A descaramento público-privado de António Mota

Parece que o senhor António Mota, líder de uma das empresas que mais dinheiro absorveu aos portugueses através do esquema clássico dos “assaltos à mão armada” público-privados, deu uma entrevista ao Diário Económico onde afirmou que, se o Estado Português voltar a ter capacidade de investimento, tal será feito através do mesmo método que colocou uma grande quantidade de portugueses na penúria e alguns ex-governantes, nomeadamente da área das obras públicas, nos conselhos de administração de determinadas empresas de onde se destaca a Mota-Engil. Um homem com este nível de certeza sabe do que fala! Afinal de contas, é aos portugueses que “se calhar” falta confiança, na Mota-Engil não só não falta como o histórico apresenta crescimento em épocas de crise. São os exportadores que salvam o país da recessão…

Já sem Jorge Coelho nos seus quadros, um homem que o líder da Mota-Engil contratou pela competência e não pela influência que teria junto do poder político, António Mota foi buscar um experiente gestor empppresarial para o lugar. Mas com o know-how que todos reconhecemos a esta empresa, o chefe do clã Mota  já deve andar no mercado dos ministros das Obras Públicas à procura de um novo e competente futuro CEO que esteja disposto a conceder duas ou três scuts antes do ingresso e, se possível, que use da sua competência para “dialogar” com os seus amigos políticos no activo para que lhes facilitem outra concessão de uma qualquer Lisconte, de preferência sem concurso público. Mas sempre em nome do superior interesse da nação! É como no futebol, sondar uns putos com potencial para serem grandes jogadores daqui a uns anos e no entretanto pô-los a jogar num clube pequeno para ganhar ritmo.

Mas se esta entrevista até aqui já me tinha surpreendido, quando a conversa chegou ao regime angolano, senti o sabor do vómito a subir-me pela garganta acima. António Mota considera que o regime angolano tem uma estrutura governativa estável e, quando questionado pelo jornalista do DE sobre se considerava o nível de desigualdade social problemático, este senhor disse que não, que disparidades destas existem em todos os lados. Claro que existem! O que não falta por ai são países recheados de petróleo onde a pobreza cresce e mais de metade da população (ponto de vista optimista) vive com menos de 2 dólares por dia.

Ainda no campo das “disparidades sociais problemáticas naturais” que existem em Angola, António da Mota teceu fortes elogios a essa empreendedora que é Isabel dos Santos. O senhor considera que a filha do Imperador dos Santos seria uma grande empresária em qualquer país onde estivesse. Eu também seria sr. António! É uma questão de me darem a oportunidade de ter um pai a roubar um país inteiro e a manipular a lei em favor dos meus negócios. Dê-me um anito e eu compro a Grécia e meia Espanha. É só o tempo de arranjar um “Pais Jorge” e um “Pina Moura”! Eu até comprava Portugal sabe, mas acontece que já não sobra quase nada… E acho nem precisava de andar metido em esquemas em África como o senhor ou a filhinha do papá.

Comments

  1. nightwishpt says:

    Quando voltar a guilhotina, será bem tarde.
    O Borges já fugiu, vamos a ver se não deixamos fugir mais nenhum.


  2. pena que eles continuam e vão continuar a fugir. o povo é sereno demais…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.