Veremos se daqui sai um saco de gatos

Há uma maioria que votou na esquerda mas não existe uma força de esquerda maioritária. Se o PS, PCP e BE não avançarem com uma proposta de governo composta pelos três partidos, limitando-se, alternativamente, a uma proposta de governo PS com apoio parlamentar do BE e do PCP, terá a esquerda uma derrota em toda a linha. Em primeiro lugar, não se conseguirão estabelecer como alternativa a uma minoria de direita. Em segundo lugar, ficará claro que a abertura do BE e do PCP foi meramente táctica. E, por fim, Costa acabará a dar força à coligação de direita, que esta capitalizará afirmando-se como o garante da estabilidade.

SACO-DE-GATOS

(corrigido)

Comments

  1. José almeida says:

    ……. “uma proposta de governo PS com o apoio parlamentar do PS e do PCP,” ……

    Não entendo!

    “Uma derrota em tida a linha”. …… ????

    Importa-se de escrever outra vez?

    • j. manuel cordeiro says:

      Explico com uma historieta.

      Um porco e uma galinha resolvem abrir um restaurante e falta definir o menu. A galinha sugere “Que tal ovos e presunto?”, ao que o porco discordou dizendo “Não obrigado. Eu estaria comprometido mas tu estarias apenas envolvido.”

      • José almeida says:

        Pois, …..

        Fiquei na mesma, mas gostei dos ovos com presunto.

    • j. manuel cordeiro says:

      “…. “uma proposta de governo PS com o apoio parlamentar do PS e do PCP,” ……”

      Mas estava ali um erro. Devia ler-se

      “uma proposta de governo PS com o apoio parlamentar do BE e do PCP”

      Vou corrigir.

      • José almeida says:

        Assim está melhor……

        Quanto ao saco de gatos, cuidado que tem felinos de grande “porte”… intelectual também.


  2. Com todo o respeito, já estou a ficar ligeiramente farta de anúncios de morte da esquerda que a direita mais extremista que tivémos nestes últimos 4 anos apregoa e, principalmente, ecoa, através da comunicação social, com todos os seus comentadores já devidamente conhecidos, arregimentando mais outros que, em tempos de ventania e inundações, se vão juntando e ficando no meio, porque , como dizia o outro, “no meio é um descanso ”

    Depois da valorização suprema da “economia” sobre a política, temos agora 1 “política” a querer sobrepor-se à democracia.

    Ai, os cenários, ai o PS que se vai, ai os mercados, ai os buggy men, ai os golpes de estado, ai, as usurpações, ai o PCP, ai, o BE, ai que isto não vai lá, ai o Assis, ai o pesidente, ai que já não me estou a sentir nada bem, ai, o Medo, ai os ais de Portugal!

    “Quietinhos, não respirem. Já está!”, dizem-nos.

    E muitos…genuflectem.

    • j. manuel cordeiro says:

      Sim, há muita intoxicação na comunicação social. Mas aqui falo de outra coisa. Há vontade de acabar com as virgens impolutas que nunca se sujaram com o poder para constituir um governo ou não?

  3. Fernanda says:

    • José almeida says:

      Belo momento.

      Ai que a esquerda pode governar Portugal…

      Portugal é sinônimo de Ai.

      • Hugo says:

        O problema não é a esquerda pode governar Portugal; o problema é não querer fazê-lo, porque é muito mais fácil estar sempre do lado de lá da barricada com argumentos e propostas completamente inexequíveis emitidos sob uma capa de uma pretensa defesa dos coitadinhos contra os malfeitores da direita (que são todos os 80% que não pensam como eles).

        • Nascimento says:

          És lindo. Ora lê bem o que escreves e vê bem o teu lindo raciocínio …um espanto! Licenciado? Aposto… e faz parte da geração ..bla,bla,bla…..


  4. Este post é como
    “As Obras Completas de William Shakespeare em 97 Minutos”

  5. Fernanda says:

    “Cavaco espera que prevaleçam os “superiores interesses” do país”

    A gente sabe……entendido…..

    • Fernanda says:

      “Passos desafia Costa a dizer se quer entrar no governo”

      Ora bem, um governo tripartido,

      E, pergunto: isto já vale? Já não é “uma derrota em toda a linha”?

      São estes os “superiores interesses do país”?

      Ficam todos bem, certo?

      • Nightwish says:

        Não, a curto e médio prazo, pouca gente vai ficar bem dentro de uma economia que não pode crescer nem saindo do Euro.

      • j. manuel cordeiro says:

        “E, pergunto: isto já vale? Já não é “uma derrota em toda a linha”?”

        Não será uma derrota para toda a esquerda. Apenas para o PS.

        • Fernanda says:

          j.manuel/cordeiro,

          Seria tb 1 derrota para PCP/CDU e BE.
          Quantos eleitores destes 2 partidos quereriam ver Passos e Portas outra vez no governo?

          Vou agora puxar pelo meu lado de prof. Karamba e dos búzios e prever o seguinte:

          A “pedra no sapato” é Passos Coelho.

          Calhando, se este personagem das 1001 noites fosse de frosques, calhando se Rui Rio avançasse, calhando….eu sei lá, talvez, calhando…….

          • j. manuel cordeiro says:

            “Seria tb 1 derrota para PCP/CDU e BE.”

            Exacto. Daí “terá a esquerda uma derrota em toda a linha.”

        • j. manuel cordeiro says:

          «“E, pergunto: isto já vale? Já não é “uma derrota em toda a linha”?”

          Não será uma derrota para toda a esquerda. Apenas para o PS.»

          Clarificando (mais um bocado e entro em modo Cavaco): esta resposta refere-se a um eventual governo PSD/CDS/PS. Neste caso é apenas derrota para o PS.

    • j. manuel cordeiro says:

      Os interesses do Cavaco são óbvios. E explicam porque é que houve um governo de quatro anos e meio, em vez de quatro anos.

  6. j. manuel cordeiro says:
  7. JgMenos says:

    A esquerda tem um mantra: acabou a austeridade, tudo como dantes.
    Tudo corre muito bem com os olhos fechados, a felicidade é geral.
    Quando olham para o orçamento disponível: nem ovos nem presunto, é só pão e azeitonas!

    • Nightwish says:

      Tudo como dantes é que o que pensa a direita, porque não percebe nada de economia e nunca mais acaba com a crise.

      • Hugo says:

        Quem percebe é a esquerda. Vejam-se as lições do Dr. Varoufakis e do Prof. Tsipras.

        • Fernando Antunes says:

          Se é a esquerda que percebe ou não, estará por demonstrar, pois como sabe (ou não) na zona euro um programa de esquerda anti-austeridade é algo que ainda está por realizar, embora os resultados da política neoliberal desde o crash do sector financeiro em 2008 até ao momento têm sido desastrosos. Agora, quando mete Varoufakis e Tsipras no mesmo saco, perceba que estão hoje em campos bem distintos. Varoufakis mantém ideias muito precisas contrárias à política actual da UE. Quanto a Tsipras hoje não está mais que a aplicar todas as reformas exigidas pelos credores internacionais, portanto é exactamente o mesmo programa de governo que teria Passos Coelho se estivesse a governar a Grécia, para mal dos gregos. Claro que não fará mais que aumentar a dívida (impagável, segundo o próprio FMI), portanto do ponto de vista da população grega é estúpido e contraproducente. Mas aquilo que se procura resgatar ou salvar é o sector bancário das consequências das suas próprias especulações e fraudes, portanto está tudo bem, e a direita está contente. Siga o baile.

          • Nightwish says:

            A banca alemã já está salva dos seus investimentos irresponsáveis, agora é só lucro.