O forte de Isabel dos Santos é o dinheiro extorquido pelo papá aos angolanos

Isabel dos Santos a propósito do processo da OI “O meu forte não são as contas” [Expresso]

Máfia angolana em apuros?

DS

Dizem os jornais que a PGR de Angola está a investigar Isabel dos Santos. Será fake news? Ou será que é desta que a filha do ditador que se fez empresária à custa da miséria do povo angolano começa a pagar o que deve? É que já chateia ver esta tipa armada em empresária de topo, em self made woman, quando na verdade não passa de uma girl estilo jotinha, que viu o seu império crescer à custa de ser filha de quem é. E já era tempo de pôr a máfia angolana no seu devido lugar.

Terá João Lourenço encontrado o livro de Gene Sharp?

Fotografia: Manuel de Almeida/Lusa

Os dias passam e a sensação que fica é que algo está mesmo a mudar em Angola. Talvez esteja a ser ingénuo, a tentar ver revoluções onde o que realmente se passa é uma simples transição de poder, com generais a substituir generais, oligarcas a substituir oligarcas e tudo a ficar mais ou menos na mesma.

Mas o que chega cá, e ainda é alguma coisa, e que não passa uma semana, desde que foi eleito, em que não cai um bastião do velho regime, um amigo de um pedestal, um negócio lucrativo. Quem é este João Lourenço, de quem nunca se ouvia falar, que tomou o MPLA de assalto e deu início a uma limpeza no aparelho do poder, com implicações negativas nas castas que governam Angola? [Read more…]

Ainda ninguém deu um tiro ao presidente João Lourenço?

O homem é presidente, mas está a abusar. Mandar a ninhada corrupta do ditador para o olho da rua é uma jogada arriscada. Ainda há dois dias o clã dos Santos mandava naquele país, fazia grandes negócios com o seu dinheiro, alimentava uma oligarquia (aparentemente) fiel e já é desafiado desta maneira? 38 anos a liderar o partido e o país de forma quase absoluta, para que tudo desvaneça em menos de dois meses? É estranho. Mas talvez estejamos perante um revolucionário, daqueles sobre os quais se escrevem poemas, que esteve à espera da sua vez, pacientemente, para fazer história e derrubar o regime. É estranho, mas é preciso coragem para demitir Isabel dos Santos. [Read more…]

Em Angola nada de novo

IdS

Ser a filha astuta de um ditador absoluto tem as suas vantagens e Isabel dos Santos é a prova disso mesmo. Fez fortuna à custa do regime do papá que, por decreto do papá, acaba de lhe entregar a jóia da coroa, a Sonangol. Assim é fácil ser empreendedor. Mas falem baixinho que ela e o papá tem muitos amigos por cá. Falem baixinho ou preparem-se para sentir a fúria do jornal do papá. Cambada de neocolonialistas.

Mas Portugal tem que meter uma rolha quanto a Angola

Isabel dos Santos critica Governo por criar “diploma BPI”. Irónico, realmente.

Irónico

IdS

A propósito da desblindagem dos estatutos do BPI, Isabel dos Santos acusou o governo português de criar uma lei parcial. Irónico vindo de alguém que deve a sua imensa fortuna à exploração do povo angolano, permanentemente espoliado pela parcialidade que impera no regime do seu pai.

Marcelo isola (ainda mais) Pedro Passos Coelho

MRSAC

Na Segunda-feira, os deputados do PSD da comissão parlamentar de finanças endereçaram uma carta ao primeiro-ministro, pedindo esclarecimentos sobre o alegado envolvimento de António Costa nas negociações em curso entre o regime angolano Isabel dos Santos, o BCP e o BPI, com base numa peça publicada na passada Sexta-feira no Expresso, onde se podia ler “Costa dá luz verde a Isabel dos Santos no BCP”. A pergunta que abre a missiva não podia ser mais clara: “A que título e com base em que competência constitucional ou legal atuou o senhor primeiro-ministro?”. [Read more…]

Angola precisa de dinheiro

José Eduardo dos Santos, Angola's president, left, and daughter Isabel dos Santos in the second row

Segundo um estudo do banco africano Afrasia de Outubro passado, existem em África cerca de 163 mil milionários cujas fortunas, combinadas, ascendem a 670 mil milhões de euros. A fome, a miséria e as doenças que destroem a vida a milhões de africanos, quando não nascem, ao contrário do sol, não são para todos.

No ranking das cidades com maior número de magnatas, numa honrosa sexta posição, surge Luanda, morada de 4900 super-ricos. Só a fortuna da filha-pródiga do ditador local ascende a 3,4 mil milhões de euros. Uma grande empresária diz a senhora e o regime. Um produto da cleptocracia angolana diz a Forbes, esse pasquim da mais radical das extremas-esquerdas. [Read more…]

A contra-colonização angolana soma e segue

A filha do ditador está de volta e acaba de comprar a Efacec.

A “colonização” angolana

vista pelo jornal Belga POLITICO.

Efacec é o novo alvo dos nepotistas angolanos

mais uma potencial aquisição do regime ditatorial Dos Santos, com o alto patrocínio de 24 milhões de angolanos permanentemente espoliados.

A “insuspeita” Comissão Europeia

alerta para o perigo das fusões no sector da telecomunicações, que podem levar a “preços altos e menor escolha“. Onde é que nós já vimos este filme?

Excentricidades de uma profissional do tanque

tanque

Depois do sucesso da dispendiosa festa de comemoração de 10 anos de casamento, Isabel dos Santos, cliente da lavandaria cá do sítio, fez novamente uso dos kwanzas extorquidos aos seus conterrâneos e levou 600 “amigos” para o Brasil, de maneira que estes “pobres” homens de negócios e outros tantos fúteis do social pudessem assistir, sem custos (pelo menos para eles), ao espectáculo do futebol, curiosamente contestado pelos milhões de Reais que custou a um país que, apesar do petróleo, continua a ter “excedente” de pobres que exigem nas ruas mais e melhor saúde e educação. Uns marxistas radicais, gente perigosa, daquele tipo que gasta demais e provoca crises financeiras.

[Read more…]

A descaramento público-privado de António Mota

Parece que o senhor António Mota, líder de uma das empresas que mais dinheiro absorveu aos portugueses através do esquema clássico dos “assaltos à mão armada” público-privados, deu uma entrevista ao Diário Económico onde afirmou que, se o Estado Português voltar a ter capacidade de investimento, tal será feito através do mesmo método que colocou uma grande quantidade de portugueses na penúria e alguns ex-governantes, nomeadamente da área das obras públicas, nos conselhos de administração de determinadas empresas de onde se destaca a Mota-Engil. Um homem com este nível de certeza sabe do que fala! Afinal de contas, é aos portugueses que “se calhar” falta confiança, na Mota-Engil não só não falta como o histórico apresenta crescimento em épocas de crise. São os exportadores que salvam o país da recessão…

Já sem Jorge Coelho nos seus quadros, um homem que o líder da Mota-Engil contratou pela competência e não pela influência que teria junto do poder político, António Mota foi buscar um experiente gestor empppresarial para o lugar. Mas com o know-how que todos reconhecemos a esta empresa, o chefe do clã Mota  já deve andar no mercado dos ministros das Obras Públicas à procura de um novo e competente futuro CEO que esteja disposto a conceder duas ou três scuts antes do ingresso e, se possível, que use da sua competência para “dialogar” com os seus amigos políticos no activo para que lhes facilitem outra concessão de uma qualquer Lisconte, de preferência sem concurso público. Mas sempre em nome do superior interesse da nação! É como no futebol, sondar uns putos com potencial para serem grandes jogadores daqui a uns anos e no entretanto pô-los a jogar num clube pequeno para ganhar ritmo.

[Read more…]

Amorim, Isabel e Amaral sacam, a Albuquerque entra à grande

Amorim, Mira Amaral e a princesa Isabel exigem mais 100 M € do Estado Português. O BPN, vendido pela ridicularia de 40 M €, é um rio que corre célere e abundante montanha abaixo, afogando ainda mais na desgraça os nossos escassos dinheiros públicos.

Albuquerque, a genial financeira de ‘swaps’ e do contrato de venda do BPN, voltará a não resistir ao patológico vício de gastadora compulsiva de dinheiros dos contribuintes.

O corticeiro, o “fala e cospe” e a filha do “Zezé de Angola”, através do BIC, terão mais 100 M € de receita garantidos.

Posteriormente a Albuquerque, se chamada à AR, vai declarar que ela, alma de alva inocência, jamais desembolsou tal dinheiro. “O cheque foi emitido por um funcionário do Tesouro”, alegará.

A actual Ministra de Estado e das Finanças, é consabido, foi professora de Economia de Passos Coelho, na Lusíada. Para muitos já se tinha tornado notório que o PM sai à mestra, co-autora dos orçamentos falhados do Gaspar.

BPN: Lá vai Barão

A frase “Lá vai Barão…” foi uma expressão de uso corrente no Brasil, nos anos 80 do século passado. Em Portugal,  Jô Soares popularizou-a através de um ‘sketch’ televisivo. O significado quantitativo-monetário era materializado através desta nota:

lá vai barao

Valia, pois, 1.000 cruzeiros, moeda entretanto substituída pelo ‘real’. A frase, ou o bordão humorístico se quiserem, era utilizado para caracterizar o desaparecimento súbito de avultadas somas de dinheiro.

A injecção de um empréstimo de mais 300 milhões de euros, depois dos 600 milhões investidos no aumento de capital do BNP, oferecido ao BIC por 40 milhões é, de facto, mais uma das atrevidas obscenidades típicas do actual governo.

O empréstimo será titulado pela CGD, a mando da governação. Trata-se, pois, de dinheiros de contribuintes, muitos dos quais exauridos por direitos de retribuição arbitrariamente eliminados; ou por impostos, sobretudo os directos, os indirectos e o confisco, que lhes esvaziam os escassos recursos, nos casos em que estes existem – muitos, na miséria, estão despojados de meios.

De facto, Coelho e Portas, com grande despudor, estão a privilegiar Américo Amorim, Isabel dos Santos e o também despudorado Mira Amaral.

[Read more…]

A golpada

Anda pelos jornais, e um deputado do BE requereu a confirmação ao Ministério das Finanças, uma estorinha que a ser verdadeira transformaria o caso BPN na maior burla da História de Portugal, deixando o Alves dos Reis no capítulo dos meninos de coro.

Em 2006 a Amorim Energia teria pedido um empréstimo de 1600 milhões de euros ao BPN, o qual entretanto não pagou. Ora e de quem é a Amorim Energia? do trabalhador Américo Amorim, da Santoro Holding Financial, da trabalhadora Isabel dos Santos, e da Sonagol. E quem é o accionista maioritário do BIC que comprou o BPN? a Santoro Holding Financial.

Com casos destes na vida real, quem precisa de ir ao cinema?