A Suiça escolheu o medo

"Quem luta com monstros deve velar para que,

ao fazê-lo, não se transforme também … o abismo

também olha para dentro de ti."

Friedrich Nietzsche

 

 

O Osama Bin Laden, se ainda for vivo, hoje deverá estar a esfregar as mãos de contente. Com efeito, devido ao medo subliminarmente sentido perante uma islamização, com o seu voto de hoje, a Suiça abandonou praticamente o seu estatuto de país neutro tornando-se, visível perante todo o mundo, um “combatente” ao lado de god’s own country and his partners in misleadership. Welcome to the crew, Switzerland!

 

Tal como todos os outros vizinhos e restantes países do assim chamado 1º mundo, a Suiça optou pela reacção em vez da acção. E acção teria significado, identificar as mais profundas causas espirituais-psíquicas desse crescente insegurança, para seguidamente passar à acção: p.ex. no sentido do meu esboço estratégico “New Deal”. Lembrem-se: a única solução pacífica que evitará uma enorme tragédia a nível mundial, é mudarmos do nosso actual comportamento introvertido-egocêntrico para um comportamento extrovertido-sóciocêntrico.

 

O que provavelmente irá acontecer agora, é que com o voto dos suiços a ameaça por forças antagónicas, até aqui apenas latente, se materialize. Por exemplo através de atentados de forças islámicas radicais ou apenas a sua ameaça. Portanto, os “monstros” até aqui apenas existentes nas cabeças das pessoas, darão lugar a “monstros” reais os quais precisam de ser combatidos.

 

E isto significa: com os “monstros” a aparecerem, as pessoas ver-se-ão confirmadas nos seus mais profundos receios o que irá atiçar uma espiral negativa – tal como nos restantes países que resolveram combater os problemas reagindo com meios materiais-mecanicistas e não agindo com medidas energéticas-estratégicas. Nesta situação, no fim poderá acontecer que na tão civilizada e idílica Suiça situada em pleno coração da Europa, ganhe, nas próximas eleições gerais, um governo populista da direita a maioria absoluta. Vade retro satanás!

 

E o que está a acontecer com a nossa Alemanha em vias de ficar sem rei nem roque que já encontrou o seu “monstro” no Afeghanistão e continua incapaz de aperceber-se que o “inimigo” vem de dentro em consequência dos nossos próprios actos?

 

RD

 

 Rolf Damher – convidado

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.