal pagos! Muito mal pagos!

Umas contas bem simples que mostram a verdade e que colocam uma interrogação aos aldrabões que por aí andam – vão continuar a dizer que o problema em Portugal são os elevados custos do trabalho?

E se tentassem investir numa gestão com menos boys e com mais competência não conseguiriam aumentar a produtividade?

E se o dinheiro do país fosse usado para aumentar a produtividade da nossa economia em vez de ser entregue à TROIKA?

E se em vez de tirarem dinheiro às pessoas para safarem os bancos e os juros da TROIKA, porque é que não deixam de pagar os juros e entregam o dinheiro à economia real?

14N: Greve Geral Europeia

Parece que há por aí uns tantos algo perturbados  que correram rapidamente a dar os parabéns aos  fortes que trabalharm, enquanto criticavam os fracos que faziam greve. Podemos percorrer as milhares de imagens do dia de ontem e rapidamente percebemos que, nas ruas, estiveram os ricos, os poderosos…

Percebo o jeito que dá a alguns, felizmente poucos, o que aconteceu ontem no Parlamento. Pensei em questionar a direita populista que sai à blogosfera nestes dias, o que me tem a dizer sobre os números de hoje, mas quero apenas fazer minhas as palavras do Paulo Querido:

Basta. Não darei nem mais um contributo, nem mais um link ou like, para a cena das pedradas e da carga policial. Caso não tenham reparado, caros e ilustres concidadãos, FOI DIA DE GREVE GERAL NA EUROPA, a mais importante não de um, mas de 2 séculos.

Portanto, se não se importam, refocamos no que interessa? Obrigado.

Uns vêem, outros não

Sensatez e imbecilidade.

As Pedradas Incendiárias do Desastre

«Passos, escuta, és um filho da puta!», ouvia-se ontem na rua. Muito bem, imbecis!
E Justiça contra as malfeitorias políticas passadas, não é cá servida?! Não!
E responsabilização justiciária de Mega-Ladrões?! Também não!

Sim, os direitos poderão ser, aqui e ali, atropelados e algumas ilegalidades poderão ser cometidas. Os homens falham. A tensão acumulada precipita actos impulsivos de consequências imprevisíveis e algumas aselhices policiais. É normal. Por cá, ninguém está habituado a explosões de sangue, gás, pedradas e balas de borracha. Quem, de dentro ou de fora, quiser incendiar Portugal poderá não ter nada mais a recolher senão cinzas. A CGTP está a pisar o risco, abrindo a porta a excessos contraproducentes num combate que deverá ser exemplar.

Muitos Portugueses ainda não olharam olhos nos olhos o problema crónico do País, os erros em que, sob governações socialistas, laborou por demasiados anos. Até há um ano e meio, vivíamos de crédito. Crédito ilimitado, infrene, acrescido, solicitado em escalada louca, migalhas para todos, comissões chorudas para políticos na mediação de negócios ruinosos para o Estado, isto é, contribuintes. Era o socialismo a cavar o nosso desastre. Nenhum alarme nas ruas. Nenhuma angústia. Nenhuma forma de censurar o rumo desastroso. Hoje, temos Victor Gaspar fazendo o contrário, segundo um paradigma correctivo novo: dívida equilibrada e controlada; défice definido nos Tratados respeitado; economia-PIB equivalente ou superior aos gastos públicos. [Read more…]

Mais Espelhos

De Dulce Maria Cardoso e de Luís Gouveia Monteiro. Clique para abrir os pdf’s.

Ao cuidado dos que defendem este governo

Aprendam, enquanto é tempo. Vai chover para o vosso lado, nenhuma polícia trava um povo, e a tropa não está do vosso lado.

Portugal não é a Grécia, mas Lisboa e Madrid são Atenas

O infundado, quanto estafado, argumento de que ‘Portugal não é a Grécia’, propalado com ridícula presunção, fica-se pela dimensão manipuladora e falsa que o gerou : PROPAGANDA DESONESTA!
Recatamente, testemunhei o que se passou em frente à Assembleia da República.
Sem dificuldade, concluí que nos percursos da existência humana, dos estilos de vida confortáveis à pobreza, ou mesmo à miséria, o comportamento dos povos, ainda por cima numa Europa de cultura e níveis vanguardistas de civilização, é mais predominante o que os identifica daquilo que os distingue.
Histórica e socialmente, os movimentos de contestação, com actos de maior ou menor revolta anti-poder, registam o mesmo estado de ebulição, desde que provocados pela mesma super-temperatura ultraneoliberal da ilimitada austeridade. Chame-se ‘troika’ ou outra designação de sentido nefasto.
Para comprovar que, uma vez programados e consumados os processos anti-humanitários, a geografia da contestação não se sujeita a condicionalismos de qualquer espécie, excepto a efervescência social. Madrid viveu hoje cenas idênticas às de Lisboa: [Read more…]

O liberalismo de Pinochet

defesa dos golpes de estado. Nada de novo. É da história, a forma de rapazes de Friedman praticarem os ensinamentos do mestre.

Dois em um e com BD e tudo

Percebo, finalmente, porque se referem sempre aos tais arruaceiros como “profissionais”. Pontaria, é só uma questão de pontaria. As pedras deles, pelo que parece, só acertaram na polícia enquanto que a polícia, bando de amadores, acertou em tudo o que mexia.

Todo o país viu? Não, senhor ministro. Uma pequena aldeia de Belém povoada por um irredutível freguês resiste ainda e sempre às ofensivas da comunicação social.

Progredir ou regredir

Confesso que tinha alguma expectativa em relação ao dia de ontem – cheguei a pensar que o trabalho à peça iria fazer regressar alguns textos ao Aventar. Gosto sempre de ver o que pensam (coisa rara!) os adversários, porque é exactamente disso que se trata. E não falo por mim, falo pelo país.

Já por aqui escrevi que respeito e muito duas posições sobre a GREVE:

– os que querendo fazer, não podem aderir porque não podem abdicar de um dia de salário;

– as pessoas que concordando com os motivos, partilhando das reivindicações, discordam da forma de luta. As estes, penso que teria o direito de pedir uma alternativa, mas fica para reflexão posterior.

Tenho mais dificuldade em compreender um grupo de gente que não concorda, porque simplesmente nunca concorda com qualquer tipo de luta. Recorre a argumentos que vão da recusa de um direito existente na Constituição até aos valores supostamente rigorosos – 800 milhões de contos? Mas então houve ou não houve Greve? E, já agora, esse valor, a ser verdadeiro, daria um PIB de quanto? Sim – podem considerar feriados sábados e domingos nas contas… [Read more…]

Uma greve bem sucedida

IMG_1532.jpg

Arménio Carlos entende bem que o trabalhador é um bem essencial, como referi em outros textos meus deste blogue. Durante semanas a CGTP preparou a greve do 14 de Novembro, que acabou por ser um sucesso. Os estivadores, os transportes, as fábricas, especialmente as de vidro exportados a outros mercados, as escolas fecharam, a FENPROF, o SNEsup, calculam que todo fechou. Não houve aulas ontem, com excepção em Universidades privadas onde se educam os ricos deste país, os médicos e o seu sindicato atendiam apenas nas urgências dos hospitais, enfermeiras, enfermeiros, assistentes hospitalares tratavam apenas de casos graves, os tribunais, fechados por causa de greve de juízes e de funcionários, a administração pública, o sindicato dos sargentos da PSP, em fim, tantos, que nem cabem na página em que estimava referir esta greve bem-sucedida. Portugal parou!
[Read more…]

Acordo ortográfico: os dislates de Evanildo Bechara

Evanildo Bechara é um importante linguista brasileiro e uma das figuras de proa do acordismo, ou seja, um defensor daquilo a que alguns chamam acordo ortográfico (AO90). Que um amador profira disparates sobre assuntos que não domina é coisa que não me espanta, espantando-me, no entanto, a facilidade com que os amadores dão opiniões, usando de uma pose profissional que não é mais do que leviandade. Desgosta-me muito, no entanto, que um especialista debite disparates sobre a área que domina ou devia dominar.

Evanildo Bechara, para defender o AO90, prescinde de ser linguista e nada diz ao senso comum, acumulando vários dislates numa entrevista ao Estadão. Citarei e comentarei alguns deles, porque a entrevista está exaustivamente analisada aqui. [Read more…]

Ir para fora cá dentro

ImageOs sucessivos líderes políticos criaram um sistema que resolveu, durante décadas, todos os nossos problemas. Mas quem nos deu tudo secou tudo à nossa volta

O António trabalha na suíça numa pastelaria. O patrão diz que é o melhor empregado que já teve, e diz mais: Os portugueses são os melhores trabalhadores que há lá na terra dos cantões. António já fazia o mesmo na padaria Miranda em Freixo de Espada à Cinta, mas nota uma diferença fundamental – Aqui tenho mesmo que trabalhar, não conheço ninguém. Estou entregue a mim próprio.
O Rui trabalhava em Coimbra na construção civil mas regressou a Toronto no Canadá. Foi a família que o devolveu a Portugal num turbilhão de emoções feitas de barrigas de freira, crédito bancário e pasteis de Tentúgal. Quando a crise entrou foi-se outra vez embora. Ninguém lhe pagava. Os anos que viveu na Lusa Atenas foram feitos alegria, projetos sem orçamento, sol e praia, trabalhos a mais, simpatia e incompetência.

O problema de Portugal não é uma questão económica. É um questão de atitude. Qualquer trabalhador português emigrado é um Cristiano Ronaldo da vida. Pasteleiros na Suíça! Golo. Trolhas no Canadá! Vai buscar! Futebolistas em toda a parte? É sempre a aviar. Mas cá dentro, como sempre fizeram tudo por nós, ficámos uns calaceiros incorrigíveis. Só funcionamos bem quando estamos órfãos. [Read more…]

A Grândola no Porto em dia de Greve Geral


Das coisas mais bonitas que já vi e ouvi…

Governar pela força

Um testemunho de quem experimentou hoje, pela primeira vez, as bastonadas da polícia.

 

A Inutilidade de uma Greve

.
A INUTILIDADE DE UMA GREVE QUE MAIS UMA VEZ FOI GERAL
.
Nos tempos de hoje, a luta através da greve empobrece quem a faz e também a todos os outros para além de nunca atingirem os interesses dos que supostamente defendem nem dão esperança, excepto momentânea, aos desempregados, aos precários ou a quaisquer outros.

Esta greve, desta vez e mais uma vez geral, não vai trazer riqueza, antes mais desespero e mais austeridade.

Esta greve, grosso modo, custou ao País qualquer coisa como oitocentos milhões de contos, o preço dos dois submarinos do então Ministro da Defesa, o dr Portas, e alguém, todos nós na verdade, o vamos ter de pagar.

Esta greve não teve, como nenhuma outra alguma vez o terá, os seus mandantes e responsáveis à cabeça dos tumultos, insultando e atirando pedras e incendiando coisas, antes e sempre o sacrifício de alguns jovens, iludidos pelas parangonas partidárias e sindicais e pelas palavras de ordem incessantemente gritadas aos megafones, que, qual carne para canhão, dão o corpo ao manifesto, e por isso, recebem bastonadas e são obrigados a identificarem-se por via dos ataques que fizeram às forças da ordem. Com isto a revolta desses jovens cresce e alimentam ainda mais o “poder” desses partidos de esquerda e estrema esquerda e os sindicatos que à volta deles gravitam.

Esta greve, anunciada como uma grande e estrondosa vitória das classes trabalhadoras, foi uma enorme derrota, já que todo o País perdeu, e ninguém, a não ser os que se julgam melhores que todos os outros e estão sossegados nas suas cadeiras do pequenino poder que consideram ter ganho mais algum peso político, ganhou. A dívida vai ter de ser paga e a austeridade vai continuar e provavelmente aumentar nem que seja para pagar mais esta perda de dinheiro.

Tudo isto é uma enorme mentira e uma grande chuchadeira que interessa só a alguns, com o dar o peito às balas por parte de muitos.