Offshores

São o vestígio da verdadeira lei que há pelo menos cinco séculos governa o mundo: a Pirataria.

Yahups

Já se falava há algum tempo e agora confirma-se. A Yahoo  reconhece que foi pirateada, tendo-lhe sido roubado dados dos seus utilizadores, algo que poderá afectar 500 milhões utilizadores.

A empresa afirma que “a cópia de uma certa conta de utilizador foi roubada da rede da empresa em finais de 2014, no que se crê ter sido um ataque patrocinado por um actor estatal.” De acordo com Sam Biddle, repórter da publicação The Intercept,  a Yahoo demorou dois anos a divulgar a quebra de segurança e, só agora que um hacker anunciou que tinha dados de 200 mil utilizadores para vender, é que o, ainda, gigante tecnológico  confirmou os piores receios. Entretanto, implementou medidas de segurança adicionais, tais como invalidar passwords que crêem ter sido roubadas.

A fronteira entre os mundos virtual e real é cada vez mais inexistente, sendo possível o virtual comandar o lado físico das nossas vidas. Não são apenas passwords que estão em causa, como se percebe se pensarmos nas nossas contas bancárias, no controlo de dispositivos, como alarmes e automóveis, e na nossa informação pessoal, como dados médicos e laborais, etc. Tal como no aspecto físico da nossa vida tomamos precauções e medidas de segurança, também o mesmo precisamos de fazer na nossa vida digital. Independentemente do que os prestadores de serviços têm obrigação de fazer pela segurança dos seus utilizadores, estes devem evitar serem um alvo fácil, o que passa pela escolha de passwords não óbvias e autenticação em dois passos, só para citar dois exemplos.

Buckminster Fuller: sobre a Pirataria e outras especializações

Manual de instruções para a nave espacial Terra, de Buckminster Fuller. Um livro muito aconselhável.

A papelada do Panamá e a Pirataria global

O transporte marítimo é o pilar central do comércio internacional e um dos principais motores da globalização, movimentando cerca de 80% do comércio mundial e mais de 70% do seu valor. Toda esta mercadoria, que vai das bananas aos automóveis de luxo, é transportada e distribuída por mar pelos portos de todo o mundo, alimentando as economias e as “necessidades” de consumo das sociedades ditas desenvolvidas ou em desenvolvimento.

[Read more…]

Alguém disse Edward Snowden?

Novo escândalo de espionagem e pirataria ao bom velho estilo da NSA in association with GCHQ.

DVDs comprados e nos quais me chamam ladrão

um mundo sem fimOs editores de DVD continuam a insistir na inserção de um clip de visualização obrigatória antes de se poder passar ao conteúdo comprado (clip este financiado pelo estado). Nele afirmam que eu não roubaria certos artigos e, portanto, não faria um download ilegal. E fazem-no precisamente num produto que comprei. [Read more…]

Stop Online Piracy Act ou Hoolywood a querer mandar na Internet

Era uma questão de tempo até que a maior invenção comunicacional da humanidade entrasse no circuito do controlo político. Até agora temos usufruído de uma liberdade ímpar para fazermos chegar o nosso ponto de vista, a nossa música, a nossa arte e tantas outras coisas – as nossas parvoíces incluídas – a uma audiência potencialmente global. E isto feito sem o controlo económico, político e de censura/edição a que os meios de comunicação social tradicionais estão sujeitos.

 

[Read more…]

A caça aos gambozinos

image

«A associação [ACAPOR] não representa os detentores dos direitos dos videos partilhados na Internet. Mas esta prática de partilha, disse Nuno Pereira, levou à crise dos videoclubes. “Os nossos associados estão a ser verdadeiramente chacinados. A fecharem lojas quase diariamente, não é possível manter esta indústria”.» no Público

Realmente, há qualquer coisa com a malta dos videoclubes. Para além da agenda mediática, há a questão dos argumentos.

[Read more…]

Dia 5 há propaganda aos clubes de vídeo mas já anunciam hoje

A Associação do Comércio Audiovisual de Obras Culturais e de Entretenimento de Portugal (ACAPOR) vai apresentar uma queixa-crime contra mil portugueses por pirataria de filmes através da Internet.” – conta o Público. E como o vai fazer? entregando uma lista com mil endereços IP’s à justiça. E como obtiveram eles tais endereços? Espiando ilegalmente comunicações privadas entre cidadãos.

Para os leigos na matéria: imaginem que uns caramelos se metiam a interceptar chamadas telefónicas e depois apresentavam queixa porque tinham escutado conversas privadas onde se referiam eventuais crimes. Depois imagine a Procuradoria Geral da República a rir-se.

A estupidez vai mais longe: a Associação dos Chulos do Audiovisual e das Obras Culturais e de Entretenimento de Portugal (que representa entidades arqueológicas do tipo clubes de vídeo) afirma que os endereços  abrangem “todos os distritos do país“. Ora em Portugal é possível saber através de um IP qual o fornecedor de serviço (ou empresa se for o caso) a que pertence. Distritos deixem-me rir: se estiver em Trás-os-Montes o seu IP estará atribuído à empresa que lhe fornece o acesso à Internet, o que pode corresponder ao Porto ou a Lisboa. É certo que por ordem judicial todos os IP’s são posteriormente identificáveis, mas isso é outra conversa.

Nem sabem do que falam. Depois admiram-se que lhes aconteçam acidentes do género que a imagem documenta.

Afinal, são mesmo os músicos os que mais perdem com a pirataria

lucros-musica

Hoje tenho de me penitenciar. Errei. Admito que terá sido por desconhecimento, mas não fui mal intencionado. No passado disse e escrevi que não eram os músicos os mais prejudicados pela pirataria de música. Errei. Os músicos são, de facto, os mais prejudicados.

A imagem do disquinho que acompanha este texto permite verificar que são os músicos, artistas individuais ou bandas, aqueles que menos recebem. Todos os outros agentes em redor da indústria da música ganham mais com a capacidade técnica e criatividade dos artistas. Sim, daqueles que ganham menos. Logo, quanto mais pirataria menos recebem os artistas.

[Read more…]

Os chico-espertos voltaram a atacar

Há uns meses o assunto foi falado. A reacção negativa de muitos sectores levou os paladinos detentores da moral legalista a enfiar a viola no saco. Agora, como quem não quer a coisa, pela calada e de forma até algo envergonhada, o Parlamento Europeu e o Conselho Europeu chegaram a um acordo para que as autoridades administrativas dos Estados-membros poderem cortar o acesso à Internet aos utilizadores que façam downloads de ficheiros protegidos por direitos de autor sem uma ordem judicial prévia. Sem ordem judicial, reforço.

 

O centro da questão é mesmo este. É claro que quem efectua downloads piratas comete uma ilegalidade e pode ser punido por isso. A questão é não ser necessária a intervenção do poder judicial. Basta um fulano sentado a uma secretária assinar um papel e pronto, está feito. Não sei se haverá muitas infracções punidas assim, de forma tão leviana.

Isto não acontece por acaso. É fruto das pressões dos detentores económicos dos direitos, sobretudo editoras musicais, que ainda não perceberam como reagir ao fenómeno da Internet.

 

Há uns dias, um estudo, mais um, veio confirmar que os “piratas” compram mais música que os não “piratas”. Esta é uma certeza que tem anos. Os génios que administram o mundo da edição musical é que ainda não perceberam isto. Ou não querem perceber.

Não me interpretem mal. Não defendo os piratas. Mas também não defendo os administradores e gestores das empresas editoras que se aproveitam da criatividade de outros para ganhar mais dinheiro com as suas criações do que os próprios criadores.