Studying fake news about Voltaire, spread by the New York Times


Un calife autrefois, à son heure dernière,
Au Dieu qu’il adorait dit pour toute prière :
« Je t’apporte, ô seul roi, seul être illimité,
Tout ce que tu n’as pas dans ton immensité,
Les défauts, les regrets, les maux, et l’ignorance. »
Mais il pouvait encore ajouter l’espérance.

Voltaire

O projeto-piloto da Comissão, que visa assegurar a correta aplicação da legislação da UE por parte dos Estados-Membros, sem o recurso a processos de infração, é objeto de um inquérito estratégico que teve início em maio.

Relatório Anual 2016 do Provedor de Justiça Europeu

***

1. É no mínimo curioso — e paradoxal q.b. — que, numa notícia sobre ‘fake news’ espalhadas por Voltaire, o New York Times espalhe ‘fake news’ sobre Voltaire.

Os leitores do Aventar conhecem o caso ‘Voltaire vs. S.G. Tallentyre/Evelyn Beatrice Hall’, logo, sabem que Voltaire nunca escreveu em francês — «Je déteste vos idées mais je suis prêt à mourir pour votre droit de les exprimer»— aquilo que em inglês — «I disagree with what you say, but will defend to the death your right to say it.» — o New York Times apresenta como dado adquirido:

 

2. Mudando de assunto, segundo o Público,  «a Comissão detecta um desvio significativo entre o que está no Orçamento e aquilo que é exigido pelo Pacto de Estabilidade». Efectivamente, no que diz respeito a desvios significativos «entre o que está no Orçamento» e X, Y ou Z, a Comissão Europeia tem toda a razão, pois a prática é habitual. Já tínhamos detectado por aqui um desvio significativo entre o que está no Orçamento do Estado para 2018 e aquilo que é exigido pelo Acordo Ortográfico de 1990. No OE2018, sim. Todavia, já que estamos a falar sobre este assunto, também no OE2017, no OE2016, no OE2015, no OE2014, no OE2013 e, claro, nesse momento fundador, no OE2012.

3. Por falar em 2012: e no sítio do costume? No sítio do costume, os desvios são como certa jurisprudência e como a mágoa daquela personagem, cantada pelo Clooney, pelo Turturro e pelo Blake Nelson. No sítio do costume, os desvios são constantes.

***

Comments

  1. ZE LOPES says:

    Rymas Elegyacas em Omenagem ao Achordo Ortographico (parte VI):

    O projeto do arquiteto
    Foi de pronto rejeictado
    Porque o preço por catecto
    Estava muito inflaccionado

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s