Zangam-se os compadres…

As relações entre o Primeiro Ministro e o Dr. Mexia já tiveram melhores dias. Uma compra de tecnologia de muitos milhões a uma empresa estrangeira, sem contrapartidas para o cluster nacional, azedou o Engº Sócrates. E desta vez com razão. O Dr. Mexia anda em roda livre, investe milhões nos US e no Mar do Norte, nada lhe importando que o cluster que nasce em Viana do castelo, seja um pilar essencial da estratégia de modernização do país.

Acresce que esse dinheiro investido lá fora, faz falta cá dentro, e uma empresa pública monopolista que pratica preços superiores à média europeia, não pode utilizar o “cash flow” assim obtido fazendo de conta que não tem nada a ver com as políticas do governo. Até porque deve grande parte desse dinheiro ao facto de estar encostado ao governo e operar num mercado que não encontra em mais lado nenhum. Monopolista com preços ao consumidor mais caros e gozando da cobertura do Estado.

Eu gostava era de ver estes gestores armados em gestores internacionais, investir com o dinheiro deles, dos próprios, isso sim, seria caso para admirar. Aposto que telefonava primeiro ao primeiro ministro, não fosse o seu (dele) dinheiro desaparecer com o vento dos aerogeradores que compra lá fora sem cuidar do interesse nacional.

Comments

  1. António Soares says:

    Mexia,mexe,no dinheiro dos outros…até o nome condiz!!!!!!


  2. Eu gostava era de ver estes gestores de merda a gerir e a rentabilizar empresas públicas como a CP, a TAP e tantas outras que só dão prejuízo!

    E gostava de os ver a utilizarem os seus alegados dotes de “grandes” gestores, fazendo com que estas empresas passassem a apresentar lucros!
    Mas isso já seria pedir muito porque, afinal de contas, o que eles sabem gerir são empresas que não têm concorrência e que já davam lucros antes deles, e para as quais basta aumentar os preços aos consumidores, assim a crú, para logo chegarem aos objectivos pretendidos.

    Assim, desta maneira e com empresas destas, até o “tatonas” era capaz de as gerir, contentando-se com um ordenado de funcionário público, em vez dos ordenados obscenos que estes merdas metem ao bolso!

  3. graça dias says:

    o ditado brasileiro, pernitam-me a linguagem” pimenta no c.. dos outros, é refreco para mim”

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.