Marcelo a votos nunca ganhou nada!

Uma forma de desvalorizar a vitória de hoje, seja de quem for, é apresentar uma pretensa sondagem que dá Marcelo Rebelo de Sousa como provável vencedor se estivesse na corrida. Como não está, ganha ele nas intenções de voto. A verdade, verdadinha, é que Marcelo sempre que foi a votos perdeu !

Mesmo com mergulhos temerários no Tejo, a precisar de prévia vacina contra o tétano, perdeu Lisboa. Como Presidente do PSD deixou-se enrolar na conversa mole e de encher de Paulo Portas e acabou com a coligação, demitindo-se. Analisar é uma coisa, apresentar  propostas concretas, acreditar nelas, lutar por elas, convencer, é outra muito diferente.

Marcelo tentou ser entronizado, não ía a votos, desistiam todos a seu favor . Isto tinha uma vantagem e várias desvantagens. A vantagem é que todos ficavam “debaixo da lei da rolha” não por 60 dias mas para sempre e o PSD deixava de ser uma arena de “facadas”, por trás, pelos lados e pela frente. Mas as desvantagens tambem não seriam pequenas. Desde logo porque não tinha a legitimidade de quem vai a votos, depois porque o PSD não seria renovado, a geração de Marcelo, Cavaco e Manuela F. Leite e com eles todos os barões e baronetes ficariam no remanso dos lugarzinhos.

Como Marcelo não quiz fazer esse papel houve que ir buscar a Bruxelas, Rangel ! Não ganha? Mas ganhava Marcelo!

É a vingança do chinês…

PSD – Directas #8: Estamos esclarecidos

Se as fontes da jornalista Paula Sá do DN são boas:

Paulo Rangel conta com outro nome de peso no grupo parlamentar, o de Pacheco Pereira, que se empenhou no sucesso da sua candidatura. O deputado social- -democrata foi um dos que apelou à desistência de Aguiar-Branco a favor do eurodeputado. E tem a experiência necessária no lugar, pois foi líder parlamentar no fim do cavaquismo.

Entretanto, fazendo fé nas mesmas:

Manuela Ferreira Leite, essa, já anunciou que se manterá de pedra e cal no Parlamento seja qual for o líder do partido. Mas como foi a primeira a tentar convencer Paulo Rangel a correr para a liderança,é normal que seja mais cooperante nas tarefas parlamentares caso seja o rosto deste candidato o próximo a fazer parte da galeria de líderes na São Caetano à Lapa

Orçamento de Estado 2010 #3:

Hoje o i faz uma bela pergunta: “Alguém gosta deste orçamento?”. Já sabemos que a Função Pública não gosta, tal como não vão gostar os doentes e os pobres. Desconfio que Belmiro de Azevedo, além de não gostar de cavaco, também não. Pelo menos a Moody’s dá o benefício da dúvida, o que já não é mau. Quem também não gosta é Pedro Passos Coelho (afirmou-o ontem na apresentação do seu livro, no Porto). Já Manuela e Portas certamente gostam, caso contrário não teriam alinhado.

Numa análise fria: Estamos tramados!

Teste – megainvestimentos

O leitor encontrará cinco perguntas com duas opções de resposta a que corresponderá uma valorização de 1 a 5 pontos. Após a resposta veja no fim do texto qual é a sua posição perante os megainvestimentos.

Os megainvestimentos são:

–  fundamentais para o país                                   Sim —-                                                 Não  —-

– necessários para as bancos                                   Sim —                                                 Não —-

– necessários para as construtoras                           Sim —                                                  Não —-

– possíveis sem mais dívida                                     Sim —-                                                Não —-

– trazem Madrilenos para a Caparica                       Sim —                                                 Não—-

Pontuação : se você respondeu SIM :

Se a sua pontuação atingiu os 25 pontos você é o próprio Sócrates; se atingiu entre 15 e 20 pontos você pode ser o Jorge Coelho ou o Ricardo Espírito Santo; se atingiu menos de 15 pontos você é um “velho do Restelo”; se não conseguiu nenhum ponto, você é um empresário que já percebeu que as obras já têm destino e não é o seu. Nota:( se  conseguiu atribuir mais que 25 pontos você é uma das Jugulares)

Pontuação : se você respondeu NÃO :

Se a sua pontuação atingiu os 25 pontos, você é a Manuela Ferreira Leite que respondeu com a ajuda do Prof. Cavaco Silva; se atingiu entre os 15 e os 20 pontos você é Passos Coelho a dar uma entrevista à Judite ; se atribuiu menos de 15 pontos você é um dos muitos técnicos do FMI que são nossos leitores; se não atribuiu nenhum ponto você é o Sócrates ou alguem enviado por ele : Nota ( se atribuiu mais de 25 pontos você pode ser um dos autores do 5 dias ou o Aventador LM )

Responda, reflicta e adivinhe quem vai pagar !

Como hoje é Sábado…

Ficamos a saber que Menezes não é candidato a líder, seguindo o exemplo de Marques Mendes e de Marcelo. Já só falta Aguiar Branco e Paulo Rangel. Já MFL prepara-se para juntar os trapinhos com José Sócrates.

Entretanto, Pinto da Costa bate recordes no Youtube e o Liedson ficou a saber que pode andar à batatada que nada lhe acontece, direitos de mercenário, segundo Duque.

Por fim, os Homens da Luta perderam a guerra e cortaram-lhes o pio. Mais um problema para a Justiça. Até o Twitter anda atarefada por estes dias e já nada é seguro. O que vale é que Cavaco quer um final feliz.

Continuação de bom fim-de-semana…

Pedro Passos Coelho: Alternativa?

O Pedro Passos Coelho foi um bom líder da JSD e um dos poucos, senão único, que foi marcante. O PSD, desde o fim do cavaquismo, vive numa profunda crise. Agora, com MFL, bateu no fundo. O PPC surge como uma alternativa. Perfeita? Certamente que não.

No passado acreditei em gente jovem como Paulo Portas (do tempo do Indy) e Manuel Monteiro. Foi uma desilusão e tanto. Considero que a Direita vive em orfandade desde essa altura (outros dirão desde o assassinato de Sá-Carneiro mas eu nem quero ir tão longe). Poderá PPC marcar a diferença? Eu sei que ele não domina todos os dossiers e nem é preciso que os domine, é antes necessário que saiba rodear-se de gente que domine as matérias em determinadas questões essenciais e que o saiba influenciar (no bom sentido) pois nenhum político nem ninguém domina todas as matérias.
O que me faz hesitar num apoio a PPC é o facto de não estar para voltar a sacrificar-me pessoalmente (pois quando apoio dou tudo por tudo) por uma fraude – como me aconteceu no passado. Os sucessivos erros de MM, nomeadamente o do PND, foram fatais. É que o PPC faz-me lembrar o MM dos primeiros tempos e receio que possa terminar como o Monteiro dos tempos do PND. Daí tanta resistência. Por isso não ter tomado, ainda, uma decisão definitiva. Ao mesmo tempo, tenho bons amigos que o estão a apoiar (e a puxar-me para o fazer) e que sei que são pessoas bastante preparadas e que dominam os seus temas, gente competente embora sem grande experiência da política. Mas continuo a resistir. E depois, claro, existe a questão da Regionalização…

O país não está para brincadeiras e nas próximas eleições legislativas, sejam elas daqui a um ou quatro anos, é fundamental que apareça uma alternativa credível, de gente séria e preparada. Estará Pedro Passos Coelho e a sua equipa à altura desse enorme desafio?

Responda quem souber…