O bonezinho


À porta do restaurante, deparei-me com uma discussão entre um controlador de estacionamento e um arrumador, ambos muito solenes no exercício das suas funções, à volta de um carro com proprietário ausente. Desde que a Câmara do Porto concessionou o estacionamento a uma empresa privada, as ruas encheram-se de homens e mulheres apetrechados de coletes fluorescentes e com a identificação garrafal, nas costas: CONTROLADOR DE ESTACIONAMENTO. Os arrumadores não desapareceram, antes procuraram adaptar-se aos novos “partners”, como se diz em empreendedorês. Mas o arrumador, pelo menos este, o da discussão, possui por vezes um vínculo tácito com os seus clientes e rapidamente se solidariza com eles contra a figura do controlador. A discussão era toda cheia de salamaleques, porque o arrumador é um moço que está limpo há anos, e tem orgulho em trabalhar só com doutores e engenheiros. Era “o indivíduo” para cá, “a viatura” para lá, “o tiquê de estacionamento” para acolá, com o controlador muito imbuído do seu papel institucional e o arrumador inflado de uma dignidade que não dependia de coletes. Tive pena de não poder almoçar lá fora só para poder acompanhar a discussão. Mas não tinha tempo a perder e era dia de tripas. Já no restaurante, cruzei-me com um velhinho, de saída, mas que logo voltou atrás porque lhe faltava o chapéu.

O empregado, num equilíbrio delicado de travessas, pratos e copos, quis saber que se passava.

– Perdeu o chapéu?  Mas era daqueles de enfiar todo na cabeça?

– Não, era um bonezinho.

Lá foi pousar a pratalhada para se pôr à procura. Na mesa ao lado daquela em que o velhinho tinha almoçado estava uma senhora, sozinha. O empregado aproximou-se da mesa, levantou a toalha para espreitar a ver se o boné estava caído, enquanto a avisava:

– Desculpe lá eu fazer isto, mas como não tem mini-saia….

Agachou-se aos pés dela. A senhora, imperturbável, mal levantou os olhos da sopa.

Noutra mesa, mais ao lado, já toda a gente procurava o boné que nem tinha passado por ali, mas nunca se sabe.

– De que cor é?

– É escurinho – respondeu o velhinho com decoro, como se dizer “preto” fosse demasiado brusco para aqueles senhores e senhoras tão solícitos.

E até eu, que tinha acabado de sentar-me, me juntei à busca. Levantaram-se as saias brancas às mesas e nada de boné.

Até que o velhinho se aproximou do empregado para poder dizer-lhe com voz envergonhada que se calhar tinha deixado o boné no móvel da entrada de casa, que a bem dizer não se lembrava de sair com ele para a rua, e que desculpássemos a trabalheira.

Foi em paz, abençoado por todos os comensais. Vieram as tripas e não se falou mais no assunto.

Já no café final dei por mim a pensar, e é um pensamento a que volto muitas vezes, que só espero que a modernidade (e venha ela!) nunca dê cabo disto.

Foto: CRomualdo
Sobre Carla Romualdo

aviadorirlandes(at)gmail.com
aventar.eu / pestreita.wordpress.com

Comments

  1. Que ternura… Lindo…

  2. Que BOM ainda valer a pena presenciando esta , AINDA, maravilhosa realidade.

  3. Afonso Valverde says:

    Bonito texto, real e de excelente escrita.
    Depois e sempre, há o “Homem que confundiu a Mulher com um chapéu” – Oliver Sacks.

  4. JgMenos says:

    Os arrumadores vão ter de alcançar um superior grau de confiança dos clientes: os talões das máquinas colocados no exterior do automóvel não evitam a multa!

  5. Luís Lavoura says:

    Excelente texto, muito bem escrito e cheio de suspense.

Trackbacks

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s