Tenham vergonha!

Fotografia: Ministério da Verdade - Lisboa, 16.04.2013 Tirada do Facebook

Fotografia: Ministério da Verdade – Lisboa, 16.04.2013
Tirada do Facebook


Chama-se Fernanda Policarpo. É a mais recente vítima do terrorismo político em Portugal.
Enquanto muitos partilham velinhas e preces pelos caídos em Boston, poucos vejo fazer alguma coisa pelos nossos que também tombam. De fome, de sede, de desespero…
Esta senhora tombou por lutar, por se manifestar contra a Troika que está luxuosamente acomodada no Ritz para, sabemo-lo bem, nos esmifrar ainda mais.
Foi vítima de violência policial. Diz que agrediu um agente policial durante a acção-relâmpago convocada pelo movimento Que se Lixe a Troika.
É mulher e tem 49 anos. Alguém acredita que era necessária esta força para dominar tão perigosa meliante? Que ela constituía qualquer perigo para os polícias?
Ao que se sabe, estará presente esta manhã no Tribunal de Pequena Instância Criminal de Lisboa.
Calemo-nos todos e partilhemos velinhas e preces vazias de sentido pelos que sofrem noutros países. Os Portugueses não são importantes.
A menos que morram.
Talvez nem assim.

Comments

  1. MAGRIÇO says:

    Tenho o maior respeito pela acção policial quando exercida na legalidade democrática, mas não me coíbo de denunciar estes verdadeiros actos cobardes praticados por alguns agentes que não perdem uma oportunidade de mostrar a sua “coragem” contra os mais fracos. Quando algum manifestante tem o azar de cair, logo cinco ou seis “bravos” defensores da ordem se apressam a “acudir-lhe” com uma chuva de bastonadas. Gostava de ver esta “bravura” ser usada contra as quadrilhas de assaltantes que infestam o país. Mas, claro, aí o risco é maior…


    • Isto é uma mania de se falar em democracia neste momento. Qual democracia carago? Onde? Aqui em Portugal Democracia? Então onde está a justiça, a saúde gratuita e de qualidade e o ensino?

    • Mirian says:

      Parabéns pelo seu depoimento . Eu acrescento que gostaria de ver estes actos de bravura com muitos ciganos.

  2. Eu mesma says:

    O que mais assusta é que nos fóruns de comentários das páginas dos jornais online vêm sempre as teorias da treta do costume. A base dessas teorias é a de que devemos à troika não estar como a Grécia e de que estas manifestações são tentativas de desestabilização por parte de esquerdalhada comuna. Tem piada. Tresanda a salazarismo. Pensei que fosse a direita radical que tivesse feito porcaria no país.

  3. N.K. says:

  4. Jorge Maia / Penacova says:

    És cretina todos os dias

  5. xico says:

    A senhora foi presa pela polícia. Justa ou injustamente, não sei. Parece-me com violência excessiva e desnecessária.
    Mas não é uma vítima do terrorismo (é insultuoso para as vítimas), não tombou (é insultuoso para quem morre). Por ser mulher e ter 49 anos não devia ser considerada perigosa, diz o post, e isso é insultuoso para todas as mulheres e para todas as balzaquianas. Uma mulher de 49 anos não é nenhuma velhinha frágil. Pode e tem a força e a coragem suficiente para pregar um par de murros a um polícia e representar suficiente perigo seja para o que for, que raio.
    O seu post é perigoso para as vítimas da violência e para as mulheres em geral.


    • xico, estou perto da idade da Fernanda Policarpo. O 4 já é o meu algarismo das dezenas e sei que nem hoje com a idade que tenho nem há vinte anos atrás teria força para um polícia. Não pretendo ser insultuosa, muito menos para as mulheres. Sei que as há de grande força. Mas também sei que fisicamente somos menos fortes do que a grande maioria dos homens. Sobretudo quando se trata de polícias treinados, rodeados por vários outros polícias treinados e em situação de tensão.
      Se ler o que tenho por hábito escrever, perceberá que defendo todas as vítimas e, desculpe-me a discordância, esta senhora foi uma vítima.
      Não tão grave como as que morrem, felizmente.
      Agora, diga-me, não acha que este acto de violência justamente para com uma mulher que chamava a atenção dos media para si pela forma como estava a representar o seu papel tenta passar uma mensagem?
      E o que aconteceu com a Paula Montez, também ela identificada, embora não de forma tão violenta, por estar presente numa manifestação onde voaram pedras? Foi acusada de tirar uma pedra do bolso, quando na realidade tirava uma máquina fotográfica. Ela é outra figura bem conhecida de quem luta pelos direitos de todos os cidadãos e contra este e outros governos que nos tentam privar de tudo, beneficiando sempre os amigos.
      E a Myriam Zaluar, outra defensora de direitos, identificada por ter tentado ajudar um grupo de desempregadas?
      Estas acções contra estas mulheres visam precisamente mostrar que eles andam por aí e não adianta lutarmos. Eles vencerão sempre. São senhores e soberanos.
      Isto não é terrorismo? Desculpe, xico, mas é-o. Sob a protecção do Estado.


    • xico, estou perto da idade da Fernanda Policarpo. O 4 já é o meu algarismo das dezenas e sei que nem hoje com a idade que tenho nem há vinte anos atrás teria força para um polícia. Não pretendo ser insultuosa, muito menos para as mulheres. Sei que as há de grande força. Mas também sei que fisicamente somos menos fortes do que a grande maioria dos homens. Sobretudo quando se trata de polícias treinados, rodeados por vários outros polícias treinados e em situação de tensão.
      Se ler o que tenho por hábito escrever, perceberá que defendo todas as vítimas e, desculpe-me a discordância, esta senhora foi uma vítima.
      Não tão grave como as que morrem, felizmente.
      Agora, diga-me, não acha que este acto de violência justamente para com uma mulher que chamava a atenção dos media para si pela forma como estava a representar o seu papel tenta passar uma mensagem?
      E o que aconteceu com a Paula Montez, também ela identificada, embora não de forma tão violenta, por estar presente numa manifestação onde voaram pedras? Foi acusada de tirar uma pedra do bolso, quando na realidade tirava uma máquina fotográfica. Ela é outra figura bem conhecida de quem luta pelos direitos de todos os cidadãos e contra este e outros governos que nos tentam privar de tudo, beneficiando sempre os amigos.
      E a Myriam Zaluar, outra defensora de direitos, identificada por ter tentado ajudar um grupo de desempregadas?
      Estas acções contra estas mulheres visam precisamente mostrar que eles andam por aí e não adianta lutarmos. Eles vencerão sempre. São senhores e soberanos.
      Isto não é terrorismo? Desculpe, xico, mas é-o. Sob a protecção do Estado.


  6. Parece que há uma necessidade urgente de encontrar heróis e mártires…. por força e não por jeito… estranho…

    Parece que é preciso ir buscar coragem à suposta “coragem” de outros… estranho mesmo…

    E estas historietas de polícias e manifestantes são ideais para alimentar o estranho desejo de super-heróis, lendas, fábulas e superstições!

    Enfim! Toda a gente sabe que quem anda à chuva molha-se, portanto… Enfim!

    • nightwishpt says:

      É, falar em público neste regime é perigoso.


      • nightwishpt,desculpe mas acho que lhe escapou a ironia do meu comentário!

        Eu não estou a favor da mulher…


        • Primeiro levaram os negros
          Mas não me importei com isso
          Eu não era negro

          Em seguida levaram alguns operários
          Mas não me importei com isso
          Eu também não era operário

          Depois prenderam os miseráveis
          Mas não me importei com isso
          Porque eu não sou miserável

          Depois agarraram uns desempregados
          Mas como tenho meu emprego
          Também não me importei

          Agora estão me levando
          Mas já é tarde.
          Como eu não me importei com ninguém
          Ninguém se importa comigo.

          Bertold Brecht


          • Pois, há quem, obstinadamente, goste de ver um só aspecto da coisa multifacetada. E há quem goste de achar que está sempre com a razão. E também há quem não perceba patavina do que se passa e se encoste comodamente à maioria sem dar uso prévio ao cérebro.


          • de que maioria fala a querida?..


          • Qual querida?


          • Então, mas Isabel o que é que a mulher fez para que a odeies tanto e a culpes tanto, de existir, de se manifestar e de ter dado e bem uma ou duas pauladas nos pides depois de a agarrarem sem razões para isso.


          • Mas quem está aqui a falar de odiar e culpar? Vai-me desculpar o desabafo, Pedro, mas a maior parte das vezes fico com a sensação que estou a argumentar para crianças!

            É que já não há paciência! Quem vai à guerra dá e leva e é lamentável que pessoas adultas não consigam ter consciência das consequências. É uma questão de senso comum e de responsabilidade!

            É ridículo isto! Sempre que há manifestações, há desacatos, há retaliação por parte da polícia, e há sempre um idiota qualquer a choramingar porque levou tau-tau do polícia! Ora francamente! Quem quiser ir para terreno de batalha que vá com as armas necessárias – coragem e seriedade – e que não volte depois para casa a chorar, com o rabinho entre as pernas mas a sonhar que é herói, só porque levou um par de estalos!

            É engraçado como ninguém ouve os polícias a serem insultados, a serem enxovalhados. Mas eu ouço! Ouço-os a serem insultados do pior! Em plena televisão! Aos gritos! E quando a mim, que nada tenho a ver com aquilo, já me ferve o sangue nas veias e já me apetece ir-lhes à cara (daqueles que insultam, claro!), os polícias estão ainda a esforçar-se por se manterem serenos! Ou acham vocês, sempre tão prontos a criticar o que lhes convém, que os polícias não são feitos da mesma massa que nós?


          • O que é que a mulher fez para ser agarrada por uma data de pides????? Responsabilidade? Só se for da polícia que vê uma mulher vestida à República, a representar uma personagem e assim que a vê atacam-na.

            Se os polícias são enxovalhados é porque fazem por isso. E que fazem eles para lutarem pela sua profissão, pela liberdade, pelo respeito para com a sua farda que é paga por eles, o que fazem eles pelos seus direitos? O que fazem eles quando pela quinquagésima vez são mandados para dar porrada em manifestantes? Nada, não fazem nada. Aceitam como carneirinhos.


          • Pela sua resposta, Pedro, obviamente está a ser parcial e a não querer ver (ou a não conseguir ver) o assunto nos seus vários aspectos. Se a sua opinião é essa, eu não tenho mais nada para lhe dizer.


          • É mesmo isso, PCG! Só olhamos para os nossos umbigos. Queremos os direitos, gostamos de os ter, mas outros que lutem por eles.
            Recordo, caso não tenha lido, este post da Carla Romualdo.


    • Quer isso dizer, então, Isabel, que nunca se manifesta? Nunca faz valer os seus direitos? Nunca reclama contra o que está errado?
      Hoje, muitos de nós temos muitos direitos porque houve quem andasse à chuva. Sem se molhar e fazendo desabrochar novos direitos. Ou molhando-se e, ainda assim, mudando a sociedade.
      E não é pelo facto de chamarmos a atenção, de andarmos à chuva, que nos devem tratar de forma tão violenta.
      Não procuro heroínizar ninguém, simplesmente falo de algo que me parece excessivo e por demais violento.
      Choca-me, da mesma forma que me choca a morte de jovens delinquentes porque a polícia disparou. Ou a morte de jovens não delinquentes que estavam no local errado à hora errada quando a polícia disparou.
      Evidentemente, reconheço que os polícias são pessoas, tão sujeitos a maus juízos e a pressões como todos os outros, contudo, devem controlar a forma como fazem algumas das suas detenções ou como lidam com as outras vidas.


      • Cara Noémia, se da sua idade faz parte o 4, da minha já faz parte o 5! Quero com isto dizer que o ante e o pós 25 de Abril é para mim uma realidade vivida, experienciada, e não um relato histórico, mais ou menos fantasiado, vivido por outros, ou passado por alto sem real consciência devido a tenras idades!

        Sei muito bem o que penso, tenho plena consciência das minhas opiniões, e não é por ter uma grande maioria de pessoas contra a minha forma de pensar que vou, de algum modo, sentir-me intimidada, obrigada a dar explicações ou forçada a mudar!

        Um pequeno exercício da faculdade de pensar, uma pequena viagem à natureza humana, e o pueril mas sensato conselho “põe-te no lugar do outro”, seriam o suficiente para que a grande maioria das pessoas se apercebesse da parcialidade de que peca!


      • Só se discute direitos e deveres? Não são assim tão poucos!

  7. Paula Ferreira says:

    Tenho imensa curiosidade em saber a sentença do juíz/a! Para que serviu o 25 de Abril? O direito de expressão NÃO VEM NA CONSTITUIÇÃO!???? Depois é assim, esses senhores têm que se pôr a pau e observar que os cobardes dos polícias só atacam mulheres. Eu acho que o que eles fizeram ontem é um crime horrendo. Acho também que todas as televisões têm que notificar o caso sucedido, próprio de um país do Terceiro Mundo.

  8. oberon says:

    Acho que ainda ninguém disse o óbvio: ela deu com a bandeira no bófia depois de já ter andado a estragar as flores que os funcionários do Ritz cuidam com tanto desvelo…

  9. Amadeu says:

    Esta Isabel G anda a precisar de uma boa mamona.
    Com muita ricina, a ver se lhe desturva o espírito.

  10. Kugman says:

    Penso que não se devem esquecer de que estes Policias estão altamente motivados, visto terem sido aumentados á bem pouco tempo pelo ministro da administração interna, enfim são uns vendidos, vendem-se por pouco.

  11. Manuel Pessôa-Lopes says:

    .PRENDERAM A FERNANDA POLICARPO – PRENDERAM A NOSSA CIDADANIA!!!

  12. Nascimento says:

    Maria e Isabel eu como sou um democráta, perante vocês, tenho uma máxima que se ouvia no tempo do Salazar, desejo-vos porrada fome e filhos. Serão muito felizes no futuro.

    PS Hitler e Staline que eu saiba eram seres humanos não eram caninos, portanto o teu argumento ó Isabel cai por terra, e consta que eram amigos dos animais, nem fumavam, nem comiam carne, etc e tal. Será que era muito educados, no trato? Se caralhar até eram…Vês o espelho? Agrada-te a imagem? Vai Bardamerda!


    • És democrata, mas não leste nada sobre Estaline, e ou leste muita mentira sobre ele.

    • Manuel Pessôa-Lopes says:

      Oh Isabel G. eu conheço a Fernanda Policarpo por quem tenho uma grande estima, sou Curador de um projecto artístico internacional e convidei a Fernanda a participar em alguns eventos exactamente com o personagem ela intrepetou nesta e já em muitas outras manifestações a. ‘CIDADANITA’. Para além da amizade e da revolta que sinto como português pelo vergonhoso comportamento das forças policiais, tenho a obrigação profissional de promover e defender o PERSONAGEM / OBRA DE ARTE E CULTURA criado pela Fernanda, e estou bem consciente do seu valor ético e estético. A policia, o governo, a troika e companhia são uma cambada de ignorantes, mal-educados, novos-ricos, e eles sim é que deviam estar no desemprego e não a Fernanda Policarpo… que tem que passar fome e levar porrada e não se revoltar como se revolta uma pessoa de bem, e os da Troika ali hospedados num hotel de cinco estrelas… claro que o arranjo floral é para estragar, não era essa a intenção da Fernanda mas é a minha… um pacote de sal resolve o assunto… melhor seria não deixar o RITZ em paz enquanto os troikanos para lá forem, eles que escolham uma pensão-com-àguas-quentes-e-frias-a-ladrões-que-venham-a-Lisboa.
      Isabel G. acorde!


    • Quanto a si, caro Nascimento, nem me vou dar ao trabalho de lhe responder. Pessoas mal educadas, grosseiras, ordinárias, básicas e ainda por cima ignorantes, jamais iriam compreender qualquer argumento meu. Temos pena!


    • Nunca ouvi tal coisa! O senhor um democrata? Deve haver aqui qualquer confusão!


  13. Noémia, quando fala em “vítima do terrorismo” está a banalizar e confundir algo que é muito grave, sério e violento. Apesar de não ser bonito, não foi o caso…

    • Manuel Pessôa-Lopes says:

      Se pedem Justiça… desafio-os a todos a estarem presentes no Tribunal no Campus de Justiça (Parque das Nações) em Lisboa, no próximo dia 30 às 14,30 h. – data para que foi adiado o Julgamento. Espero bem que a ocorrência da Bandeira Portuguesa ser jogada pelo chão… vê-se no vídeo – https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=wYDdRs0q8cQ – seja tomada em linha de conta, isso sim é um crime muito grave de ofensa a Portugal e aos portugueses. A Fernanda Policarpo era o nossa Porta Bandeira (na boa linha do Decepado) foi primeiro agredida pela polícia, respondeu brandido o (nosso) Estandar-te, acertou nos polícias com Portugal, foi agarrada, batida, pisada, pos-ta a ferros, e a Bandeira a rojar pelo chão… depois só o pau de vassoura, separado do pano que tem a cor da Esperança e o Tinto dos Mártires, e as Armas de Portugal, foi levado por ser a arma do ‘crime’…
      Imagine-se só se tivessem julgado também a Padeira de Aljubarrota, por ter dado com uma pá de pão nuns «turistas» espanhois (a troika da época), ou a Maria da Fonte por se pos-to em marcha contra uns políticos corruptos…


  14. Sra Noémia concordo com o que disse e como já conmentei de ou-
    tra vez , lamento imenso o que aconteceu à Fernanda Policarpo , porque mesmo que ela tivesse cometido ou dito algo , qe pudesse ser considerado culposo , não havia motivo para tanta violência
    por parte da polícia , que estava cá fora e os ladrões lá dentro no grande hotel descansadinhos . É revoltante .
    Nada justifica tanta violência . Isto não é Democracia , e muito me-
    nos parece que é um Estado de Direito .

  15. xico says:

    se dar com um pau na cabeça de um polícia é pacífico…


  16. Eu acho que o caro xico está enganado. E eu também. Olhe que, além de nós, ninguém mais viu qualquer pontinha de violência no comportamento da mulher!

  17. Pimba says:

    Isabel, viste o vídeo?
    A mulher está a andar normalmente, sem expressäo, e de repente o polícia vira-se, arranca-lhe o lenço e puxa-lhe pelo braço, tenta tirar-lhe a bandeira… e depois é a confusäo.
    Ai quem provoca o confronto é que é a vítima?


  18. Vi, e pelo visto olhamos para mesma coisa mas não vimos a mesma coisa!


  19. ja percebi! a querida é a esposa do agente da polícia em questão.


  20. Ora faça lá outra tentativa para ver se acerta!


  21. ..a mãe?.. (who gives a shit?)


  22. queria estar na posição dos 4 bófias que deram umas bojardas na mulher, antes de ela se virar contra eles. eu sei eu sei, ela era agarrada, levava toda a porrada e ficava quieta e sossegada, era isso Isabel?


  23. O seu problema é mesmo esse:! You don’t give a shit to anything e portanto põe-se a brincar com coisas sérias! E se ocupasse o tempo a aprender a pensar? Ou a tentar crescer?


  24. Pensar, Isabel? Não consigo meter na cabeça a sabedoria das queridas deste país, e, para além disso, o meu comboio já está a chegar ao destino. Over and out.


  25. Ó caro Pedro, essa sua pergunta nem sequer merece resposta!


  26. Isabel G: Parabéns pelos seus comentários! Estas pessoas misturam tudo! Ao que está sujeito este país! Pessoas cheias de frustações e, ai de quem pensar o contrário! Grandes democratas, com tanta pena dos coitadinhos, mas na hora da verdade não mexem uma palha! Nem vale a pena dizer mais nada , daqui a pouco vêm os insultos habituais!


  27. Obrigada, Maria!

    E quanto aos insultos, ignore-os. O insulto é apenas o sintoma da incapacidade de pensar e argumentar.

  28. Nascimento says:

    AI, ai, ai, o “insulto”…..está na hora do cházinho!Que “pensamentos!UI, e os “argumentos”?Ui…..

Trackbacks


  1. […] Mulher, 49 anos. A última vítima do regime policial em que vivemos. Por se ter atrevido a manifestar-se pacificamente contra a Troika. Foi ontem em Lisboa. Tenham vergonha! […]


  2. […] Noémia já aqui escreveu sobre os acontecimentos e a detenção de Fernanda […]


  3. […] Mulher, 49 anos. A última vítima do regime policial em que vivemos. Por se ter atrevido a manifestar-se pacificamente contra a Troika. Foi ontem em Lisboa. Tenham vergonha! […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.