Contrastes: a faustosa igreja e a miséria no mundo

Papa Bento XVI(2)

fome Darfour

O ‘Público’ publica  na 1.ª página uma indecorosa exibição do fausto papal. Na senda, aliás, do que desde há séculos é a abjecta exuberância de luxo do Vaticano. Bento XVI, como outros antecessores, salvaguardando João XXIII e João Paulo I cuja morte permanece envolvida em mistério, prolonga a imoralidade da ostentação da ICAR face aos fenómenos da  desumanidade em expansão no mundo.

As imagens documentam, pois, a ignóbil vida luxuosa do Vaticano, com um papa revestido a ouro; sabemos que calça sapatos ‘Prada’ de 4.000 euros.O desprezo é total pelos milhões de crianças a morrer de fome em África e em outras paragens, como provavelmente será o caso da criança de Darfour que, à míngua de alimentos, se nutre do que encontra. Dejectos que sejam.

Doutrinário do ultramontanismo no papado de João Paulo II, Bento XVI lançou uma série de apelos e condenações à violência, num exercício de mimetismo de contestações que a sociedade laica, desestruturada, também reclama aos quatro ventos. Porque a reclamação é espontânea e assente em sentimentos óbvios.

Mas a ICAR é uma organização torpe e muito mais. Dos escândalos do tenebroso e inimputável falecido Marcinkus, as negociatas da IOR-Instituto das Obras Religiosas, braço armado da ICAR na alta finança mundial, o Banco Ambrosiano e mortes e assasínios de permeio, há de tudo um pouco. Isto e muito mais são, no fundo, os pecados capitais do Vaticano contra a humanidade. Apoiam-se em ingénuos crentes, muitos dos quais humildes ignorantes, e em coniventes. Estes, presumidos intelectuais de elites, entram na promiscuidade sem repugnância nem afectos pelo sofrimento humano. Desrespeitam o ideário cristão, embora invoquem com hipocrisia Cristo, se benzam e confessem, acreditando numa espécie de levitação dos pecados de que são co-autores.

(Adenda: sou agnóstico, embora baptizado e crismado; a promiscuidade, a falta de ética e hipocrisia da ICAR expulsaram-me definitivamente do seu seio e não deixarei de lutar para que a tenebrosa superestrutura eclesiástica venha a expiar os pecados que cometeu e cometerá sabe-se lá até quando)

Comments


  1. Estimado Carlos Fonseca, excelente post! Subscrevo-o integralmente e faço votos para que, como o Carlos, outros tenham a coragem de expor a grande farsa do Vaticano!

  2. palavrossavrvs says:

    Tinhas de conservar a Fé e ser fermento internamente. Se te afastaste, afasta-se como eu: repleto de amor e paciência para com os homens que erra e falham, implacável para com corruptos, sujos, mentirosos, manipuladores que fogem para Paris ou para o diabo que os embala.

  3. palavrossavrvs says:

    Tinhas de conservar a Fé e ser fermento internamente. Se te afastaste, afasta-se como eu: repleto de amor e paciência para com os homens que erram e falham, implacável para com corruptos, sujos, mentirosos, manipuladores que fogem para Paris ou para o diabo que os embala.


  4. ” sou agnóstico, embora baptizado e crismado; a promiscuidade, a falta de ética e hipocrisia da ICAR expulsaram-me definitivamente do seu seio e não deixarei de lutar para que a tenebrosa superestrutura eclesiástica venha a expiar os pecados que cometeu e cometerá sabe-se lá até quando”

    …ÍDEM !!!!

  5. Carlos Fonseca says:

    A Fé não se conserva a qualquer preço. Com uma ICAR e um Vaticano, seio de ignóbil gente. O que Sócrates tem a ver com isto. Antes dele existir, já eu me tinha transformado em ignóstico. Não é com a minha idade que me vou submeter à tenebrosa organização. BANDIDOS!


  6. Exactamente Carlos! E além disso, o que tem a fé a ver com a ICAR e o Vaticano? Sei de muitos que se dizem cheios de fé e no entanto movem-se no ódio, na violência, na maledicência…


  7. O autor do artigo é generoso na adjectivação dos “males” da igreja: “Bate-lhe” tanto que até eu, modesto descrente, me apiedo daquelas figurinhas mais ou menos frágeis que conduzem os destinos da fé católica… E em que o autor vê perigosos conspiradores, e sei lá mais o quê…
    Parece-me que as pessoas – no geral -, esperam demais da igreja. Querem-na salvadora de almas e redentora de injustiças. Substituem-na aos governos e à sua própria iniciativa enquanto cidadãos. Afinal de contas “a igreja” é, apenas, e só, uma instituição religiosa e uma fé (talvez das mais “bonitas” em termos poéticos, humanistas e românticos….). Nada mais do que isso. Pessoalmente acho que a igreja até se “excede” nas suas intervenções. Não tinha nada que gerir lares e hospitais, manter auxílio missionário, etc. etc. Poderia ficar descansadinha nos seus templos a orar!… Muitos dos que gostam de “bater” na igreja é o que fazem… Exercem a sua catarse nos “costados” dela e depois ficam em casa de pantufas a ver o talk show da noite…
    Filmes a mais prejudicam a saúde…

  8. adão cruz says:

    Não é preciso dizer, amigo Carlos, que subscrevo tudo o que diz. A igreja católica e o Vaticano constituem uma das grandes vergonhas da humanidade. A hipocrisia, a mentira e o despudorado obscurantismo não têm paralelo. E os crimes, de toda a natureza, atingiram o inimaginável. Só mesmo a ingenuidade, a ignorância, a incultura e, apesar de tudo, a boa fé dos que ainda se arrastam aos pés de bispos e cardeais, mantêrm de pé esta parte podre da consciência humana.


  9. Pergunto então, já que provavelmente haverá susceptibilidades feridas, como se deveria adjectivar esta “caridosa” instituição que faz questão de manter ad eternum fantásticas mentiras, que manipula o livre-arbítrio dos seus devotos e que justifica com a fé e com um deus mil e uma ignóbeis atrocidades?

  10. adão cruz says:

    Ao amigo LuisF, com rodo o respeito, eu gostaria de dizer que não considero a “igreja” apenas e só uma instituição religiosa e uma fé. Isso é extremamente redutor e não passa do rótulo e da aparência que muito jeito lhe faz., como é óbvio e facilmente perceptível. A igreja católica constitui, actualmente, um dos maiores, senão o maior potentado económico-financeiro do planeta. É tal o peso e o poder do Vaticano no mundo, que – diz quem sabe muito mais do que eu – os próprios EU nada decidem em questões importantes, sem a consulta e o aval do Vaticano.

  11. palavrossavrvs says:

    #3 e #7
    Vá lá, sejam humildes, sem a Igreja não teríamos parte substancial do sublime artístico nem dos maiores e mais inspirados feitos altruístas da História da humanidade. Fechar os olhos a isto, abrindo-os só para o resto, é autofagia e ressabiamento que se justifica a si mesmo com mais ressabiamento e autofagia: A Igreja Católica está viva e viverá para além de Si, estrume mediador para o que Há-de Vir.

    #5
    Toda a maledicência é de menos para denunciar maldades grosseiras contra pessoas inocentes e desarmadas, cidadãos crédulos e maltratados: qualquer profeta alguma vez teve ou terá uma língua doce e impotente, mas violenta, sedutora e perturbadora. Por sistema pagam tal desassombro com a própria vida.


  12. Isabel, penso que o nome “instituição religiosa” já diz tudo.

  13. Isabel G says:

    Absolutamente de acordo # 10! E quantos, por falar verdade e defender inocentes, não foram chacinados pela igreja! Aliás, neste aspecto, o de fazer desaparecer quem é incómodo à ordem estabelecida, é um comportamento muito político também!


  14. Tem toda a razão Nightwish, já diz tudo, sim…

  15. xico says:

    Pura demagogia. Pensei que este tipo de argumentos, velho de alguns anos, tivessem desaparecido. A Igreja, mais do que nenhuma outra organização, é a que está no terreno valendo a muitos desvalidos. Os outros limitam-se a olhar para os pés calçados de Prada. Não vêm é o caminho que esses pés percorrem. Como se o luxo do vaticano desse muito prazer a
    ao Papa e todos os cardeais se desunhassem estar naquele lugar.

  16. kalidas says:

    Os bens da Igreja, mesmo que fossem disponibilizados, não bastariam para acabar com a fome no mundo, há que encontar uma solução racional e sustentável, há principalmente manitestar solidariedade activa. Sem controlo de natalidade em muitas regiões do mundo, será a lei da selva, a lei do mais forte, a lei da selecção natural, e assim como está, não há volta a dar a isto. Evitar esta indignidade que ofende a moral cristã é a primeira obrigação de uma Igreja socialmente comprometida. Não é o caso desta, ao contrário da do Egipto, que levou ao poder os seus líderes.
    .
    A prática pagã anda por aí todos os dias, dão-lhes é outro nome; a questão é mesmo dar nome aos pagãos da modernidade.

  17. alexandra says:

    Além do aspecto económico, a igreja teve uma influência funesta nos destinos da civilização…que “fríííííío” dá.


  18. Que a Igreja Católica é rica toda a gente sabe.. essa mesma igreja que se diz ser de Deus matou milhares ou milhões na fogueira com a “Santa Inquisição”, é tanta podridão…é tanta hipocrisia!

  19. MAGRIÇO says:

    O que mais me choca é verificar que, apesar da evidência e das denúncias, ainda há quem defenda tão nefasta instituição. Ingenuidade ou medo da condenação eterna?

  20. alexandra says:

    Vale a pena escutar a este velhote, um destacado escritor de entre as minhas leituras.


  21. Caro Magriço, eu creio que casos há em que é ingenuidade, e medo (aliás a Igreja tem sido perfeita a incuti-lo!); mas outros há em que é pura ignorância e, infelizmente, são essas as pessoas mais facilmente manipuláveis. O pior dos casos, e o mais grave, é quando a defesa da dita cuja acontece para disfarçar, esconder e beneficiar determinados interesses específicos, fruto de vis conivências!
    Por acaso já reparou como os políticos “cumprem à risca as suas obrigações religiosas”?

  22. MAGRIÇO says:

    Absolutamente de acordo, cara Isabel. Não é por acaso que a direita conservadora, que não respeita as minorias nem os direitos das pessoas, são os mais fiéis consumidores de hóstias e incenso e adoram a caridadezinha.


  23. últimamente tenho pensado muito acerca do Vaticano e dos seus “tenebrosos” habitantes. Que gente é essa que se diz católica e não tem um pingo de humanismo? Que gente é esta? E que diferença tem daquilo que apregoam como Satanás. Serão assim tão diferentes? Se Satanás andasse pelo mundo não seria como eles? Julgo que sim e cada vez mais!!!!!!!!!


  24. Caro Magriço, que bela imagem pintada a palavras deu o meu caro amigos desses ridículos conservadores! 🙂


  25. Quando defender pontos de vista deriva para categorizar os autores de opiniões contrárias entre “ingénuos, medricas ou ignorantes” está tudo dito… Uma das coisas que me incomoda (e chateia) é a falta de objectividade (ou de argumentação racional) sobretudo visível nas pessoas que se encostam à “velha” dicotomia de valores esquerda/direita – uma direita “má” e uma esquerda detentora da suprema virtude humanista… Enfim, dona da razão…
    A continuarmos presos aos fantasmas do passado – muitos deles mortos e enterrados, como por exemplo o “poder” da igreja… – ficaremos impedidos de ver as ameaças reais do presente: a intoxicação mediática, o ascendente do capital sem pátria sobre as soberanias e os povos, a manipulação dos gostos e do “politicamente correcto”, a aceitação plácida e serena dos sistemas de governação de “legitimação democrática” (quando esta é – cada vez mais -, um “golpe” de manipulação…).


  26. Caro LuisF, esqueceu-se de uma categoria… A coisa, na realidade, para mim, é assim: ingénuos, medricas, ignorantes e interesseiros! Esta última sendo a mais perigosa e com ampla tendência para ser a de maior dimensão!

    Quanto à falta de objectividade, essa é a principal característica das religiões: fantasiam, fantasiam, explicam por dogmas, o que não é explicação nenhuma… eu também fico muito incomodada quanto pergunto porquê e me respondem “porque sim”… até parece que me acham com tendência para o assentimento da carneirada!


  27. Fiquei a saber que acrescenta mais um eloquente adjectivo à “coisa”… Por outro lado entende que não é preciso objectividade na discussão uma vez que os outros a não terão… Percebi também que não tolera religiões. Espero que não a Incomode muito existirem outras maneiras de pensar. Enquanto ateu estou-me nas tintas para as religiões… Cada um tem o direito de escolha nessa matéria. Desde que não chateie os outros… A igreja, a mim, não me incomoda nadinha! Apesar dos erros (graves) reconheço no cristianismo características muito “interessantes”… Existem actualmente confissões muito mais “prejudiciais” à saúde… Convém não esquecer que vivemos no nosso tempo… Por muito peso que a memória, a História, e a “fantasia” ainda configurem os nossos pensamentos.


  28. Ó caro LuisF, percebeu tanta coisa e acabou por perceber tudo mal… Afinal, onde está essa tão famosa objectividade? Sabe, a mim a igreja também não me incomoda; incomodam-se sim os resultados dos seus nefastos métodos nos meus semelhantes!

    E não, não me incomoda nada que existam outras maneiras de pensar. E a si, incomoda? É o que parece ao ter-se dado ao trabalho de enumerar os meus adjectivos…

    Quanto a vivermos no nosso tempo, olhe para a minha foto e veja se lhe pareço um T-rex ou coisa afim!

    E por último, mas não menos importante, se há coisa que não deixo é que me configurem os pensamentos! Já outros…

  29. marcos says:

    respeitem estes homens santos temos que resar pelos estas crianças seus inuteis


    • Por mais ignorantes que sejamos, sabemos que o bem é melhor que o mal, mesmo que alguém possa ter uma mentalidade fraca, escolhe o que é bom para si. Talvez seja possível reconhecer que os frutos das mazelas da infelicidade sejam as guerras, o desentendimento, a falta de caridade e fraternidade entre os povos e entre as pessoas da mesma raça e etnia, dentre esses grandes contrastes que a humanidade se encontra, tipo a ignóbil vida luxuosa do Vaticano, com um papa revestido a ouro; sabemos que calça sapatos ‘Prada’ de 4.000 euros sendo que a igreja católica constitui, atualmente, um dos maiores, se não o maior potentado econômico-financeiro do planeta. É tal o peso e o poder do Vaticano no mundo, que – diz quem sabe muito mais do que eu – os próprios EU nada decidem em questões importantes, sem a consulta e o aval do Vaticano todos nós sabemos que é rica.. essa mesma igreja que se diz ser de Deus matou milhares ou milhões na fogueira com a “Santa Inquisição” mas não ficaremos presos aos fantasmas passados.. O desprezo é total pelos milhões de crianças a morrer de fome em África e em outras paragens, não estamos esperando demais das igrejas, sabemos que ela é uma representante divina…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.