A caridade da Eurest e a hipocrisia da campanha “Direito à Alimentação”

eurest488004462 Maria foi despedida da cantina de uma escola em Vila Nova de Gaia por ter levado para casa comida que iria para o lixo. A funcionária, com poucos recursos, aproveitava as sobras do dia para dar de comer aos cinco filhos.

Filomena Martins, que trabalha na Escola Alcaides de Faria, em Barcelos, tinha pão e sopa no cacifo e está suspensa de funções, com um processo disciplinar em curso.

Na cantina da Portucel, em Setúbal, uma das trabalhadoras foi revistada na segunda-feira, à saída, e como tinha sobras na carteira, está também suspensa e ameaçada de despedimento.

Estes casos, divulgados pelo Correio da Manhã, têm em comum a Eurest, empresa que diariamente fornece o almoço a 200 mil portugueses, em 1200 restaurantes e cantinas de hospitais, escolas, prisões, áreas de serviço, autarquias e empresas e vieram a público porque esta vai participar na campanha “Direito à Alimentação”, lançada com pompa e circunstância pelo Presidente de todas as caridadezinhas, a começar pelas hipócritas. Vejamos como:

Outras da fases da iniciativa passa também pelas empresas que fornecem refeições a escolas, hospitais ou empresas, como a Eurest ou a Uniself. Mas como estas dizem não ter praticamente sobras, a solução passará por confeccionarem mais refeições, exclusivamente para servirem aos mais carenciados. Em contrapartida, receberão benefícios fiscais.

Quem fornece almoços a 145.000 alunos tem de ter sobras, e de resto se estas não existissem os processos a estas trabalhadoras não teriam razão de ser. Mas mentir e procurar benefícios fiscais, quando se obtêm lucros anuais acima dos 100 milhões de Euros é prática corrente em Portugal, não esquecendo que a Eurest esteve envolvida no cartel das cantinas, condenado pela Autoridade da Concorrência, com multas extremamente baixas.

Na apresentação da campanha “Direito à Alimentação” Cavaco Silva afirmou: “Envergonha-nos a todos saber que há portugueses com fome“. De lançar campanhas destas não tem vergonha, falta-lhe nascer pelos menos duas vezes para ser honesto e ter vergonha na cara.

Ainda há mais informações sobre a Eurest e a forma como ganha dinheiro neste blogue.

Comments

  1. Os comentários desapareceram? :O

Trackbacks

  1. […] a famigerada EUREST, há dias justamente criticada no Aventar, o SUCH criou um consórcio para serviços de alimentação, sem concurso público, em 2000, cujo  […]

  2. […] a famigerada EUREST, há dias justamente criticada no Aventar, o SUCH criou um consórcio para serviços de alimentação, sem concurso público, em 2000, cujo  […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.