Falta de higiene mental

Agora aprenderam a tomar banho.

Há quem não tenha aprendido.

Luís, o poeta, decassílaba-se sobre a Greve Geral

Logo de Macedónia estão as gentes,
A quem lava do Axio a água fria;
E vós também, ó terras excelentes
Nos costumes, engenhos e ousadia,
Que criastes os peitos eloquentes
E os juízos de alta fantasia,
Com quem tu, clara Grécia, o Céu penetras,
E não menos por armas, que por letras.

Logo os Dálmatas vivem; e no seio,
Onde Antenor já muros levantou,
A soberba Veneza está no meio
Das águas, que tão baixa começou.
Da terra um braço vem ao mar, que cheio
De esforço, nações várias sujeitou,
Braço forte, de gente sublimada,
Não menos nos engenhos, que na espada. [Read more…]

Motivos para a Greve Geral: de cabeça perdida ou partida

Os nossos governantes são os primeiros a contribuir para a GREVE GERAL.

Este, das duas  três: ou bateu com a cabeça ou está a bater-se ao tacho!

Outros, insistem numa visão ditatorial do futuro do país. Em Democracia ninguém, nem o adjunto do senhor Primeiro-Ministro Vitor Gaspar, talvez o pior primeiro-ministro da nossa história (sim, eu ainda me lembro do Santana Lopes), pode dizer que só há um caminho.

Meu caro  Pedro Passos Coelho, em Democracia os sentidos são sempre múltiplos e é isso que lhe vamos dizer daqui a pouco:

– não é inevitável que me roube a mim para capitalizar os bancos;

– não é inevitável que fale em reduzir gorduras no estados para depois entregar a TAP, a RTP, a CGD, a REN e outras empresas públicas aos seus amigos.

– não é inevitável que me roube o salário e os subsídios para pagar comissões à TROIKA e continuar a aumentar o défice.

Se quiser continuar  a grande velocidade para o fim, força! Mas vá sozinho. É por ali, pela porta da direita!

Quem tem cu…

Forças de segurança vão receber um aumento de 10,8%.

Há uma linha que nos separa

Gosto de pensar que não sou um radical, um perigoso esquerdista que teima em andar por aqui. Mesmo sabendo que não é verdade e que, para muitos, farei parte dos que comem criancinhas ao pequeno almoço – confesso que prefiro um leite quente e uma torrada – gosto de pensar desse modo.

Mas também gosto de ser afirmativo e não deixar de expressar uma opinião, coisa que só esta casa, o Aventar, me dá em pleno! Somos de facto um blogue muito especial. Conseguimos estar juntos, mesmo tendo posições opostas sobre tantas coisas.

Com o meu (nosso amigo) José Magalhães discordei a propósito dos bifes e discordo também sobre a Greve. No entanto não deixo de ter uma inveja enorme de não conseguir escrever à altura da qualidade dos textos dele.

Apetecia-me bater-lhe com as palavras todas do dicionário, mas sinto-me um bocadinho como uns azuis que, mesmo ganhando muito, continuam pequenitos (já vou levar por causa desta!). Mas, caro amigo, fica a intenção. Um dia, abro o dicionário e pimba…

Ainda por cima, aparece-me no meio um candidato a uma ménage à trois.

Quer dizer, já não me chegava um, ainda tenho que levar com dois? [Read more…]

A lista de Relvas

De acordo com uma antiga Recomendação do Conselho de Europa e ao abrigo da Directiva sobre Serviços de Comunicação Social Audiovisual e da Lei da Televisão, o governo publica anualmente uma lista dos “acontecimentos de interesse generalizado do público” que não podem ser apropriados por operadores de televisão cujas emissões sejam pagas. A ideia é permitir que o valor económico de determinados eventos não seja explorado em detrimento do interesse que suscitam no grande público, permitindo aos operadores de televisão free-to-air de âmbito nacional solicitar aos canais por subscrição detentores dos respectivos direitos de transmissão, a preços não especulativos, o acesso à transmissão televisiva desses acontecimentos.

As características e o valor económico dos espectáculos desportivos fazem deles candidatos preferenciais a integrar aquela lista, sendo o futebol o que concita a maior adesão popular. Não estranha por isso que cerca de metade dos eventos habitualmente listados se refira ao futebol, sendo a parte restante preenchida com outras provas desportivas com tradição em Portugal (Volta a Portugal em Bicicleta) ou que envolvam a participação de atletas portugueses (nos jogos olímpicos, todas as participações; nos campeonatos da Europa e do Mundo das diversas modalidades desportivas, as participações na fase final; nas outras competições internacionais oficiais entre clubes nas modalidades de andebol, basquetebol, hóquei em patins e voleibol, apenas as finais). Os únicos eventos não desportivos integrados usualmente nestas listas são as cerimónias de abertura e de encerramento… dos jogos olímpicos. [Read more…]

O lugar da mulher é ao fogão

Não há mulheres na política chinesa porque o seu lugar é ao fogão“. Este título chama a atenção a qualquer mulher.

“Quanto mais se sobe na hierarquia política chinesa, mais a  presença das mulheres se torna rara. No Comité Central do partido apenas 6% dos membros são mulheres; no Bureau político, um órgão de 25 elementos, há apenas uma mulher; o Comité Permanente (o mais poderoso na hierarquia) nunca integrou uma mulher.”

Mas Mao Tsetung disse que elas são “metade do céu”!!!!!

O nosso lugar já não é ao fogão. Nunca foi. Embora eu escreva muitos posts com o computador sobre o micro-ondas!!

 

Greve geral: ménage à trois

Acerca da minha relação com as greves de um dia, não tenho muito a acrescentar àquilo que já escrevi e partilho a opinião do Ilídio Trindade, partindo do princípio de que haveria união suficiente para se fazer uma greve por tempo indeterminado.

De qualquer modo, não posso dizer que esteja exactamente entre o João Paulo e o José Magalhães, porque, como o primeiro, vejo muitas razões para protestar, mesmo recusando-me a fazer greves que considero inofensivas; ao contrário do segundo, no entanto, penso que, relativamente ao Estado e ao Governo, os cidadãos deste país não são devedores de coisa nenhuma, são credores de uma dívida incomensurável e protestar, com ou sem greve, é, na realidade, reclamar o pagamento, ou seja, fazer cobranças difíceis.

Entretanto, qualquer um deles cai no erro – eventualmente inevitável – de retratar (ver é outra coisa) a realidade a preto-e-branco, embora eu tenha a certeza de que sabem que o mundo tem mais cores. A incómoda afeição que sinto por ambos impede-me, no entanto, de transformar estas minhas discordâncias em palavras agrestes, até porque, seja como for, andar à porrada a três não deve ser fácil, sobretudo para quem fica no meio.

Pela boca morreu Passos

Santana Castilho *

O orçamento de Estado para 2013 quer tapar à bruta três enormes buracos: um enorme buraco resultante de uma enorme derrapagem do orçamento de 2012; um enorme buraco orçamental previsto para 2013; e um enorme buraco que resultará de uma enorme derrapagem na execução de 2013, prevista por antecipação, passe a redundância, no próprio orçamento de 2013. Com efeito, lá estão alguns milhares de milhões de “almofada”: para uma receita que, embora orçamentada, não será cobrada; para responder ao desemprego que esconde; e para suprir um corte na despesa que, embora orçamentado, acabará por não ser feito. Com 3 milhões de pobres e os restantes exaustos pelo confisco fiscal, com o PIB a cair entre 2,8 e 5,3 por cento (FMI dixit), só fanáticos suicidas orçamentam assim. É preciso pará-los.

A credibilidade técnica de Vítor Gaspar foi um mito com pés de barro. Estimou que as receitas do IVA subiriam 11,6 por cento e acabaram caindo 2,2. Previu, em Março passado, que o encargo do Estado com o desemprego cresceria 3,8 por cento e, em Agosto, já ia em 23. O consumo público contraiu 3,2 por cento em 2011 e a Comissão Europeia estima que contraia 6,2 este ano. O consumo privado caiu 4,2 por cento em 2011 e a CE prevê que caia 5,9 este ano. E Gaspar ignora, quando orçamenta e taxa. E ignora o Tribunal Constitucional. E volta a ignorar, com arrogância e desprezo, o presidente da República e o próprio FMI. Ignora tudo e todos. E ignora o “melhor povo do mundo”, que esmaga com impostos em 2013. [Read more…]

Dirigentes de prestígio avalizam novos corpos gerentes

Armindo de Vasconcelos

 

Marijke Fleuren e Jorge Alcover vêm a Portugal no sábado, dia 17, para a tomada de posse dos novos corpos gerentes da Federação Portuguesa de Hóquei, ciclo olímpico 2012/2016.

A holandesa, Presidente da Federação europeia, visita Portugal pela primeira vez e vem auscultar a realidade portuguesa, nomeadamente ao nível da organização de eventos internacionais, que têm tido enorme sucesso no mundo do hóquei. O facto de aproveitar a tomada de posse para visitar o nosso país pela primeira vez é um claro sinal de estímulo ao novo Executivo e aos novos ventos que se avizinham, e que a modalidade encara com imensas expectativas. [Read more…]

Greve Geral

Os trabalhadores portugueses têm mais do que um motivo para declarar greve. O primeiro que toca os meus ouvidos, é a falta de emprego para sua força de trabalho, como o define a lei que protege a greve. Lei retirada das ideias dos tempos antigos em que o direito a greve não existia, nem contrato, nem direito à saúde ou abonos pela família que se tinha e era necessário alimentar. Foi apenas em 1890 em que 8.000 trabalhadores saíram as ruas de Lisboa para pedir um direito mínimo de trabalho de apenas oito horas. Greve efetuada quatro anos depois do dia em que em Chicago, em um 1º de Maio, centenas de trabalhadores eram assassinados pela policia por não assistir a seus postos de trabalho. Foi a bomba que fez detonar as greves por todo o mundo.

[Read more…]

Foi a Merkel que mandou

Está na cara. Fez-se porque foi a patroa que ordenou. Era o que faltava haver responsabilidades cá.

Precisamos da Anocas – NIB 0035 0429 00053055000 65

O Fernando Moreira de Sá explica por que razão precisamos da Anocas.

Se muitos derem pouco, conseguiremos muito. Comecem já.

Germanofilia: Setúbal, 1938

Oficiais alemães visitam fábrica de conservas.
Fotografia de Américo Ribeiro, arquivo municipal, Casa de Bocage / Divisão de Museus. Fonte.

Greve Geral, Coisa Maravilhosa

GREVE GERAL, OH, COMO ESTOU CONTENTE
Amanhã há greve. Dizem-me que até é geral, como outras que por aí houve e às quais não aderi. Mas desta vez é diferente, não é Nacional, é Internacional.
Esta coisa do que é Nacional é bom, já deu o que tinha a dar. Agora o que é preciso é generalizar e diversificar e internacionalizar.
Uma greve geral implica parar o País. Uma greve geral implica fazer perder dinheiro ao País. Uma greve geral implica empobrecer o País. Mas, que se lixe, é mesmo para isso que aqui estamos, para arrazar e, qual Fénix, ressurgirmos renovados e  felizes.
Estou a ponderar aderir a esta greve.
Afinal ela é muito mais abrangente do que as anteriores que acabaram por ser um fiasco, apesar de, do mesmo modo que esta se propõe, terem empobrecido o Zé Povinho empobrecendo o País. Desta vez propoem-se empobrecer vários países. Coisa fina e de força! [Read more…]

Greve Geral europeia

Portugal, Espanha, Itália, Malta, Grécia, Chipre…

Há quem me diga que uma GREVE GERAL é uma GREVE política e que por isso e tal…

É exactamente isso – é um acto político!

Quem está com o Governo não faz GREVE!

Quem, como eu, como NÓS, está CONTRA o Governo e as suas políticas, faz greve!

Estão do lado de quem luta os que ficaram sem emprego, os que passam dificuldades, aliás, sem possibilidade de fazer GREVE porque não têm trabalho – até por eles a expressão da nossa luta faz ainda mais sentido. Acima de tudo por quem não tem trabalho faz sentido esta GREVE EUROPEIA! [Read more…]

Olá Anocas, vamos conseguir destruir o MH!

A Anocas precisa de nós? Não.

A Anocas é uma criança. Para os pais um filho nunca é um adulto. É e será sempre uma criança, o nosso bebé. A Anocas, por acaso, é mesmo uma criança. De seis anos. Que vive, como ela o diz, com um Monstro Horrível.

Quem ainda não conhece a Anocas, está convencido que ela precisa de nós. Até ao dia em que a conhece. Em que olha para os seus olhos e neles vislumbra algo tão especial, tão estranhamente doce e fora deste mundo que nos leva a uma conclusão profundamente diferente: Não, a Anocas não precisa de nós. Somos nós que precisámos da Anocas.

Do seu olhar, da sua alegria, da sua vida.

Quando a minha Mafalda me disse, no alto dos seus nove anos de idade, que decidiu oferecer à Anocas o seu porquinho mealheiro, religiosamente engordado desde tempos idos, sem fazer a mais pequena ideia do valor do seu recheio, fiquei sem palavras. Quando a minha mulher me disse que tinha acabado de fazer uma transferência para a conta da Anocas, fiquei a matutar. E eu, que posso eu fazer para ajudar a Anocas? [Read more…]