Pais não vão poder escolher a escola dos filhos

Ou antes, só alguns é que vão poder escolher a escola dos filhos.

Se uma escola tiver 100 vagas e houver 200 candidatos, metade dos pais não escolhe, certo? Será que posso formular uma pergunta: quem vão ser os 100 que vão ficar de fora? Pois, acertou! É a Democracia da Cratinice em pleno!

Agora imagine que as notas dos alunos são consideradas para a avaliação dos Directores (imagine, porque é verdade!), que alunos o Director vai querer escolher? Os melhores, os que lhe garantem mais resultados. Assim, vamos ter na escola A os melhores e na escola B apenas as sobras… Viva o 24 de Abril da Escola Portuguesa – já sei que o Paulo vai achar esta referência histórica um exagero, mas será que não está clara a matriz do pensamento da Cratinice?

Comments

  1. MAGRIÇO says:

    Que susto, quando li “Cratinice” e ainda por cima repetido. A maiúscula trouxe-me à razão…
    Mas, já agora, antes do 25 de Abril a descriminação era mais económica do que qualitativa, o que significa que um jovem sem posses mas com capacidade era preterido pelo seu simétrico. Mas não sei qual dos dois casos é mais iníquo.

  2. nightwishpt says:

    Vai dar ao mesmo, se pensar nisso.
    Mais uma razão para não ter filhos, como se ainda fosse preciso.

  3. João Paulo says:

    #2 Não há nada como ler até ao fim ehehhe Mas reconheço o erro… com justa causa 🙂 Quanto a escolher o pior de dois (maus) mundos… Escolho outra via… Porque é possível outra via, mas esta gente está a preparar o caminho para a privatização da Educação que vai entrar aí em força.
    #3 – Pois…

  4. MAGRIÇO says:

    #3 Não ter filhos (apesar do esforço económico que isso representa) parece-me demasiado radical :).
    #4 O erro foi meu, não percebi logo a ironia do trocadilho.

  5. J.Pinto says:

    Já agora, no caso exposto, se a escola selecionasse os alunos com piores notas (só mesmo um energúmeno é que o faria), seria justo? Além de não estarmos a premiar o mérito, que outros “benefícios” é que esta medida traria para a sociedade?

    Há dois clientes que chegam a uma loja para comprar uma camisa preta – só existe uma camisa preta. A quem é que o gerente da loja venderá a camisa? – ao que der mais por ela, ao melhor cliente, etc. Mas é injusto, já que o outro também deveria poder comprar aquela camisa. Oh que grande chatice.

    Vamos imaginar que há dois professores a concorrerem a uma vaga numa escola. Quem é que deveria ser o escolhido? Acertou, o melhor (apesar de, como sabemos, nem sempre ser assim). Mas o outro deveria ter os mesmos direitos…

    Há uma vaga numa empresa e existem duas pessoas a concorrer. Quem é que o empresário vai escolher? Possivelmente o melhor. Mas o outro deveria ter as mesmas oportunidades…


  6. Chega a ser estranho pensar nesta situação para vocês que vivem em Portugal, já que aqui no Brasil isto é normal – escolher a escola que quiser para o seu filho frequentar.
    Espero que a adaptação aí seja boa e venha para melhor.

  7. João Paulo says:

    #6 JPinto, obrigado pelo comentário e começo por fazer a pergunta ao contrário: e isso está certo? Isto é, numa sociedade de pessoas e para as pessoas, o que refere está correcto? A sua proposta é:
    – o que existe na sociedade tem que existir na escola, isto é, a escola reproduz a sociedade.
    Eu estou noutra:
    – a escola é motor de mudança da sociedade, ou seja, é na escola que nasce a mudança social.

    São duas visões diferentes. Para si, a escola escolhe os melhores, com 6 anos, os melhores são os que têm mais dinheiro, porque não há outra forma de os escolher – ou estará o JPinto a pensar que o colégio x ou y, escolher muitos meninos ciganos…
    Consegue com 6 anos fazer essa distinção? Melhor e pior?

    E acreditando no seu modelo: a escola será melhor? Como? Na Escola A todos os bons alunos, filhos das classes sociais mais favorecidas, tudo muito direitinho. E na outra como será? O que vai sair de lá? A si, como cidadão, isso não o perturba? Vai depois pagar sistema prisional porque há excesso de marginais?

    Não sei se está a ver a minha questão – é que eu coloco tudo ao contrário do que o JPinto coloca e não vejo razão para mudar – será que me consegue apresentar mais um ou outro argumento?

    Obrigado,
    JP

  8. João Paulo says:

    #7 Do Brasil? Estamos a ser lidos longe… Vantagens do Português que nos une 🙂 Obrigado… A sua observação faz-me lembrar que estamos a falar da globalização dos problemas eheheh

    JP

Trackbacks


  1. […] Pais não vão poder a escola dos filhos, por João Paulo, in Aventar Partilhe:Gostar disto:GostoBe the first to like this . […]


  2. […] Ainda ninguém tinha percebido… partilhar:Facebook Esta entrada foi publicada em geral por João Paulo. Ligação permanente. […]


  3. […] Ainda ninguém tinha percebido… Share this:TwitterFacebookGostar disto:GostoBe the first to like this artigo. Filed Under: geral « São os “portugueses” que têm falta de cultura política… Pergunta d’o Diabo (10.4.2012) » […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.