Comprova-se, a saída é limpa…

empty-wallet

… foi uma limpeza ao bolso dos portugueses.

Limpo mais limpo não há

Anunciada a “saída limpa”, espécie de Nirvana para nabos, os nossos “amigos” falaram. Não tardou que o vice-presidente da UE, qual sargento falando às mulas na parada, viesse, de sobrolho levantado, bradar ordens e instruções sobre o que o governo português tinha de fazer. O despenteado mental do eurogrupo já veio prometer-nos as penas dos infernos se não nos portarmos como eles acham que “deve ser”. O FMI exige um mini-memorando (que coisa tão querida, ’tá ver tia) com as nossas obrigações detalhadas e a garantia de controlo das nossas contas públicas nas próximas décadas.

“Estamos livres”, “é 1640”, “Portugal recuperou a independência”, dizem os governamentais papagaios. Pois é. É uma maçada. Os nossos governantes sopram sobre nós esta brisa libertadora e vem a realidade e atira merda para a ventoinha.

Fujam, Fujam p’ra Longe

praxes-cecilia-goncalves

A geração que nos vai governar a seguir está em breve a sair das faculdades; é o caso desta estudante de Direito em Coimbra – uma talvez-futura-juíza ou mesmo presidente-da-assembleia, – Cecília Gonçalves. Ouvida pelo Público, a promissora doutora deita cá p’ra fora o que lhe vai na alma. Por exemplo…

– “(…) a praxe não é humilhação mas está presente” (está presente o quê?) (…) é normal, é aceitável, é compreensível”;
–  “ao longos das nossas vidas vamos ser humilhados das mais diversas formas”;
– “um dia, num futuro emprego, o meu patrão poderá chamar-me de incompetente e eu terei de saber aceitá-lo”;
– “os nossos professores chamam-nos ignorantes e nós temos de limitarmo-nos aos silêncio”;
– “a praxe ensina-nos (…) que na vida há uma hierarquia natural e que nós vamos ter de aceitá-la”;
– “a praxe ensina-nos (…) a igualdade para com os nossos semelhantes caloiros e a desigualdade perante o superior“;
– “Todos os anos morrem pessoas afogadas em rios (…) e até nas suas banheiras”;
– “Eles morreram na sequência de uma onda e não no ritual de praxe porque embora estivessem numa actividade praxista, podiam não o estar e morrerem na mesma”;
– “A praxe envolve humilhação, envolve gritos, envolve estar de quatro (…)”;

Posto isto, pergunto-me duas coisas: o que ensinaram a esta gente nas escolas secundárias? Há ainda gente sana e razoável no ensino superior ou são todos assim?

As ‘saídas limpas’, os equívocos e não só….

Van Rompuy tweet

Gostava imenso de saber o que é que andam a dar a comer e beber a este pessoal todo, lá pelos sítios por onde pastam,  que os traz assim tão desligados da realidade. Será ácido?

Seria quase de ter pena deles, não fosse sabermos exactamente como é, e em que é que sempre acaba.

O que quer que seja, parece afectar-lhes a competência linguística também. É que há sempre uma qualquer disparidadezinha, quando o ‘tweet’ em português aparece…

Van Rompuy tweet 2

 

É que um “clean exit adjustment programme” é um ‘programa de ajuste para uma saída limpa’. Ao invés, um “adjustment programme clean exit” é ‘uma saída limpa do programa de ajustamento’. Tudo uma questão de sintaxe, é claro. E nada mais do que preciosismos meus, evidentemente.

Encontrado no Twitter, é claro. Ambos.

Abençoai

Abençoai a alegria de quem, apesar do abismo que nos rodeia, encontra motivos para sorrir. Abençoai o meu vizinho que, mau grado estar desempregado e em dificuldade, se apaixonou e não consegue esconder o jubilo. Abençoai os amigos que ficam felizes porque viram o roubo das suas pensões reduzido e, se descontaram toda a vida honradamente, não lhe invejeis a quantia que recebem só porque é mais elevada que a vossa; a inveja é um veneno na nossa vida. Abençoai até os nossos amigos benfiquistas que festejam alegremente embora muitas das suas vidas estejam submersas no escuro do drama. Abençoai aqueles que foram hoje brincar para as praias já que, vendo bem as coisas, a maior parte deles vive a uma distância gratuita do mar. Abençoai os que, no calor da luta, se encontraram fraternalmente nas manifestações de Abril e Maio e trocaram sorrisos pela felicidade de estarem juntos. As melhores coisas da vida são, realmente, gratuitas e malditos sejam os que nos ensinaram o dever da tristeza e lançaram o anátema sobre o direito à felicidade como se esta fosse um pecado ou, pior ainda, um erro. Não precisamos de nos alienar na alegria para a provar. Podemos olhar a beleza da paisagem sem esquecer de que dela faz parte um abismo. Afinal o símbolo da nossa liberdade é uma flor. E uma arma. Destas coisas me lembrei quando, há pouco, caminhava à beira mar contemplando um glorioso pôr do sol. Se estou a desvairar, só me resta pedir a vossa indulgência e, talvez, a vossa bênção.

Ignorância é força

Ovelha

O que é um programa cautelar? Ninguém sabe ao certo. É possível que um programa cautelar seja apenas uma fabricação propagandística para nos (tentar) assustar, só para que depois se possa anunciar uma saída “limpa” de forma triunfante. Aparentemente a única possível. Há já muitos dias, talvez até semanas, toda a gente sabia que haveria a tal saída “limpa”. Até o Financial Times o garantiu há 4 dias. Quem tinha dúvidas que atire a primeira pedra.

Este tipo de anúncio dramático é comum no discurso “novilinguístico” do governo. Anuncia, por exemplo, um aumento de um determinado imposto de X para depois nos dizer que, após duras negociações e graças à acção determinante e corajosa do governo, foi possível reduzir 0,5% ou mesmo 0,25% do suposto X inicial, quando o mais certo é que o valor pretendido pelo governo/Troika fosse o já descontado. Então afinal, qual foi então a novidade?

[Read more…]