Operação da GNR, ASAE e SEF em pequena feira de velharias

Barão de São João é uma pequena e pacata aldeia localizada a cerca de uma dezena de km. da cidade de Lagos. A povoação já conheceu dias melhores. Nos últimos anos,  o abandono de Portugal (e particularmente da aldeia) por parte de residentes estrangeiros, a partida em massa de emigrantes que aqui se tinham estabelecido, a fuga de jovens em direcção às cidades, conjuntamente com a crónica falta de emprego pioraram as coisas. O abandono da agricultura tradicional e o quase desaparecimento da construção imobiliária (grande parte dos homens trabalhavam ultimamente na construção civil, como pedreiros, pintores, carpinteiros, canalizadores, etc.) deixaram a comunidade local em estado de letargia quase total.

Um único acontecimento animava a localidade, proporcionando algum fluxo de dinheiro aos cafés, bares, restaurantes , pequenos produtores agrícolas e artesãos: a chamada feira de velharias de Barão de São João, um mercado informal realizado no último Domingo de cada mês, onde se vendia sobretudo velharias, objectos em segunda mão e artesanato. Gente das proximidades aproveitava assim para, uma única vez por mês, arredondar os seus quase nenhuns proventos.

A feira foi crescendo pouco a pouco e, com o seu colorido e diversidade, atraía gente de vários pontos, como vendedores, clientes ou simples visitantes que, após o passeio pelo mercado, se aventuravam pelo interior da aldeia.

Ontem, uma mega operação conjunta da GNR, ASAE e SEF, deu uma machadada quase final neste quadro. Dezenas e dezenas de pessoas foram multadas por, segundo me narraram, falta de cartões de venda ambulante, por estacionamento deficiente (a feira realiza-se num descampado junto a uma pequena estrada) e por, pasme-se, participarem numa feira não licenciada. As estradas em redor da localidade foram fechadas e alguns vendedores que procuravam fugir foram mandados parar em busca de guias de transporte e facturas provando que objectos em segunda mão lhes pertenciam.

Uma publicação online em língua inglesa, o Algarve Daily News, titula sobre os acontecimentos “Polícia de intervenção portuguesa usada em acção desproporcionada num mercado de Domingo” e afirma:

O mercado é descrito como o único evento social na área que atrai novos e velhos…

…numa das áreas mais pobres do Algarve, onde o desemprego atingiu o seu pico histórico máximo e muita gente está desesperada por alguns poucos euros

Ou adiante

Adolescentes vendendo roupas usadas foram multados num mínimo de 12euros pela ASAE, mesmo se a maioria não tinha ainda vendido nada.

e

Seis polícias da força de intervenção em uniformes pretos com bastões pendurados alinhavam-se ameaçadores em frente à feira como uma barreira visual para todos os que quisessem partir, protestar ou fazer uma cena.

Mais à frente

Uma professora local, reformada, que começou a tirar fotografias foi avisada de que a sua máquina seria confiscada. Que lei estaria com isso a infringir não foi explicado.

Segundo o jornal

Toda a experiência, para moradores em dificuldades, serviu como um lembrete assustador de que a polícia de Portugal funciona como instrumento de uma máquina de estado que está sendo usada para coibir liberdades, acabar com a criatividade, cobrar impostos a cada operação por mais insignificante que seja, e multar crianças pela a venda de roupas velhas ..

E conclui

Os diversos serviços da polícia comportando-se como fizeram hoje numa pequena rural no meio do nada, vão conseguir o oposto do que eles foram incumbidos de conseguir. As multas não serão recolhidas, mas apenas o suficiente para cobrir o custo da “operação”. Mais importante ainda, várias centenas de membros do público estarão agora mais inclinados a desrespeitar a lei, fugir do IVA, pagar em dinheiro, não pedir recibos, a sub-declarar em suas declarações de imposto de renda, e e a não colaborar com as autoridades em todas as oportunidades.

Mas continua

Outra testemunha disse: “Eles não estavam apenas perseguindo vendedores de alimentos, eles multaram cada barraca aberta: Eu vi com meus próprios olhos um senhor português de idade ser multado por ter a ousadia de vender dois sacos plásticos cheios de roupas usadas.

Mesmo o filho de um amigo meu foi multado por vender os seus brinquedos antigos: o garoto tem 13 anos, mas os tipos uniforme não ligaram uma **** a isso, a criança apanhou uma multa (a propósito: ninguém sabe o quão alta a multa será).

Mais

Outra vendedora local comentou: “Um vendedor foi espancado e toda a acção foi horrível, especialmente a maneira como eles trataram algumas das pessoas. É tão triste: todos os eventos sociais importantes ​​são destruídos. E não é só mau para a reputação do estado entre os portugueses (algumas mulheres choravam), mas também para os muitos estrangeiros que gostam de vir a este mercado e para os turistas. “

E finaliza

É um sistema tolo que tenta esmagar esforço humano por assédio e intimidação por parte do estado. Acções como esta, que não são originais, podem ter efeitos surpreendentes sobre o funcionamento da máquina estatal.

Um casal de Derbyshire, de férias na Praia da Luz durante duas semanas de descanso e relaxamento, estava na feira, quando esta foi invadida e comentou: “Portugal tem sido maravilhoso e apaixonei-me pelo lugar e pelas pessoas, mas se esse tipo de comportamento da polícia é normal, então nós certamente não gostariamos de viver aqui. “

Depois disto, resta-me pouco para acrescentar, apenas duas perguntas:

1- Foi-me dito que a própria feira estaria ilegal, no sentido de que não estaria licenciada, e isso terá sido motivo para algumas multas. A assim ser, como poderiam os utilizadores sabê-lo se a feira é publicitada oficialmente pela Junta de Freguesia de Barão de São João, pela Câmara Municipal de Lagos ou pelo Ministério da Cultura?

2- Durante a crise actual, numa zona tão deprimida e fustigada pelo desemprego, num Algarve que busca oferecer algo mais do que sol e praia, numa aldeia que sofre de grave envelhecimento e desertificação humana, este tipo de acção pretende o quê de realmente positivo?

Comments

  1. Amadeu says:

    É incrível. É tão fácil lixar o mexilhão, com a complacência e malvadez de algum invejoso local.

    Mas o mercado de swaps especulativos vendidos a gestores públicos podres, esse é 100% legal.

    É muito triste.

  2. Sónia Santos says:

    Há anos que vou a esta feira. Por acaso, neste domingo não fui… mero acaso… Uma tristeza… é uma das feiras de velharias que mais gosto de ir, tem muito boas energias, pessoas bem-dispostas, sorridentes, educadas… Foi com muita tristeza que soube destes acontecimentos… 🙁

  3. nightwishpt says:

    Mais uma prova de que temos polícia a mais, porque a que temos só serve para andar atrás da multa idiota.

    • Susy says:

      e com tanta coisa podre a acontecer no país e em vez de irem atrás de criminosos verdadeiros andam atrás de pessoas inocentes que só estão a lutar pela sobrevivência. e muito triste…. :(. E agora as outras feirinhas??? Também irão fiscalizar por lá. Se sim tudo isto acabara. só temos que agradecer aos belos policias e ao maravilhoso Estado que temos. (ler com ironia). 🙁


    • Não temos nada polícias a mais, temos é polícias a protegerem o estado, e não o cidadão. E que não fazem aquilo que deviam. Era só mudar as políticas de estado, e ias ver se eram a mais ou não.

  4. Zé Carioca says:

    revolta-te a hora é agora, este país mete nojo…os politicos fdp metem nojo, o pr mete nojo, que mais quereis?

  5. rui lima says:

    Filhos da puta…………..

  6. JOÃO lUIS says:

    Como se diz no blog OLhão Livre:Revoltem-se Porra!

  7. manuel.m says:

    O casal do Derbyshire está habituado a que as pessoas ao fim de semana metam na mala do carro tudo aquilo que já não querem e o vão vender nas milhentas de car boot sales que se realizam pelo país fora. Coitados julgavam que estavam num país europeu e democrático. O choque deve ter sido tremendo.

  8. Portisam says:

    War schon echt beängstigend, wie das ganze ablief. Fing harmlos an, mit der Identitätskontrolle durch einen einzelnen Polizisten der Ausländerpolizei. Dann kamen zwei Polizisten der GNR, die in meinem Fall sehr umgänglich waren. Sie wollten eine spezielle Lizenz sehen, nach der auf diesem Markt in 15 Jahren nie gefragt wurde und auch niemand hatte. Der Stand sollte geschlossen werden. Es wurden Fotos von allen Waren gemacht. Ein zweiseitiges Formular wurde von der Polizei ausgefüllt, mit Daten zur Person, r den Waren , Wohnort ect. Dann wurde uns mitgeteilt, das wir einpacken müssten. Beängstigend wurde es, als Polizisten mit Maschinenpistolen und Pumpguns auftauchten, ebenso ging eine schwer ausgrüstete Truppe der Einsatzbereitschaft in voller Schutz und Kampfanzug. Schutzweste ect. durch die Menge. Die meisten Besucher verliessen völlig fassungslos und verängstigt den Markt und sprachen von aggressiver Atmosphäre, Diktatur und kriegsähnlichem Zustand. Wir hörten, das Menschen von der Truppe begrängt, festgehalten und auch körperlich angegriffen wurden.
    Bis um 12.30 Uhr war der Markt voll mit Polizei, der verschiedensten Dientstellen.
    Wie soll das hier in Portugal weitergehen, wenn man Menschen bedroht, die etwas zum Lebensunterhalt dazu verdienen müssen, da das Leben hier den Menschen eh von Tag zu Tag schwieriger GEMACHT wird……..

  9. bloguer convidado says:

    Como poucos leitores do Aventar falam alemão, aqui fica a nossa tradução do comentário de Portisam

    “Foi realmente assustador como tudo decorreu. Começou inofensivamente, com o controle de identidade por um único polícia de imigração. Depois vieram dois polícias da GNR que, a meu ver, pareciam acessíveis. Eles queriam ver uma licença especial, que nunca foi pedida neste mercado em 15 anos, e que ninguém tinha. Tivemos que fechar o stand. Tiraram fotos de todos os bens. Um formulário de duas páginas foi preenchido pela polícia, com dados pessoais, os artigos, morada etc. Em seguida, fomos informados de que teríamos que arrumar. Tornou-se assustador quando apareceram polícias com armas automáticas, assim como um grupo bem armado da polícia de intervenção com equipamento de combate completo, coletes anti-bala, etc., no meio da multidão. A maioria dos visitantes deixou o mercado surpreendida e assustada e falou da atmosfera agressiva, como se estivéssemos numa guerra ou numa ditadura. Ouvimos dizer que algumas pessoas foram detidas e agredidas fisicamente.
    Até às 12h30, o mercado esteve cheio de polícia, de diferentes departamentos.
    Como pode Portugal evoluir se as pessoas são ameaçadas, pessoas que precisam ganhar para viver, sendo a vida do dia-a-dia TORNADA cada vez mais difícil …”

  10. jorge (fliscorno) says:

    Que escroques, que políciazinha das pequenas coisas. Depois andam jardins e isaltinos à solta, só para citar dois.

  11. Indignado com os donos do pais says:

    Afinal o faço as coisas que já não preciso e não quero? Posso pagar as multas e contribuições nas finanças com elas?
    É preciso estar colectado, pagar segurança social e contabilista para estar numa feira de velharias? Assim sendo, mais vale estar em casa.


  12. É assim que (eles actuam) mas na feira da ladra nem lá aparecem…..porquê????? Pois:)))

  13. JORGE HUMBERTO says:

    o sr PRESIDENTE DA CML QUER ACABAR COM A FEIRA PARA QUE O LAGOS EM FORMA NAO TENHA COMCORRENCIA……….UM HOMEM DE LEIS…. PROMOVEU O EVENTO COMO CULTURAL…MAS NAO FEZ REGULAMENTO—–PALHAÇO


  14. mais uma para abrirem os olhos a muito tempo que isto é assim em todos os sentidos a policia é merda corrupta sem palavras
    batem espancam abusam do poder da autoridade até vendem droga muitos deles a consomen apropian se estufaccientes apreendidos para venderem so na vê quem na quer sao os piores mafiosos que andam ai e nos apagar esta merda
    este pais uma merda, destroem tudo como querem ir pa frente controlam tudo é a realidade unica forma é a revolta total que se foda esta merda enquanto nao houver paralização total e as forças armadas tomarem conta desta merda outra vez para um futuro melhor estamos fodidos podem crer isto nunca vai melhorar, os politicos os piores fazem a merda e o povo ek paga
    ze povinho ek paga esta merda toda controlam isto tudo ao maximo nem vos passa pela cabeça enquanto o povo na se juntar e revoltarem se todos juntos na vai haver hipotesse

  15. Helloween says:

    Se a feira de velharias é promovida pela CML, e Junta de Freguesia, porque razão esses responsáveis não criticaram o sucedido.
    Provavelmente porque foram esses senhores que promoveram esta acção policial, deviam ter vergonha na cara, é a imagem da classe política que temos neste pais, só olham para o umbigo deles, ou então é uma forma de pagamento do presidente da Junta da Barão ou presidente da Câmara de Lagos pelo emprego que este lhe arranjou na câmara.
    Cambada de hipócritas.

  16. Vítor Vieira says:

    E ainda por cima a Feira é organizada pela Junta de Freguesia local: http://www.cm-lagos.pt/portal_autarquico/lagos/v_pt-PT/menu_turista/turismo_lazer/feiras_festas/. Realmente, há quem seja fraco com os fortes e forte com os fracos

  17. Maria Campelo says:

    Isto só mostra o País que temos…

  18. Vitor says:

    Acho bem, eu sou feirante, o desemprego mandou-me para esta vida,mas tive a preocupação de me colectar para não ter problemas. Só vejo nisto oportunismo enquanto eu desempregado vendo uma peça por exemplo 20€ o oportunista talvez com emprego vende igual por 10€,e não declara. E nós os feirantes que pagamos os nossos impostos somos prejudicados,pagamos espaços,segurança social só esta é de 185€ mês,fora combustíveis portagens,etc. Afinal quem tem razão? É que por vezes as pessoas pensam que é só chegar e vender ,não estão informadas das situações que possam surgir.

    • MANUEL OURIVES says:

      eu tambem sou feirante , Colectado ,não sou a favor da violência da parte das autoridades nem da parte das pessoas e sei que todas as pessoas têm que Comer mas tem que haver algumas Regras entre as quais Cartão de feirante , Guias de transporte . Agora o problema è que …primeiro informavam as pessoas e depois se fosse o caso Autoavam as pessoas eu sou Portugues com muito orgulho não hesiste melhor país que o meu , o Problema são os POLITICOS QUE VOCES PÕEM LÁ QUE SÃO TODOS CORRUPTOS !!!!!!!!!!!!!!! e têm sido ao longo de 39 anos consecutivos e sem ALTERNATIVA só com alternâcia…..

  19. Feirante says:

    Bom, é a primeira vez que oiço tal, sendo artigos de segunda mão sempre ouvi dizer que não seria necessário mais do que o cartão de feirante. A guia seria simplesmente uma folha feita por nós listando tudo o que está à venda. Actuação estranha e incompreensível…

  20. FRANKLIN SARAIVA says:

    Com a receita desta operação, fechou o” buraco “BPN ,

  21. Carlos ribeiro says:

    Ainda vamos ver o Salgado a vender nas feiras das velherias

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.