Júpiter visto pela sonda Juno em Agosto de 2016

júpiter
Ao contrário da habitual região equatorial de cintos e zonas, os pólos estão manchados com tempestades de vários tamanhos, semelhantes a versões gigantes de furacões terrestres. Os pólos de Júpiter não eram vistos a partir desta perspectiva desde que a sonda Pioneer 11 passou pelo planeta, em 1974.

Imagem: NASA

Portugal a arder

Inc

Negligência, irresponsabilidade e interesses económicos. Portugal assiste a mais um ano negro de fogos florestais que podem ser vistos do espaço. Um flagelo incontrolável orquestrado por criminosos impunes. Triste sina a nossa.

Fonte: NASA/Caltech@DN

Rezar deve ser mais apertado

A Pr. do Comércio tem 36000 m2. A deS. Pedro 22000 m2 23499m2. É só fazer as contas.

Sinta-se como uma estrela

Sem sair do seu lugar!

Exposição de Fotografia “Entre Espaços” de Pedro Noel da Luz

Entre Espaços”
Da terra, do mar, do céu.
Sobre prateadas superfícies
No corpo expandido
Dentro das ruínas do abandono
No caminho para outro tempo
Nas texturas de uma língua
a comunicação de espaços
que não chegam a ser,
nem este nem aquele,
quando a composição fotográfica se contém
e, ambivalente, se detém
sobre as possibilidades
dos liames entre mundos.
Neusa Dias
Maio 2012

A Messenger entrou em órbita de Mercúrio

A Terra e a Lua vistas da Messenger (clique na foto)

 

[Read more…]

Chuva da minha nuvem

(adão cruz)

Chuva da minha nuvem água da minha sede…

Com treze anos ou vinte somos a forma sublime uma espécie de sal e água.

Não somos a dimensão da vida mas criamos salinas nas margens do espaço.

O espaço era verde o espaço era verdade e a dimensão acertou o passo pelos passos da idade quando a idade nos diz que não há margens no espaço nem salinas de verdade.

o meu poema azul

 

(adão cruz)

 Não sei fazer uma rosa nem me interessa

não sei descer à cidade  cantando

nem é grande a pena minha.

Não sei comer do prato dos outros nem quero

não sei parar o fluir dos dias e das noites

nem isso me apoquenta

não sei recriar o brilho do poema azul…

…e isso dá-me vontade de morrer.

Procuro para além das sílabas e dos versos

a voz poderosa mais vizinha do silêncio

o meu poema azul…

o suspiro de Outono onde a brisa se aninha

no breve silêncio do perfume do alecrim.

Lugar das palavras e dos versos

no caminho do teu rosto junto ao rio dos teus olhos

onde a vida se faz  poema

e o mar se deita nos lençóis de luz do fim do dia.

Procuro para lá das sílabas e dos versos

encontrar meu barco à entrada do mar

onde repousa teu corpo entre algas e maresia

meu amor perdido num campo de violetas.

O meu poema é tudo isto

que me vive que me ilude que me prende

ao lugar azul que procuro dia e noite

por entre os versos do meu ser.

O poema mais lindo da minha vida ainda não nasceu

não tem asas nem olhos nem sentimento

que o traga um dia o vento se vento houver

que a saudade o encontre onde ele estiver.

Dizem que no cimo dos pinheiros ainda é primavera

mas tão alto não chego.

Mais à mão

molho a minha camisa primaveril

no regato cristalino

que vai correndo por entre os dedos

num solo de violino.

Vestido de tempo sem espaço e de espaço sem tempo

tento fundir a neve com o calor da nudez

em versos que tecem mais tarde ou mais cedo

o mundo das sombras.

Não sei colher uma rosa

nem sei descer à cidade cantando

sou apenas aquele que ontem dormia

sobre um poema azul

e das asas da ilusão se desprendia.

Sou aquele que ontem se despia

nos braços do poema que vivia.

Sou aquele que ontem habitava

em silêncio

o poema que acontecia.

Sou aquele que ontem sonhou… 

em vão…

com o poema azul de mais um dia.

%d bloggers like this: