Em 2009, 63,2% não quiseram saber

vote_or_die

«Dizer mal no sítio certo» –, assim disse a minha amiga para falar dos portugueses que praguejam contra a classe política mas que não votam (mesmo se muitos julgando fazer bem, movidos pela estranha convicção de que desse modo combaterão os maus governantes). É isso mesmo: digam mal no sítio certo: nas eleições. «Digam mal» das decisões políticas – ou sobretudo da falta delas –, mas em vez de ser no café, nas urnas.

Em 2009 a taxa de abstenção nas Eleições para o Parlamento Europeu atingiu em Portugal a «módica» percentagem de 63,2%.

Coragem portugueses, só vos falta votar.

Comments

  1. Dora says:

    Há 2 tipos de não votantes em tempos de eleições:

    – os dos lugares comuns (praia, jardins e centros comerciais)
    e
    – os intelectuais shics

    Ambos têm em comum a nêspera.

  2. Bento 2014 says:

    Chamem-lhe o que quiserem mas eu não vou nessa.
    É preciso reformular o conceito de abstenção, não a confundindo com insondáveis razões de ausência nas urnas, criando um campo (X) para esse efeito em cada boletim de voto. Esta intransmissível , pessoal e inconfundível opção merece e deve exigir a dignidade de voto validamente expresso. Uma civilizada, consciente e ponderada escolha não pode ser obrigada a ficar na rua em vala comum de incertos. Os nossos deputados, na Assembleia da República, apesar da aviltante disciplina partidária a que se submetem, para se abster tem que marcar presença. Quero lá uma cruzinha para me abster, querendo. A minha luta por esta condição elementar de limpidez até pode levar-me ao ponto de não ir votar como forma de protesto.

    • António Duarte says:

      Bento, para isso tem de primeiro eleger os deputados em número suficiente para legislar a colocação da tal cruzinha que pretende. O que nunca conseguirá abstendo-se.
      Os 230 deputados portugueses ou os 751 eurodeputados são todos eleitos, independentemente do número de abstenções, por isso estão-se nas tintas para o seu protesto.

      • Bento 2014 says:

        Repito que chamar abstenção á ausência das urnas é abusivo. Não indo votar para mim é faltar.

        • António Duarte says:

          Chame-lhe o que entender. O efeito prático é o mesmo.
          A partir do momento em qualquer número de votantes, por mínimo que seja, elege sempre o mesmo número de deputados, a situação só se altera se as pessoas que não se revêm nos grandes partidos que se revezam no poder começarem a votar em massa noutros políticos e noutros partidos.

  3. pretor says:

    diria mais…
    ha dois tipos:
    1- vestem o fato de domingo e votam no clube
    2- Ficam na praia e esplanada a dizer mal dos politicos

    Quando percebem que os outros estão a decidir por eles?
    Burros


  4. Interessante seria reformar o sistema eleitoral:
    1-Introduzindo círculos uninominais
    2-Com determinado nível de votos brancos, apurados pelo método de Hondt no círculo nacional (não confundir com nulos ou abstenção), ficar um lugar por preencher. Tenho a sensação que este último ponto faria diminuir os níveis de abstenção. mas posso estar errado. Também tenho a certeza que os partidos não o permitirão, tal como fogem a 7 pés dos círculos uninominais.

    • miguel R. says:

      Exacto António de Almeida. Aos partidos só interessam as listas ordenadas por eles próprios e o numero máximo de deputados previstos na constituição

  5. Candy man says:

    No Brasil por exemplo o voto é obrigatório. Aqui tb deveria ser. Iriamos ter algumas surpresas…

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.