Sem novidades. A intenção é mentir.

Passos diz que carta de
intenções a enviar ao FMI
não terá novidades

O efeito perverso da penalização das drogas.

Há muito que acredito que as proibições têm sempre um efeito contrário ao objectivo pretendido. Vale a pena ver este vídeo.

[Read more…]

Asas pelo ar

f16O governo português, informou Aguiar Branco, esticando o pescoço e fazendo peito para dar um ar marcial, vai mandar uma esquadrilha de F16 para patrulhar os céus dos países bálticos. Eu sei que a NATO, ultimamente, tem tido o comportamento dos agressores juvenis descerebrados ( Obama conseguiu, sobre o tema, fazer o discurso mais imaturo e burro que já ouvi de um presidente norte-americano – não, não me esqueci de G.W. Bush), mas este feliz evento (Portugal já vai à guerra/ Com uma data de aviões/ Que custaram mil milhões/ Mas que ladrões – inspirei-me em Juca Chaves…) mostra que, não só saímos da crise, como saímos ricos e em grande! E com o sentido de prioridades dos sábios. Tremei, bárbaros do Leste, que agora é connosco!!
Nota: já agora, tanto quanto sei, um F16 custa mais que cem milhões de euros (leram bem, + de 100 000 000 00, fazendo as contas pelo preço – em 2ª mão – de há anos, que era de vinte milhões de contos) e custa por hora no ar centenas de pensões de reforma. Pensem nisso quando os canalhas, de ar compungido, vos falarem na necessidade de austeridade já que “vivemos acima das nossas possibilidades”.

O próximo capítulo

Ricardo Paes Mamede explica onde entrámos agora:

Assumindo que o crescimento económico recupera nos próximos anos para os níveis previstos pelo governo, pelo Banco de Portugal e pelas instituições internacionais (OCDE, FMI, Comissão Europeia, etc.), o Estado português terá de escolher duas das três seguintes opções:

(1) cumprir do Tratado Orçamental;
(2) pagar a dívida pública nos termos actualmente previstos;
(3) preservar um Estado Social típico de uma sociedade desenvolvida.

como também escreveu no Ladrão de Bicicletas.  Adivinhem qual a opção de Coelho, de que prescinde Portas ou o que fará Seguro.

O abre-portas

O antigo patrão de Passos Coelho diz que ele abria “todas” as portas para os negócios.

“O Barco Vai de Saída”

herois-do-mar
O barco vai de saída
Adeus ao cais de Alfama
Se agora ou de partida
Levo-te comigo ó cana verde
Lembra-te de mim ó meu amor
Lembra-te de mim nesta aventura
P’ra lá da loucura
P’ra lá do Equador

Natália de Sousa merece que saibamos o seu nome

Não conhecíamos Natália de Sousa, o seu nome nunca chegou aos jornais, nunca foi capa de revista ou tema do momento nas redes sociais. Era advogada em Estremoz, ao que parece muito conhecida e respeitada na terra por se dedicar a casos de violência doméstica, abdicando frequentemente dos seus honorários para ajudar mulheres em situação desesperada.

Ontem à tarde, o ex-marido de uma das suas clientes, a meio de um processo de divórcio tumultuoso, invadiu-lhe o escritório. Recebera dias antes o aviso de que uma providência cautelar o impedia de se aproximar da mulher. Espancou a advogada até à morte, saiu e confessou o crime ao primeiro com quem se cruzou. Quando o socorro médico chegou, já era tarde. [Read more…]

O inferno de Rosa

Por esta história terrível passam muitos dos males do país, em pinceladas largas. O desmantelamento do estado social, o mau funcionamento das instituições, a hipocrisia da igreja, a indiferença de todos nós.

A higiene necessária para lidar com a “saída limpa”

Santana Castilho *

As 10 estratégias de manipulação, segundo Chomsky, são presença profusa na acção do Governo. O processo de saída do programa de assistência financeira e o discurso de Passos Coelho, que o anunciou, ilustram-no.

Fazer uso do aspecto emocional é uma técnica clássica para causar um curto-circuito na análise racional e pôr fim ao sentido crítico dos indivíduos, diz Chomsky. Passos tentou-o quando aproveitou a comunicação ao país para vender esperança que não cola e dramatizar com o medo que a fome e o desemprego espalharam. Mas porque a sua palavra está totalmente desacreditada, não o conseguiu. Quando disse “hoje, em Conselho de Ministros, o Governo decidiu que sairemos do Programa de Assistência sem recorrer a qualquer programa cautelar, todos sabemos que manipulou a verdade. O Governo não decidiu. Decidiram a Alemanha e a Finlândia e, por elas, a Europa. Quando disse “temos reservas financeiras para um ano, que nos protegem de qualquer perturbação externa”, omitiu que essa almofada financeira, de 10 mil milhões de euros, custa 850 milhões de juros por ano, retirados à educação, à saúde e à protecção dos mais fracos. [Read more…]

Intrigas presidenciais

Cavaco

(Na foto: Cavaco Silva aparentemente crispado)

 

Passaram pouco mais de 2 semanas desde que, num dos seus roteiros turísticos pelo tecido empresarial português, Cavaco Silva emitisse o seguinte juízo:

[…] São empresas como essas, tal como as vossas, e não as intrigas,  as agressividades, as crispações, os insultos entre agentes políticos que promovem o crescimento económico, a criação do emprego e a conquista de novos mercados.

Não. O presidente é “educado” demais para agressividades ou insultos. Excepto quando insulta a nossa inteligência. Já no capítulo das intrigas e crispações, Cavaco Silva deu na passada Segunda-feira o ar da sua graça e o mote para novas intrigas e crispações que facilmente poderão resultar em agressividades e insultos no debate político nacional. Será que o presidente cuida promover, com este tipo de discurso, o crescimento económico, a criação de emprego ou a conquista de novos mercados? Ou será que ficou aborrecido por não se ter optado pelo cautelar que ele tanto queria? Então e a “ilusão” das saídas à irlandesa e os “custos” que tal acarretaria?

Turismo

Captura de ecrã 2014-05-7, às 02.42.12

 

Hoje estive em Lisboa e por acaso assisti à partida dos ditos cruzeiros.

Nos últimos tempos é a segunda vez que vou a Lisboa e encontro uma cidade repleta de turistas. Como diria o Herman, “resmas” e “paletes” deles. No Porto, como bem sabe quem por cá anda, o cenário é idêntico (obviamente que em menor número, são realidades distintas).

Até que enfim!

Hotel Room Habitacion Lisboa UEFA Champions League

Futebol é negócio, para além de ser também um desporto. É um negócio como outro qualquer mas que, pontualmente, arrasta consigo outros negócios que pontualmente atingem taxas de lucro potencial muito superiores ao petróleo, aos diamantes, às drogas ou às putas.
É o caso, assim parece, da hotelaria em Lisboa pontualmente na noite de 24 para 25 de Maio do corrente ano. Segundo o Booking nos deixa saber, um quarto na Baixa de Lisboa num hotel de 2 estrelas pode custar entre os 1.500 e os 3.500 euros. Se o quarto for num hotel de 3 estrelas também na Baixa, os preços oscilam entre os 2.000 e os 5.000 euros.
Sim, um quarto duplo num 3 estrelas a custar mil contos.
A crise acabou e pouca-vergonha também!

hotel_lisboa_2_estrelas_final_taca_madrid hotel_lisboa_3_estrelas_final_taca_madrid

E com mão de ferro os hei-de governar

passos guantes
Fotografia: Fernando Veludo