O mistério de um inocente convite

O mistério de um inocente convite (suspense 4)

 Uma nova denúncia, começando já a engrossar o processo, dizia respeito a uma cunhada, que é ajudante de farmácia, e que teria dito à recíproca cunhada que o irmão comprara uma embalagem de viagra. Não, não, não fora de viagra mas de cialis de 20 mg, logo de 20 mg! Parece que faz mais efeito e mais prolongado. Tem uma duração de acção de 24 horas. Contando com altos e baixos, claro, como a bolsa.

 -Pudera! Não se trata, muito provavelmente, de uma traulitada de coelho, mas de um bacanal de uma tarde inteira, quem sabe, se de um forrobodó a entrar pela noite dentro!

 Lamentava-se uma outra esposa, sorumbática, enfiada na concavidade depressiva de um velho sofá, cuja actividade sexual se resumia aos dias santos. Não porque o marido respeitasse essas datas festivas mas porque a fé a levava a essa graça por invocação de um santo secreto que lhe falava em sonhos, assim de uma forma meio atrevida.

 -Sete plásticas, número mágico ligado às sete cordas da lira e às sete cores do arco-íris, mágicas o tanas, de nada valeram. Basta um estranho e insólito convite, sem mulheres legítimas à perna, para ver o meu querido amor a rastejar, a rejeitar-me desde o Natal ao pentecostes e ainda por cima justificar:

 -Coitado do meu amigo, como não tem mulher, não pode estar, sozinho, a aturar as mulheres dos outros. Além disso não pode convidar toda a gente, é um homem só, pau para toda a colher, é certo, mas do corpo lhe sai!

 -Isso, isso, agora é que disseste tudo, pau para toda a colher.

 -Mas foi uma compreensível opção, mulher, tens de aceitar.

 -Aceito, eu aceito, mas como explicas que há dois meses, com dias santos pelo meio, não cumpres a tua obrigação da meia-noite, dizendo que estás muito cansado. Tens de te poupar, é? Tens de armazenar, é? Bruxo!. (Continua)

Comments

  1. Carlos Loures says:

    A tua blogonovela é a primeira coisa que leio quando acedo ao Aventar. Está giríssima. Mas não pregues partidas a ti próprio. Lembra-te do Eça e do Ramalho que no «Mistério da Estrada de Sintra», que no DN escreviam em folhetins alternados, deixavam o parceiro em situações terríveis. Como a que um deles fez ao outro (já não recordo qual) – um cavalheiro, altas horas da noite, com um martelo e um pacote de pregos no bolso!