Futebol: o campeão vai ser…


IMG_20160515_190227Agora que a janela de transferências (gosto muito destes chavões do mundo da bola) está mais fechada do que a porta da SAD AZUL, resolvi dar uma volta pela Google – sim, assim mesmo no feminino, porque se “ela” sabe tanta coisa só pode ser mulher (pancada no autor!)…

Escrevia eu, antes da fuga prá boca sexista, que fui procurar alguns dados que talvez possam ajudar a pensar as diferentes possibilidades para a nova época.

O site transfermarket dá uma notas (em euros) aos jogadores e aos clubes. Segundo eles, o plantel do SPORT LISBOA E BENFICA terá um valor a rondar os 184 milhões, mais cinco que os vizinhos da frente e mais 7 que a equipa do Porto. Os jogados mais valiosos do SPORT LISBOA E BENFICA são o Salvio, o Rafa e o Pizzi, no Sporting, o William, o Adrian e o Patrício, enquanto no Porto, o Brahimi, o Herrera e o Danilo são os que têm maior valor no mercado.

Diria que, a ver por este factor, teremos um trio de campeões. Curiosamente, no caso do tricampeão o sector mais valioso é o ataque, enquanto nos pretendentes ao trono a maior valia está no meio-campo. Mais longe do objectivo do jogo, portanto.

Aliás, se o objetivo do jogo é marcar golos, procurando evitar que o adversário faça o mesmo, nada como ir perceber o estado da arte no que à redondinha lá dentro diz respeito. Como critério, fui ver qual foi o média dos golos marcados por cada um dos elementos das três equipas nos últimos três anos. A soma das médias, no caso do BENFICA, passa os 100 golos (104,7). O Sporting fica-se pelos 83 e o Porto chega aos 96.

Nos últimos anos o campeão português tem tido um desempenho sempre superior a 80%, nomeadamente depois da chegada de Jorge Jesus ao Benfica. Num campeonato com 102 pontos possíveis, ter mais de 81 pontos será condição necessária para chegar ao título, isto é qualquer coisa como 27 ou 28 vitórias, ou, escrito de outro modo, só poderão “não ganhar” em meia dúzia de jogos. O ano passado o BENFICA provou que os jogos entre os grandes nem sempre decidem os títulos.

melhores piores

E, a maior diferença entre os dois da frente e os “outros” tem justificado tal margem de eficácia que se suporta, claro, em mais golos marcados e em menos golos sofridos.

golosmarcadossofridos3

Ora, os dados mais recentes mostram que ser campeão exige perto de 80 golos nas balizas adversárias e cerca de um quarto desses nas suas redes.

Depois e para terminar, podemos entrar numa análise lugar a lugar fazendo um exercício que, desde já, partilho com o leitor (se conseguiu chegar até aqui): fazer um onze com jogadores dos três grandes. Para o efeito vou usar uma estratégia 4-4-2 por ser a usada por duas das equipas, mas  não creio que isso possa ser decisivo. Que critérios usar? Internacionalizações? Golos que sofrem? Que marcam? Passes certos? Assistências?

  • Baliza: creio que os três titulares – Júlio César, Rui e Casillas não são assim tão diferentes, embora na última época o espanhol tenha mostrado fragilidades que vieram dar razão a Mourinho. Parece-me que a maior diferença não está aqui, mas quando penso nas lesões de Júlio César ou de Helton, percebemos que o titular da seleção olímpica do Brasil é neste momento o suplente do Imperador. Beto ocupa o banco em Alvalade e o José Sá no Dragão. Por me parecer que o Porto está aqui um pouco atrás, daria um 3 (nota máxima) aos de Lisboa e um 2 ao Porto.
  • Defesa-direito: no Porto mora um “clássico” e, por muito que isso parece pouco importante, Maxi Pereira mostrou nas últimas épocas que era, de longe, o melhor. Aliás, sou da opinião que o ano passado foi o melhor jogador azul em toda a época. Acontece que está lesionado e já passou mais um ano (32). Pelo que se percebe o Layun é o “suplente” de luxo, embora também seja uma possibilidade para o lado esquerdo. No reino da águia, André Almeida é o campeão, mas o Nelson Semedo está a mostrar vontade de agarrar o lugar. Em Alvalade, o João Pereira leva vantagem perante o italiano, certo? Mais uma vez, o Porto aparece com três laterais para dois lugares, enquanto os adversários têm 4. Porque me parece que os laterais dos Sporting são menos competentes a atacar, daria 3 ao Benfica, 2 ao Sporting e 1 ao Porto.
  • Defesa-esquerdo. Se Layun for o titular, o Porto tem aqui um 3. É o jogador com mais assistências, muito importante nas bolas paradas e por isso um jogador chave no Porto. No Benfica há um espanhol a correr atrás do badocha, ou será o Eliseu atrás dele? No Sporting, o Jefersson é uma excelente solução, mas aqui o Porto, com o seu titular está em vantagem: 3 para o Porto e 2 para os de Lisboa.
  • Centrais: todas as equipas jogam com 2, embora, ao longo do ano sejam sempre necessários mais. No que diz respeito aos titulares o Porto parte claramente atrás e o Benfica, mantendo os 4 campeões (2 são tricampeões e 3 são bicampeões) está à frente. Obviamente os resultados da época passada mostram que os defesas centrais do Sporting são também de grande qualidade. Nota 3, pelas alternativas para o Sporting e Benfica, nota 1 para o Porto.
  • Médio Centro Defensivo (Trinco, Posição 6): este jogador é central em qualquer equipa do Jorge Jesus e parece que nas de Rui Vitória também. No caso do 4-3-3 do Espírito Santo, ainda estamos sem perceber qual o papel destinado a esta posição: contenção apenas? Pressão alta? Cobertura nas laterais ou mais posicional? Diria que os três titulares são Fedsja, William e Danilo. Ora, o Sérvio foi campeão nos últimos 9 anos e isso quererá dizer alguma coisa. É, na minha opinião de há muito tempo, o jogador mais importante da estratégia do Benfica. Claramente acima de qualquer um dos outros dois. No caso do Benfica existe ainda um super-suplente: Samaris. Não vejo em nenhum dos adversários nada de semelhante. Nota 3 para o Benfica, 1 para Porto e Sporting pela falta de alternativa de qualidade.
  • Médio Centro Ofensivo (Box-to-box, Posição 8): Esta era a casa do Renato ou do Enzo. É a casa do Adrian. Não consigo identificar esta solução no Porto. Herrera? Octávio? Talvez. No Benfica, este ano, aparece o Horta, ainda menino para estas andanças. O capitão Adrian, se ficar bem, é de longe a melhor solução. 2 para o Sporting, 1 para o Benfica e para o Porto, em todos, um valor a menos pela ausência de alternativas de qualidade.
  • Ala Direito (Extremo Direito): o Pizzi vestiu a pele de campeão neste lugar, mas o Salvio aparece com vontade de lá chegar, enquanto o Gonçalo não passa de uma promessa. No caso do Sporting, saiu o João Mário e temos agora várias possibilidades, embora o Gerson apareça como solução. No Porto, o Corona, o Diogo Jota ou outro poderão ocupar a ala direita. Mas, parece-me que o Benfica, pelas múltiplas soluções está em vantagem (3), seguindo uma nota 2 para os adversários.
  • Ala esquerdo (Extremo Esquerdo): Markovic. Craque. Mas, será o mesmo que vestiu a camisola de campeão no Benfica? E o Carrillo? E o Cervi? O que vai valer Brahimi? Muitas incógnitas – diria que, a serem titulares os craques – Markovic, Carrilo, Brahimi – teríamos soluções de grande qualidade, mas saindo estes, quem ocupa os seus lugares? Bruno César no Sporting? Cervi e Rafa no Benfica? E no Porto? Pelas soluções, mais uma vez, 3 para o Benfica, 2 para o Sporting e 1 para o Porto.
  • Avançado: Aqui não queria pensar no ponta de lança clássico. Será aquele nove e meio (outro chavão da bola), ou o falso e tal… Jonas no Benfica? O melhor do campeonato que, como o Maxi, tem 32 anos. Nos dois anos de campeão marcou sempre mais de 30 golos. Como Jonas não há ninguém. Haverá Oliver? Campbell? Talvez. Todos uma incógnita, mas Jonas promete mais golos que todos os outros e isso é fundamental: 3 para o Benfica, 2 para os outros.
  • Ponta de lança: o André, do Porto, é uma promessa que vai fazendo sonhar Campanhã. Já agora, Carnide é sinal de ignorância. São Domingos de Benfica é a correcta, tal como o Lumiar para o estádio verde. Um grego e um mexicano concorrem na luz pela última vaga enquanto no Sporting paletes de holandeses de terceira escolha chegam para fazer esquecer o senhor cotovelos. O pinheiro que o Porto comprou promete uma mão cheia de nada. Diria que, como ponto de partida, 3 para o Benfica pela dupla de soluções e 1 para a concorrência pela falta… de golos.

    Em síntese (BENFICA, 27 / Sporting, 19/ Porto, 14):

  • Baliza: 3 / 2 / 1
  • Defesa-direito: 3 / 2 / 1
  • Defesa-Esquerdo: 2 / 2 / 3
  • Centrais: 3 / 3 / 1
  • Médio defensivo: 3 / 1 / 1
  • Médio Ofensivo: 1 / 2 /  1
  • Ala direito: 3 / 2 / 2
  • Ala esquerdo: 3 / 2 / 1
  • Avançado: 3 / 2 / 2
  • Ponta de Lança: 3 / 1 / 1

Uma outra dimensão passa pela equipa técnica. Jorge Jesus é Jorge Jesus e o que ele fez no Sporting é verdadeiramente impressionante. Claro que acabou por perder e até “pegou” em trabalho bem feito que outros tinham deixado, mas JJ é o maior. Rui Vitória surpreendeu o ano passado e acabou por chegar ao título. Do lado do Porto temos um treinador bem sucedido em Vila do Conde e pouco mais. Não mostrou ainda qualidade para o lugar que ocupa, mas isso pode ser um desafio para todos. Creio que, usando o critério que escolhi para os jogadores, ficaria um 3 para o JJ, um 2 para o Campeão e 1 para o Nuno.

Quanto à famosa estrutura, na luz temos uma equipa habituada a ganhar e isso poderá fazer a diferença. As mudanças na arbitragem e o filho  que agora joga no Sporting parecem indicar uma mudança que o jogo azul em Alvalade confirmou. Diria que o Sporting parece estar a diminuir a diferença para o Benfica, enquanto o Porto parece estar pior a cada saída… 3 para os de Lisboa, 1 para o Porto.

Dito isto, está escolhido o Campeão: os meus olhos claramente tendenciosos e o meu olhar vermelho dizem-me que o Benfica vai chegar ao 36, mas não ficarei surpreendido se o Sporting fizer melhor do que o ano passado. Se o campeão for o Porto, terei que afirmar a minha surpresa.

Comments

  1. Konigvs says:

    O futebol não é estatística, se fosse, qualquer pessoa que soubesse usar uma folhar de cálculo acertava nas previsões. Basta dar dois exemplos da época passada: Leicester em Inglaterra e, mais perto, Benfica em Portugal. Depois de uma primeira volta, em que o Sporting só teve dois empates, que acabou por ser ultrapassado pelo Porto de Lopeteguei na viragem de ano, qual era o benfiquista que nos seus melhores sonhos poderia dizer que o Benfica, que esteve a sete ou oito pontos da frente, ainda iria ser campeão? Mais, quem é que iria dizer, que uma equipa que perdia todos os jogos com os rivais, e que não jogava absolutamente nada, que até era prejudicado pelas arbitragens – kit Eusébio? – haveria até de bater o recorde de pontos de sempre do campeonato?

    O futebol não tem muita lógica, e as estatísticas valem sempre muito pouco.

    Depois acho que cometes aí um erro básico. É dos livros que os ataques ganham jogos, mas são as defesas que ganham os campeonatos. Aliás basta olhar para a época passada. O Benfica é de longe o mais concretizador, com 88 golos mais nove que o Sporting, mas acabou o campeonato só 2 pontos à frente, e o que lhe valeu foi mesmo ter o mesmo número de golos sofridos (+1).

    Daí que, não perceba por exemplo, a vertigem do Benfica para comprar avançados e extremos – quantos tem neste momento? 15? – em vez de se reforçar estrategicamente para posições muito débeis. Andaram toda a pré-temporada a negociar o jogador-fetiche Rafa, ao passo que, se calhar, um jogador (mais barato) como Garay seria muito mais preponderante, lá está, na defesa. Ou para o lugar dos defesas laterais, mais evidente na esquerda, onde há muito que se anda a remediar.

    Depois existem duas abordagens diferentes. O Benfica é campeão há três anos seguidos, e como não tem pressão, aposta em jovens para tentar rentabilizar desportiva e financeiramente. Do outro lado, Porto e Sporting reforçam-se muito agressivamente, com valores já seguros para no imediato serem campeões, e não sendo a crise agudiza-se. O Porto investiu milhões e milhões na época passada e aumentou brutalmente a folha salarial, mas os resultados foram nulos.
    O Sporting inverteu o rumo que o seu presidente tinha dito que faria na aposta na formação mas contrata um treinador conhecido para ignorar completamente os Maneis e contrata muito forte jogadores estrangeiros para as posições que precisa, para ser competitivo no imediato. O seu treinador só aposta no campeonato, tudo o resto não interessa, acha que ter resultados desportivos é só ser campeão, só que, quando se metem todos os ovos no mesmo cesto, e este parte é uma chatice, tal como aconteceu na época passada.

    Qual vai ser o campeão? Não faço ideia. Parece-me é uma coisa, Benfica e Sporting estão claramente mais à frente do Porto. Vê-se agora um Porto como nunca se viu nos últimos trinta anos. Completa desorganização, decisões incompreensíveis, guerras de bastidores e começou a habituar-se a perder, até onde sempre ganhava, no dinheiro. E há muito que não se via o clube querer muito um jogador (já de épocas anteriores) e vê-lo fugir para o rival.

    • Claro que estamos muito longe de fazer disto uma ciência exacta, mas em boa verdade poucas vezes a coisa fugiu do óbvio e quase sempre o que tem mais dinheiro ganha mais vezes. No essencial – Benfica e Sporting como apostas mais seguras – estamos de acordo.
      A questão das defesas e dos ataques seria assim tão fácil se, por exemplo, não houvesse em tempos um tipo chamado Lima – um enorme defesa ou um gênio como o Gaitan que defendia como poucos. Ainda me parece que a aposta em craques que marcam (e não os que dizem que) vale a pena.

      • Konigvs says:

        Nisso do que tem mais dinheiro então não ia muito por aí. Acho que os três estão mais ou menos na mesma situação: Falidos!
        Nem acho que só os avançados sejam determinantes. Por que é que o Porto desabou nas últimas épocas, em particular na última? Porque tem uma defesa como nunca se viu, uma verdadeira nódoa, a ponto de andarem a meter um jogador lesionado (Maicon) e que pelo que parece até era o melhor que por lá andava, Desde os tempos do Pedroto, que depois o Pinto da Costa deu sempre sequência a construir a equipas detrás para a frente, e sempre teve grandes defesas. Contudo, também é verdade que nas últimas trinta épocas, o Porto teve 12 vezes o melhor marcador do campeonato, ao passo que o Benfica teve 12 e o Sporting 5. Mas o que se viu nos últimos anos é, ou tem pedras individuais que não sabem defender, ou então os treinadores que por lá têm passado não os sabe meter a defender coletivamente. E nisso Jesus sabe, basta ver as evidentes mudanças desde que ele foi para o Sporting. E não esquecer que Jesus teve o mesmíssimo avançado (Slimani) que já lá estava nos tempos do Jardim, sem falar que perdeu os melhores jogadores avançados do plantel (Nani e Carrillo). As mudança do futebol do Sporting parece-me que passou essencialmente por isso, por passarem a saber defender melhor, até porque Jardim e Marco Silva eram também, reconhecidamente, bons treinadores.

  2. Uma análise, como reconhece, com “olhos claramente tendenciosos e olhar vermelho”, mas que tem algumas debilidades à mistura com bastantes notas que desejo realçar, pelo esforço de colocação de massa crítica na interpretação dos dados utilizados. Grato pelas informações que trabalhou tão bem.
    Todas as avaliações são, naturalmente, subjectivas (e o futebol não escapa a isso), mas há um ponto omisso que, já agora, lhe propunha que colocasse, a enriquecer o seu trabalho.
    Esse ponto relaciona-se com o próprio jogo: trata-se da incerteza no resultado final, quer por isto, quer por aquilo, em que podem ser protagonistas agentes externos (como vai sendo cada vez mais frequente, uma pequena infelicidade no futebol português) e outros agentes como, por exemplo, os apelos do dinheiro no estrangeiro, que tantas vezes dão a volta à cabeça dos jogadores, debilitando as suas prestações pontuais.
    O futebol é um jogo e, como se prova, nem sempre ganha o melhor. Na maioria das vezes, sim, às vezes, até não.
    Se acrescentasse este pequeno nada ao seu trabalho, veria que o meu clube, o Sporting, “quase” até preencheu, na época passada, os requisitos definidos, tendo marcado 79 golos (menos 8 que o Benfica) e tendo sofrido 21 (menos 1 que o Benfica, sendo a defesa menos batida), com 27 vitórias contra 29 do Benfica, que tem 4 derrotas contra 2 do Sporting, compensadas por apenas um empate, contra 5 do Sporting.
    BENFICA, 27 / Sporting, 19/ Porto, 14, mesmo considerando notas atribuídas a jogadores dos três grandes, desculpe, mas alarga artificialmente a distância registada e escamoteia o facto de o Campeonato só ter sido decidido na última jornada, a 34ª, na segunda parte de cada um dos rivais. É pouco? Acho que não e diz mais um bocadinho do que esses números.
    Um jogo, portanto.
    É por isso que, no dealbar de uma nova época, muitos adeptos e simpatizantes dos dois rivais de Lisboa vão dizendo que “este ano vai ser o da confirmação de Rui Vitória”, desconsiderando o sortilégio do FCPorto, que pode mesmo ser a surpresa da época.
    Um jogo, portanto. Quem dizia, afinal, no começo do Europeu 2016, que Portugal seria o vencedor, sobretudo depois de não ter ganho nenhum dos três jogos do grupo, antes de chegar aos oitavos de final?
    Venha o Campeonato e a incerteza de cada jogo, mas cabeça fria para nunca esquecer que um jogo admite uma tripla, pelo menos no Totobola, e que não basta ganhar muitas vezes, sobretudo aos rivais, é preciso é não perder pontos senão, como diz, em “meia dúzia de jogos.”
    Claro que não “acardito” nas boçalidades do JJ (em má hora, exportado do SLB para o SCP), mas, daqui até Maio de 2017, espero, como sempre, qualidade nos jogos, resultados imprevisíveis e pouca conversa por causa de agentes externos (e não são só os árbitros os responsáveis).
    “Alea jacta est” (os dados estão lançados) e que ganhe o melhor.
    Parabéns pelo seu trabalho.

  3. Eu sou Benfiquista. Mas tenho algo a dizer que não vai no mesmo sentido do post. O Benfica este ano tem muitos jogadores, e a ocupar posições importantes na hierarquia, onze titular incluído, que ainda são projectos de jogadores. Ou seja: o seu valor potencial é de facto brutal… mas o que valem no presente nem tanto. Cervi, Horta, Semedo, Zivkovic, Danilo, Grimaldo: tudo projectos. E tudo a ter que jogar muitos minutos.

    Por isso a minha ideia é que este ano, além do melhor treinador, o Sporting tem o melhor plantel – e isto é novidade. Há muitos anos que não era assim.

    Será uma enorme surpresa para mim o Sporting não ser campeão. E a 2 ou 3 jornadas do fim.

    • Não será uma surpresa completa, mas confesso que me parece haver mais equilíbrio no Benfica do que no Sporting. Se isto fosse só 11 contra 11, diria que o Sporting poderia estar em vantagem…

  4. O Porto, não está fora da corrida, obviamente. Mas tem menos alternativas sobretudo no banco. O sorteio da champions vai faer muito bem à equipa, pois vão passar sem problemas, o que vai dar confiança a alguns dos jovens em ascensão.

  5. Faltou uma análise aos homens de negro… Brutal domínio beniquista, o que nestes campeonatos com adversários muito próximos faz a diferença, como se viu o ano passado.

    • Meu caro, não vou por aí. Porque a ser assim, temos que afinar o critério ou quão ganha um é por mérito e quando ganha outro…

      • Nightwish says:

        Claro, como se os erros não fossem sempre para o mesmo lado, por muito que os Mérdia tentem disfarçar. Basta ver o circo por o slb ter tido um penalty de oferta e o silencio em relação ao protegé Tiago Martins.

        • Já trocámos argumentos há tempo suficiente para dever que não vou por aí. Quanto ao teor do post? Divergência?

          • Nightwish says:

            Ok, tem razão, mas é necessário constatar que há 4 árbitros internacionais inexperientes que serão determinantes que foram promovidos por algum motivo – agora cada um que ache o seu.
            Acho que valoriza alguns jogadores vulgares e desvaloriza quem pode melhorar rapidamente. Mas isso são alguns pontos que não alteram assim a previsão final, infelizmente, porque o FCP anda finalmente a pagar os custos da merda que andou a fazer na última década. E parece que ainda não aprendeu.
            Quanto ao Rafa especificamente… se ficassem com ele por metade do preço eu não me importava nada, e digo o mesmo de muitos que fomos “roubar”.

      • Mas o problemas são os critérios, e existe um exemplo real: Maxi Pereira. No Benfica raramente apanhava um amarelo, no Porto teve pelo menos o dobro, e continua a jogar o mesmo jogo duro e empenhado. O que terá mudado?

        • Meu caro Tripeiro preocupado, sabe que o seu argumento é falso? Eu até percebo que a habituação a vitórias fáceis vos tenha trazido para um território de pouco rigor… Repare, na última época em que ganhou alguma coisa, o Maxi levou 11 amarelos, zero duplos e nenhum vermelho. Na época em que valorizou, e bem, o dinheiro que os milionários lhe conseguiram dar, levou 10 amarelos, zero duplos e nenhum vermelho. FACTOS, são factos.

          • Konigvs says:

            Esperam lá.. estão a falar do Maxi Pereira, aquele de quem se dizia no Dragão que deveria ser expulso em todos os jogos? É esse Maxi Pereira?
            É curioso que nem sei o que é feito dele desde que foi para a Copa América e foi depositar a sua camisola vermelha lá na santinha na Capela de San Co(r)no…

  6. Para verem a outra face do futebol, vejam este video que está em português no youtube:

  7. Ahahah. Como texto humorístico não está mal.

    • Meu caro, humor sempre, embora em doses suplementares é para outro corner. De qualquer forma, obrigado por trazeres aqui o Damas, o eterno. Como eu gostava de o ver. Mas, já agora, vamos ao debate – humor? Em que argumentos?

  8. Afonso Valverde says:

    Bom proveito futebolístico. Vossas mercês ganham o quê?
    Vão assistir a espetáculos com reminiscências guerreiras.
    Deviam era praticar para exercitar o físico de forma amadora.
    É mais um negócio…Estranho-

    • Ó meu caro amigo, grato pela sugestão, mas em lugar algum fica apresentada a ausência de exercício da parte de quem edita a prosa.

      • Afonso Valverde says:

        Está bem. A prosa é bem escrita mas o tema é um pouco “inovador”. Apenas um pequeno aspecto.
        Gostar de futebol é bom, mas deve ser visto como !apenas ! em jogo da bola sem esse frenesim das contratações e dos negócios.
        É a minha opinião—apenas.

  9. Não conheço esses jogadores do Sporting chamados Adrian e Gerson…

Trackbacks

  1. […] Como eu gosto das regularidades. […]

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s