A direita a galope no golpe de estado de Otelo

Li  num quiosque em corpo grande “A igreja tem de travar este liberalismo”, na capa de um pasquim inominável, até porque blasfemo, sobretudo falando de igrejas. Estas declarações do franciscano Melícias, juntamente com outras de responsáveis católicos na reforma ou no activo, não sei se violam “o artigo 326º do Código Penal, que reza assim:

“Quem publicamente incitar habitantes do território português ou forças militares, militarizadas ou de segurança ao serviço de Portugal à guerra civil ou à prática da conduta referida no artigo anterior [referente à alteração violenta do Estado de Direito] é punido com pena de prisão de 1 a 8 anos.”

Não sou jurista mas, pensando no último passatempo da nossa direita, liberal ou nem por isso, é capaz de também violar.

É que golpes de estado, não é bem coisa a que se apele, fazem-se em segredo. Quando alguém apela é porque não os vai fazer. Quem percebe de golpes de estado, e Otelo Saraiva de Carvalho é na matéria o nosso maior especialista vivo, se apela, e nem foi o caso, é para não fazer. Até eu que nunca fiz um golpe de estado já tinha reparado nisso.

Declaração de desinteresse: fiz a primeira campanha eleitoral de Ramalho Eanes, na rua, coisa que não assistiu a muito direitóide que hoje ostenta no currículo ter resistido à otolice  dita revolucionária. Já nem falo do José Manuel Fernandes que fez a do Otelo. A nossa direita, de resto, é de uma cobardia espantosa. Agora, com um teclado na mão, ui, são terríveis.

Comments

  1. Rui Meireles says:

    Eu acho que o Otelo tem toda a razão no que disse só que não deveria tê-lo dito, o que demonstra que não quer fazê-lo…Isto é, em 24 de Abril de 1974 todos pressentiam que algo ia mesmo acontecer, aliás já tinha acontecido, 30 dias antes em 16 de Março.Mas quem fez o que fez, não disse que o ia fazer, é dos livros…

  2. erplus says:

    otelo should not call for a coup d’etat but rather for a referendum on the coelho’s broken promises and the outrights lies that he used to win the last election.

    the military should guarantee the democratic imperative that will of the people be expressed and respected.

    if al capone won an election with false promises and then hijacked the country for criminal purposes while violating his promises, it’d be the duty of everybody to “subvert the state”, not only of the country’s military.

    when feudal lords increased exploitation and expropriated their subjects in order to escape from their financial wrecks, they would always ask their people to “respect the law” (the law they had just changed; see coelho de passo).

    but the alternative of defaulting on the parasitic bankers should be on the referendum ballot, not that of giving back the power to the self-annointed by-bribe-only manager class of the plutocrats (i.e., the “socialists”).

  3. Rui Meireles says:

    Devemos lutar pela criação de um “cartão de espoliados”…Os “espoliados dos Subsídios de Férias e de Natal”…Aliás a Direita já está habituada, vide Retornados…Este cartão deveria existir já e ser utilizado por exemplo no Continente com um Saldo inicial igual ao valor dos Subsídios retirados…
    espoliar – Conjugar
    (latim spolio, -are)
    v. tr.
    1. Tirar (a outrem) com artimanha a propriedade de alguma coisa.
    2. Desapossar com violência ou fraude.
    3. Despojar; esbulhar.

  4. Rui Meireles says:

    Diz a Direita que o Estado não é Pessoa de Bem e tem toda a razão, mas quando o Estado tem a Direita a geri-lo nem se fala…É Fartar Vilanagem.

  5. Rui Meireles says:

    Mas eu paga para ver…Eu pago dois Subsídios para ver esta merda toda a ruir…

  6. Rui Meireles says:

    É caro, mas vale a pena, só para me poder rir quando esta bomba rebentar em cima dos “trabalhadores” Privados que estão muito convencidos que vão escapar…

    • MAGRIÇO says:

      Acho um pouco perigoso e desnecessário estar a promover-se mais uma divisão entre trabalhadores. O momento é de união, pois todos vão sofrer com estas medidas vindas de um governo composto por néscios e mentirosos. Já bastam as divisões originadas pelo cego e estúpido sectarismo partidário.


  7. Em que parte da notícia que linca é que se pode ler que os “responsáveis católicos” incitam à “guerra civil” ou a qualquer “alteração violenta do Estado de Direito”?
    Os tais “responsáveis estão simplesmente a referir-se à Doutrina Social da Igreja, que apela à paz e à concertação social, à solidariedade inter-classista, exactamente o oposto do que preconiza o marxismo, a luta de classes, isto é, o conflito social.


    • A ironia é uma figura de estilo muito complicada, reconheço, mas mesmo sem talento para o fazer vou continuar a usá-la.


    • Marx nunca incitou à luta de classes. Apenas constatou a sua existência. Coisa que qualquer pessoa de boa fé pode constatar no dia-a-dia.
      Incitou sim a que as pessoas lutassem pelos seus direitos.
      A colaboração de classes, tão cara à Igreja, é o corporativismo que acabou no que se sabe no decorrer do século XX com Salazar, Pétain, e companhia.

      A escolha é fácil.

      • maria celeste d'oliveira ramos says:

        Xateiam-me de morte os Jesuítas que fazem votos “franciscanos” de pobreza e t~em “ordenados milionários – onde se sacam – na “família” ??


  8. Assino o seu artigo por baixo.

    Se andou na primeira campanha do Eanes (tal como eu) deve lembrar-se das tolices que o dito cujo dizia já naquela altura.
    Foi o estratega do 25 de Abril, sim, muito obrigado, eternamente obrigado.
    Mas a alma e o espírito do 25 de Abril foi Salgueiro Maia.
    Otelo planeou o 25 de Abril e depois desatou no disparate até hoje com vários picos de vidência messiânica ao longo dos tempos, desde aquele retorno de Cuba em que vaticinava acabarmos todos fuzilados no Campo Pequeno (coisa que agradou a todos quantos se lembravam ainda dos fuzilamentos franquistas em lugares similares) até à apologia de Salazar em data bem recente.

    Otelo é e sempre foi um patarata político. Um bom estratega mas patarata na mesma.

    Tito Livio Santos Mota


  9. Poderá não haver um golpe de Estado, mas o Estado Português está a sofrer um duro golpe, porque está a ser destruído por interesses particulares, empresariais e financeiros (nacionais e internacionais) que, doentiamente dominados pela ganância, estão a comprometer a felicidade e o bem-estar a que os Portugueses têm direito, bem como o futuro de Portugal!

Trackbacks


  1. […] de ter escrito ontem mais ou menos o mesmo: há leis parvas, o artigo 326º do Código Penal, pela sua inutilidade óbvia , ultrapassa todos os limites. A menos que a ideia tenha sido a de […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.