Fé, amor e caridade

Maria Helena Loureiro

religiao
Ao fundo da minha rua há uma outra rua e nessa rua há pensões que já foram mal afamadas e que agora passaram a sérias, com anúncio nos roteiros turísticos e tudo.
Hoje de manhã, quando ia para a paragem do autocarro, vejo quatro mulheres a sair de uma delas, em conversa muito agitada. Estavam vestidas de peregrinas, fatos de treino, coletes refletores, bonés, mochilas e a pronúncia do norte profundo.
“… e o bandalho deixou que a pobrezinha fosse pró hospital tirar o peitinho e amigou-se cua badalhoca, a porca, a ganda puta…”
Abrando o passo e olho, imagino, com o queixo caído.
“Ó! O qué que foi? Nunca viste?!
Fujo a sete pés de tanta fé, amor e caridade…

Comments


  1. Um peregrino procura algo. Às vezes a própria fé, ou o amor ou a caridade, com o perdão da redundância. Um peregrino nunca é perfeito. Se o fosse não precisava de peregrinar.
    Quanto ao seu post, se o ler com a pronúncia do norte profundo verificará que não há assim tanta falta de caridade na frase. Afinal sempre demonstram solidariedade com os abandonados, o que é uma forma de caridade.


  2. …é preciso ter sempre a mente aberta, certo?
    Entretanto permitam deixar como sugestão a nossa página onde poderão encontrar Capas para livros, em tecido, próprias para quem ama os seus livros.
    https://www.facebook.com/TecidoDeIdeias
    Obg e cont de boas leituras

  3. João Soares says:

    “O NORTE PROFUNDO” !!!!
    No sul profundo as peregrinas discutem cromodinâmica quântica durante a peregrinação !!!!!
    Como diria o “Bitor Fuscas” : -” Deus Nosso Senhor é pai de cada caralho !!!!!!!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.