Escravos de nós mesmos

Há ideias que nos escravizam.

Ideias e pensamentos que metemos na cabeça e que nos imobilizam. Diabos! Como é difícil soltarmo-nos deles…

Ah! Que sensação de liberdade conseguir, finalmente, quebrar essas «correntes», libertar-me,

libertar-me de mim mesma!?

Aparentemente tão fácil …

(foto: Europa Antiga)

Comments


  1. É sempre tão mais fácil do que imaginamos.

  2. antonio oliveira says:

    Só aparentemente.


  3. Sim, só aparentemente é fácil. Pode até ser doloroso. Mas, muitas vezes, necessário para a nossa saúde mental.

    Um pequeno grande texto, Céu, parabéns!

  4. Sónia says:

    A maior parte das vezes esquecemo-nos que o primeiro passo é mesmo querer quebrar as correntes. Depois, devagarinho, elo por elo, ir abrindo cada um deles, até a corrente deixar de existir. Querer quebrar a corrente à força ou de uma vez só, normalmente… não resulta e faz-nos desistir.
    Adorei o texto!
    Bj

  5. António André says:

    Há dias assim:
    Procuro-me e não me encontro,
    Olho-me e não me vejo,
    Observo-me e não me reconheço.
    Liberdade…? Prisão…? Pura inquietação…?

    Olho em redor e vejo nos outros, nos meus, a minha libertação.
    Voo, por fim, agarrado à sua quietude… e sou livre!

  6. Céu Mota says:

    Obrigada pelos comentários! Abraço

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.