Maria Begonha e a precariedade

MB.jpg

Fotografia via Jornal Económico

O conclave da Juventude Socialista reuniu-se este fim-de-semana para escolher um novo líder. A votos apresentou-se apenas uma militante, algo comum entre as juventudes partidárias do centrão, o que nos diz muito sobre a vitalidade da democracia no seio destas organizações. Inevitavelmente, a polémica Maria Begonha tornou-se na 13ª secretária-geral da JS, algo que à partida lhe garantirá um lugar na Assembleia da República num futuro próximo. Mal posso esperar para ser representado por ela! [Read more…]

Carta de Marcelo Rebelo de Sousa a Marcelo Caetano, um ano antes da revolução

Excelentíssimo Senhor Presidente (do Conselho),

Excelência,

Pedindo desculpa do tempo que tomo a Vossa Excelência, vinha solicitar alguns minutos de audiência (…). Seria possível, Senhor Presidente, conceder-me os escassos minutos que solicito? (…) Acompanhei de perto (como Vossa Excelência calcula), as vicissitudes relacionadas com o Congresso de Aveiro, e pude, de facto, tomar conhecimento de características de estrutura, funcionamento e ligações, que marcam nitidamente um controle (inesperado antes da efectuação) pelo PCP. Aliás, ao que parece, a actividade iniciada em Aveiro tem-se prolongado com deslocações no país e para fora dele, e com reuniões com meios mais jovens. [Read more…]

E não me falem mais de pinturas nas escadas monumentais sff

Ficamos assim: eis a prova de que tudo o que se disse contra a pintura que no domingo a CDU fez nas escadas monumentais em Coimbra não passou de uma tentativa da direita de silenciar um partido de esquerda. Não vou perguntar onde estavam os meninos que agora protestam quando a JS teve o seu momento “mural nas escadas“. Nem vou qualificar a atitude do actual presidente da AAC, militante da JS. No esterco só se mexe com luvas.

Confesso que nem me lembrava desta (tradicionalmente o espaço é ocupado pelo PCP), mas apareceu, e não é uma manipulação fotográfica.

Assunto encerrado.

Café Central – Reunião de Gerentes

Anunciei a 29 de Abril passado no ‘Aventar’ a reabertura do Café Central, e as consequências previsíveis.

Na edição ‘on-line’, o Público dá conta do entendimento entre dois “gerentes do café” no sentido do agravamento de impostos em relação a quem é remunerado (IRS) e a quem consome (IVA). Neste último caso, independentemente dos baixíssimos rendimentos auferidos, sobretudo por muitos dos idosos reformados; passam a pagar 6% de taxa de IVA na compra de bens essenciais ou de medicamentos – sempre é 20% de aumento de IVA no respectivo escalão. É só fazer contas.

Do lado dos privilegiados, e porque o descaramento já começara a tornar-se insustentável, os gerentes parecem ter concordado em reduzir as remunerações dos políticos, aplicar uma taxa adicional de 2,5% sobre lucros de grandes empresas e da banca, e finalmente fazer vigorar a tão propalada tributação de 20% sobre as mais-valias mobiliárias.

Tudo isto é o anunciado pela imprensa de hoje, salvaguardando-se, porém, a necessidade de ratificação no final da reunião do Conselho de Ministros.

Trata-se, como é óbvio, de medidas financeiras, para reduzir o deficit para 7% em 2010. E as novas baixas exigidas em 2011 e 2012, até se atingir 3% em 2013? Serão feitas sempre através do mesmo tipo de engenharias financeiras do OGE, ignorando a estratégia do crescimento económico? É natural que sim. Há para aí 34 anos que o “Central” serve este café bem amargo. 

1.º de Maio – O subsídio de férias a zarpar

O líder do PSD, em declarações públicas, defendeu o pagamento do subsídio de férias aos funcionários públicos, em certificados de aforro. A SIC divulgou ontem uma sondagem, com maioria de opiniões desfavoráveis; hoje, as notícias da TVI24, em Economia, voltam à carga, argumentando tratar-se de uma medida recomendada por economistas, idêntica à dos anos 1980 de um governo do bloco central, chefiado por Mário Soares. Nessa altura, não foram apenas os funcionários públicos.

Tudo isto cheira a campanha de preparação da opinião pública para a medida em causa. A intenção é atingir apenas os funcionários públicos, o que, em si mesmo, já é injusto?

Pedro Passos Coelho começa mal. O não pagamento, em dinheiro, do subsídio de férias é penosa prenda, anunciada aos trabalhadores portugueses no 1.º de Maio deste ano. A somar, de resto, ao desancar sobre os desempregados por José Sócrates, na presença avalizadora do líder laranja.

O ideal seria não haver trabalhadores, pensam eles.     

Prof. Dr. Engº José Sócrates

Com o curso tirado numa escola de grande reputação – A Independente – (nome apropriado tendo em vista a sua particular independência em relação ao conhecimento e ao mérito), o nosso primeiro e os seus ministros chamam empresários e economistas para lhes darem aulas de política e de empreendorismo!

Com um curriculum particularmente activo e com obra feita (vejam-se as famosas casas ) e com passagem na JSD, meteórica, é certo, mas de grande relevo, e na JS com êxito absoluto (chegou a secretário de Estado, a ministro e agora a primeiro-ministro), José Sócrates tem mais do que capacidade para dar lições a quem arrancou com empresas, vende para a exportação, paga a trabalhadores e ainda paga impostos!

Ontem, no CCB, chegou atrasado 45 minutos, sem um desculpem, avançou com um discurso que ninguém percebeu se se tratava do “seu sonho de menino” e, antes que alguém dissesse alguma coisa, arrancou como chegou e deixou toda a gente a falar sozinha.

O Dr. João Salgueiro ( um tipo que tirou o curso numa coisa que está instalada numa rua que se chama “Quelhas” o que diz tudo sobre a sua reputação), ainda foi dizendo que o sr primeiro-ministro tinha dado uma prova de grande orador, mas que  tinha falado de coisas que ninguem entendia, tal era a complexidade do tema e a originalidade!

À noite, no que já foi o “Prós e Prós e agora é o “Contra e Contra”, na RTP1, todos os que lá foram debitar assuntos sem interesse, disseram que não conheciam as matérias em que o governo é perito o que mostra bem o avanço civilizacional que, Portugal pobre e mal agradecido, não reconhece.

Entretanto, o ingrato e pouco reconhecido Constâncio já veio para aí dizer que “está muito pessimista”, eu percebi logo que se referia ao lugarzinho na Europa, era o que faltava quando o país vai de vento em popa, que a questão fosse os desempregados, a dívida e o déficite.

E é preciso que se perceba de uma vez por todas. O nosso défice é igual ao dos outros países, o endividamento também, por isso nada de chatear, porque a capacidade para  aumentar a riqueza para pagar isso não é igual, mas também não há pressa nenhuma em pagar.

Afinal, o que querem? Não andamos sempre com uma mão à frente e outra atrás?