As religiões fazem mal à saúde, mental e não só

Esta fotografia de Andres Serrano representa um crucifixo mergulhado em urina. Piss Christ tem sido vítima da intolerância religiosa, e acaba de ver destruída mais uma impressão em Avignon, às mãos de uma turba de fundamentalistas católicos.

Mais um episódio a juntar, por exemplo, à democrática forma como o governo de Madrid lida com o direito à manifestação dos ateus.

Sempre achei que a fé move a inteligência para partes do corpo que não lhe foram destinadas pela natureza. Problema de quem a tem, à fé, e desde que não mova o seu comportamento no sentido da imposição do seu peculiar modo de ver o mundo aos outros, por mim tolerância absoluta.

Para haver uma piada no episódio acresce que a turba, apoiada pelo episcopado, se queixava de cristianofobia. Aqui me confesso: temo as religiões, sobretudo quando se transformam em turba. Esta gente, que acha natural termos de levar com a sua iconografia por tudo o que é sítio, esquece-se que isso ofende o comum dos mortais, já para não falar do notório mau-gosto. Algumas das obras de arte que mais mexem comigo representam JC na cruz, lamentos, deposições, e outros episódios da mitologia católica, mas logo por azar o que anda por escolas, hospitais, quartéis e outros espaços públicos é por regra cópia de obras vulgaríssimas.

Depois os muçulmanos é que são os únicos maus da fita, os fundamentalistas, etc. etc. Fossem todos ler poesia ao invés dos seus livros “sagrados”, e o mundo estaria muito melhor do que está.

Adenda: este texto, no centenário da Lei de Separação da Igreja do Estado, é dedicado aos milhares de portugueses que ao longo de séculos foram torturados, humilhados e assassinados por motivos religiosos, e a todos os que durante os mesmos séculos foram obrigados a professar e sustentar a religião oficial do estado.

Saúde e Fraternidade para todos, em particular para os comentadores que tanto se esforçaram para confirmar o que escrevi.

Comments


  1. Não queriam um post verdadeiramente nojento?
    Pois, aqui está!

  2. xico says:

    Eu que sou católico, concordo consigo. No entanto essa turba está a manifestar-se como o comum dos mortais. Não por serem religiosos. Porque a sacralização das nações, das pátrias, dos regimes, etc, são também coisas absolutamente irracionais.
    Experimente pisar ou rasgar a bandeira nacional (é considerado crime) Ou negar o holocausto (é considerado crime). Porque se há-de aviltar então a sacralidade dos ícones dos outros, se eu não posso rasgar a bandeira da república?

  3. Joao says:

    “Ofende o comum dos mortais”?

    E eu aqui a pensar que uma democracia passa pela decisão de uma maioria e aqui temos alguém que no mesmo post critica (e bem) a imposição dobre um minoria e quer impor a sua religião pessoal sobre a maioria…

  4. Gomez says:

    … se a(s) religião (ões) fizessem mal à saúde, à cabeça, etc… eu já não estava neste mundo… ou então estava entrevado numa cama …. ou já não tinha tesão!!!!

    …. haja saúde amigo… vocês arranjam sempre qualquer coisa (dessas cabeças só sai merda) para denegrir as religiões…. e depois é vê-los velhinhos a chamar por Deus!!!!


    • É o contrário do que erradamente afirma! São os religiosos que acreditando em milagres e outras merdas recorrem aos médicos em vez de esperar a tal cura divina. É uma tremenda hipocrisía esta coisa da fé. Confiam num tal deus mas recorrem, em períodos de aflição, aos humanos em vez de recorrerem ás divindades que tanto dizem venerar. E a hipocrisía e a ingratidão atingem o auge quando, após uma cura se concretizar vêm com exclamações deste tipo: graças a deus que tudo correu bem! Ao médico nem um obrigado tão pouco. Cambada de hipócritas ingratos. Os religiosos não têm cérebro, são simples marionetas do obscurantismo. «A religião é a esperteza de poucos e a ignorância de muitos!» Stendhal.


  5. Avignon não tem um bispo? Pois então o tal hierarca decrete já um (ou uma?) fatwa a legitimar o assassínio do tal Andres Serrano. Para que a comparação que aqui se faz entre fundamentalistas de um lado e outro faça sentido.

  6. Dario Silva says:

    Apoiado…


  7. A religião é a esperteza de poucos e a ignorância de muitos! Stendhal.


  8. Sim, porque um indivíduo que mergulha o que quer que seja em mijo e lhe chama arte, só pode ser uma pessoa sã! O JJC pode ter as crenças que quiser ou ausência delas. Para mim tanto me faz que eu não faço proselitismo. O que eu acho piada é raiva contra a religião. Que me importa a mim, católico, que existam ateus, indiferentes ou invejosos. O mundo é de todos. E é isso que faz falta entender.