Ernâni Lopes (1942 – 2010) não volta a defender cortes de 20% nos salários da Função Pública

Ernâni Rodrigues Lopes nasceu em 1942. Doutorado em Economia. Professor universitário no ISCEF e na Universidade Católica. Exerceu vários cargos no Banco de Portugal. Entre 1975 e 1979, foi Embaixador de Portugal em Bona. Integrou o IX Governo Constitucional, o do chamado «Bloco Central», entre 1983 e 1985, como Ministro das Finanças e do Plano. Neste cargo, tomou medidas de contenção e de rigor muito duras, dada a crise económica que então se vivia no país. Foi nesse período de tempo que o FMI esteve em Portugal.
Mais recentemente, defendeu que os Funcionários Públicos deviam ter cortes de 20% nos seus salários. Teve de contentar-se com 5%.

Comments

  1. júlia says:

    Caro R.S.Pinto:
    A VIDA faz pensar!…O Homem perante a VIDA!…O êxito da VIDA exige sacrifício!…
    Há uma ordem no Mundo!…O comportamento de cada ser depende da sua estrutura.
    São muitos os modos de ser da VIDA.É-nos impossível conhecê-los a todos, pelo que deveríamos, escolher os primodiais.
    Eu reservo na minha memória, o Ser Humano que não gostaria de ver partir, neste momento, pois vai fazer muita falta.O Caro Amigo preocupou-se com a hipótese da diminuição de 20% no seu salário!…
    Até amanhã! Até sempre!
    Júlia Príncipe


    • Obviamente…Quando o Salazar caiu da cadeira também foi um ser humano que lá foi… E não faz falta nenhuma.

    • João J Cardoso says:

      Pode ter falecido um bom pai, um excelente amigos, uma óptima pessoa.
      Como político e como economista roubou-me na década de 80 o que gostaria que outros me tirassem agora.

  2. lidia sousa says:

    Para mim era apenas um dos reformados de luxo do BANCO DE PORTUGAL ONDE TRABALHOU 5 ANOS E FICOU COM UMA REFORMA VITALICIA DE 3.200 EUROS X 14 MESES.
    Mandei-lhe um mail para a sua empresa de pareceres SAER, pedindo para doar essa reforma de que ele não precisava, pois tinha outra e rendimentos elevados, para criar um fundo privado para criar empregos sociais para os mais de 350.000 desempregados, sem instrução dom idades superiores a 40 anos, vitimas da formação social feita pelo cavaquismo com os quadriliões de contos que vieram da então CEE, pois se ele o fizesse outros com igual reforma teriam vergonha e seguiriam o seu exemplo a começar pelo seu amigo Campos e Cunha a mais elevada destas reformas vergonhosas e o mais alto dignatário da nação. Se o tivesse feito hoje choraria um homem bom. Assim é-me indiferente e é uma reforma a menos a não ser que seja dada á viuva. PAZ Á SUA ALMA

  3. júlia says:

    Caros Amigos:
    Constatei que, não vos agradou o meu comentário.A comunicação é conhecimento: só as palavras são lidas, ouvidas e compreendidas.A comunicação faz-se de uma cabeça para outra…
    A comunhão faz-se de coração a coração, a comunhão é um sentimento.Foi este que me
    regeu.
    Cumprimento-os fraternalmente, respeito-os pelas vossas opiniões, mas o Ser Humano
    que eu conheci, não era o vosso.Aliás, a VIDA E A MORTE não têm cotação na bolsa; são inegociáveis!…
    Até amanhã! Até sempre!
    Júlia Príncipe

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.