E eu que pensava que tinha liberdade de expressão…

Apareci em Portugal, sem saber como nem por onde, a convite da Gulbenkian e do ISCTE, hoje IUL. Vinha da Universidade de Cambrige, onde ensinava e era Doutor em Ciência. Devia estar em Portugal apenas dois meses, não tinha mais licença de Jack Gody. Aliás, vinha do País da liberdade de expressão e da revolução temprana.

Pensei: se o UK é país de expressões livre, quanto mais não será Portugal que fez a sua Revolução apenas em 1974! Pareceu-me bem e fui ficando. Esses dois meses pasaram a ser 31 anos!

Esses 31 anos em que pensei que a liberdade de expressão era tão grande, que fiz em Portugal o que no Chile não me permitiam: falar e criticar a política do Governo, almoçar com o Presidente da República, sair com os meus discentes. Sem saber como, todo isso acabou. O Governo que nos quer orientar anda a levar-nos pelas ruas da amargura. A primeira felonia, escutas telefónicas, mas com aparência de outras intrigas palacianas.

A seguir, a ameaça do fecho do jornal «Sol» por revelar esta temática das escutas e outras ervas sobre o Primeiro-Ministro que nos governa, ou que pretende  governar-nos. Mas não parou aí quem  pretende ser um excelente Engenheiro, tanto, que em honra do socialismo que penso e executo e do meu Senhor Pai, apoiei a quem tem um aparente dom de mando e votei por ele.

Revelo assim o segredo da urna de voto, porque me sinto ameaçado. A minha liberdade de expressão acabou com o mandato do fechar o Semanário «Sol» [Read more…]

E no fim do dia descansou… – Breve biografia de Salgueiro Maia (II)

continuação de aqui) A coluna é composta por 240 homens, um esquadrão de reconhecimento com dez viaturas blindadas e um outro esquadrão de atiradores com doze viaturas de transporte de pessoal, duas ambulâncias e um jipe. Às três horas e vinte minutos, dá-se a partida de Santarém. A viagem decorre sem qualquer problema e às seis da manhã a revolução já está na praça do Comércio. O aeroporto, a RTP, a Rádio Marconi, a Emissora Nacional e o Rádio Clube Português já tinham sido tomados sem resistência. «Aqui, posto de comando do Movimento das Forças Armadas» – ouve-se aos microfones do RCP pouco depois das quatro horas. Um dos trunfos do êxito da revolução foi a rapidez com que Salgueiro Maia percorreu a distância entre Santarém e Lisboa. Duas horas apenas, sem ser interceptado nem ser obrigado a dar nenhum tiro. Uma lição que aprendera com o fracasso do 16 de Março. A cidade de Lisboa começa a acordar e a população sai de casa para a labuta do dia-a-dia. Com calma e tranquilidade, Salgueiro Maia dirige-se a quem demonstra a vontade de ir trabalhar. «Ó minha senhora, hoje não se trabalha. Amanhã, talvez… mas hoje não! Nem hoje, nem nos dias 25 de Abril que vierem, porque esta data passará a ser feriado!» O episódio mais complexo daquela manhã ocorre cerca das nove horas. Quatro carros de combate, uma companhia do Regimento de Infantaria n.º 1 e alguns pelotões da polícia militar, todos fiéis ao regime, aparecem dos Cais do Sodré, progredindo pela rua Ribeira das Naus e rua do Arsenal. O brigadeiro responsável exige que Maia se desloque para trás das suas tropas, mas, não sendo obedecido, dá ordens para disparar. Um a um, os seus homens desobedecem e passam para a facção contrária. A facção da liberdade. Na objectiva de Alfredo Cunha, ficou imortalizado o momento em que Salgueiro Maia se encontrava sozinho, no meio da rua, com os canhões à sua frente em posição de disparar, e apenas com um lenço branco na mão. O apoio popular à causa revolucionária agora já é evidente. A caminho do quartel do Carmo, onde Marcello Caetano está refugiado, Salgueiro Maia segue numa espécie de «cortejo» triunfal. A cumplicidade do povo, nesses momentos de enorme tensão, foi então decisiva.  

Com o megafone na mão, por volta das três da tarde, Salgueiro Maia pede que o quartel se renda no espaço de dez minutos, período após o qual dará ordem de disparar. O prazo esgota-se sem haver qualquer resposta e a primeira rajada de tiros não se faz esperar. A ansiedade atinge níveis indescritíveis. «Militares, populares e jornalistas são por uma vez testemunhas e protagonistas da história. Há já milhares de cravos vermelhos. Canta-se a marcha do MFA e Grândola Vila Morena. Entoam-se palavras de ordem. Mas do meio da turba uma voz de comando destaca-se e o passo decidido de Salgueiro Maia cadencia o ritmo dos acontecimentos.» (António de Sousa Duarte)

No momento em que se preparava para dar ordem de disparar maciçamente sobre o quartel, chega uma carta de Spínola dirigida a Marcello Caetano. Às perguntas dos mensageiros – quem manda aqui e quem é o oficial mais graduado – Salgueiro Maia responde da mesma forma. «Mandamos todos! Somos todos capitães!» Às cinco da tarde, porque a situação não se desenvolve, o capitão, temerário, entra no quartel para falar directamente com o presidente do Conselho. Na breve conversa com Marcello, Salgueiro Maia mostra toda a enormidade do seu carácter, das suas intenções e dos objectivos que o levaram a sair de Santarém para acabar «com o Estado a que chegámos». Assegura a protecção do chefe do Governo, diz que programas políticos não são consigo e coloca todos os membros do MFA no mesmo plano. Salgueiro Maia, primeiro, e Francisco Sousa Tavares, depois, apelam à calma e tranquilidade dos presentes. Spínola já chegou e Marcello Caetano acaba de lhe entregar o poder. Ao capitão, ainda lhe estava reservada uma última missão: conduzir Caetano ao comando do MFA, na Pontinha. A revolução estava consumada, o nosso herói podia tranquilamente voltar para a sua Escola Prática de Cavalaria, para a sua Santarém, como se nada tivesse acontecido. «Era um militar de bravura inigualável, mas também extremamente sensato e um homem de coração. Maia era um chefe nato e dele emanava a força serena dos homens habituados a dominarem-se e, sendo preciso, a dominar os outros. Foi assim que Salgueiro Maia, com os seus homens, dos quais a maioria sem qualquer experiência e praticamente sem instrução de tiro, venceu na revolução e virou a página da história de Portugal. Dominou calmamente, no Terreiro do Paço, o tenente-coronel Ferrand de Almeida, dominou o brigadeiro que se lhe quis opor e, pela calma fixa do seu olhar, dominou um a um os homens que receberam ordem para disparar sobre ele. No Carmo dominou tudo e todos: dominou a guarda, dominou o Governo, dominou os ministros que choravam, dominou a multidão e dominou o ódio colectivo dos que gritavam vingança. E dominou o tempo e a vitória que veio ter com ele, obediente e fascinada.» (Francisco Sousa Tavares) Nos anos seguintes, recusou ser comandante da Escola Prática de Cavalaria, membro do Conselho de Revolução, adido militar numa embaixada, governador civil de Santarém e membro da Casa Militar da Presidência da República. Tudo recusou, porque a única ambição que tinha era de continuar em Santarém com o posto que ocupava. Aos que constantemente lhe lembravam os actos heróicos que protagonizara, respondia apenas: «O que lá vai, lá vai.» Entre 1977 e 1984, foi completamente ostracizado. Como que punido por ter feito a revolução. Aconteceu-lhe a ele como a muitos outros dos militares de Abril. «Até já poderemos ser acusados e presos por implicação no 25 de Abril» – chegou a confessar a João Paulo Guerra. Desalentado, tentou um último reconhecimento da hierarquia militar. Em 1988, já doente, solicita uma irrisória pensão por «serviços excepcionais ou relevantes» prestados ao país. Foi-lhe recusada a pensão, ao mesmo tempo que era atribuída a dois antigos inspectores da PIDE. Morreu em 3 de Abril de 1992, depois de quatro anos de sofrimento, nos quais se incluíram quatro operações cirúrgicas. Ao funeral, realizado em Castelo de Vide ao som da «Grândola», como era seu desejo, ocorreram as mais altas instâncias, passadas e presentes, da governação. Confirmando o que alguém disse nesse exacto momento: «Mesmo depois de morrer, o Maia continua a servir sem se servir.»

Por tudo o que fez ao longo de 47 anos de vida, Fernando José Salgueiro Maia é uma das maiores figuras da história de Portugal no século XX, à qual não foi dada, ainda, a importância devida. Um dos poucos heróis portugueses do século, capaz de fazer uma revolução com 240 homens mal treinados e um conjunto de obsoleto material militar. É provavelmente a única personalidade portuguesa do século XX que mereceria a distinção, sem a ter tido até ao momento, de descansar eternamente no Panteão Nacional. Por quê? Porque Salgueiro Maia deu-nos tudo. Quem ainda não o percebeu, não terá apreendido ainda o significado e o valor da palavra liberdade.

 

Aquele que na hora da vitória respe
it
ou o vencido

Aquele que deu tudo e não pediu a paga

Aquele que na hora da ganância perdeu o apetite

Aquele que amou os outros e por isso não colaborou com a sua ignorância ou vício

Aquele que foi Fiel à palavra dada e à ideia tida

Como antes dele mas também por ele Pessoa disse.

(Sophia de Mello Breyner)

Petição para salvar a casa de Salgueiro Maia


O Aventar acaba de lançar uma petição para salvar a casa onde nasceu o capitão Salgueiro Maia, em Castelo de Vide. Uma casa que se encontra em estado de degradação evidente e em perigo de ruína. Para assinar a petição, que será enviada à Assembleia da República, basta carregar na foto da barra lateral e preencher os dados pessoais. Esta petição estará ao dispor dos interessados no Aventar e em mais nenhum local. Se não pretender que o nome seja publicado no blogue, bastará assinalãr a respectiva opção.
Salvar a memória de Salgueiro Maia é salvar a nossa memória comum. Façamos alguma coisa por todos nós.
Um agradecimento final à Maria Monteiro, a autora da foto e a primeira a alertar para o estado de destruição da casa.

Petição Salgueiro Maia


O Aventar acaba de lançar uma petição para salvar a casa onde nasceu o capitão Salgueiro Maia, em Castelo de Vide. Uma casa que se encontra em estado de degradação evidente e em perigo de ruína. Para assinar a petição, que será enviada à Assembleia da República, basta carregar na foto da barra lateral e preencher os dados pessoais. Esta petição estará ao dispor dos interessados no Aventar e em mais nenhum local. Se não pretender que o nome seja publicado no blogue, bastará assinalá-lo. Salvar a memória de Salgueiro Maia é salvar a nossa memória comum. Façamos alguma coisa por todos nós. Um agradecimento final à Maria Monteiro, a autora da foto e a primeira a alertar para o estado de destruição da casa.</p>

Poemas com história: Ar condicionado


António de Oliveira Salazar! Estávamos obcecados pelo ódio a um ditador que, ainda por cima, medíocre e tacanho, não parecia ser digno dessa obsessão. Nuns versos que a polícia apreendeu em minha casa, designava-o o por o cão. Ao contrário do que eu pensava o «poema», salvo erro um soneto, não me custou espancamentos nem acréscimo de tortura. Apenas um inspector, um torcionário famoso pela sua ferocidade, andou à minha volta a declamar os versos com ar grandiloquente e comentando para o estagiário que me guardava: – «Qual Camões, qual carapuça – isto é que é poesia!». Embora olhando para a janela e simulando não estar a ouvir, fui sempre esperando que ele chamasse o piquete que estava no corredor e me desabasse uma tormenta de cassetetes em cima. Mas não, leu, declamou e depois rasgou o papel. Sinal de que não queria utilizar aquilo como prova. O estagiário, um ex-seminarista, quando o inspector saiu só me disse: «o senhor inspector estava muito irritado, que eu bem o conheço – e acrescentou, abanando a cabeça reprovadoramente «- Também o senhor, chamar cão ao senhor Professor. Déspota, ainda vá, mas cão?» Mal saí do presídio, repus o stock e escrevi estes versos menos directos, um pouco mais subtis. Não voltei a ser preso e em 1970, quando publiquei A Poesia deve ser Feita Por Todos, já Salazar tinha sido substituído por Caetano, incluí este poema. O livro foi apreendido, mas não terá sido só por causa do Ar condicionado que aqui vos deixo:

Ódio, mesquinhez, mediocridade,
num rosto de branca estearina,
em mãos de apodrecida crueldade,
o futuro imediato se destina
moldado em velhos fósseis do passado.
Alquimia do medo, chantagem do terror,
ácido queimando as raízes do amor,
eis o segredo
em redomas de silêncio conservado.

O gesto humano se consome e se corrói
no cadinho da fome e da ignorância.
Suprema elegância entretanto faz
do teatro lusitano a triste fama
cantada na soberba do cartaz
– nos seus desertos corredores circula
A última palavra em ar condicionado.

Poemas com história: Canto da cela 10

Em Janeiro de 1965, envolvido na grande vaga de prisões que afectou estudantes e intelectuais das duas organizações clandestinas existentes – o Partido Comunista e a Frente de Acção Popular – fui preso e, antes de ir para a sede da polícia política onde, durante muitos dias, fui interrogado da forma que se sabe ou imagina, estive uns dias encarcerado na cela nº 10 do Aljube, num daqueles desumanos cárceres a que se chamava os «curros», celas estreitas e insalubres onde a luz filtrada através das grades e atravessando o corredor, era a única coisa agradável que acontecia. Quando, três meses depois, fui libertado, a recordação daqueles dias num «curro» do Aljube (que nem foram os piores…), ditou-me este texto que depois publiquei em A Voz e o Sangue. De notar, e não me canso de insistir neste tópico, que a Liberdade que invoco não é esta que vivemos – muito feita de «liberdades» – mas sim aquela que, há mais de 40 anos, eu e muitos sonhávamos alcançar.
Canto da cela 10

Sem título

Este esquife de pedra e de aço em que viajo,
onde navego as horas e as constelações do ódio,
é uma cela imóvel plantada no coração do medo.
Um manto de argamassa e ferro cobre a minha voz.
Não mais a mordaça invisível da falsa liberdade
que ante o Sol floresce impudicamente: agora
a voz abafada por sucessivas grades e paredes,
submersa sob este céu de estuque, sem estrelas;
agora, esta feia gaiola pintada de desespero,
em cujo dorso vai cravada a aranha possessiva
da lâmpada gradeada sempre acesa sobre a porta,
feroz sentinela da noite eterna. E, todavia,
para lá das grades, do corredor, do carcereiro,
a minha face adivinha o hálito fresco da madrugada
e eu navego a madrugada sobre o meu bailique,
sobre este corcel rescendente a suor e a sangue.
Durante as refeições abrem a porta e eu vejo
uma estreita fatia da janela do corredor:
são cinco grades de sé e três de céu
e estes são os melhores momentos do dia.
De pé, como a sopa do estado e olho a catedral –
– tive sorte – fiquei em frente a uma bela rosácea
(o quotidiano de um preso constrói-se
de factos humildes e pequenos).
Na parede cinzenta tatuaram um camelo sem pernas,
Um perfil de mulher com longos cabelos,
Uma estrela, nomes e riscos, muitos riscos,
sulcos no tempo, dias rasgados a golpes de solidão
pelos muitos camaradas que já aqui estiveram
e deixaram a sua passagem impressa nas paredes,
no chão, nas mantas e no ar, neste odor,
escandindo angústia e dolorosa expectativa.

Já não olho a parede – conheço-a de cor –
gasto as horas passeando nestas estreitas tábuas,
quatro metros para lá, quatro metros para cá.
Lá fora
passam eléctricos e os pombos rufam as asas.
………………………………………………………
À noite a prisão é um corpo pétreo, mas que pulsa,
As suas velhas empenas vibram sob os nossos dedos,
levam e trazem palavras fraternas.
Com o amor com que Ísis juntou o corpo de Osíris
disperso ao vento, junto letra a letra
uma mensagem que palpita aos meus ouvidos
– coragem companheiro – coragem companheiro.

Ah Companheiros,
nem a pedra e o aço conseguem esmagar as nossas vozes,
elas virão um dia como um rio impetuoso e forte
rasgar a noite em que as querem aprisionar,
destruir as grades da tirania, a opressão
e a crueldade – tudo isto derrubarão
na corrida para o seu oceano – a Liberdade.

Santarém, Capital do Gótico (XI)

(primeira parte e explicação do «bodo aos pobres» aqui)

SANTARÉM E O 25 DE ABRIL: DAQUI PARTIU A REVOLUÇÃO

Santarém foi palco de dois acontecimentos importantíssimos na história do Portugal da segunda metade do século XX. Em 1958, a candidatura de Humberto Delgado à presidência da República, que abalou os alicerces do regime ditatorial de Salazar, teve um momento alto na cidade, aquando da presença do General Sem Medo, em plena campanha eleitoral, e durante os comícios que se seguiram.
Em 1974, o 25 de Abril culmina um processo marcado por longos anos de esperanças sem efeito. Tudo aquilo que se esboçara em 1958, mas sem sucesso, tinha agora efectiva concretização. De Santarém partiu a revolução, no dia em que o capitão Salgueiro Maia liderou os seus homens em direcção a Lisboa. O dia de todos os sonhos foi com toda a certeza o mais belo de quantos se viveram em Portugal na centúria ora terminada. Não terá oportunidade de exercer a cidadania plena quem não viveu aquele dia. E Santarém pode estar agradecido, ao seu herói, por ter colocado a cidade na história dos anos de Vinte.
Logo nos inícios do século, o prenúncio do que viria a acontecer. Por ter sido sede do movimento revolucionário contra Sidónio Pais, a partir de Janeiro de 1919, Santarém foi contemplada com o título de Oficial da Ordem de Torre e Espada do Valor, Lealdade e Mérito. No mesmo dia, a par de Santarém, Porto, Coimbra, Évora e Bragança receberam o mesmo título, enquanto que Alcobaça e Caldas da Rainha, por serem apenas vila, foram condecoradas com o grau de cavaleiros da Torre e Espada.

«Obviamente, demito-o!»

A notícia da passagem de Humberto Delgado por Santarém, em 1958, na campanha para a presidência da República, rapidamente se espalhou por toda a região – folhetos clandestinos, autocolantes e mensagens boca a boca comunicavam a todos a presença do General Sem Medo.
O dia histórico aconteceu em 30 de Maio. Pelas onze horas da manhã, já uma multidão convergia para o largo do Seminário. Nem uma palavra, porque as paredes tinham ouvidos; alguns olhares furtivos, que a PIDE estava em todo o lado; sorrisos cúmplices, porque o fim do regime estava aí, à distância de um voto.
Uma fantochada, essas eleições. Sabia-se que não seria de outra forma, mas havia a tal oportunidade. A «luz ao fundo do túnel», frase feita mas RETOMAda em todas as ocasiões. As palavras do General, ditas sem medo, a ressoar em esperançosos ouvidos: «Obviamente, demito-o!»
Obviamente, não iria demiti-lo, porque não lhe iria ser dada a oportunidade para tal. Ganhou as eleições, mas ganhando-as, perdeu-as. Como sempre, o candidato do regime venceu, a «paz podre» do Estado Novo continuou e as sombras, ao virar de uma esquina, por trás de uma parede, dentro da própria empresa, ali se mantiveram. Silenciosas como sempre, traidoras, traiçoeiras, inquietantes.
Pouco depois do meio-dia, chega Humberto Delgado junto à igreja da Piedade. Quando alcança a estátua de Sá da Bandeira, diz: «Saúdo este Homem, também ele amante da liberdade, que sempre lutou pela liberdade, e merece toda a nossa admiração». Esfusiante, o povo aplaudiu. Sempre, todos os dias e até ao fim da campanha. Em Santarém, no Porto (se calhar o maior ajuntamento de pessoas antes do 25 de Abril) e em todos os lugares por onde o General passou.
«Uma estrondosa salva de palmas ecoou então subitamente. A esperança renascera em todos os corações. Havia lágrimas em alguns olhos. Era já difícil calar o entusiasmo de uma população galvanizada pela presença do General, que com a sua coragem fez abalar os alicerces já um tanto apodrecidos do velho regime. Martinho do Rosário que, como eu, presenciou este grandioso evento, dirá: «Para Santarém, o dia 30 de Maio de 1958 e o dia 25 de Abril de 1974 são dois marcos imperecíveis no arranque para a consolidação da democracia». Este terá sido um dos momentos mais inesquecíveis de entre os vários que ocupam lugar de destaque na minha memória. Passaram quarenta anos sobre este acontecimento… e não saberei mesmo como relacionar a presença furtiva de Rosa Casaco, alguns anos depois, numa das ruas de Santarém, com os acontecimentos que levaram ao homicídio covarde e monstruoso do General, em 1965.» (Luís Eugénio Ferreira)
Quatro dias depois da presença do General em Santarém, a 4 de Junho, no teatro Rosa Damasceno, uma espécie de comício eleitoral propagandeava as virtudes da candidatura de Humberto Delgado. Fachada «para inglês ver», que é como quem diz, para a opinião pública internacional. À porta, dois agentes da PIDE tomavam nota de quem entrava.
Chegadas as eleições, Américo Tomás vence com mais de 75% dos votos. Oficialmente, Humberto Delgado tem apenas 23%, o que nos faz pensar que, sem fraudes nem as «manigâncias» de que tanto se falou na época, as posições dos candidatos teriam sido exactamente inversas.
Em Santarém, por exemplo, Delgado venceu em todas as vilas significativas, em certos casos por percentagens esmagadoras. O mesmo aconteceu em grande parte do distrito. Alpiarça é o caso extremo, onde Delgado obteve 83 por cento dos votos contra 17 por cento para Tomás. Em Almeirim as percentagens foram, respectivamente, 77,9 contra 22,1 a favor de Delgado e em Alcanena não estiveram longe: 72,4 por cento contra 27,6. Mesmo em Rio Maior, onde o equilíbrio foi maior, Delgado venceu por 51,2 contra 48,8 por cento.
Depois dos dias quentes de 58, pouco coisa mudou em Portugal. Veio a Guerra Colonial, chegou finalmente a morte de Salazar, faltava agora acabar com o bacoco regime. Só com a força das armas é que tal seria possível. E foi aí, a 25 de Abril de 1974, que Santarém entrou de novo em acção.

Sementes de revolta

O velho teatro Taborda, que abrira ao público nos anos 40, foi um dos espaços que funcionou, em Santarém, como local de movimentações políticas e de revoltas contra o regime do Estado Novo.
Assim aconteceu desde a década de 60, mas há muito que se tinha tornado num importante centro cultural da cidade. Aí estivera sedeado o Clube Literário Guilherme de Azevedo, que promovia conferências e exposições e albergava no seu seio o Coral Infantil Scalabitano e o Grupo Coral Infantil. Aí esteve também, mais tarde, o Círculo Cultural Scalabitano, que tinha como figura de proa Ginestal Machado.
Nos anos 60, como já se disse, passou a funcionar como centro dos opositores ao regime. Adriano Correia de Oliveira e Carlos Paredes, ambos já desaparecidos, eram dois dos nomes que actuavam na sala com a sua música de intervenção, que lentamente ia abalando as estruturas do Estado Novo e as convicções de quem ainda acreditava naquele estado de coisas.
Os cafés também eram espaços onde as sementes de revolta germinavam. O «Quinzena», o «Portugal», o «Brasileira» ou o inevitável «Central». Neste, a reunião dos democratas era mais ou menos declarada, embora sempre com mil cuidados, pois o mínimo pretexto poderia servir os intentos da PIDE. Ali se passaram episódios mais ou menos importantes, que invariavelmente tinham como protagonistas advogados ou funcionários conotados com a oposição. Mas como o café também era poiso de autarcas e abastados membros da sociedade, uns acabam por vigiar os outros e, por isso mesmo, o recinto acabava por servir apenas como ponto de encontro para outras aventuras.
«Nessa tarde, ao entrar no «Central», deparei com dois indivíduos com aspecto de jornalistas, ponto de vista apoiado pela presença de algumas câmaras fotográficas colocadas a seu lado. Pensei: «Aí estão os jornalistas que se encontrarão com Eurico Ferreira. Naturalmente dirigi-me a eles e perguntei: Os senhores são os enviado
s
do «Le Monde» que vêm encontrar-se com o Dr. Eurico Ferreira?
Não me deixaram terminar a pergunta, nem começar outra. Um deles respondeu-nos com um certo enfado.
– Como sabe o senhor que somos jornalistas, ou com quem vamos encontrar-nos?
Achei inútil prosseguirmos o diálogo, que nem sequer se chegou a estabelecer. Concluindo que nada mais tiraria deles, despedi-me, desejando-lhes uma boa viagem. Ao fim da tarde, pelas 19.30 horas, compareci em casa do Dr. Eurico Ferreira que na circunstância me apresentou os aguardados dois jornalistas franceses, que não exactamente por mera coincidência, eram mesmo os dois referidos senhores que eu encontrara horas antes no café Central. Rimo-nos do facto, não sem me explicarem que acabavam de chegar de visita a algumas ditaduras da América do Sul, estando por isso familiarizados com os procedimentos policiais seguidos nesses regimes, em que todo o cuidado era exigido da sua parte. Portugal era então reconhecidamente uma república das bananas. Em Santarém, entrevistariam o bispo residente, o governador civil e por fim, o comandante da Escola Prática, só não lhes tendo sido possível antever que seria daquele quartel que alguns anos mais tarde iria nascer o 25 de Abril e renascer Portugal para o futuro.» (Luís Eugénio Ferreira)

Homenagem a um grande resistente antifascista


Não era um amigo íntimo do Hermínio da Palma Inácio, ao contrário do que algumas pessoas pensam, sabendo-se que escrevi um romance inspirado na tentativa de assalto à cidade da Covilhã, em Agosto de 1968 (A Mão Incendiada). Também, ao contrário do que já se tem dito, não participei nessa acção, por duas razões de peso: não pertencia à LUAR e estava preso em Caxias quando a operação foi preparada. Estive reunido com ele por diversas vezes depois do 25 de Abril, mas a única conversa pessoal que tivemos foi quando, festejando os seus 80 anos, um grupo de amigos organizou um jantar num restaurante do Bairro Alto. Fiquei ao seu lado, conversámos sobre muita coisa e, naturalmente, sobre o livro. Teve a amabilidade de me dizer que, apesar de ser uma ficção, as coisas se tinham passado quase como eu as descrevera. Mérito de um participante na acção, o Fernando Pereira Marques, escritor e, actualmente, professor universitário, que entrevistei por diversas vezes, enchendo cassetes com os pormenores da operação.
Não era um amigo íntimo do Palma Inácio, mas admirava-o muito. Penso que ele foi, como alguém disse, um dos últimos heróis românticos protagonizando actos como os que, durante a ditadura, muitos de nós sonhávamos praticar: Participou ao lado de militares, numa tentativa de golpe de Estado; assaltou um banco (sem provocar vítimas – as armas eram réplicas); desviou um avião da TAP obrigando o piloto a sobrevoar a baixa altitude o centro de Lisboa e lançando panfletos revolucionários;  tentou tomar de assalto a cidade da Covilhã; fugiu das instalações da PIDE, na Rua do Heroísmo, no Porto…
Enquanto alguns sonhavam afrontar o regime (e éramos presos muitas vezes só por ter esses  sonhos) ele desferia-lhe golpes certeiros, uns atrás dos outros. Um herói romântico, parece-me uma boa definição, desde que por «romântico» não se entenda o avesso daquilo que o Palma realmente era – um homem de acção.; um homem para o qual a teoria não era para discutir pelos cafés – era para levar à prática.
Como se dizia no post do Aventar, sem o Palma ficamos todos mais pobres, pois com ele é um pedaço da nossa história recente que desaparece, que se perde. E perde-se um homem muito valente, um resistente e um lutador pela democracia.
 A minha sincera e comovida homenagem.

Vasco Lourenço – Do interior da revolução: Direito de resposta

Pergunto-me se vale a pena gastar tempo e energias com o Manuel Bernardo (MB). As suas acções no passado criaram-lhe um tão grande perfil de descridibilidade que me parece ser tempo perdido… De facto, só quem gosta de ser enganado é que ainda lhe dá crédito…
O ter presente o velho ditado de “água mole em pedra dura…” leva-me a, perante as investidas que me vem fazendo – ainda não consegui atingir o porquê de me ter eleito como alvo preferido das suas ofensas – esta tomada de posição, que conto possa trazer algum esclarecimento e alguma luz a quem esteja mal informado, mas de boa fé.
1. Em primeiro lugar, recuso liminarmente o título que MB colocou em mais uma das suas diatribes: como afirmei já mais que uma vez, não sei mentir, não invento estórias, os factos que conto são verdadeiros. Por muito que alguns MB os tentem contrariar. Neste caso, para além de não apontar nenhum facto concreto, a sua falta de credibilidade é a minha melhor defesa.
Importa aqui recordar a sua reacção, quando alguém lhe chamou a atenção para o facto de ele saber que as afirmações que faz no seu último livro sobre mim e a minha actuação na Guiné não corresponderem ao que se passou, não estarem correctas, estarem deturpadas: ” está bem, mas eu tinha umas contas a ajustar…” afirmou, com o maior à vontade dos mentirosos e dos cínicos!
2. Também agora vem a público citar um despacho sobre mim – utilizando elementos reservados – do então comandante chefe da Guiné, gen. Spínola.
Mais uma vez a sua desonestidade intelectual se declara de forma brutal: ao ler o livro “Do Interior da Revolução” pôde tomar conhecimento – se é que o não sabia ainda – desse episódio em pormenor, nomeadamente a forma como Spínola recuou e me deu razão. Como sempre faz, quando lhe interessa, escamoteou factos e difamou indirectamente – pois nunca faz acusações directas – os que quer atingir, para saldar as contas que tem em aberto…
3. Vem também afirmar que só agora tomou conhecimento da razão porque em 1974 o quiseram sanear, acrescentando que eu nunca lhe fui apresentado e que apenas falou comigo em 1994…
O descaramento deste fulano chega a pontos inimagináveis!
Como já afirmei, o MB subscreveu o abaixo assinado que em 1973 se fez contra os dec-lei 353/73 e 409/73. Penso não ter sido eu a recolher a sua assinatura directamente, mas lembro-me de o ter contactado na Academia Militar.
Quando em 1974 é saneado pelo Conselho da Arma de Infantaria (CAI), procura-me pessoalmente e protesta o facto, pois “era do MFA, assinara o abaixo assinado…”.
Tive, então, oportunidade de o esclarecer: defendera-o no CAI, informando dessa sua atitude, nada pudera fazer contra a acusação que aí lhe fora feita e sobre a qual me não pudera pronunciar, pois não estava cá, nessa altura.
Acusação que consistira em, no desenrolar do 16 de Março de 1974, ele ter colaborado com a acção da GNR e da PIDE/DGS , no cerco que estas forças fizeram à Academia Militar, donde resultou a prisão do Almeida Bruno e de outros oficiais do Movimento.
Aconselhei-o, então, a procurar esclarecer os factos com os membros do CAI que o acusaram.
Vem agora negar tudo isto e afirmar da pouca credibilidade da acusação, apontando procedimentos que diz ter tido e que relata em pormenor.
Não contesto esses procedimentos – não presenciei, ainda que a sua pouca credibilidade pessoal… – , não o acuso, como nunca o acusei, de ter ajudado a GNR e a PIDE/DGS a cercar a Academia Militar!
Não aceito é que venha negar e ignorar a diligência que fez junto de mim e os esclarecimentos que então lhe forneci…
Atitude que já me não surpreende, pois como lhe disse um dia no intervalo de um seminário na Universidade Nova, é fácil escrever mentiras, quando se não tem à frente quem nos possa contestar.Mais difícil é manter essas mentiras, cara a cara, o que o levara a calar-se no debate havido, não intervindo sequer face às minhas afirmações sobre procedimentos, totalmente opostas às afirmações que vinha publicando nos seus livros.Recordo perfeitamente que nem sequer reagiu, quando o acusei pessoalmente de
cobardia, o que aliás é natural nele.
Quanto à acusação que agora faz de que ” o quiseram sanear, expulsando-o do Exército, sem qualquer vencimento”, estamos perante mais uma das deturpações caluniosas em que MB é useiro e vezeiro: como explico em “Do Interior da Revolução”, foi o facto de ainda não ter o tempo de serviço que o estatuto do oficial impunha para que se pudesse passar à reserva que fez com que ele e outros na mesma situação não passassem à reserva e ficassem na situação de “esperados”. Isto porque, contrariamente ao que afirma, houve a preocupação de não criar nenhuma situação em que os saneados ficassem sem vencimento. O que penso não ter acontecido em todos os Ramos das Forças Armadas…Desta situação resultaria que, com o evoluir dos acontecimentos e ao contrário do que se passou com os oficiais saneados que já tinham o tempo de serviço mínimo para passarem à reserva, os “esperados” nunca foram efectivamente saneados e fizeram a sua carreira normalmente, vendo a situação de saneamento anulada, efectiva e definitivamente, quando alguns anos depois foi aprovada legislação que anulava os saneamentos e as respectivas consequências.
A queda para deturpações do MB é de facto espantosa!…
Quanto ao Carlos Fabião, apesar de alguns erros cometidos, todos sabem que um só dos seus dedos vale mais que todos os MB juntos…
4. Não tenho a intenção de voltar a perder tempo com MB, a não ser que a gravidade dos seus actos a isso me obrigue.
Quanto ao livro “Do Interior da Revolução” e aos factos que “eu invento”, continuo à espera que me apontem esses factos. Apenas o gen. Ricardo Durão apontou dois ou três, mas a esse já respondi, aconselhando-lhe um esforço de memória.
A análise de MB, se ainda fosse preciso, cai pela base quando afirma que eu “omito o importante contributo dado ao processo contestatário por oficiais que estavam nas comissões em África”.
Apesar de nessa entrevista a Manuela Cruzeiro dar essencialmente o meu testemunho sobre a minha experiência, a minha intervenção concreta, só uma mente retorcida e pré-formatada poderia fazer essa afirmação. Basta ler o livro, para ver o realce que eu dou a esse facto!

Vasco Correia Lourenço

Salgueiro Maia não teria gostado

Como todos os grandes homens portugueses, O Capitão de Abril, só depois de morrer é que lhe foi reconhecido o serviço excepcional que prestou à Pátria. Infelizmente, a vida não foi suficientemente longa para ver a profunda injustiça com que o trataram.
Há vinte anos o então Primeiro Ministro, achou por bem conceder duas pensões a dois PIDES, um dos quais disparou sobre o povo, na António Maria Cardoso, do que resultaram quatro mortes.
A explicação foi que o fundamento da proposta não era em teatro de guerra !
Se o 25 de Abril não teve teatro de guerra (se isto quer dizer tiros e mortes) foi porque o inimigo não compareceu , e porque os Capitães não deixaram que tudo se transformasse num mar de sangue. São tudo razões para ainda reconhecer mais mérito a Salgueiro Maia!
Agora, em Santarém, foi-lhe prestada a devida homenagem, simples e popular, como há muito o povo lha guardou no coração, Naquele Largo que tem o seu nome e onde se iniciou a arrancada operacional para o Portugal democrático.
Este caso, que nos devia envergonhar a todos, passou praticamente despercebido, e como quase sempre acontece, falamos muito mas fazemos pouco.
Mas Deus não dorme, e o mesmo homem, então Primeiro Ministro que lha negou, é agora o Presidente da República que as circunstâncias obrigaram a limpar a injustiça então cometida1
Mas o que dói mais é que tudo isto não passa de baixa política, de falta de grandeza, de visão de Estado.
Tudo o que Salgueiro Maia abominava e que o levou a regressar, serviço cumprido, à sua vida de militar impoluto!

A hipocrisia de Cavaco

Há 20 anos atrás, Cavaco Silva, enquanto primeiro-ministro, recusou uma pensão a Salgueiro Maia por feitos extraordinários. Ao mesmo tempo, concedeu-a a dois ex-agentes da PIDE. Salgueiro Maia, que já estava muito doente, morreu três anos depois.
Ao fim de 20 anos, Cavaco Silva, hoje Presidente da República, decidiu homenagear Salgueiro Maia. Não o terá feito para limpar a consciência, mas apenas por pura hipocrisia. Porque estava em Santarém e, ali, ficava mal não o fazer.
Pena que a homenagem que realmente interessava, Cavaco não a tenha feito em vida. O que fez hoje não interessa para nada. Porque não apaga o que não fez há 20 anos atrás.
Mas relembra-nos, e só por isso já foi bom, que ao pé de Salgueiro Maia, Cavaco Silva não passará nunca de um rodapé na história de Portugal.

(biografia de Salgueiro Maia aqui e aqui).

Comentário genial ao João Galamba

Na Jugular, diz o comentador Rui Lima:
«Diferença abissal entre o BPN e o Freeport:
BPN – dinheiro privado!
Freeport – dinheiro público!»
O João Galamba tem razão. Não há analogia possível!
PS: É preciso ler os textos “Vamos Brincar às Analogias” e ” BPN e Freeport, alegadamente diferentes”.

A LIBERTAÇÃO DOS MALES DOS PARTIDOS

A CAIXA DE PANDORA

O candidato Vital abriu a caixa e provocou a libertação dos males dos partidos, ao acusar os actuais e os antigos dirigentes do PSD de responsabilidades no caso BPN. Não terá sido uma coisa muito inteligente, mas o homem parece ser assim, truculento.
Iremos assistir por certo a uma troca de acusações violentas onde todos os casos pouco ou mal esclarecidos, em que elementos cimeiros dos dois partidos, possam ter ou ter tido responsabilidades, virão à luz do dia, com o intuito de ganhar protagonismo e alguns votitos.
Para já, um alto dirigente do PSD, exige do nosso Primeiro, declarações sobre o assunto trazido à baila pelo sr Vital.
Depois, logo se verá o que vai acontecer.

COMEÇA HOJE

.
OS PARTIDOS ESTÃO NUMA FONA
.
Não se sabe muito bem para o que serve, sabe-se que muitos se servem dela, mas começa hoje a campanha para as eleições Europeias. De norte a sul, ilhas incluídas, os candidatos aos lugares no Parlamento Europeu vão andar numa fona, a ver quem consegue enganar mais velhinhos, mais senhoras, e mais jovens adultos. Tudo em prol dos vencimentos milionários que esses lugares lhes dão. Poucos dos candidatos estarão realmente interessados nos assuntos europeus, ou motivados para melhorar a vida dos seus concidadãos, lutando nos corredores e salas de Estrasburgo. Os amigos dos candidatos, os chefes dos candidatos, os colegas dos candidatos, todos se esforçarão por garantir o melhor lugar e a maior quantidade de votos aos seus protegidos. Ganhar as eleições, é garantir o maior número de votos, não para o candidato, mas para o partido que lhe dá apoio.
Estas coisas todas, no fundo iguais em todas as eleições, sejam elas nacionais ou europeias, levam a uma cada vez maior abstenção, e a um cada vez maior afastamento da vida partidária por parte dos eleitores.
Esta eleição, não deveria mas serve para aquilatar das reais possibilidades do partido do poder vir a ganhar as outras, muito mais importantes para nós, as nacionais, que aí se avizinham lá para Setembro / Outubro.
Nestas eleições, as europeias, os partidos pequenos, sem possibilidade de eleger seja que deputado for, tentam ganhar notoriedade para, nas autárquicas ou nas legislativas, terem alguma hipótese de colocar algum dos seus membros.
Todos os partidos, estão a partir de hoje, numa fona danada para ganhar lugares ou seja o que for que lhes dê notoriedade. Espera-se uma campanha renhida e por ventura correcta.

.

A injustiça social e os chás dançantes

Lembro-me de estar deitado numa cama de um hospital militar e receber a visita das senhoras do Movimento Nacional Feminino. As mesmas cujos filhos e genros não iam para a guerra. Foram lá oferecer-me um saco de plástico com umas bugingangas que nem sequer podia comer. Mas estavam ali a lavar a consciência junto dos que eram arrancados às famílias e que davam com o coiro na tropa! Famílias onde faltava quase tudo mas onde sobrava amor e afecto.
As minhas três irmãs mais velhas não puderam estudar para “o homem” da casa ir para a escola. Faltava tudo desde uma alimentação regular e suficiente, até ao médico que só se visitava quando o caso era para morrer. Os sapatos que não se tinham à roupa (pouca) que andava junto ao pêlo. Um país profundamente pobre e injusto, com meia dúzia de famílias a abocanharem grande parte da pouca riqueza que se produzia.
Mas esse mesmo “regime fascista” tentava compor o ramalhete social promovendo uma espécie de “caridadezinha” que os “ricos que comiam tudo” levavam à prática como branqueamento da injustiça de que só eles eram culpados. Nos tempos de crise vamos vendo quem sempre se calou perante o ataque organizado às empresas e às injustiças friamente cometidas, armar agora em “caloroso” irmão na miséria.
Felizmente que há muitas Organizações não governamentais (ONG) que fazem um grande serviço de apoio aos mais pobres, lançando mão dos desperdícios que esta sociedade injusta produz sem cessar! Mas que fique bem claro que não é de “chás dançantes” que esta sociedade precisa!
Precisa de um política de rendimentos justa e de meter na cadeia quem envia para o desemprego os mais frágeis!

Dia Um, Ano Primeiro

Aqui posto de comando
Do movimento das Forças Armadas

De súbito, a manhã ficou mais clara:
uma ave luminosa invadira o tempo,
rasgando com as asas a cortina brumosa,
a toalha de pus, a cirrose do medo.
De repente, tudo assumiu outro sentido
na poalha dourada da luz amanhecente
com os soldados, os tanques, os comunicados,
com as espingardas floridas e com a gente.
O silêncio derramou das suas feridas
um rio de fogo que destruiu as mordaças
e um grito colectivo de raiva e esperança
inundou as ruas, as praças e as avenidas.
Um hálito de futuro as percorreu;
uma inscrição floresceu vitoriosa
sobre a pedra musgosa de um velho muro
como um murro nos dentes da opressão.
A criminosa apatia que por tantos anos
nos enevoara o gesto e sufocara a voz
esfumava-se na rosa evanescente da alvorada
e surgia agora transformada em canção.

Um mundo de intermináveis corredores,
de cárceres, de tortura, exílio e morte
diluía-se no ácido subtil desta alegria,
que ocupara a cidade, o país e todos nós.
Pela noite, enquanto quase todos dormiam
eclodira a soleira, o limiar de um novo tempo:
o assassínio, a fome e a ignorância
pareciam já só uma recordação pungente.
Os milhões de cérebros violentados
por décadas de estupidez e crueldade
pareciam ser produto da nossa imaginação
ou ter existido apenas num pesadelo atroz.
Adormecêramos velhos, ciciantes e derrotados,
acordávamos jovens, iluminados e vitoriosos
e isso deixava-nos atónitos e boquiabertos,
cegados pela luz feroz da liberdade.
Falo do instante, do momento feito de horas
em que o tempo se suspendeu solene
enquanto se esvaía a noite da repressão
e a manhã clara nascia, incandescente.

Não falo do tempo em que, hesitantes,
procurávamos a bússola, o sextante, a vela
para navegar Abril, para sulcar o oceano
que o coração do povo abria generoso à Revolução.
Falo, sim, do momento em que o chacal
se escondeu, amedrontado, no fundo do covil,
espiando-nos a esperança, sonhando anoitecê-la
em setembros e marços de ódio e de vingança.
(Nas nossas mãos espreitavam já talvez
as garras de dilacerar revoluções e matar sonhos,
dentro de muitos de nós despontavam sementes
de outras novas e cinzentas servidões).
A luz atravessou o prisma de cristal da vida
e explodiu em mil cintilações de cor
perfumando o pulmão dos velhos medos
com um seta de amor, um estilhaço de sol…
Desse momento falo, do instante breve e puro
em que o Paraíso pareceu estar à mão dos nossos dedos;
não, não é do passado que vos falo – juro,
pois foi no futuro que Abril aconteceu.

(Do livro O Cárcere e o Prado Luminoso)

Crónica de um país cinzento


Era uma vez um país cinzento onde nada acontecia… Ou melhor, as coisas e as pessoas aconteciam e nasciam, mas logo que acabavam de acontecer e de nascer, a cor era-lhes retirada, tudo passava a ser cinzento como nos noticiários da televisão da época. Até que…
 
3.25: ALEA JACTA EST:
MÓNACO, MÉXICO E TÓQUIO SÃO OCUPADOS
 
Na Rua Rodrigo da Fonseca, em Lisboa, na esquina com a Sampaio Pina, perto do Liceu Maria Amália, há um café-restaurante chamado «Pisca-Pisca». É quase meia-noite do dia 24 de Abril de 1974. Uma noite fria e ventosa, apesar da Primavera. Um grupo de cinco clientes entra no estabelecimento onde as cadeiras estão já arrumadas sobre as mesas. Pedem cafés. Um deles pergunta a um empregado se vão fechar.
– Claro, diz o homem – amanhã é dia de trabalho!
– Se calhar não vai ser – responde o freguês. – E, olhe, no futuro até vai ser feriado!
O empregado olha surpreendido aqueles clientes tardios e com um sentido de humor tão estranho. Se reparasse que apesar dos casacos diferentes, todos vestem calças, meias e sapatos iguais, ainda ficaria mais surpreendido.
São jovens, pouco mais de trinta anos os mais velhos, e estão excitadamente alegres. Com alguns outros, estiveram até agora fechados nos seus automóveis desde as nove da noite, suportando o vento fresco do alto do Parque Eduardo VII. São o 10º Grupo de Comandos. Às 22.55, nos rádios dos carros, sintonizados para os Emissores Associados de Lisboa, a voz do locutor João Paulo Diniz anunciou o Paulo de Carvalho na canção do Eurofestival «E Depois do Adeus» e provocou-lhes esta excitação de felicidade. Preparam-se para assaltar o Rádio Clube Português, na Rua Sampaio Pina, e para o transformar no emissor do posto de comando do Movimento das Forças Armadas.
À meia-noite e vinte, na Rádio Renascença, a voz de Zeca Afonso irrompe com a «Grândola, Vila Morena». É o segundo sinal. O MFA está em marcha, já nada o pode travar.
Na EPA, Escola Prática de Artilharia, de Vendas Novas, o coronel que comanda a unidade é preso no seu gabinete por um grupo de capitães e tenentes. A central telefónica e a central rádio são ocupadas, as entradas do quartel colocadas sob controlo.
Na EPAM, Escola Prática de Administração Militar, no Lumiar, em Lisboa, os capitães e subalternos preparam-se, com as forças sob o seu comando, para se dirigirem para ali perto, para a Alameda das Linhas de Torres, e ocupar os estúdios da Radiotelevisão Portuguesa.
Do Batalhão de Caçadores 5, em Campolide, sai uma coluna apeada para reforçar o comando de assalto ao Rádio Clube Português, que os tardios clientes do «Pisca-Pisca» e os seus companheiros ocuparam já.
Do Campo de Tiro da Serra da Carregueira (CTSC), pouco depois das 2.00 sai uma coluna motorizada para ocupar a Emissora Nacional, na Rua do Quelhas, em Lisboa.
Entre as 3.15 e as 3.25 da madrugada de 25, ao posto de comando, instalado no Regimento de Engenharia 1, na Pontinha, onde o major Otelo Saraiva de Carvalho coordena as operações, chegam sucessivamente as mensagens de que Mónaco, México e Tóquio foram tomados. São os nomes de código para a Radiotelevisão Portuguesa, para o Rádio Clube Português e para a Emissora Nacional. Os capitães sabem que a guerra da informação é fundamental ser ganha. Por isso, deram prioridade aos objectivos que lhes irão permitir dominar as comunicações e ter o controlo da informação.
 
CAI NOVA IORQUE
 
Tudo está a correr de acordo com a ordem de operações. Todas as forças vão atingindo os seus objectivos. A coluna do Regimento de Infantaria 10, de Aveiro, chega junto dos portões do Regimento de Artilharia Pesada, da Figueira da Foz, às 3.40. O comandante é preso. Aguarda-se a chegada das forças do CICA 2, também da Figueira, e do Regimento de Infantaria 14, de Viseu. É o agrupamento Norte que, depois de concentrado, se dirigirá aos seus alvos, controlando um segmento da fronteira com Espanha, ocupando o Forte de Peniche, a Pide/DGS do Porto… Outras forças correm para outros objectivos: quartéis da Legião Portuguesa, unidades da GNR e da PSP, as fronteiras mais próximas, as antenas de rádio… Tudo corre bem. No posto de comando, na Pontinha, apenas uma preocupação: o aeroporto da Portela ainda não foi tomado. A Escola Prática de Infantaria (EPI), de Mafra, deveria ali ter chegado à hora H (às 3.00) para tomar a torre de controlo, ocupar as pistas, interditando a descolagem e aterragem de aviões. Terá corrido mal alguma coisa? Finalmente, às 4,20 recebe-se uma comunicação:
– Nova Iorque, conquistada e controlada!
O aeroporto de Lisboa está em poder da Revolução!
 
AQUI POSTO DE COMANDO…
 
Às 4,26 o Rádio Clube Português emite o primeiro comunicado. Joaquim Furtado lê pausada e solenemente:
«Aqui posto de comando do Movimento das Forças Armadas.
As Forças Armadas portuguesas apelam a todos os habitantes da cidade de Lisboa no sentido de recolherem a suas casas, nas quais se devem conservar com a máxima calma. Esperamos sinceramente que a gravidade da hora que vivemos não seja tristemente assinalada por qualquer acidente pessoal, para o que apelamos para o bom senso dos comandos das forças militarizadas, no sentido de serem evitados quaisquer confrontos com as Forças Armadas. Tal confronto, além de desnecessário, só poderá conduzir a sérios prejuízos individuais que enlutariam e criariam divisões entre os Portugueses, o que há que evitar a todo o custo. Não obstante a expressa preocupação de não fazer correr a mínima gota de sangue de qualquer português, apelamos para o espírito cívico e profissional da classe médica, esperando a sua acorrência aos hospitais, a fim de prestar a sua eventual colaboração, que se deseja, sinceramente, desnecessária».
Segue-se A Portuguesa e, depois, marchas militares.
 
SINAL VERMELHO É PARA AVANÇAR

Entretanto, às 3.30, a porta de armas da Escola Prática de Cavalaria (EPC), de Santarém, fora atravessada por dez viaturas blindadas, doze de transporte, duas ambulâncias, um jipe e uma viatura civil de exploração à frente da coluna comandada pelo capitão Salgueiro Maia. Objectivo principal: Toledo ou, descodificando, o Terreiro do Paço e os seus ministérios.
As viaturas atravessam a lezíria sem impedimento. Chegam à auto-estrada e, procurando recuperar o atraso com que tinham saído da unidade, vêm a grande velocidade. Chegam à portagem da auto-estrada do Norte às 5.30, saem da 2ª Circular para o Campo Grande. Em duas horas, a coluna percorreu 90 quilómetros, o que é uma grande velocidade para as autometralhadoras. Salgueiro Maia ouve num dos rádios um carro-patrulha da PSP a informar o seu Comando da passagem da coluna, impressionado com o número de autometralhadoras. Mas passemos a palavra ao comandante Maia: «Enquanto ouvia estas informações, o jipe trava de repente e dou comigo parado no sinal vermelho do cruzamento da Cidade Universitária. Olho para o lado e vejo um autocarro da Carris também parado. Achei que era de mais parar a Revolução ao sinal vermelho, quando o que distinguia os carros do MFA era um triângulo vermelho no lado esquerdo das viaturas ou tapando a matrícula. Mando avançar tocando as sirenes das autometralhadoras EBR até chegar ao Terreiro do Paço».
Às 6.00 a coluna atinge finalmente Toledo, o coração do regime! Os carros de combate cercam os ministérios, a divisão da PSP aquartelada no Governo Civil, a Câmara Municipal, a Marconi e o Banco de Portugal. No centro da praça uma Chaimite e uma autometralhadora EBR, com o jipe do comandante, constituem o posto de comando e a força de intervenção de Salgueiro Maia. A primeira parte da sua missão é cumprida com êxito – chega ao seu
o
bjectivo antes de ser dado o alarme geral. Charlie Oito, ou seja, Salgueiro Maia, comunica a Tigre, ou seja, a Otelo:
– Ocupámos Toledo e controlamos Bruxelas e Viena (Banco de Portugal e Rádio Marconi)!
Entretanto, os comunicados vão-se sucedendo na rádio. Às 4.45, aconselha-se às forças militarizadas e policiais que recolham aos seus quartéis e aí aguardem as ordens que o MFA lhes transmita. Às 5.15 sobe o tom e adverte-se as forças repressivas do regime que serão severamente responsabilizadas caso enveredem pela luta armada. Às 5.45, num comunicado mais extenso reforça-se o que foi dito nos anteriores, e apela-se para o civismo de todos os portugueses no sentido de ser evitado qualquer confronto armado. Nos intervalos, cantam José Afonso, Adriano Correia de Oliveira, José Jorge Letria, Francisco Fanhais, Luís Cília, José Mário Branco. Os Portugueses adormeceram cinzentos e escravos num país cinzento onde nada acontecia. A madrugada vai-se enchendo de sons e de cores. Os Portugueses acordam noutro país. Um país onde tudo acontece.
 
UMA ESTRELA DO MFA VITORIOSO
 
A partir da chegada da coluna de Salgueiro Maia ao centro físico do poder político, a acção deste capitão confunde-se com a história do próprio 25 de Abril. É óbvio que ao mesmo tempo, em Lisboa e no País, ocorrem factos, o MFA cumpre objectivos, a Revolução assume o controlo. Porém ali, entre o nascer do dia e o meio da tarde, verificam-se os acontecimentos centrais do 25 de Abril. Se Otelo é o estratega, o cérebro da operação, Salgueiro Maia é o seu braço mais importante. Diz Otelo («Alvorada em Abril»): Salgueiro Maia iria ser o comandante das forças do Movimento mais sujeito a situações de perigo e de tensão ao longo do dia 25. O número de homens que tem sob o seu comando e o potencial bélico de que dispõe permitem-lhe, todavia, encarar com certo optimismo as situações de responsabilidade que se lhe vão deparando e sendo resolvidas e que farão concentrar sobre ele e as forças da EPC as preocupações do posto de comando e as atenções e o carinho das massas populares que, a partir do Terreiro do Paço, não mais deixarão de o acompanhar e aos seus homens, guindando desde logo o jovem capitão às culminâncias de primeira estrela do MFA vitorioso».
 
ALGUMAS NUVENS

Porém, sobre esta estrela rutilante algumas nuvens se vão acastelando.
Os guardiães do regime começam a acordar no meio daquilo que, para eles, é um verdadeiro pesadelo. Desde as 3.30 que, no Porto, o comandante da PSP local telefona para o Comando da GNR a informar sobre a tomada do Quartel General da Região Militar pelos revoltosos. A partir deste primeiro alarme, as comunicações sucedem-se por todo o País. Até que, pelas 5.00, Silva Pais, director-geral da PIDE, telefona a Marcelo Caetano:
– Senhor Presidente, a Revolução está na rua!
É então que se decide que o chefe do Governo se deve acolher ao quartel do Carmo.
É surpreendente que um regime ditatorial, com uma experiência de repressão de quase cinco décadas e em cujas estruturas os militares tinham um peso tão significativo, estivesse afinal tão mal preparado para resistir a um golpe militar. Em todo o caso, algumas medidas foram sendo tomadas. Assim, pouco depois das 6.00 chega ao Terreiro do Paço um pelotão de AML/Chaimites pertencente ao Regimento de Cavalaria 7, comandado por um alferes miliciano que às primeiras palavras de Salgueiro Maia adere ao Movimento. O mesmo acontece a dois pelotões de Lanceiros 2. No Ministério do Exército, o ministro e outros elementos do Governo estão reunidos de emergência para fazer face à rebelião. Ao verem que as forças que vão sendo enviadas para os proteger vão aderindo à Revolução, os valorosos cabos de guerra encontram uma única saída para a situação: abrem à picareta um buraco na parede e, passando para a biblioteca do Ministério da Marinha, dão às de vila-diogo!
No Atlântico, a fragata Almirante Gago Coutinho, integrada numa esquadra da NATO, participa no exercício «Dawn Patrol». Recebe ordens para abandonar as manobras, entrar no Tejo e abrir fogo sobre as forças insurrectas que ocupam o Terreiro do Paço. Cerca das 9.00 a silhueta esguia da fragata surge diante do centro de Lisboa. Uma bateria da Escola Prática de Artilharia, de Torres Novas, segue em Londres , ou seja no morro do Cristo-Rei de Almada, os movimentos do navio. Porém sabe-se que o elevado poder de fogo do vaso de guerra pode causar grandes estragos. Tigre ordena a Charlie Oito que proteja o pessoal e os blindados, metendo o que for possível sob as arcadas da praça. O comandante Vítor Crespo consegue que seja anulada a ordem e que a fragata acabe por ir fundear, cerca do meio-dia, em frente ao Alfeite.
Quando Salgueiro Maia e o posto de comando ainda estão a suspirar de alívio por ter passado a ameaça da Gago Coutinho, surgem cinco carros de combate M/47 de Cavalaria 7 seguidos de atiradores do Regimento de Infantaria 1, da Amadora, e alguns soldados da PM de Lanceiros 2. Um brigadeiro comanda a coluna. Salgueiro Maia, de braços erguidos, agitando um lenço branco, tenta o diálogo, mas o brigadeiro não aceita encontrar-se com ele a meio caminho. Dá ordem a um alferes que abra fogo. O jovem não obedece. Irado, o brigadeiro, repete a ordem directamente aos apontadores dos carros e aos atiradores de infantaria. Salgueiro Maia está a descoberto debaixo da mira das torres dos blindados e das espingardas dos atiradores. Nem as tripulações dos carros nem os outros soldados obedecem. Dando vozes de prisão a torto e a direito, disparando para o ar, o brigadeiro salta do carro e desaparece. Toda a coluna fica sob as ordens do capitão Maia.
 
RUMO AO CARMO

Antes do meio-dia, pelo posto de comando, Salgueiro Maia é informado de que Marcelo Caetano está no Carmo. Deixando forças a guardar os ministérios, avança para lá. Quando entra no Rossio, aparece-lhe pela frente uma coluna militar com uma companhia de atiradores que o Governo enviara para fazer frente aos revoltosos. O Capitão salta do seu jipe e vai perguntar ao comandante da coluna o que está ali a fazer. É-lhe respondido que tem ordens para o prender, mas que está com a Revolução. E também esta coluna é integrada nas forças que avançam para o Carmo.
As edições especiais dos jornais começam a circular. O Rossio, a Rua do Carmo, todo o percurso, está cheio de populares que vitoriam os soldados. Os cravos vermelhos começam a ser enfiados nos canos das G-3. É cerca de 12,30. Diz o capitão: «No Carmo, ao chegar houve desde senhoras a abrir portas e janelas para colocar os homens nas posições dominantes sobre o Quartel, até ao simples espectador que enrouquecia a cantar o Hino Nacional. O ambiente que lá se viveu não tem descrição, pois foi de tal maneira belo que depois dele nada de mais digno pode acontecer na vida de uma pessoa».
Após a intimação para que a guarnição se renda e entregue Marcelo Caetano, não sendo obedecido, Maia recebe ordem do posto de comando para abrir fogo sobre o edifício. Porém, ele sabe que as granadas explosivas das autometralhadoras num largo apinhado de gente irão provocar centenas de mortes. Manda disparar armas automáticas para a parte superior do Quartel .
Entra uma primeira vez dentro do edifício, mas não consegue a rendição. Entra uma segunda vez e exige falar com o Presidente do Conselho. Numa antecâmara, Rui Patrício chora como uma criança e Moreira Baptista olha, ausente, o infinito. Deixemos que ele nos descreva o seu diálogo com Marcelo Caetano:
«Marcelo estava pálido, barba por fazer, gravata desapertada, mas digno.
Fiz-lhe a continência da praxe e disse-lhe que queria a rendição formal e imediata. Declarou-me já se ter rendido ao Sr. General Spínola, pelo telefone, e só aguardava a chegada deste para lhe transferir o Poder, para que o mesmo não caísse na rua! Estive para lhe dizer que estava lá fora o Poder no povo e que este estava na rua. Declarou es

perar que o tratassem com a dignidade com que sempre tinha vivido e perguntou o que ia ser feito dele. Declarei que certamente seria tratado com dignidade, mas não sabia para onde iria, pois isso não me competia a mim decidir. Perguntou a quem competia. Declarei que a «Óscar». Perguntou quem era «Óscar». Declarei ser a Comissão Coordenadora. Perguntou-me quem eram os chefes. Declarei serem vários oficiais, incluindo alguns generais, isto para que ele não ficasse mal impressionado por a Revolução ser feita essencialmente por capitães.
Perguntou-me ainda o que ia ser feito do Ultramar. Declarei-lhe que a solução para a guerra seria obtida por conversações. Toda esta conversa, tida a sós, teve por fundo o barulho do povo a cantar o Hino Nacional e o Está na hora».
Depois, pouco antes das 18.00, chega Spínola, que embora tenha dito a Marcelo nada ter a ver com o Movimento, rapidamente assume ares de «dono da guerra», no dizer de Salgueiro Maia. Às 19,30, Marcelo, Moreira Baptista e Rui Patrício entram numa viatura blindada que encostou a traseira à porta de armas do Quartel. Na confusão que se estabelece, com a multidão a gritar «assassinos!», e com os militares a proteger os homens do regime da ira popular, Henrique Tenreiro que deveria também seguir preso no transporte blindado, mistura-se com os populares e escapa-se, gozando mais umas horas de liberdade.
Após a rendição de Marcelo Caetano e a sua saída do Quartel, pode dizer-se que a Revolução estava ganha, embora, ali perto, na Rua António Maria Cardoso, os agentes da PIDE, encurralados como feras dentro da sua sede, disparassem das janelas, matando cinco pessoas. As únicas mortes verificadas durante o 25 de Abril.
A noite iria ser longa. Muita coisa iria passar-se até que nos ecrãs da televisão os Portugueses tivessem ocasião de ver a Junta de Salvação Nacional, com uns senhores empertigados, com um vago ar de golpistas sul-americanos, viessem, armados em «donos da guerra», ditar as leis de uma Revolução para a qual nada tinham contribuído, deixando na sombra os jovens oficiais que, como Salgueiro Maia, tudo tinham feito, que tudo tinham arriscado.
 
E DEPOIS, O ADEUS

Naquele dia do princípio de Abril de 1992, no cemitério de Castelo de Vide, quatro presidentes da República (António de Spínola, Costa Gomes, Ramalho Eanes e Mário Soares), vêem descer à terra num modesto caixão o corpo de um dos homens que mais contribuiu para que tivessem podido ascender à mais alta magistratura da Nação. No dia 4, Fernando Salgueiro Maia fora vencido pela doença. «O gajo ganhou», dissera ele a um oficial da EPC, referindo-se ao cancro quando se convenceu do carácter terminal da sua doença.
Quem é este homem, vencedor de batalhas, de revoluções, que agora desce à terra, em campa rasa, ao som do «Grândola, Vila Morena»?
Nasce ali, em Castelo de Vide, em 1 de Julho de 1944. Muito novo, fica órfão de mãe. Faz os estudos primários em São Torcato, Coruche, e os secundários no Colégio Nun’Álvares de Tomar e no Liceu Nacional de Leiria. Em 1964, ingressa na Academia Militar.
«Filho de uma família de ferroviários, é a situação de guerra nas colónias que me permite o acesso à Academia Militar, pois o conflito fez perder as vocações habituais, e assim a instituição foi obrigada a abrir as suas portas», diz-nos ele em «Capitão de Abril». Dois anos depois, apresenta-se na Escola Prática de Cavalaria. Depois, a guerra.
Porém, tudo se pode resumir a uma breve legenda: Salgueiro Maia, soldado português que à frente de 240 homens e com dez carros de combate da EPC avançou em 25 de Abril de 1974 sobre Lisboa, ocupou o Terreiro do Paço levando os ministros de um regime ditatorial de quase 50 anos a fugir como coelhos assustados, cercou o Quartel do Carmo obrigando Marcelo Caetano a render-se e a demitir-se. Atingiu o posto de tenente-coronel, recusou cargos de poder. É o mais puro símbolo da coragem e da generosidade dos capitães de Abril.
E quase tudo terá ficado dito.
____________________
Nota: Este texto foi elaborado com base em diversos depoimentos de intervenientes no 25 de Abril. Entre estes destacamos o livro de Salgueiro Maia «Capitão de Abril», editado pela Editorial de Notícias e a 4ª edição de «Alvorada em Abril», de Otelo Saraiva de Carvalho, também da mesma editora.

Novas políticas e novos políticos!

Uma das palavras de ordem que se propagam é que não há alternativas!Mas alternativas a quê ou a quem?
A Sócrates com a sua determinação, capacidade de comunicação e de decisão, mas também com a cruz Freeport e outras que irá transportar toda a vida enquanto for homem público?
Essa cruz tem elevadíssimos custos não só para o próprio mas tambem para a governança. Sócrates, mesmo que mostrasse capacidade de implementar novas políticas que ultrapassassem o empobrecimento que, nas suas mãos, o país vem conhecendo, não seria a pessoa mais aconselhável para o fazer!
Pergunto, alguem tem dúvidas que a Justiça chegou ao fosso a que chegou porque serve a muita gente? Se nós (pobres mortais) sabemos de tanta coisa o que saberão os agentes da Justiça mas que não podem provar? Onde está pois a liderança ética que possa meter ombros a reformas sérias?
Não é verdade que uma semana depois do Ministro da Justiça ter tomado posse, um proeminente advogado da praça veio dizer que o não queria nem para porteiro? Que o tinha demitido de uma função pública quando ambos estavam em Macau? Não sabemos agora que há magistrados que são elementos de aparelhos partidários e que saltitam do Governo para a Magistratura e vice-versa?Na economia, no essencial, prossegue-se a compíscua sociedade entre o Estado e os grandes grupos económicos que já vem de Salazar!
As obras públicas que dão riqueza às grandes empresas e endividam o país no exterior, enquanto as PMEs, inovadoras, criadoras de bens tansaccionáveis e exportáveis e que são responsáveis por 70% do emprego, ficam entregues a si próprias! Abrir os olhos e ouvir as associacões do sector é quanto basta!
E que dizer da Educação amordaçada pelos burocratas do Ministério e dos Sindicatos? Onde está a escola pública entregue a professores dignos, tendo nas suas mãos a responsabilidade, a que têm direito, de dirigir uma escola gozando de grande autonomia? Não há alternativas a estas políticas que nos empobrecem?

PS: Vou voltar ao assunto com outras áreas políticas!

Os idealistas e os oportunistas

                        
Cito Carlyle de memória: as Revoluções são feitas por idealistas e quem delas se aproveita são oportunistas da pior espécie.

Mas que raio faz um Capitão de Abril no PS?

Memórias da Revolução: 26 de Abril de 1974


Termino aqui a «leitura» das capas do «Jornal de Notícias» durante o mês de Abril.
No dia 25, o «JN» teve duas edições. A primeira, a normal, tinha como manchete a visita do Subscretário de Estado da Segurança Social, Ivo Cruz, a Coimbra. São mil as carências na Assistência e excessivo o número de instituições.
O «JN» continua com a campanha contra o aumento do preço dos telefones. «Subiram os preços: Subirá também a qualidade do serviço?»
A nível internacional, a campanha presidencial francesa decorre sem tabus. Morreu, de cancro, o cómico Abbott.
No desporto, Joaquim Leite terminou a etapa da Vuelta na Montanha da Vuelta. Na Taça das Taças, o Sporting foi eliminado pelo Magdeburgo.
Poucas horas depois da saída do jornal, já estava a Revolução na rua e o «JN» publica uma edição especial. A capa, como é óbvio, é totalmente dedicada aos acontecimentos da madrugada, bem como a maior parte do jornal. «Movimento das Forças Armadas desencadeado em todo o país». As forças estão concentradas no Terreiro do Paço desde as três horas da manhã. Duas fotos com tanques no Porto intercalam mais dois títulos: «PSP e GNR não intervieram». «Tranquilidade nas ruas do Porto».
Os comunicados do MFA, diz o «JN», estão a ser difundidos através dos emissores do RCP. Os Aeroportos estão encerrados.
Chegara a Revolução.

13.00 – Início da libertação de Caxias

13.00 – Uma Força de Fuzileiros e Paraquedistas comandado pelo Cap.Ten. Abrantes Serra e Cap. Mário Pinto, ocupam o forte de Caxias colocando a GNR sob seu controlo. Apesar de algumas hesitações por parte da Junta, até ao fim do dia todos os presos políticos seriam libertados.
in http://www.25abril.org/index.php?content=1&c1=8&c2=15

Vinte e Cinco de Abril

Estava eu a insultar-me em surdina porque não ligo nada à História do meu País. Pois não. Não foi intencional. Foi uma questão aleatória e uma questão de marketing de outros assuntos. Peço desculpa à História Portuguesa e prometo ser breve em querer saber mais sobre este País.
Mas para conhecer um pouco mais a História, nada como fazer um desvio aos registos escritos, e ir às “outras” fontes, as pessoas. Perguntar-lhes coisas. Nos livros vem a História, mas as emoções ficam nas pessoas. Saber o que sentiram. Saber como se sentiam. Saber como se sentem agora.
Toda a gente a quem perguntei sobre o 25 de Abril considera que estamos melhor. Não muito melhor, mas melhor. O que já é bom. O contributo passado das pessoas envolvidas deveria ser uma inspiração para as pessoas do futuro. Mas as pessoas que sentiram na pele o que é a falta de liberdade começam a desaparecer. As figuras históricas começam também a nos abandonar. Quanto mais tempo for passando, quer queiramos quer não, o 25 de Abril passará a ser um capítulo de um livro de História. Como a implantação da República. Como o Condado Portucalense. Como Viriato. Como todas as grandes figuras.
No entanto, estas pessoas de grande coragem garantiram um lugar na História. Isso é inegavelmente a prova de participação num evento da maior importância. Quantos de nós queremos figurar também nos livros? Quem tem coragem e força para figurar na História?
À distância de 35 anos, eu apenas posso sentir muito ao de leve, a onda de choque da acção revolucionária. Mesmo a esta curta distância, já se começa a perder informação. O que era completamente proibitivo, começa a ser nome de praça. Fulano que era bom, já começa a parecer dos maus. Afinal parece que foi tudo combinado antes, para não haver um banho de sangue. Afinal parece que foi uma reivindicação não satisfeita, que fez elevar capitães e soldados rasos. Não sei. As figuras já começam a ficar desvanecidas, os cenários e a informação seguem o mesmo caminho. Não falo por mim, mas falo pelo que me rodeia. Falo pelas opiniões de quem por lá passou.
Eu, particularmente, considero o 25 de Abril uma elevação de pequenos contra grandes. Uma elevação dos oprimidos contra os seus opressores. O sinal de que é possível derrubar o opressor, independentemente do seu tamanho ou raio de acção.
Convém relembrar o factor mais importante da Revolução. Pelo menos para mim. Obviamente como em todos os “regimes”, o poder não reside na cabeça, como é costume ouvir-se dizer. O poder de um regime reside no número e na força dos seus apoiantes. O problema não é Salazar. Estou farto de ouvir falar em Salazar. Salazar, esse sujeito rude e implacável, que caiu de velho e morreu rodeado de uma orda de apoiantes cegos, que lhe fizeram crer que ainda era o Presidente do Conselho? Salazar não é o diabo. O “diabo” é aquela massa de gente idiota que vai sem pensar nem questionar, para onde lhe apontam o dedo. Esse é o verdadeiro problema.
O problema está no “PIDE”, um cidadão que espanca ou tortura outro cidadão. O problema está no funcionário sem escrúpulos que usa da ameaça de cadeia para roubar mais umas coroas ao seu co-cidadão. O problema está na mente distorcida e paranóica do “bufo”.
O Povo unido jamais será vencido. Vencido por quem? Por Salazar? Ou pela corja do Regime? O Povo é quem mais ordena. Se agora parece que o Povo nada ordena, então algo está muito errado.
O 25 de Abril é uma ideia de Liberdade. Liberdade? Que tipo de liberdade? Cresci a ouvir que o fascismo retira a liberdade. Visto pelos livros, o fascismo e os outros sistemas políticos que por cá passaram, apenas conseguiram fazer sempre a mesma coisa: tirar a muitos para dar a poucos.
A minha geração convenceu-se que a democracia é a solução. Agora, começa a perceber que o que aconteceu é que apanhamos a fase boa de transição. Já deu para perceber que seja qual for o “-ismo” ou “-cia”, tudo descamba sempre para o mesmo lado: para o lado do mais rico e poderoso. Portanto, pensando bem, estaremos de facto livres, ou apenas menos presos?
O 25 de Abril entra na crise dos 40 aos 35. O País começa a perder força, porque a Revolução começa a perder força. Preocupante, já que muita gente anónima começa a pedir uma nova ditadura e um novo ditador. Se calhar por isso, muita gente anónima começa também a pedir uma nova revolução, um “novo 25 de Abril”. Se calhar porque, há 35 anos, não foi o povo português que quebrou. Quem quebrou foram os militares. O Povo descontente continuou a aguentar. No entanto, percebo que, mais cedo ou mais tarde, o Povo quebraria. O militares têm sempre a vantagem de serem organizados e armados, contrariamente ao Povo que tem mais músculo, mas menos discernimento. Desta forma, é de extrema importância que o Povo tenha sempre os Militares do seu lado, assim como as Forças de Autoridade e a Justiça.
Talvez o factor mais marcante do 25 de Abril é ser o ponto de ruptura do povo português. É aquele ponto, aquele dia, em que as pessoas anónimas, sem poderes, juntas, dizem: Basta! Chega! Não suportamos mais! Qual é o nosso ponto de ruptura? Quanto mais teremos nós ainda de suportar?

Do interior da Revolução-O Fiel da balança

Depois do 25 de Abril houve uma explosão de alegria, de liberdade e até velhos tabus (as meninas tinham que ser virgens)levaram um piparote de todo o tamanho.Começamos a namorar mais apertadinhos, os teatros encheram-se de gente e de peças subversivas e os filmes que nos levavam a Londres para os poder ver começaram a aparecer por cá .Num desses teatros, após a peça, ficamos ali a conversar artistas com espectadores.Lembro-me muito bem de alguem da assistência dizer.Até agora estavamos todos a empurrar o mesmo muro para o deitar abaixo.”A partir de agora, para lá do muro, cada um de nós vai tomar a liberdade à sua maneira.Esse é o sortilégio da Democracia e o que faz valer a pena vivê-la.”No Movimento das Forças Armadas tambem foi assim.Todos queriam derrubar a ditadura mas havia muitos caminhos por percorrer. No 25 de Abril não terá havido vencedores e vencidos (enfim, vencido foi o regime e os fachos) mas em todas as outras datas, houve vencedores e houve vencidos. Uns que tentaram que o 25 de Abril fosse a continuação do regime, envolto numa aparente revolução.No 16 de Março alguem que tentou antecipar-se e ganhar vantagem numa ambição de poder pessoal.No 25 de Novembro forças que tentaram uma guinada à esquerda.Outros casos houve com mais ou menos repercussão.Em todos estes casos os vencedores ocasionais foram os vencidos ocasionais, conforme as forças em presença. Tentativas de banhos de sangue, que os vencedores ocasionais consideravam necessáros para ganhar vantagem definitiva.É preciso dizer, sem margens para quaisquer dúvidas que em todos estes casos, houve um núcleo de Capitães que nunca transigiram nos princípios e nos objectivos. Que defenderam os vencidos e que controlaram os vencedores ocasionais.Que prometeram a Democracia e um Estado de Direito e os entregaram por inteiro nas mãos de uma Assembleia Constituinte.Esses homens que constituem o núcleo central do Movimento das Forças Armadas têm nome e todos sabem quem são.Como em todas as revoluções há amarguras, azedumes, incompreensões e dúvidas.Mas não pode haver dúvida nenhuma acerca do papel fundamental exercido por esses homens.O de Fiel da balança sem o que teríamos tido banhos de sangue e, porventura, uma guerra civil!

04.20 – Ocupação do Aeroporto

04h20 – A coluna da EPI, comandada pelo capitão Rui Rodrigues, assume o controlo do Aeródromo Base nº 1 (Figo Maduro) e do Aeroporto de Lisboa. O capitão Costa Martins emite um comunicado NOTAM, interditando o espaço aéreo português e desviando o tráfego para os aeroportos de Las Palmas e Madrid. Nova Iorque encontra-se sob o controlo do Movimento.
http://www.instituto-camoes.pt/revista/cronologia.htm

04.00 – A protecção de Spínola

04h00 – Um pelotão do BC 5 desloca-se para a residência de António de Spínola, a fim de garantir a sua segurança.
– O programa «A noite é nossa», do R.C.P., deixa de transmitir publicidade, passando a emitir apenas música.
http://www.instituto-camoes.pt/revista/cronologia.htm

03.30 – Partida de Santarém

03h30 – A força da EPC – com 10 viaturas blindadas, 12 viaturas de transporte de tropas, duas ambulâncias e um jipe e precedida por uma viatura civil, com três oficiais milicianos – comandada pelo capitão Salgueiro Maia, cruza a porta da unidade e sai de Santarém em direcção a Lisboa.

03.15 – Ocupação da Emissora Nacional

03h15 – A coluna do CTSC, comandada pelos capitães Frederico Morais e Oliveira Pimentel, chega à Emissora Nacional (E.N.) e ocupa a estação de rádio oficial. Tóquio viera completar o domínio de três objectivos fundamentais na área da comunicação social.
http://www.instituto-camoes.pt/revista/cronologia.htm

03.00 – Ocupação da RTP

03h00 – A Rádio Televisão Portuguesa (R.T.P.) – Mónaco na linguagem cifrada dos militares revoltosos – é tomada de assalto pela força da EPAM.

01.30 – Salgueiro Maia reune as tropas em Santarém

01h30 – Na Escola Prática de Cavalaria, Salgueiro Maia manda acordar o pessoal e formar em parada. A adesão é entusiástica. Salgueiro Maia comandará a força tendo o tenente Alfredo Assunção como seu adjunto.
in http://www.instituto-camoes.pt/revista/cronologia.htm