BE, o grande derrotado

Em devido tempo fui apontando aqui, no Aventar, aquilo que me pareciam ser grandes erros políticos por parte do BE.

Relembro três, que me parecem essenciais: a aliança ao PS debaixo do chapéu Manuel Alegre, uma moção de censura para retirar o tapete a uma iniciativa do PCP (em que o Bloco mostrou ter os mesmos defeitos dos outros partidos) e a recusa do encontro com a Troika (em que o BE se auto-excluíu de possíveis contributos políticos pós-eleitorais e, natural e generalizadamente, as pessoas não votam em quem não possa aportar soluções).

Por outro lado, o Bloco não renovou os seus maiores temas e causas (ou, pura e simplesmente, não os tem) e aparece como um partido “velho” e gasto, por oposição ao partido novo que já foi.

Nota: Este poste estava já publicado quando Francisco Louçã reconheceu a derrota do BE e assumiu responsabilidades. Não reconheceu erros, mas pelo menos, chamou os bois pelos nomes e usou a palavra derrota. Menos mal.

Primeiras projecções dos resultados eleitorais

Eis as primeiras projecções das eleições legislativas 2011

PSD- 37 a 42%

PS- 26 a 30%

CDS- 11 a 14%

CDU-7 a 9%

BE-5 a 7%

O Aventar continuará a acompanhar todos os resultados e tendências.

Canção pós-eleitoral de 5 de Junho de 2011 (hipótese)

Tive uma semana difícil. Do tempo preenchido com compromissos profissionais, sobrou muito pouco. Agora, findas as jornadas, tive a oportunidade de ler meia dúzia de notícias. Mas uma, esta, causou-me especial surpresa, ao revelar sondagens que atribuem a probabilidade de empate técnico entre PS e PSD – na sondagem da Universidade Católica, os socialistas superam com 36% os 34% do PSD.

Sondagens são sondagens. Valem o que valem, argumentam os políticos. No entanto, parece-me efectivamente possível que na noite eleitoral, conhecidos os resultados, haja alguém que não tenha ficado prevenido com o aviso: “Eu falei que isso ia dar merda”.

(“Isso” é, entre o mais, colocar Eduardo Catroga a comunicar desastradamente; ou impercetivelmente, como definiu Alberto João Jardim).

Um brasileiro diria: “Não diga que eu não falei”. Eu, português, afirmo: “Não diga que eu não avisei”. A finalidade da mensagem é igual. Tome-a a sério quem quiser.

Resultados das Eleições Presidenciais – primeiras previsões

O Aventar divulga em primeira mão as primeiras previsões:
Cavaco Silva – 52 a 58%
Manuel Alegre – 18 a 21%
Fernando Nobre – 14 a 16%
Francisco Lopes – 5 a 8%
José Manuel Coelho – 2 a 4%
Defensor Moura – 1 a 2%

As razões da abstenção

Para uns são os mortos, para outros o frio, para outros o desinteresse.

Tudo isso contará um pouco, mas a verdade é que a tendência para o aumento da abstenção resulta de um divórcio, de uma má relação, de uma falta de confiança, de um descrer.

Independentemente dos poderes do PR (as outras eleições enfermam do mesmo) os portugueses não crêem que o ato de votar valha a pena, não acreditam que traduza a manifestação da sua vontade, que mude a situação. Por outras palavras: não se sentem representados e vêem o voto como inútil.

Outros, muitos, sentem-se ultrajados. Entendem que mereciam melhor, que o país mereceria outra coisa. Mereceria melhores cidadãos? Claro, mas sobretudo melhores políticos, mais ética, menos vileza. Políticos mais responsáveis, menos mentirosos, menos imediatistas, menos vendidos.

A abstenção resulta principalmente da descrença absoluta nesta classe política medíocre, sem grandeza nem clarividência, incapaz de cativar o cidadão para a coisa pública, para o interesse colectivo (a que outros chamam nacional). O cidadão, aliás, não acredita sequer que a dita classe esteja, ela própria, cativada pela coisa pública ou pelo interesse colectivo ( ou nacional). Daí ao divórcio vai um passo.

E o passo foi dado numa campanha sem chama, sem ideias, sem rasgos, sem algo ou alguém em que crer. No entanto, hoje à noite, a classe política que nos desmotiva será perguntada sobre as razões da abstenção. As respostas serão os mortos, o frio, o cartão de eleitor e outras menoridades e malabarismos.

Ora, a abstenção deve-se, precisamente, a esse tipo de respostas.