Paulo Rangel e PSD “ atiram “ na Justiça e em Sócrates mas ” tiro “ faz ricochete.

fonte: foto capa jornal i

fonte: foto capa jornal i

No último fim-de-semana o antigo secretário de estado adjunto da Justiça, ex-candidato à liderança dos sociais-democratas e actual eurodeputado do PSD, Paulo Rangel, trouxe Sócrates e a Justiça para a campanha eleitoral. Numa intervenção, durante a Universidade de Verão da JSD, Paulo Rangel surpreendentemente questionou se “ alguém acredita que se os socialistas estivessem no poder haveria um primeiro-ministro sob investigação? “.

O que Paulo Rangel quis dizer, não foi nem mais, nem menos, que a justiça está dependente do governo e que, por isso, é instrumentalizada, passando claramente a mensagem que a justiça é permeável a pressões.

Será que Paulo Rangel quis dizer que enquanto o PSD e o CDS estiverem no poder os seus governantes, deputados, autarcas e dirigentes estão a salvo de investigações e processos judiciais? É natural que depois desta sua intervenção possa ficar a “ pairar no ar “ a dúvida que a Justiça é controlada pelo actual poder político executivo.

A partir deste momento Paulo Rangel partidarizou a Justiça, sendo que entendo estas afirmações ofensivas para o sistema judicial e para os seus intervenientes.

Estas tomadas de posições políticas são inaceitáveis para um licenciado em Direito, advogado e antigo secretário de estado adjunto da Justiça, tendo sido já repudiadas pelos mais diversos sectores da justiça portuguesa. Mais que ninguém Paulo Rangel sabe que o sistema judicial português é independente. Por isso estas afirmações só podem ser entendidas como ” chicana política ” de forma a trazer a campanha eleitoral para o lamaçal, porém, Paulo Rangel deveria saber que em política muitas vezes “o feitiço vira-se contra o feiticeiro”.

Espero, como militante do Partido Social Democrata, que este apenas seja o pensamento do ex-secretário de estado, Paulo Rangel, sobre o funcionamento da Justiça no nosso País. Eu quero uma justiça livre, sem tutelas, competente e com os meios necessários ao seu dispôr para fazer o seu trabalho de forma independente e o mais célere, tanto quanto possível, porque também tenho que reconhecer que muitas vezes a pressa numa investigação pode ser inimiga da perfeição.

Comments

  1. rui dias says:

    Este palhaço mais o marco antónio costa é que deveriam estar presos

  2. Aventarias. Não à censura no Aventar says:

    ” … o sistema judicial português é independente”

    hahahahaha, boa !!
    Digna de um Totó Silva, um grande criador de toda a música blog.

  3. antonio says:

    Recordo que há dois uns anos, um cidadão foi detido e julgado por ofensas a SE o PR. Paulo Rangel, não fez chicana politica, ofendeu o poder judicial e consequentemente todos os seus atores.

  4. Nuno Filipe Oliveira says:

    #HIPOCRÍSIA_E_CINISMO_QB
    Num ato ditador e de quem dá a entender que a Justiça não é isenta e que , pelo contrário, está completamente manipulada por este Governo, mesmo que estratégica e teatralmente tentasse indiciar outros, o senhor Paulo Rangel, em palestra para jovens instrumentalizados, questiona: “Alguém acredita que um primeiro-ministro seria investigado se o PS fosse governo?”
    Caro senhor, e eu questiono-o:”Alguém acredita que Passos Coelho, atual primeiro-ministro,, Paulo Portas, Dias Loureiro, Duarte Lima, o genro de Cavaco Silva, …, serão verdadeiramente investigados, enquanto esta coligação PSD/CDS estiver no Governo, sabendo-se que ao longo de muitos e consecutivos anos “roubaram” milhões de euros de dinheiros do erário público e comunitário? Eu digo-lhe que não.
    Pelo contrário, enquanto lá estiverem, procurar-se-ão destruir provas
    O à vontade é tanto que casos, por exemplo, como Tecnoforma, submarinos, BPN, …, foram até hoje completamente banalizados de forma descarada. A sem vergonhice até dá para isto: confessos prevaricarodes mantêm-se em funções de cargo. A confiança e o à vontade são tantos, o que lhes também permite corromperem como querem. Até pelas suas palavras. Tudo vale para salvaguardar esta liderança governativa.
    Até porque, se eles não ganharem as próximas eleições, pelo menos a maior parte deles, sabem que poderão ser presos. O problema é mesmo esse. Não são eles a dizer, que agora é que a Justiça está a funcionar a sério. Tendo em conta as suas palavras, eu acrescento: por conviniência política.
    Esta ditadura neo-liberal e xenófoba, é assim que continua a lidar com o povo. Tentando-nos passar atestados de ignorância diariamente.
    E eles, mais uma vez, a encherem os bolsos.
    Fazem-se de vítimas e salvadores da pátria, quando são eles os verdadeiros “ladrões e usurpadores”, de sempre, de dinheiros públicos.
    Vergonhoso. A verdadeira génese a vir ao de cima.
    Agora, pior: à falta de melhor, à falta de capacidade individual para salvaguardar os tais interesses pessoais, conjugaram o pior de dois partidos, em que o líder do mais “pequenino” é quem põe e dispõe, é quem manda neste país, governado por corruptos de elite mundial.

  5. Ana A. says:

    Não percebo porque é que insistem em divinizar os agentes da justiça! São homens, fracos e fortes, e até pelo tipo de sentenças que ditam, algumas sem pés nem cabeça, com dichotes à mistura, define bem a qualidade humana de alguns agentes. É pura sorte haver justiça para o homem comum, já para os apaniguados do regime…


  6. O que ele disse. também eu, ignorante de leis já tinha questionado de tanto frenesim dos corruptos; de repente a quantidade de processos por corrupção aumentou muito. Mas ap contrário dos meus colegas trolls, não consigo ver mão dos governo, porque ministro, directores gerais, antigos dirigentes deles, tambem desataram a turbinar corrupçao que até ferve; nada habitual nos tempos aureos em que a justiça era serena; deus queira que voltem esses excelentes tempos, vamos votar para que a justiça volte a calma e serenidade.
    O que me espantou foi saber que o juiz C. Alexandre e os elementos da Judiciaria já lá estão há 15 anos!! Mau aqui há gato!! então amigos trolls o que se será que mudou (para pior claro!!) para justificar sem ser com um milagre tipo Fatima ou candida este frenesim corrupto? Venham lá essas explicações, sem ofender a honra dos juizes claro!!!

  7. martinhopm says:

    Rangel é um dos «facilitadores» do escritório de advogados «Cuatrecasas, Gonçalves Pereira & Associados». Sabia muitíssimo bem o que estava a dizer. Não é ingénuo. Ingénuos somos muitos de nós, que não conseguimos penetrar os meandros dos negócios escusos, de que só os ‘senhores’ beneficiam, sejam os do actual governo, sejam os do anterior ou do futuro.

  8. martinhopm says:

    «Não basta que todos sejam iguais perante a lei. É preciso que a lei seja igual perante todos.», Salvador Allende

Trackbacks


  1. […] escolha é também um sinal importante para o país, curiosamente apenas dois dias depois de Paulo Rangel, no decorrer de uma sua intervenção na Universidade de Verão do PSD, ter tentado &#8… ter proferido algumas afirmações, em minha opinião, ofensivas para o sistema judicial e para os […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.