Fogos – uma pergunta incómoda!

A floresta propriedade das celuloses não arde! Porquê?

Porque aquelas empresas privadas têm uma politica para a floresta, desde o plantio, com acessos generosos, limpeza adequada, uma equipa privativa de bombeiros e de gestores da floresta, que limpam, vigiam…

O Estado não tem política nenhuma para a floresta, ano após ano, arde tudo, parece que é mais fácil deixar arder do que ter uma política preventiva de limpeza, rasgar acessos, vigiar, limpar. É melhor ou mais barato, deixar arder?

Há tanta gente no desemprego, tanta gente a receber subsídios, tanta gente presa, a troco de um vencimento a juntar ao subsídio não se impediria um prejuízo muito maior dando emprego a tanta gente?  Em articulação com os proprietários privados? Bem sei que as celuloses estão num negócio, a floresta é a matéria prima para as suas fábricas, pois então a gestão florestal Estatal é o que tem que fazer, desenvolver um cluster da floresta por forma a que a gestão da floresta seja uma actividade económica e não os fogos de todos os anos!

O Estado não faz nem deixa fazer! Até a cãmara do Porto não tem tempo para limpar a escarpa das Fontaínhas!

Ou se cria um cluster económico da floresta ou os fogos nunca se apagarão!

Comments

  1. maria monteiro says:

    Se começar a haver vigilância florestal feita a sério, é trabalhar para prevenir o fogo… imagino as fábricas a procurarem novas paisagens por falta de … fogo (leia-se matéria-prima fácil)

  2. Luis Moreira says:

    A pergunta é incomoda por várias razões, essa, Maria, é uma delas.

  3. Luis Moreira says:

    Em alguns concelhos de pinhal os proprietários juntaram-se, com a câmara e meia dúzia de investidores e, estão a surgir as fábricas de BIOMASSA, que utilizam a massa vegetal da limpeza da floresta para produzir energia. Já é um avanço.Mas é preciso avançar com a madeira para carpintaria e outras actividades.

  4. joão Nunes says:

    “Mas é preciso avançar com a madeira para carpintaria e outras actividades.”

    A carpintaria que usa a nossa madeira de pinho é a das paletes.
    E qualquer dia, nem essa.

    Um fogo começa, alguém dá o alarme para o 117, esse alguém tem de se identificar, a autoridade manda outra autoridade confirmar e passa-se meia hora nisto.
    Quando finalmente são accionados os meios de combate, vulgo bombeiros, já a coisa tem uma tal dimensão que lhe permite ser notícia, pelo menos na rádio.
    O ideal é que seja também notícia do telejornal.
    A coisa vai crescendo e lá pela hora a que está tudo incontrolável, a arder e de que maneira aparece por exemplo este senhor:
    O SenhorComandante Nacional de Operacões e Socorro da Autoridade Nacional de Proteção Civil, Paulo Gil Martins.
    Muito bem fardado, cheio de caçança e de emblemas cosidos à farda, obtidos em congressos onde se trata de teorias e almoçaradas. Nem o Príncipe de Gales tem um cargo com um nome tão pomposo!
    Fala pomposamente, de boina na cabeça, geralmente dentro de uma coisa com ar condicionado, atribuindo as culpas à chuva que caiu em Fevereiro e Março, que fez crescer muita erva, ao calor, ao tempo, ao terreno, ao vento e coisa e tal, aos donos dos pinhais, mas nunca ao sistema que criaram e mantêm para bem bem da industria das mangueiras, dos capacetes e da parafernália toda com que se equipam e faz dos nossos bravos bombeiros, dos mais bem equipados do mundo.
    E também dos mais mal comandados.

  5. Luis Moreira says:

    João Nunes, há muitos milhões no orçamento para os bombeiros e esse é vice-presidente do PS como haverá vide presidentes do PSD.Mas limpar a floresta e abrir acessos é que não.

  6. Nightwish says:

    Obviamente, privatize-se as florestas.

  7. maria monteiro says:

    quase que apetece sonhar … se os bombeiros, de repente, dissessem que para o próximo ano iam fazer greve ao “apagamento” dos fogos. Era a forma de se apostar no trabalho bem feito… na prevenção, fiscalização, limpeza… ou então… Portugal ardia por completo.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.