O povo unido ficava menos f*

Malevich, Suprematismo em 8 rectângulos

Malevich, Suprematismo em 8 rectângulos

Percebemos que o país bateu no fundo quando assistimos a uma aproximação entre BE e PCP. Não porque essa aproximação seja uma má notícia, muito pelo contrário, mas porque o simples diálogo entre os únicos partidos parlamentares que não têm qualquer responsabilidade governativa, distin-guindo-se por todos os seus deputados não ganharem nem mais um euro do que ganhavam antes de irem para a AR, demonstra que aqueles que fazem política por causas, e não por causa dos seus interesses pessoais, se entenderam na necessidade de se mostrarem como alternativa, aliás a única alternativa possível à dupla José Dupont & Pedro Dupond que se pretendem candidatos ao poder com estatuto de exclusividade.

Por maior que seja a pressão dos seus próprios eleitores não acredito numa coligação eleitoral (cujos benefícios Ricardo Alves demonstrou). Já um programa comum de governo, por muito minimal que fosse, era um progresso assinalável, e que poderia ter benefícios concretos. Em muitos distritos (pelo menos Aveiro, Beja, Coimbra, Faro, Portalegre, Porto, Viseu, Setúbal e Viana do Castelo) uma deslocação de votos para o partido mais bem colocado traduzir-se-ia em mais deputados de esquerda. Não falo em desistências formais, mas há muitas formas de em campanha essa deslocação se proporcionar.

A reacção da direita a estas aproximações, como sempre primária e assustada, demonstra que o objectivo de garantir 25% dos deputados, única forma de salvar a constituição, não é impossível. Precisa é de ser muito bem explicado aos abstencionistas, e de que estas aproximações sigam no sentido da unidade dos partidos que não são iguais aos outros.

*odido

Comments

  1. maria monteiro says:

    JJCardoso partilhei no FB

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.