Prémios de Turismo: Paga Zé….

Primeiro foi o Elidérico Viegas que denunciou o esquema e entretanto foi corrido (disso já se falou no Aventar)

Já se sabe que a brincadeira com o nosso dinheiro custou mais de 80 mil euros em Braga. E como foi no Porto (e em Lisboa sem esquecer a Madeira e o Algarve)? Só para a malta saber e perceber. Sobretudo, perceber como se criam mitos de génios da gestão, como se justificam salários milionários de certos gestores públicos e como os responsáveis do Turismo de Portugal nos vendem a banha da cobra.

Os prémios maravilha do turismo

Hoje, no i, Elidérico Viegas (Presidente da Associação dos Hotéis do Algarve) disse em voz alta o que muitos já sabiam mas apenas falavam em surdina:

Em relação a esses prémios, só nós é que os conhecemos, o resto do mundo não sabe. São eleições feitas por entidades privadas que se regem por princípios económicos, de rentabilidade económica e, como tal, pagamos e ficamos no lugar que queremos. Estes prémios que andamos a apregoar com frequência são prémios atribuídos por estruturas ou organizações privadas que têm como fim o lucro e que vendem lugares em função dos preços que se pagam. Jornal i, 26 de Março.

Em suma, a malta andou a festejar (sobretudo nas redes sociais e nos meios de comunicação social) que o Porto era o melhor destino da Europa, Lisboa o melhor destino do Mundo, Braga melhor destino 2020 e já nem sei quantos mais “melhores do mundo e arredores” fizeram capa de jornais, abertura ou fecho de telejornais e movimentos de #manada nas redes sociais quando, afinal, era tudo treta. Ou melhor, tudo pago. E pago por quem??? Ora adivinhem lá….É isso, foi você, fui eu. Os do costume. Maravilha.

Junta de Boys ou a Intolerância Política à Lactose

Em 2018 um conjunto de bracarenses criou um programa de autor na RUM – Rádio Universidade do Minho, chamado “Junta de Boys”. Sublinhe-se a originalidade do nome para um programa divertido com o fito de analisar a realidade local. Segundo sei, um (ou mais) dos seus autores pertenceram, nos idos de 90/00, ao blogue “Avenida Central”, um dos melhores blogues locais/regionais da época e que foi uma enorme dor de cabeça para a Câmara Municipal de Braga liderada, à época, por Mesquita Machado (PS). Aliás, sobre isso, cito um dos autores:

Já não é primeira que um projeto de discussão da política local em que participo é objeto de censura súbita… O primeiro caso teve a ver com as Conversas Desbragadas, do ProjetoBragaTempo, em 2001. O objetivo era debater a cidade de Braga com especialistas, de forma informal, com entrada livre e participação do público. Parece simples mas gerou – e ainda hoje geraria – imensa animação que foi bem aproveitada pelos muitos jornais que tinham sede ou delegação em Braga em tempos de cinzentismo mesquitista. As Conversas realizaram-se no salão do Ferreira Capa e, no dia da 3ª Conversa, avisaram-nos que seria a última. Claro que as Conversas não pararam e mudaram-se logo para o antigo Nosso Café [que nunca pôs quaisquer entraves]. Muitos anos depois foi a vez da Revista Rua. Com o propósito assumido da polémica nascia a rubrica Avenida da Liberdade. Eu escrevia à esquerda e o Rui Moreira à direita. Escrevemos o que entendemos sobre o mesmo tema durante várias edições até que a direção nos pediu uma pequena pausa… Até hoje! Coincidência: logo depois, a Rua entrevistou com grande destaque o Presidente da Câmara e passou a celebrar contratos com o Município… (Luís Tarroso Gomes, Junta de Boys)

Ora, nestas coisas o poder político lida sempre muito mal com a crítica. E nestas matérias, nenhum partido é virgem. O mesmo Luís Tarroso Gomes explica: “A origem da censura também é difusa, e normalmente, radica em interesses económicos indiretos. Por exemplo, a Câmara de Braga não dá dinheiro à imprensa, através das mais diversas vias e contratos, para que a imprensa se cale. O que faz é dar quantias suficientemente generosas para que esses órgãos de comunicação, frágeis pela quebra de receitas publicitárias, fiquem agarrados a esse apoio. E por sua vez estes tornam-se mansinhos para assegurar a renovação do apoio assim pondo em causa a fiscalização democrática. Se fosse num governo seria um escândalo. Mas a nível local pode fazer-se quase tudo sempre em perfeita impunidade“. Nesse aspecto, o chamado “Poder Local” aplica a censura com uma facilidade impressionante. O caso de Braga não é único nem novo. E nem tão pouco é distinto do que se passa em autarquias rosa, laranja, azuis ou vermelhas.

[Read more…]

Pulseiras electrónicas nos funcionários da CM de Braga

Não que Ricardo Rio alguma vez me tenha enganado. A personagem, toda ela conservadorismo sisudo, pouco dada à grande maçada que é a social-democracia, essa reclusa de uma qualquer gaveta coberta de teias de aranha, algures numa cave escura  da São Caetano à Lapa, sempre foi por demais evidente. Mas uma coisa é o que eu acho dele. Outra, bem diferente, é vir o senhor dizer, em plena Assembleia Municipal de Braga, que, se pudesse, colocaria pulseiras electrónicas a alguns funcionários da CM de Braga. [Read more…]

Braga, a cidade do Medo e do Respeitinho

Autarca que foi da “terceira cidade do país”, Mesquita Machado foi ontem condenado a “a três anos de prisão, com pena suspensa, no processo relacionado com a expropriação do quarteirão das Convertidas”.

Como anuncia a condenação os jornais locais?

O jornal da diocese, o Diário do Minho, publica um texto da agência Lusa. Apesar de este jornal estar sediado em Braga, por respeitinho, vai buscar um texto sobre um tema brácaro a Lisboa. É compreensível. O arcebispo e empresário da fé, jorge ortiga, não gosta de alimentar polémicas, um pouco à semelhança do cordato e consensual Cristo.

O Correio do Minho, jornal ex-propriedade da Câmara Municipal, transformado que está num republicatório de boletins camarários e empresariais, não tem uma única linha sobre a sentença aplicada a Mesquita Machado.
O seu director, Paulo Monteiro, ou tem graves problemas de memória ou, digo eu, entende que os bracarenses são estúpidos. Alguns são mas são a minoria.

 

Braga e a Revitalização/Renovação Urbana

[Luís M. Mateus]

Ao autorizar o acrescento (algo que excede a pré-existência) hoje já claramente patente na esquina NE da Praça do Município (foto 1), porventura com fundamento (?!) numa leitura errada (permissivista, laxista) das volumetrias antigas (fotos 2, 3 e 5), a Autarquia de Braga compromete-se a autorizar que toda aquela praça seja acrescida de um piso acima dos actuais (ver antevisão nas fotos 4, 6 e 7)

A ideia (brilhante?!) deve ser fazer «subsair» – o acto inverso de fazer «sobressair»… – ou seja, de realçar por contraste negativo com a envolvente, o edifício dos Paços do Concelho.

É Braga (a pequenina) a caminho do futuro…!

Mulheres Nuas? ah, isso faz dói-dói

nu_Schiele

Estamos a ficar muito sensíveis à luz, não?
Em Braga, capital lusa da moral pudica e bons costumes (conferir os anúncios do Correio do Minho), aconteceu o mesmíssimo há uns quantos anos.
Veio a polícia dar-se ao ridículo e levar uns livros de pinturas antigas.
E isto na cidade onde os ditos representantes de Cristo apadrinham, de estola e hissope, supermercados construídos nos seus terrenos.
À revelia da lei dos homens, à sombra do arcebispo e empresário da Fé, o jorge ortiga.

Bela moral. Pudor!

Estátuas que se inauguram em Braga

inaug_garrafa_coca_cola

Sim, é uma estátua de uma garrafa de Coca-Cola.
Tão ridículo e tão ridícula como a do cónego.

Jesus Cristo Mc Donald

cristo_fast_food_braga

É em Braga, claro. A Cidade Autenticamente única.
Dificilmente poderia ser noutro lado: a poucos dias das Inaugurações, continuam as Eleições com a presença de vários membros do poder secular local e, precisamente por se tratar de Braga, a benção da Santa Madre Igreja de Braga.
Sabemos que JC era apreciador de bom vinho, não ía lá com qualquer zurrapa. Mas não faço eu ideia se seria apreciador de um hamburguer regado com água benta.
Foto devida sacada do FB do vereador do Ambiente que não responde a emails, o Altino Bessa.

Praia em tempo de castanhas

praia_braga_eleicoes

Nas ruas de Braga já se assam castanhas mas isso não deve impedir a junta de freguesia de São Victor de, a quatro dias de ida às urnas, levar 150 eleitores a molhar os pés no Atlântico. Campanha eleitoral com o dinheiro dos munícipes? Em Braga?? – nah…
Entretanto, tem sido impossível calar os professores no que diz respeito à falta de funcionários nas escolas do concelho de Braga.
(in Correio do Minho, 28-09-2017)braga_falta_professores

 

PSD, na vanguarda da instrumentalização de idosos para fins eleitoralistas

Ok, é possível que outros partidos façam o mesmo. Se conhece mais algum caso, caro leitor, envie para cá. Terei todo o gosto em aventar sobre ele. Contudo, é natural que me debruçe mais sobre o que se passa Trofa, concelho onde nasci, cresci e que escolhi para viver, onde há quatro anos governa uma coligação PSD/CDS-PP, que, em quatro anos, elevou o eleitoralismo para um novo patamar de pouca-vergonha. Torna-se sufocante e um tipo tem que ter um escape. [Read more…]

A Braga dos segredos de Batista da Costa

tub-monologo_batista_da_costa
Um “Encontro” ocultado, secreto, sem plateia, sem perguntas, sem respostas, apenas com jornalistas a segurar o microfone.

O administrador dos TUB Batista da Costa não tem tempo para responder a cartas registadas dirigidas à empresa municipal que administra mas – e é bom sabê-lo, – tem tempo para dar palestras em salas vazias. Com a conivência, claro, da imprensa da cidade.
Absolutamente mantida secreta e ocultada a conferência-monólogo que ontem “aconteceu”, o administrador da empresa municipal entende que os Transportes da cidade não são para serem debatidos: são para serem monologados.
Na melhor das hipóteses, debitados: o administrador debita, os jornalistas transcrevem.

Não há direito a perguntas. Os TUB não respondem a perguntas. O Batista da Costa manda dizer ao telefone que não responde a perguntas.
De positivo deste Encontro (há foto da plateia??) há a registar o facto de os autocarros virem, em breve a entrar no campus de Gualtar da Universidade do Minho, uma micro-cidade com umas 15 mil almas.

Como termo de comparação (e Braga é incomparável), o serviço concessionado de transportes urbanos CORGOBUS (Vila Real) entra no campus da UTAD desde a data da criação da empresa, 2004.
Já vamos com 13 anos de atraso.

É o autarca Ricardo Rio conivente com o silêncio em torno deste Encontro secreto, sem plateia? E porquê?

A Praxe integra

Ou havia dúvidas?
Desfile do Enterro da Gata em Braga, 17 de Maio de 2017.
© FB Alex Liberall

O Rally de Braga, o Enterro da Gata e os TUB

tub_enterro_da_gata2
Jactância não falte nunca aos talentosos gestores dos Transportes Urbanos de Braga!
Não falte!
Por estes dias, vai acontecer em Braga uma corrida de carros, dentro e à porta da zona antiga da cidade bimilenar. A corrida de carros vai naturalmente trazer alterações ao quotidiano de quem visite, de quem trabalha ou estuda na cidade e que, por essas razões, pretende chegar aos lugares de trabalho ou de estudo.
E é nestes últimos que me vou focar.
Assumamos que a realização de um corrida de carros dentro de uma cidade que se orgulha dos seus dois mil anos de história é consensual.
Posto isto, a cidade organiza-se e prepara-se para o que lá vem. [Read more…]

Braga e o Dia do Trabalhador


À pressa,  há pressa em inaugurar mais um supermercado no centro da cidade! 
© GS

Semana Santa em Braga

A Procissão da Burrinha, e é pena, não percorre mais que umas quantas ruas da zona antiga da bimilenar cidade de Braga. E é pena porque talvez desse jeito fosse o jeito de a cidade ser mantida, de forma sistemática, limpa, arejada e digna. É pena, não é assim. Assim, os moradores das Enguardas (ali para o Feira Nova) terão que esperar que passe a “semana santa” para que os serviços da semi-municipal Agere se decidam a cumprir as promessas telefónicas.
O bidon do óleo já ali está há uma semana; o sofá também.
Pena é que sem uso e serventia, o sofá, quisesse alguém sentar-se a apreciar a cidade que não semeia um único jardim ou parque desde pelo menos 1976…

Braga, o Medo e o Respeitinho

2017_braga_defesa_rua_25_Abril_debate_12
A AUTO-CENSURA é mais tenebrosa que o MEDO?*
(o tema é mesmo supermercados)

Um grupo de cidadãos reúne-se em Braga (“a terceira cidade de Portugal“) para discutir a implementação em curso de (mais) um supermercado numa zona consolidada da cidade.
A dar eco deste debate sobre urbanismo e qualidade de vida na cidade está presente a Rádio Universitária do Minhowww.rum.pt

Na cidade, publicam-se os dois únicos jornais diários de todo o Minho, o Diário do Minho – de assumida inspiração católica, – e o Correio do Minho – assumidamente inspirado por quem quer que queira pagar.
Na terceira cidade de Portugal, nenhum dos dois jornais diários aqui publicados optou por dedicar um único parágrafo a um debate sobre urbanismo (mau urbanismo, na minha opinião).
Será porque a autarquia, convidada, declinou o convite para se fazer representar?
[Read more…]

Braga comemora a Inauguração

braga_comemorar_inaugurar
Em que outra cidade portuguesa se inauguram placas comemorativas de uma inauguração?
Bem-vindos a Braga!

Há gente em Braga…

braga_romana_ricardo_rio

Jaime Manso

Braga é uma cidade atrasada no tempo, com gente desfasada da realidade. Com gente que devia andar descalça no meio dos campos, e a prestar contas ao senhor feudal.
Braga regride e distancia-se de todas as outras em tudo o que é mau, porque Braga tem gente que não gosta de gente que trabalha à noite. Braga tem gente que tem inveja de quem sai à noite. Braga tem gente intolerante, e quando se queixam e lhe dão uma solução, essa gente não quer a solução.
Braga tem gente que acha que grande festa é a cidade Romana, que não é mais que todas as outras festas, de todos os vilarejos medievais, onde a toga é enfeitada com louros. Em Braga festeja-se a cidade Romana em vez da cidade dos Bracarae, esses bem diferentes dos romanos, até nas roupagens. Em Braga, ha gente que gosta da Noite Branca e a confunde com cultura, sendo a cultura do nada, onde a gente se veste de branco sem saber porquê, veste-se. Sobe-se e desce-se a avenida de sorriso escachado na cara, como se fosse S. João, e vai-se ao bares da Sé beber copos…
Nessa noite até dão jeito. Nessa noite, até dão jeito. [Read more…]

Golo da semana

Vale por tudo: pela execução técnica do remate, pela forma em como Braga manietou 6 jogadores com a sua acção e pela inteligência demonstrada por Perdigão.

Pormenores que fazem toda a diferença

pedro-santos

Créditos Jornal O Jogo

A importância de ter jogadores capazes de resolver jogos difíceis quando o colectivo não é suficiente. É a frase que ajuda a resumir o papel de Kostas de Mitroglou na suada vitória do Benfica em Braga, num jogo em que o empate se justificava mais que a vitória dos encarnados pela excelente primeira parte que o Braga realizou no plano ofensivo, pelo interessante e comprometido empenho dos bracarenses no plano defensivo, exceptuando num ou noutro lance em que o seu lateral esquerdo Marcelo Goiano tremeu (no lance do golo, o lateral do Braga poderia ter abordado o lance com mais assertividade) e pelas  grandes exibições realizadas por Assis, Battaglia, Pedro Santos e Rui Fonte.

Grande jogo em Braga, grande ambiente, futebol de velocidade, de ataque e resposta e de entrega total dos jogadores ao jogo, devidamente arbitrado por um Luís Ferreira que a meu ver só pecou por uma vez no primeiro tempo ao não assinalar uma grande penalidade a favor do Benfica por carga (com recurso aos braços, completamente fora de tempo) de Rosic a Toto Salvio.

A Imprensa de Braga está cativa?

imprensa_cativa_braga

Facto: um autarca de um pequeno município do distrito de Braga é detido por suspeitas de “corrupção e abuso de poder“.
Notícia no dia seguinte: página inteira
Facto Alternativo: um ex-vice presidente de uma grande autarquia portuguesa – Braga – é detido para interrogatório por suspeitas de “luvas”.
Notícias na imprensa de Braga: nada.

Porque acontece isto? Aceitam-se palpites.

A árvore, esse objecto que suja e atenta contra o betão…

João Paulo Forte *

A ecologia é uma palavra vã na cabeça de muitas pessoas, talvez pela preocupante iliteracia ambiental. À medida que o Ser Humano traça um caminho divergente face ao mundo natural, numa espécie de ambiente asséptico, este começa a perder algo de fundamental. O discernimento acerca da importância das interacções entre os seres vivos e o meio físico tem-se perdido a uma velocidade vertiginosa, talvez causado por um capitalismo feroz, onde o dinheiro e a posse são quem mais ordena. E isto tudo numa sociedade dita informada, onde há um evidente excesso de informação em termos quantitativos, mas um défice crónico em termos qualitativos. É a ironia das ironias, conseguimos fazer evoluir várias tecnologias e, ao mesmo tempo, enquanto sociedade, perdemos capacidades fundamentais para uma vivência sã e devidamente sustentada. Cada vez são menos o que efectivamente entendem que a afectação de um elemento afecta a dinâmica do todo, do geossistema. [Read more…]

Truques na imprensa de Braga?

indice_transparencia_bracarense

Será Braga a capital dos “factos alternativos”?
Parecem estar na moda.

No Índice de Transparência Municipal de que há dias se vem falando, Braga surge na posição 235 por entre 308 municípios – claramente, uma péssima prestação por parte da cidade onde o arcebispo convida os paroquianos a pagar propinas na sua universidade, da nanotecnologia, cidade do Desporto, dos Joões, das Malafaias e da Juventude Iberoamericana.

É possível dizer-se que Braga tem, nesta matéria, um péssimo desempenho sem o dizer? Aparentemente, sim, é possível. Basta fazer como o Correio do Minho: falar por omissão.

As classificações no Quadrilátero minhoto:
Vila Nova de Famalicão: 42
Guimarães: 61
Barcelos: 162 (±meio da tabela)
Braga: 235

Ora, onde entram os “factos alternativos”?
Precisamente no título do artigo com que o Correio do Minho brinda os seus leitores: Famalicão lidera no ranking (o que não deixa de ser verdade).

Mas não é estupidamente mais relevante BRAGA, até pela sua dimensão, Braga ter, de longe, a PIOR classificação?

Braga das árvores mortas

Braga é, por desígnio católico, um sítio onde as explicações são dadas sempre depois, quando o são.
De repente, o único pedacinho de terra a que a cidade de Braga poderia chamar de jardim – o Jardim de Santa Bárbara, – perdeu as suas árvores.
Deve certamente haver uma explicação para isto. Deve haver. Ou talvez não.

Rua 25 de Abril – Carta Aberta

rua-25-abril-braga

José Miguel Braga

Caros colegas professores da Escola Secundária Dona Maria II e da Escola Secundária Carlos Amarante:

Não pretendo dar lições a ninguém e muito menos a quem, como eu, procura no dia a dia realizar o seu trabalho com rigor, com boa vontade e com sentido de serviço público.
Sei bem que todos somos diferentes e eu respeito a opinião dos que concordam comigo, dos que discordam de mim, mas também dos cépticos, dos que preferem não se manifestar, dos tímidos, enfim… Como todos sabem, está em curso, até “novas ordens”, um estranho processo de remoção de terras, que afecta os terrenos das “Oficinas de São José”.
De momento, não se vê afixado o alvará, mas tudo indica que se prepara a construção de uma superfície comercial “Continente Bom Dia”. [Read more…]

Braga e as luzes

iluminacao-bragaJaime Manso

Era uma vez uma cidade, lá num reino muito longe, que tinha um Governador que passava os dias ao espelho, e mostrou aos seus amigos que era bom estar ao espelho e admirar-se com ele próprio!
Um dia, de tão ocupado de andar a tirar fotografias para as revistas e jornais que o bajulavam esqueceu-se do Natal! Então ligou aos seus amigos e perguntou – E o Natal? Como é do Natal? As luzes e os enfeites!?! – Mas os amigos estavam todos ocupados, uns ao espelho também; outros a matar árvores ou, assinar projectos com parecer negativo (e ao espelho também).

O Povo gritava nas ruas, – AS LUZES DE NATAL?? Os enfeites??

Ele, furibundo, contratou uma empresa cara, pois os amigos do reino viraram-lhe as costas depois dos favores e das traições. Então, enfeitou, já tarde duas ruas da cidade e na praça central levantou, à pressa uma árvore de Natal! [Read more…]

Braga, a cidade acomodada

braga-cidade-lixo005

Bem-vindos a Braga, a cidade normal.
Bem-vindos ao normal quotidiano normal, o novo normal que dura há anos, que se tornou tão normal e tão banal que o novo normal é esperar que chova
Bem vindos ao feira nova, bem-vindos às Enguardas, bem-vindos a São Victor, bem-vindos às traseiras da Rua do Souto e da Avenida da Liberdade.
Bem-vindos à cidade de que ninguém gosta.
Bem-vindos à cidade onde as pessoas se queixam de, num 4 de Dezembro, ainda não haver luzes de Natal nas ruas do centro quando, na verdade, se queixam de não haver luz pública todos as outras noites do ano.

Bem-vindos a Braga. É bom viver em Braga?

Braga às escuras

cidade-braga-iluminacao
António Ferreira

Braga, centro da cidade, 17h30m de sábado, 3 de Dezembro.

Já não é só a periferia que está votada ao abandono.
O centro da cidade, dita cidade do comércio, está como se (não) vê. As grandes superfícies comerciais continuam a proliferar enquanto o comércio tradicional definha na escuridão.
Acresce a isto a não existência de uma comunicação social independente na cidade. Os casos, os acasos, as situações avolumam-se e a vergonhosa classe de jornalistas dos dois diários da cidade olham para o lado enquanto assobiam e fotografam todas as inúmeras aparições do fotogénico Ricardo Rio, seu putativo patrão.
Foram precisos apenas 3 anos para a Câmara Municipal de Braga transformar a cidade numa amostra triste, gélida e escura daquilo que já foi.
Foto © Ana Silva

A Mobilidade em Braga

urbanismo_braga_tub
A mobilidade em Braga é o fotograma do vídeo-drone dos Transportes Urbanos de Braga sobre a linha 74.