A verdade por trás do cartaz do PS

Cartaz PS

Os cartazes da campanha do Partido Socialista têm dado muito que falar. Depois do momento evangelista-seita, tão inspirador para uma nação em apuros à procura de uma luz ao fundo do túnel, a estratégia do partido socialista espetou-se ao comprido com o episódio em que os rostos de funcionários da junta de freguesia socialista de Arroios foram usados para figurar em cartazes que contavam histórias que aparentemente nada tinham que ver com eles. E fico-me pelo “aparentemente” pois confesso que nunca fiquei totalmente esclarecido sobre se o embuste abrangia a totalidade dos cartazes ou apenas a parte. Em todo o caso, um embuste.

Aldrabices eleitoralistas à parte, numa coisa estou de acordo com a campanha do PS: a coligação brinca com os números, manipula-os, e desta forma desrespeita as pessoas. É um facto. E no que diz respeito ao desemprego, a coisa tem sido uma constante. Não que o PS não o tenha feito no passado – afinal de contas mais D menos D, PS e PSD são mais ou menos a mesma coisa, com diferenças muito residuais – mas não é o PS que está no governo, esse foi escrutinado há quatro anos (e continua a sê-lo). No governo estão PSD e CDS-PP e são precisamente esses partidos que se encontram actualmente sob escrutínio.

No entanto, e de entre todos aqueles cartazes, é interessante perceber que o que ilustra este texto foi um dos que mais polémica gerou. E porquê? Porque aparentemente nele reside uma gaffe monumental: a senhora está (supostamente) desempregada há 5 anos. O que significa que ficou desempregada ainda durante a governação do 44. A partir daqui, começou o apedrejamento online. Como se a situação relatada no cartaz, de centenas de milhares de portugueses desempregados e sem qualquer apoio do Estado simplesmente não existisse. Só interessa a gaffe. As máquinas de propaganda não perdoam.

É importante referir que, caso a campanha do PS tivesse feito referência a alguém que tivesse perdido o seu emprego depois de 5 de Junho de 2011, teria muito provavelmente sido acusada de demagogia. Contudo, conscientemente ou não, ao relatar um caso de desemprego que vem do tempo da governação Sócrates, a campanha do PS consegue um dos poucos momentos de verdadeira honestidade em todo este processo feito de malabarismos e manipulações estatísticas: o desemprego é um problema que não tem partido, é transversal a várias governações que foram, passo a passo, destruindo a capacidade da economia portuguesa de gerar emprego.

Sim, é verdade que este governo tem feito um esforço notável por reduzir a cinzas o que resta dos direitos laborais dos portugueses, promovendo a precariedade e a emigração em massa, a fazer lembrar os anos 60. Mas não é menos  verdade que muita desta precariedade resulta das governações anteriores, com destaque para o governo de José Sócrates que abriu caminho à sangria laboral a que hoje assistimos. Lembrem-se disso quando forem ás urnas em Outubro. Existem 21 outros partidos em disputa pelas próximas Legislativas. E não é deles a responsabilidade pelo estado a que chegamos.

2 comentários em “A verdade por trás do cartaz do PS”

  1. Cá vai a minha nova contribuição para a campanha negra :

    Os gajos e as gajas do CDS, PSD e PS batem píveas nas casas de banho do Parlamento.

    (a ver se pega)

  2. Não tenho acompanhado a “polémica” dos cartazes – afinal nesta altura do campeonato, não se deveriam estar a discutir promessas e mentiras absurdas em vez de cartazes? – mas a única evidência que salta à vista no meio tudo é que, os partidos da gamela (PS/PSD/CDS) se nem a merda dum cartaz conseguem colar em condições, como é que se propõem a governar um país?

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.