David Cameron, um dos muitos políticos pérfidos e farsantes

Costumam encontrar-se todos em Bruxelas e em outras cidades europeias. Impingem a mensagem de, em uníssono, se empenharem a favor dos povos que representam. Comportam-se, porém, em sentido divergente. Pérfida e hipocritamente.

Nunca o mundo, em especial os líderes da União, agora a 28, integrara um grupo tão homogéneo de sórdidos farsantes  – abro um parêntesis para acrescentar ao grupo os do outro lado do mar ou da fronteira, como Obama e Putin, e muitos mais poderia aglutinar. Reunir em massa esta gente tenebrosa que, protegendo o sistema financeiro e os detentores de obscenas fortunas, desprezam e trucidam milhões de seres humanos, com pobreza e miséria.

Cameron, o PM do país de sua majestade Isabel II, é dos amigos privilegiados de Passos Coelho. Juntam-se para conversações – e estratégias? – acerca de interesses bilaterais. Uma espécie de reedição tosca do Tratado de Windsor, de 1386, que instituiu, dizem, a mais velha aliança do mundo. Do País de Gales à Escócia, os cidadãos-comuns ignoram-no. Não é relevante para a História do Reino Unido, dominada pelo Império onde o Sol jamais atingia o ocaso.

Uma amiga minha norueguesa, professora na Universidade de Trömso, com o intuito de me lembrar das roupagens de rasteiro, pérfido e hipócrita usadas ao longo da vida política por David Cameron, através do ‘Facebook’ deu-me a conhecer a seguinte carta:

Peter Thomson,

Nelson Mandela vai morrer em breve. Hoje, amanhã, esta semana, na próxima semana. Não vai ser demorado. Lembre-se disso, sobreviveu a Thatcher. Quando morrer, e David Cameron saltar para o comboio de Mandela, lembre-se que, em 1985, produziu cartazes para “Pendurar Mandela”. Em 1989, Cameron trabalhou na unidade política dos conservadores no Escritório Central e integrou uma missão de informação anti sanções à África do Sul com uma empresa de ‘lobby’ pro-apartheid patrocinada pela PW Botha (Peter Botha). Lembre-se disso quando Cameron diz que o mundo  foi inspirado por Madiba (Mandela).

Confesso o desespero com que assisto ao domínio do poder político por gente desta índole. Cresce em mim o desejo de meter, anos sem conta, estes governantes  – os nossos incluídos – na prisão da Ilha de Robben, cativeiro de Mandela durante 18 anos.

(Adenda: A propósito deste ‘post’ lanço um convite geral para se visitarem Parliament – Shame on you, no ‘Facebook’.)

Comments

  1. nightwishpt says:

    Pode já não ser um império, mas o sol continua a não se pôr no território britânico!
    Quanto ao RU, é mais uma nação comandada por filhos da puta. Qual não é?

  2. adelinoferreira says:

    Será que a cadeia era o lugar mais adequado, para
    toda a canalha que conduz à miséria milhòes de
    seres humanos? Carlos, introduzo o texto abaixo
    que está no mesmo patamar de verdade e indignação:

    Os inimputáveis
    por VIRIATO SOROMENHO-MARQUESHoje15 comentários

    As ambíguas decisões do Ecofin (Conselho que reúne os ministros das Finanças dos países da UE) sobre as novas formas de “resolução bancária”, deixaram de fora o escândalo político e moral revelado pela imprensa irlandesa, quando esta divulgou gravações de conversas datadas de final de 2008, envolvendo o ex-presidente do Anglo Irish Bank e o seu gerente principal, respetivamente, David Drumm e John Bowe. A vulgaridade da linguagem, onde se incluem insultos aos investidores alemães que confiavam na seriedade da banca irlandesa, não permite a sua transcrição. Mas ficámos a saber que o presidente do banco falido, que custou até agora 30 mil milhões de euros ao povo irlandês, incitou, num tom alarve, os seus subordinados a abusarem das garantias dadas pelo Tesouro irlandês, com um dolo que transforma o conceito de “capitalismo de casino” numa expressão quase bondosa. Aqui ao lado, em Espanha, a figura mais notável do festival de ofensa ao bem público por parte de uma pequeníssima facção de gestores de topo chama-se Rodrigo Rato. Um verdadeiro super-homem, que passou por todos os anéis do poder contemporâneo: foi ministro da Economia de Madrid; alto dirigente do FMI, terminando a sua carreira em maio de 2012 como presidente de um banco que conduziu à falência, o Bankia, que custou aos contribuintes espanhóis 20 mil milhões de euros. Em Portugal também tivemos os nossos Costas e Rendeiros, lesando em milhares de milhões o Estado português com as suas malfeitorias no BPN e BPP. Dados da Comissão Europeia, indicam que os europeus já gastaram 4,5 biliões de euros para salvar o sistema financeiro do Velho Continente. Isso significa mais de dez vezes todos os planos de resgate dirigidos a países (incluindo o de Chipre)! Em nenhum momento da história um grupo tão pequeno e medíocre de delinquentes causou tanto dano a centenas de milhões de pessoas. Chamar a isto a “crise das dívidas soberanas” é um insulto à inteligência, pois confundem-se os efeitos com as causas. Em nenhum momento, o Ecofin alude a estes crimes que ficaram sem castigo. Pior, as regras para salvar os bancos no futuro continuarão a ser aplicadas por autoridades nacionais, deixando intactos os mecanismos de cumplicidade entre o sector financeiro e os dirigentes governamentais, que estiveram na origem do “fartar vilanagem” em que se transformou a “supervisão prudencial” por parte dos bancos centrais nacionais. Mas há uma coisa que o Ecofin nos ensinou em relação ao futuro do sistema financeiro na Europa: os ratos continuam, acima da lei, a fazer a sua vida no navio que se afunda. Estamos avisados para mantermos as mãos nos bolsos, se quisermos minimizar os danos.

  3. Carlos Fonseca says:

    Caro Adelino Ferreira,
    O Viriato Soromenho-Marques, além de académico de qualidade, é um excelente analista. Pela objectividade e honestidade que aplica no que analisa e escreve.
    Este texto não se furta a esses princípios.
    Obrigado por ter facilitado esta oportunidade de leitura. Só agora tive um momento para lhe responder, por motivo de ocupação do tempo em actividades profissionais.
    Cumprimentos

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.