FIB- Felicidade Interna Bruta

Parece que só agora os economistas e os políticos se lembraram da Felicidade. Os políticos portugueses são mais lentos, daí que tão cedo (ou nunca) ouvirão a palavra sair das suas bocas. Vitor Gaspar, que é lentíssimo, soletraria a palavra, Fe-li-ci-da-de. Felicidade seria mais um lapso… nos seus discursos.

A Economia integra muito tarde o novo vocábulo e o valor em si. Depois de muita asneira feita. Á custa de muita infelicidade e de inúmeras vidas.

Eis uma história real que já contei no DN:

Era uma vez um rei que se preocupava com a felicidade do seu povo…

O seu pequeno e fechado reino situa-se nos Himalaias, numa Terra do Dragão encravada entre a China e a Ìndia. Para além de pequeno, o Butão (assim se chama esse reino) é considerada uma das menores e menos desenvolvidas economias do mundo. Mas numa coisa é grande: a Felicidade Interna Bruta é o factor mais importante.

O mundo começa a reparar na sua inovadora forma de medir FIB em vez de PIB. No dia 20 de setembro de 2010, o primeiro-ministro deste país pequenino falou perante as Nações Unidas, na monumental e capital do mundo, a cidade de Nova Iorque. Encheu a boca com a palavra «felicidade» – que provoca alguma estranheza e arrepios a muitos políticos – e defendeu que ela devia ser considerada pela comunidade internacional como o nono Objectivo de Desenvolvimento do Milénio.

Sendo o primeiro e não o nono, a lista ficaria reduzidíssima… digo eu. Sendo o nono, é esquecido, porque figura no fim daquela.

É preciso pôr a Felicidade no topo das preocupações dos governantes.

Comments

  1. maria celeste ramos says:

    Eu vi esse interessante programinha sobre O Butão e seu rei e habitantes – esse reino por onde anadaram os jesuitas que foram os 1ºs ocidentais a contactar não exactamente o Butão mas o Nepal que são vizinhos e até onde chove sem ser preciso rezar – um deles, jesuita, acabou por ficar lá, sepultado – e “era amigo do rei” que não se cristianizou – já era religioso

  2. J.V. says:

    A propósito deste post, lembro que, há uma semana ou duas, a Visão entrevistou Gabriel Leite Mota, um investigador na área da Economia da Felicidade. O que ele diz está a léguas dos especialistas que pululam os media, não só no conteúdo, como na fundamentação, mais científica e menos dogmática. A começar por tornar evidente a falta de correlação entre PIB e felicidade (e quem pensa que então há pobrezinhos mas felizes, desengane-se, leia a entrevista, uma das chaves é a distribuição da riqueza produzida, outra a justiça, enfim tudo o que a austeridade anda a dinamitar a pretexto do crescimento económico).

    Por acaso, há uma entrada no aventar sobre o senhor: http://aventar.eu/tag/gabriel-leite-mota/

  3. palavrossavrvs says:

    Os reinos têm geralmente esse desígnio. caríssima, Céu.

  4. palavrossavrvs says:

    Não andou o Senhor, meu Deus, a pregar uma República dos Céus, mas O Reino dos Céus = suprema, absoluta, acabada FELICIDADE.

  5. Zuruspa says:

    Os comentários #4 e #5 säo täo confrangedores que só däo pena.

    Leiam o livro “Managing Without Growth” de Peter Victor (näo sei se há traduçäo em português), está lá escarrapachado que a felicidade nos países ricos da OCDE atingiu o pico nos anos 70 (1972 se näo me engano) e daí para cá näo subiu mais, enquanto o PIB cresceu em cada um deles pelo menos 200% desde essa altura. Pois é, consumismo só para ter mais que o vizinho näo traz a felicidade. Vidas!


  6. Mais um excelente post. Infelizmente não vemos quase nunca falar-se de felicidade das pessoas nos jornais ou noticiários. Tenho que confessar que até a mim me causaria estranheza, se começasse a ouvir os políticos diariamente a falar da felicidade das pessoas como o objectivo principal da nação… em vez do crescimento económico, do aumento da riqueza, do empreendedorismo, da competitividade, da produtividade. Fala-se da melhoria da qualidade de vida, só que traduzida pelo aumento do poder de compra dos cidadãos de um país.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.