Memórias da Revolução: 24 de Abril de 1974

Ontem, dia 23 de Abril de 1974, o norte do país esteve isolado do mundo. «Caiu uma faísca no cabo coaxial Porto – Lisboa», refere o «Jornal de Notícias».
Notícias do mar. Na Póvoa, os habitantes viram roubar mais de trinta quilos de ouro, num valor total de seis mil contos. Na Costa Verde, reclamam-se as praias que o mar está a fazer desaparecer.
A nível internacional, Brejnev recebeu Kennedy. Miterrand, por sua vez, faz namoro ao voto das mulheres.
Hoje, dia 24 de Abril, o Império está mais calmo do que nunca. O Governo ocupa-se de medidas a tomar quanto ao funcionalismo público. O tema dominante da reunião do Conselho de Ministros, no entanto, foi a inflação. Decidiram ainda os ilustres ministros reorganizar o sistema de previdência da classe médica.
O «Jornal de Notícias» anda revoltado com o aumento do preço dos telefones. Um aumento que é comparado à extorsão dos produtores de petróleo.
Cresce o porto de Leixões: Novas esperanças para a Barra do Douro.
Na campanha para as presidenciais francesas, o «eterno feminino» está bem presente. Num atentado contra Sadat, morreram 24 pessoas. Faleceu Franz Jonas, presidente da Áustria.
Tudo parecia calmo no império, mas alguns – poucos – capitães já estavam com o coração aos saltos. Era nessa noite. Faltava um dia para a Revolução.