Carta aberta ao Director Nacional da PSP

Exmo Sr Director Guedes da Silva:

Gostaria antes de mais e na sequência da notícia em anexo de inquirir sobre o estado de saúde do polícia (ainda não identificado, pelo que desde já as desculpas de tão impessoal voto) ferido no passado dia 24. Estamos todos muito preocupados, e achamos grave a agressão ao polícia ferido no cumprimento das suas ordens, ainda que achemos as mesmas de um cariz ainda bastante pouco claro.

Mas temos boas notícias, que são imagens claras e indiscutíveis do agressor, na pessoa de um seu colega, também ainda não identificado. Por ele, e por todos os que foram feridos e violentados no passado dia 24, lembramos do compromisso constitucional que vos rege, o de justiça e de serviço ao povo português. Em nome dessa transparência, agradeço então rigor nesse processo, e pode contar comigo enquanto cidadão informado, cooperante com a reposição de justiça, e do juramento nobre que fez: o de servir e proteger o povo.

Se quer assim tanto usar esse equipamento (com os subsidios cortados, a vontade normal que muitos neste país têm estrear coisas, sem o conseguir, irá ser grande. É a crise, dizem-nos), convidamo-lo a usá-lo como deve ser usado: ao lado do povo e em defesa dele, dos seus direitos e da constituição que nobremente jurou defender. Da minha parte, e decerto de muitos outros, terá toda a garantia de que irá encontrar muito pouca contestação ao seu trabalho. Porque aí, e só aí, estará a desempenhá-lo bem.

Cumprimentos e estimadas melhoras,

Tiago De Lemos Peixoto

Ps: Não posso, a bem de arejar o ar e o ambiente e no espírito natalício de oferta e boa vontade que rege esta missiva deixar de lhe dar os sinceros parabéns, pelo seu aumento de salário. Eu sei que não era para revelar. Provavelmente teria uma surpresa em mãos para a família, ou talvez não queira aumentar o desconforto dos seus subalternos, aqueles que auferem tanto ou menos quanto o seu aumento. Compreensível. Não queremos que a contestação externa se interiorize, e os seus agentes têm de estar motivados e em boa forma para estrear esse equipamento. Se eles soubessem, a meio dos sacrificios, que as suas chefias se aumentam indiscriminadamente, seria porventura mau para o moral.

(Carta escrita não ao abrigo do novo acordo ortográfico, mas ao abrigo do artigo 37º da Constituição Portuguesa).

Comments

  1. ricardo says:

    bravo, subscrevo.


  2. BRILHANTE.
    Levei o vídeo cujo juntei com as fotos e um testemunho do 5dias numa posta sobre o assunto.
    Devemos divulgar o mais possível e da minha parte procuro fazer o que considero estar ao meu alcance.
    Bem hajam.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.