Mouros de Pazes


Duquela

Os campos da Duquela

As Praças-fortes portuguesas em Marrocos encontravam-se isoladas, rodeadas de inimigos, dependendo da metrópole ao nível dos abastecimentos. Portugal fazia esforços para celebrar acordos com os mouros que habitavam as áreas circundantes, garantindo-lhes protecção. Em troca, assegurava um clima de paz e cobrava tributos em espécie, não só em cereais e gado, vitais à sua sobrevivência, mas também assegurando a existência de um comércio por demais lucrativo. As tribos que aceitavam a vassalagem à coroa portuguesa eram chamadas de “Mouros de Pazes” ou “Mouros de Sinal”.

A ocupação da costa de Marrocos por Portugal divide-se em duas zonas distintas, uma a Norte e outra a Sul, que alguns cronistas chamam “Marrocos Verde” e “Marrocos Amarelo” (SANTOS, 2007, pág. 3), que se distinguem uma da outra não só pelo clima, geografia, tipo de culturas e criação de gado, como pelo próprio enquadramento político. Enquanto no Marrocos Verde o poder do Rei de Fez se faz sentir de forma centralizadora, no Marrocos Amarelo existe autonomia das tribos Berberes, que gerem de forma independente o seu território. Esta diferença nas características da administração do próprio território determina também o relacionamento entre a sociedade marroquina e o ocupante português. Enquanto no Marrocos Verde o clima de guerra “institucionalizada” é interrompido momentaneamente pelo estabelecimento do acordo de paz de 1471, com as devidas reservas que os seus termos levantavam (LOPES, 1989, pág. 26), no Marrocos Amarelo o relacionamento com os “mouros de pazes” faz-se, grosso modo, “tribo a tribo”, de forma instável, ganhando alguma estabilidade nos 6 anos da capitania do “nunca está quedo” Nuno Fernandes de Ataíde em Safim, que trouxe para o lado de Portugal um imenso território com milhares de quilómetros quadrados, que ficou conhecido como Protectorado da Duquela.

Morabito Sidi Chachkal

O Morabito de Sidi Chachkal junto ao Cabo Beddouza

A ocupação do chamado Marrocos Amarelo teve características completamente diferentes das que os portugueses utilizaram no Marrocos Verde, onde as conquistas das cidades foram extremamente violentas, praticando-se uma política de massacres e de saques que destruíram o tecido económico e social existente. Ao contrário, no Sul, a “entrada” de Portugal foi sobretudo política e económica, procurando o estabelecimento de acordos com as tribos locais, e com as autoridades que governavam as principais cidades de forma autónoma.

Logo no ano da tomada de Arzila e ocupação de Tânger, 1471, Safim torna-se vassala da Coroa Portuguesa. Os termos do acordo são descritos por David Lopes, que refere que num período inicial é pedida pelo alcaide da cidade a vassalagem e estabelecida uma feitoria na cidade, situação confirmada num diploma datado de 1488. “Por esse documento, o dito alcaide reconhecia e rei de Portugal como seu senhor, por si e por seus concidadãos, presentes e futuros, e prometia pagar de tributo, em Setembro de cada ano, 300 meticais de ouro, ou o seu valor em mercadorias, e dois cavalos bons; também dava casa forte e segura, ou lugar para isso, que servisse de residência aos feitores portugueses e de armazém às suas mercadorias; e, por fim, recebia a bandeira real e um atabaque, que o rei de Portugal lhe entregava, para simbolizar essa suserania. Por sua parte, o alcaide e os moradores da cidade, e do seu termo circulariam livremente por todos os domínios portugueses daquém e dalém mar e poderiam aí negociar, como os outros seus naturais e vassalos”. (LOPES, 1989, pág. 30)

Azamor pede também a protecção de Portugal no ano de 1486, estabelecendo-se um acordo semelhante ao celebrado com Safim, ficando definido que o tributo seria pago com 10.000 sáveis, peixe muito abundante no Rio Morbeia.

A terceira feitoria foi instalada em Meça no ano de 1497, na foz do Rio Massa, a Norte da cidade de Tiznit, cujos habitantes reconhecem o rei de Portugal como seu soberano. “Em troca de proteção, contra castelhanos e o reino de Marraquexe, simbolizada no pagamento de dois cavalos por ano, autorizariam Portugal a construir uma fortaleza, na qual poderiam instalar uma feitoria (…) Uns anos depois, em 6 de julho de 1510, num documento assinado por vários habitantes de Massa e dirigido ao rei de Portugal, estes rejubilam com a notícia do envio, pelo monarca, de uma guarnição de cinquenta cavaleiros para defender a feitoria portuguesa (que nunca terá chegado), e, para dar mais garantias de segurança ao rei, trazem‐lhe as chaves de uma casa, para ser instalada uma nova feitoria, já que a fortaleza ainda não existia”. (BARATA, 2012, página electrónica citada) A fortaleza nunca seria construída em Meça e o local acabaria por ser conquistado pelos Xerifes Sádidas em data incerta.

Esfera armilar

Esfera armilar na fachada do Castelo do Mar de Safim

Segundo Themudo Barata, este processo de instalação dos portugueses no Sul de Marrocos “inserese na rivalidade entre Portugal e Castela pelo controle da costa africana, nos anos que se seguiram ao Tratado das Alcáçovas e de Tordesilhas e às atitudes agressivas do Adelantado das Canárias, que chegou a ocupar Agadir”. (BARATA, 2012, página electrónica citada)

Com efeito, os espanhóis, por intermédio do Adelantado-Mayor das Canárias, Alonso de Lugo, conseguem estabelecer acordos com algumas tribos locais e no ano de 1500 constroem uma fortaleza denominada “Santa Cruz de la Mar Pequeña” na margem direita do Rio Açaca (LOPES, 1989, pág. 28). A localização exacta desta fortaleza, hoje desaparecida, não é consensual, mas pensa-se que se situava entre Sidi Ifni e Tarfaya, e protegia uma feitoria que negociava escravos para o trabalho nas plantações de cana-de-açúcar das Canárias. (WIKIPEDIA, 19.07.2016, página electrónica citada)

Para além da construção de Santa Cruz do Mar Pequeno, o Adelantado espanhol tenta apoderar-se de Meça, acção que a diplomacia portuguesa consegue anular, e chega a ocupar o local da actual cidade de Agadir com o apoio da tribo dos Cacimas, que “a gente de Meça, incitada pelos nossos sem dúvida, foi contra ele e venceu-o e aos seus amigos”. (LOPES, 1989, pág. 28)

A situação fica solucionada com a construção de duas fortalezas pelo comerciante português João Lopes Sequeira, uma no local do actual bairro de Founti da cidade de Agadir (chamado assim porque ali existia uma fonte), chamada Santa Cruz do Cabo Guer, e outra poucos quilómetros mais a Norte, no Rochedo do Diabo, chamada Ben Mirao, nome derivado do topónimo local Immourane. Supostamente as fortalezas teriam sido pagas com o dote da sua mulher, mas na crónica traduzida e anotada por Pierre Cenival, o castelo bem como artilharia pesada para o defender foram fornecidos pelos arsenais do reino, no valor de 347.251 reis.

“Ali assentou e armou ali um castelo de pau que levava já ordenado e feito; pôs-lhe artilharia e fez logo ao redor do castelo outro muito forte de pedra e cal, em que se meteu a fonte dentro, e com artilharia defendia aos mouros que lhe não impedissem a obra.” (CENIVAL, 1934, obra citada)

Aquilo que parece relevante é que até 1505 a Coroa Portuguesa não tinha oficialmente iniciado um processo de ocupação militar efectiva no Marrocos Amarelo, continuando a preferir a implementação de uma política de acordos, que aliás estaria na base de uma significativa futura área de “mouros de pazes”.

Praia de Essaouira 2

A praia de Essaouira

No ano seguinte é construído o Castelo Real de Mogador no local da actual cidade de Essaouira e em 1508 Safim é conquistada, tornando-se a principal cidade sob controlo português na costa Sul de Marrocos. A conquista de Safim não assume um carácter de operação militar, mas mais de um “golpe”, já que se processa aproveitando rivalidades internas, que acabam por transformar a feitoria em fortaleza e dominar os moradores da cidade.

O mesmo não se passa com Azamor, cujos moradores entre 1501 e 1504 não cumprem o acordo de vassalagem e inclusivamente atacam navios portugueses. Apesar de voltarem a ser vassalos de Portugal por perdão de D. Manuel, o soberano envia em 1508 Rodrigues Bérrio com uma pequena armada de cerca de 50 velas, que não consegue ocupar a cidade. No ano de 1513 promove então uma operação de grande envergadura liderada por D. Jaime, Duque de Bragança, envolvendo 500 velas e 15.000 homens, que encontram uma cidade vazia, abandonada pelos moradores.

No ano seguinte é construída outra fortaleza, denominada Castelo de S. Jorge de Mazagão, no local onde o Duque de Bragança tinha desembarcado para conquistar Azamor, o extremo Poente da praia de Haouzia, a cerca de 15 quilómetros dessa cidade.

A ocupação da costa Sul só ficaria completa em 1519 com a construção do Castelo de Aguz na praia de Souira Qadima, mas já sem nenhuma perspectiva estratégica. David Lopes refere que o castelo de Aguz foi edificado em 1507 ou 1508, já que “Diogo de Azambuja em Agosto de 1508 aparece já seu capitão, ao mesmo tempo que de Safim” (LOPES, 1989, pág. 29). Este facto é no entanto desmentido por Jorge Correia, que afirma que “apesar de a propriedade sobre o lugar registar doações a partir de 1508, a decisão da construção de um castelo de pedra e cal avançaria somente a partir de 1519”. (CORREIA, 2008, pág. 346)

Safim

A muralha de Safim

Voltemos a Safim e ao início do século XVI. A presença da feitoria portuguesa na cidade não era consensual e acicatava as lutas entre facções internas, que os próprios portugueses alimentavam. Progressivamente vão-se realizando obras no edifício da feitoria, aumentando a sua área e fortificando-o, preparando-o para uma utilização militar.

“Até ao ano de 1507, um esforço astucioso e continuado de fomento à intriga e rivalidade internas, articulado com um plano secreto de colocação da feitoria em estado de defesa e sustentado por um apoio naval de grande envergadura, tornaria irreversível a tomada portuguesa de Safim”. (CORREIA, 2008, pág. 263)

Nesse ano de 1507 é assassinado o alcaide da cidade, vassalo da Coroa portuguesa. Os seus assassinos tomam o poder e formam um “duunvirato” para o seu governo. Um chamava-se Ali Ben Uaxán (o nome surge escrito por David Lopes como Ali Bem Uaxán, Ali Bem Uaxmam ou, “à portuguesa”, como Alí Benoasmem, sendo a designação Aleiximão encontrada no texto de Suely Teixeira) e o outro Yahya Bentafuft (que no texto de David Lopes surge como Iahia Bem Tafufa). Receosos de represálias, pedem auxílio a Diogo de Azambuja, o septuagenário capitão do Castelo Real de Mogador, “homem de experiência e manhoso” (LOPES, 1989, pág. 31). Azambuja acedeu ao pedido de auxílio e instala-se na feitoria, que à data já era uma verdadeira fortaleza.

Vive-se então um período de grande instabilidade e luta pelo poder. Inicialmente, Ali Ben Uaxán vem para Portugal com Azambuja, ficando Bentafuft como alcaide de Safim, que toma posições dúbias, de certa forma compreensíveis, já que tinha que gerir interesses contraditórios. Os dos moradores, que supostamente representava, com os dos portugueses, que o haviam apoiado na sua investidura como alcaide. Azambuja perde a confiança em Bentafuft e envia Ali Ben Uaxán para o substituir como alcaide de Safim. Bentafuft é então enviado para Portugal, supostamente para ser castigado. Mas Ali Ben Uaxán também não corresponde às expectativas que Azambuja depositara nele e o capitão, no ano seguinte, provoca um incidente com os moradores como pretexto para se apoderar da cidade, o que aconteceu, expulsando Ali Ben Uaxán para uma povoação da Enxovia, tendo-se posteriormente colocado ao serviço do rei de Fez. (TEIXEIRA, 2006, pág. 22-23)

Mas o carácter violento e conflituoso de Azambuja originam queixas dos moradores ao rei de Portugal que o substitui em 1509 por Pedro de Azevedo “que os moradores de Safim na mesma data louvam pela sua moderação e justiça. No ano seguinte, de 1510, pois, foi nomeado para o cargo Nuno Fernandes de Ataíde, mas a sua nomeação definitiva é só de Julho de 1513, depois de grandes serviços prestados por ele, por isso como prémio deles”. (LOPES, 1989, pág. 31)

Gravura de Safim

Gravura de Safim no séc. XVI da obra Civitates Orbis Terrarum de Braun e Hogenberg, 1572

Nuno Fernandes de Ataíde, conhecido como “o nunca está quedo”, estabelece um vasto território de “mouros de pazes”, que ficou conhecido como Protectorado da Duquela, que governaria até à sua morte em 1516, aliás na continuidade das relações de vassalagem que existiam com Safim e Azamor, bem como “com o tributário porto caravaneiro de Meça, chaves do extenso senhorio ligado ao Reino por tratados de paz e aliança”. (MOREIRA, 2001, pág. 24)

Apesar disso, nesse vasto de território que David Lopes refere ter milhares de quilómetros quadrados, a ocupação miliatar portuguesa mantém-se confinada às posições costeiras e mesmo aí o domínio não é efectivo, já que o Castelo Real de Mogador cai no ano de 1510, não voltando a ser ocupado pelos portugueses, o mesmo se passando em 1512 com a Fortaleza de Ben Mirao.

Se parece consensual na maior parte dos autores consultados este papel determinante de Nuno Fernandes na criação do chamado Protectorado da Duquela, também é verdade que o papel de Bentafuft nem sempre é devidamente reconhecido. De facto, “quando Bentafuf foi mandado para Portugal por Azambuja, o objetivo do português era que ele fosse castigado por sua atitude contrária aos interesses do império; porém, na Corte, o mouro fez amizade com poderosos e nunca foi punido por suas graves faltas. Lopes (1940, p.119) estima que a sua volta a Safim deve ter-se dado no começo de 1511, para onde veio como alcaide de ‘Abda e Garbia, com a finalidade de apaziguar as populações que vinham contra Safim de toda a Duquela e além, para por fim ao domínio português.” (TEIXEIRA, 2006, pág. 23)

Damião de Góis, citado por David Lopes, escreveu que “Quando Iahia (Bentafuft) veio a Lisboa, onde tão boas desculpas deu a D. Manuel que este o tornou a mandar para Safim com o título de alcaide, e capitão do campo da dita cidade: El Rei lhe assentou soldo para ele, e vinte criados seus, com o título de alcaide da província da Duquela, que depois pôs todos à obediência del Rei, e não tão somente fez vassalos com ajuda de Nuno Fernandes D’Ataíde os desta província, e doutras deste rio d’Azamor até Mogador de longo da costa, e através do mar além dos montes claros além de Marrocos, mas ainda os fez obrigar a pagarem cada ano certo tributo”. (LOPES, 1897, pág. XXXI-XXXII)

Esta nomeação de Bentafuft como “Alcaide da Duquela” coloca-o de facto num patamar superior ao de simples alcaide de Praça-forte, podendo-se considerar que corresponde à própria instituição oficial do Protectorado em si. Mas as relações entre Ataíde e Bentafuft tornam-se tensas, já que Bentafuft não abdica do exercício do seu poder perante os seus súbditos, e Nuno Fernandes compreende que hostilizar o alcaide seria colocar em perigo a unidade dos “mouros de pazes” e a sua vassalagem à Coroa Portuguesa.

protectorado-da-duquela

O Protectorado da Duquela

A importância do chamado Protectorado da Duquela era enorme. Permitiu “pacificar” momentaneamente as tribos mais aguerridas da Região da Doukkala-Abda e Suss, como os Abda, Chiadma, Regraga e Haha, e garantir, não só a viabilidade económica das praças do Sul, como o desenvolvimento de um proveitoso comércio e do pagamento de tributos em larga escala. “Por uma declaração de Nuno Gato, em Maio de 1512, relativa aos direitos que pagavam na alfândega de Safim determinadas mercadorias que entravam na cidade, se vê o comércio que aí se fazia de produtos da região. Eis a enumeração de alguns: peles de cabra, couros de vaca, cera, lã, anil marroquim, alquicés, pescado, mel, manteiga, boi ou vaca, carneiro, tasconte, cardão, haiques…” (LOPES, 1989, pág. 55)

Os tributos eram pagos sobretudo em trigo, cevada, milho, cavalos, burros, camelos, carneiros e têxteis. “Os tributos em trigo que a Duquela, Abda, Xiátima e outras tribos pagavam eram mais de 7.000 cargas de camelo”. (LOPES, 1989, pág. 61)

O negócio nas praças não se limitava à exportação de produtos locais, mas também à importação de produtos “estrangeiros”, que os portugueses comercializavam enquanto meros intermediários ou sobre os quais aplicavam taxas, sendo comercializados sobretudo pelos judeus e genoveses com negócio instalado. De Inglaterra, Holanda, França e Itália vinham produtos manufacturados ricos, mas sobretudo têxteis, de outros países muçulmanos como o Egipto vinham os bordates.

Rafael Moreira, referindo-se à decisão de construção do Castelo de S. Jorge de Mazagão em 1514, salienta que a importância estratégica e económica da Duquela assim o justificava, pelos grandes proveitos que a sua actividade comercial rendiam a Portugal no próprio quadro da expansão portuguesa, “como lanifícios grosseiros e muito coloridos, as mantas listradas (lambéis) e capotes de capuz (albornozes) que se trocavam a alguns dias de navegação para sul, entre os negros da foz do Senegal, pelo ouro sudanês, com inacreditáveis lucros. A esse negócio juntava-se um papel estratégico-comercial de primeira ordem, a provisão de víveres e géneros essenciais ao abastecimento regular das armadas que cruzavam os mares sob a bandeira da Coroa portuguesa (…) os cereais abundantes da Duquela; a venda de cavalos adestrados para a guerra; produtos de pecuária das tribos nómadas vizinhas; o peixe seco e salgado para as longas travessias”. (MOREIRA, 2001, pág. 31)

Castelo do Mar de Safim

Interior do Castelo do Mar de Safim

Nuno Fernandes de Ataíde, senhor de Penacova, foi Alcaide-mor de Alvor e camareiro do príncipe D. João. Em Alvor tinha salinas concedidas por D. Manuel, segundo escritura lavrada pelo escrivão do almoxarifado de Lagos. David Lopes tece rasgados elogios à coragem de Nuno Fernandes:

“A sua capitania é a página mais assombrosa da história luso-marroquina; foram seis anos de vida trepidante de cavalgadas e combates (…) ele e os seus companheiros foram que fizeram do nome português sinónimo de bravura e lhe criaram essa auréola que ainda tem naquele país.” (LOPES, 1989, pág. 31)

Ao aceitar o cargo de capitão de Safim em 1510, nomeia Lopo Barriga seu “adail” ou comandante das tropas da praça, com quem partilhará as inúmeras aventuras que irá viver. Lopo Barriga, originário da Sertã, torna-se famoso pela sua bravura e pelos feitos heroicos que lhe são atribuídos, fama que aumentaria ainda mais após ser feito prisioneiro. “O adail de Safim tinha tal fama de bravura que havia mouros que faziam viagens de propósito para o ver enquanto este esteve cativo, e quando se lançava alguma maldição a alguém sublinhava-se com a frase “lançadas de Lopo Barriga te colham!” (JORNAL PANORAMA, 1840, pág. 63) Lopo é feito prisioneiro em data incerta e só seria libertado mediante o pagamento de um resgate em 1527, após o que regressou a Portugal. Voltou a Safim no período da sua evacuação, onde morreu em combate.

Um ano após a tomada de Azamor, o sultão de Fez marcha sobre a cidade com uma força de 7.000 homens, 4.000 dos quais a cavalo. Os portugueses organizam um exército para os defrontar, composto por tropas de D. João de Meneses, capitão de Azamor, num total de 1.800 homens a cavalo e a pé, 50 cavaleiros de Martim Afonso de Melo Coutinho, capitão de Mazagão e 400 lanças de Nuno Fernandes de Ataíde, aos quais se juntaram outros homens comandados por Fernão Caldeira, “adail” de Arzila e 2.000 mouros de pazes comandados por Yahya Bentafuft. Trava-se a batalha de Boulaouane ou “Dos Alcaides”, na qual as forças do sultão de Fez são aniquiladas.

Marraquexe Menara

A Menara em Marrquexe

Mas a mais fantástica proeza de Ataíde foi uma “correria” à cidade de Marraquexe, para a qual reuniu 3.000 cavaleiros, na sua maioria mouros de pazes. A decisão de Ataíde foi em grande parte motivada por uma incursão semelhante realizada nesse mesmo ano de 1514 por Diogo Lopes, “almocadém”, ou comandante militar de Safim, que “com cerca de 500 mouros de pazes de cavalo e alguns portugueses, teve a ideia de ir raziar o campo da cidade, como foi, de facto, e alguns mouros mais atrevidos chegaram a aproximar-se das portas dela e deram com os contos das suas lanças nela, bradando: “Viva el-rei D. Manuel, nosso senhor!” (LOPES, 1989, pág. 32)

Ataíde não quis ficar atrás. Os homens de Ataíde partiram de Azamor e Safim a 21 de Abril e chegaram às margens do Rio Tensift dois dias depois. Nesse dia 23 de Abril envolveram-se em escaramuças com os defensores da cidade junto às portas de Bab El Khemis e Bab Debagh, situadas no lado Nordeste das Muralhas. As escaramuças provocaram mortos e feridos de ambos os lados e duraram quatro horas, após o que os portugueses retiraram para não se deixarem cercar. O caminho de volta durou outros dois dias, “não sem perigo, porque a sua retaguarda foi perseguida durante muito tempo.” (LOPES, 1989, pág. 32)

Estas correrias promovidas pelo capitão de Safim a Marraquexe não passaram de provocações ao poder emergente dos Xerifes, apesar alguns de autores defenderem que se trataram de tentativas para tomar a cidade, aliás inseridas numa “fase que podemos considerar de ‘imperialista’ se somarmos aos dados anteriores a intenção assumida por D. Manuel I de fazer em pessoa a cruzada em Marrocos (1501 e 1503), o estabelecimento de um centro abastecedor regional na ilha da Madeira, a manutenção de uma vasta zona de mouros de pazes à volta de Safim e de Azamor e as expedições contra a própria cidade de Marraquexe”. (FARINHA, 1999, pág. 35)

Marraquexe, cidade populosa com os seus 12 quilómetros de perímetro muralhado, não era conquistável, muito menos com forças da ordem das centenas de homens, sem uma preparação minuciosa, sem o indispensável e impossível apoio naval e, sobretudo, não era possível mantê-la após uma eventual conquista. Aliás, a história provou que Portugal apenas poderia manter posições costeiras no país. A conquista de Marraquexe era uma ilusão, apesar de haver portugueses, como Diogo de Azambuja, que a alimentavam, como prova uma carta que escreveu em 1507 a D. Manuel I dizendo que “em breve seria senhor da cidade”. (LOPES, 1989, pág. 31)

Kutubya 3

O minarete da Kutubya de Marraquexe

O ano de 1514 marcou o auge da Protectorado e da acção de Nuno Fernandes de Ataíde, com a vitória sobre o rei de Fez na batalha dos Alcaides, as duas “correrias” a Marraquexe e o envio de Bentafuft para Lisboa, no meio de uma teia de intrigas e desconfianças.

“Cheio de suspeitas, em 31 de agosto de 1514, Ataíde lança a mão da carta recebida há algum tempo e embarca Bentafuf, com o intérprete e amigo, Salomão, para Portugal. O capitão escreve ao rei narrando os crimes do mouro, mas nenhuma de suas queixas recebe qualquer atenção. Ao que parece, o alcaide desfrutava da proteção de poderosos, de gente com muita influência junto ao rei. O mouro esteve, assim, em exílio na Corte, até a morte de Ataíde, em maio de 1516, quando é nomeado D. Nuno Mascarenhas como novo capitão de Safim, e Bentafuf volta com ele como alcaide de toda a região da Duquela, que abrange além de ‘Abda e Garbia, Charquia.” (TEIXEIRA, 2006, pág. 24)

O desastre da Mamora em 1515, com a chacina de 4.000 portugueses e o afundamento de 100 navios na foz do Ued Sebu (ou Rio Cebu) seria determinante para o desmoronar do protectorado. Nuno Fernandes tinha disso consciência e exortava as tropas estacionadas na Mamora a resistirem ou poderia haver com a sua derrota um levantamento generalizado das tribos na Duquela.

“De facto, 1515 assinalaria uma inversão irreversível nas ilusões lusitanas da tomada dos reinos de Fez e Marrocos, após o desastre da Mámora”. (CORREIA, 2008, pág. 50)

Nuno Fernandes de Ataíde morreu em 1516. Segundo alguns, em combate, versão mais romântica, mas segundo Frei João de Sousa, morto com uma lançada de zagaia no pescoço, por um marido a quem tinha roubado a mulher:

“Depois de ter vencido os da cabila de Uleidamarán, vinha Nuno Fernandes na retaguarda do despojo, que era imenso, além de muitos escravos, entre os quais vinha uma Moura muito formosa, desposada de poucos dias com Rahu ben Xamut. Este não podendo sofrer tal injuria, seguiu a Nuno Fernandes com tanto esforço, que o matou, e livrou a sua esposa.” (SOUSA, 1790, pág. 135)

Baluarte Castelo do Alto

Interior do Baluarte da Alcáçova do Castelo do Alto de Safim

A situação encontrada por Bentafufut no seu regresso a Marrocos espelha bem o ambiente de declínio que se vivia.

“Já em terras marroquinas, mais uma vez, os boatos, as intrigas e os conflitos surgem, fomentados pela atmosfera de desconfiança que pairava entre os três grupos habitantes da região: mouros, cristãos e judeus. As frequentes ameaças dos governantes das cidades não controladas pelo império (principalmente, Marrocos e Fez) geram medo entre dominadores e dominados, e, apesar dos sucessos alcançados por Bentafuf, nas campanhas contra seus correligionários, também o novo capitão se enche de suspeitas contra ele. Todas as suas tentativas de resolver as questões com os seus adversários são deturpadas (…) e, mais uma vez, se vê no centro de intrigas, envolvendo questões de lealdade, alianças, estratégias e interesses, como da primeira vez em que foi mandado para a Corte. (…) Bentafuf nunca renegara sua fé, mas, apesar de controlar um grupo muito grande de mouros – os de pazes – sempre foi visto com desconfiança pelos mouros seus contrários, a quem fazia guerra e que suspeitavam de suas relações com os infieis. Também nunca foi aceite como fiel e leal servidor pelos cristãos e, por volta de fevereiro de 1518, foi assassinado pelos seus correligionários.” (TEIXEIRA, 2006, pág. 24)

Bentafuft escreve neste período ao rei D. Manuel várias cartas em português “aljamiado”, que reflectem o clima conturbado do período que se vivia, de disputas entre os próprios mouros de pazes e da desconfiança em relação aos militares portugueses. Mas como refere David Lopes, o alcaide mouro era tido como um importante aliado da Coroa Portuguesa:

“É verdade que Bem Tafufa serviu a nossa política com lealdade, Ele queixa-se amargamente da malquerença do capitão, e da má vontade que lhe tinham os mouros, cristãos e judeus, mais por inveja das mercês que recebia, diz-nos Góis, do que por boa razão. D. Manuel sempre foi por ele, são disso prova os documentos que ora publicamos pela primeira vez, e a crónica de Damião de Góis. Este é francamente por ele, e não lhe poupa palavras de elogio, pela lealdade com que sempre serviu Portugal”. (LOPES, 1897, pág. XXXIV)

Castelo do Alto Safim

O Baluarte da Alcáçova do Castelo do Alto ou Kechla de Safim

As duas passagens que de seguida transcrevemos são de uma carta escrita a D. Manuel e outra escrita anteriormente a Nuno Fernandes, reveladoras desse clima de desconfiança e amargura em que o alcaide vivia.

Na primeira, intitulada “Tralado da carta a el rei nosso senhor”, Yahya queixa-se que são os próprios portugueses a fomentar a guerra para tirar proveitos pessoais:

“Senhor, o dia que de Portugal parti mencomendaste a paz e que eu a comprasse por meu dinheiro, e fiz tudo o que Vossa Alteza mandou, fiz a paz com tudo aquillo que eu pude, que nunca se tal fez nem viram em Duquella em nenhum tempo, e apanhei todalas pagas e as trouxe a Safim em obra de quinze dias, e não dei nem peitei por fazer a paz nenhum dinheiro de vossa fazenda, e o capitão e os cavalleiros que cá estão não querem paz, senão guerra, e isto fazem por não terem nenhum proveito da paz, nem do serviço que eu faço, por não terem que tomar, nem que repartir, e por este respeito todos me querem fazer mais mal do que podem, agora não sei o que de mim faça, trouxe de vossa alteza um regimento e o capitão manda que faça cá outro, peço a vossa alteza que me faça justiça, me mande dizer o que hei de fazer de mim e dos meus, no que receberei muita mercê”. (LOPES, 1897, pág. 59-61)

Na segunda, intitulada “Tralado da carta de cide Iahia ao senhor D. Nuno”, o alcaide mostra o seu desânimo pelo isolamento em que se sente, desprezado por mouros e cristãos:

“Louvores ao seu Deus. Senhor D. Nuno, vosso servo Iahia Tafufte vos faz saber que, desno dia que vim a esta terra, não vi nenhum prazer nem descanso com cristãos, nem menos com mouros. Os mouros dizem que sou cristão e os cristãos dizem que sou mouro, e assim estou em balanças sem saber o que hei de fazer de mim, senão o que deus quiser, e quem boa conreição tiver Allá o salvará”. (LOPES, 1897, pág. 63)

Marraquexe muralha

A muralha de Marraquexe

A morte de Ataíde em 1516 e o assassinato de Bentafuft dois anos depois têm consequências decisivas na unidade dos “mouros de pazes” da Duquela e o Protectorado começa a desmoronar-se. Paralelamente, o crescente poder dos Xerifes Sádidas começa também a ameaçar directamente as praças do Sul e a cativar para o seu lado muitas das tribos.

Se a presença de Portugal na costa de Marrocos foi facilitada pela dualidade temporária entre o poder Oatácida em Fez e o poder Sádida em Marraquexe, a efémera existência do Protectorado da Duquela apenas foi viável enquanto as tribos não foram unificadas pelos novos Xerifes, que conquistam Marraquexe em 1524.

“A rivalidade e disputa pela primazia política de todo o ocidente islâmico alimentava uma presença portuguesa hábil na gestão dos acordos necessários à defesa dos seus interesses. Contudo, os sádidas alcançariam o seu domínio sobre os oatácidas em meados do século XVI, unificando todo o território no mesmo reino e retirando a base negocial aos portugueses, definitivamente relegados para uma ocupação residual e considerados intrusos infiéis no novo mapa”. (CORREIA, 2008, pág. 52)

Bibliografia:

BARATA, Filipe Themudo. “Casa da Feitoria. Massa (Meça, Meças, Massas). Norte de África, Marrocos”. HPIP. Património de Influência Portuguesa. Fundação Calouste Gulbenkian. Actualização 19.09.2012. http://www.hpip.org/def/pt/Homepage/Obra?a=1638

CENIVAL, Pierre. “Crónica de Santa Cruz do cabo de Gué” (Tradução e anotação de um texto anónimo português do século XVI). Paul Geuthner, Paris, 1934

CORREIA, Jorge. “Implantação da Cidade Portuguesa no Norte de África. Da tomada de Ceuta a meados do século XVI”. FAUP publicações. Porto 2008

FARINHA, António Dias. “Os Portugueses em Marrocos”. Instituto Camões. 1999

LOPES, David. “A Expansão em Marrocos”. Editorial Teorema, Lisboa, 1989 (Publicação original BAIÃO, António, CIDADE, Hernâni e MURIAS, Manuel. “História da Expansão Portuguesa no Mundo, 3 vols. Editorial Ática. Lisboa, 1937)

LOPES, David. “Textos em Aljamía Portuguesa”. Documentos para a história do domínio português em Safim. Extrahidos dos originaes da Torre do Tombo. Lisboa, Imprensa Nacional, 1897

MOREIRA, Rafael. “A construção de Mazagão. Cartas inéditas 1541-1542”. IPPAR/CPML. Lisboa, 2001

PANORAMA, Jornal Literário e Instructivo da Sociedade Propagadora dos Conhecimentos Úteis. “O Famoso Adaíl Lopo Barriga”. Tomo IV, vol. 3. Fevereiro, 1840

PAULA, Frederico Mendes. “Portugal em Marrocos, Olhar sobre um património comum”. Argumentum, Edições, Estudos e Realizações. Lisboa, 2016

PESSANHA, Fernando. As Guarnições Militares nas Praças Portuguesas da Região da Duquela, no Algarve Dalém Mar”. Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em História do Algarve. Universidade do Algarve, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais. Faro, 2012

SANTOS, João Marinho dos, “Portugal e Marrocos – Da Confrontação à Cooperação”, in SANTOS, João Marinho dos, SILVA, José Manuel Azevedo e, NADIR, Mohammed. “Santa Cruz do Cabo de Gue D’Agoa de Narba”. Estudo e Crónica, Viseu, Palimage Editores e Centro de História da Sociedade e da Cultura, 2007

SOUSA, Frei João de. “Documentos Arabicos”. Academia Real das Sciências de Lisboa, 1790

TEIXEIRA, Suely Ferreira Lima. “Apontamentos para uma Edição Semidiplomatica em Aljamia Portuguesa”. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2006

WIKIPEDIA. “Adelantado”. Página electrónica actualizada em 07.09.2016. https://es.wikipedia.org/wiki/Adelantado

WIKIPEDIA. “Santa Cruz de la Mar Pequeña”. Página electrónica actualizada em 19.07.2016. https://en.wikipedia.org/wiki/Santa_Cruz_de_la_Mar_Peque%C3%B1a

WIKIPEDIA. “Sidi Ifni”. Página electrónica actualizada em 02.08.2016. https://en.wikipedia.org/wiki/Sidi_Ifni

Comments

  1. BOa tarde. Gostaria de saber se o governo pode aplicar medidas para a promoção da cultura do nosso país!

    Em que áreas concretas poderiam ser realizadas’?

    Obrigado

  2. Frederico Mendes Paula says:

    Boa tarde. É uma boa pergunta para fazer ao governo. Pessoalmente acho que a cultura e a promoção cultural do país não são propriamente prioridades do governo.

  3. Afonso Jorge says:

    Grato pelo seu artigo. Muita da história da presença portuguesa no norte de África está por divulgar.

  4. Em relação à História de Portugal, estão montes de coisas por divulgar. O seu ensino está cheio de tiques salazaristas. Têm-se, no entanto, publicados livros excelentes, nos últimos anos, actualizados e desempoeirados. Não há ninguém que mude os programas?

  5. palavrossavrvs says:

    Lido na íntegra com imenso e absoluto prazer.

  6. rui esteves says:

    Gostei muito, mais uma vez.
    Está a divulgar factos históricos que hoje estão completamente esquecidos.
    Ao ver aqueles fortes que os portugueses construíam – enormes, feitos para durar séculos — fico a pensar na enorme capacidade de realização que Portugal tinha e hoje não tem.
    E Portugal semeou daqueles fortes (e também igrejas e edifícios administrativos) pelo mundo fora, talvez centenas de grandes construçoes que ainda hoje causam admiração.

  7. Frederico Mendes Paula says:

    Caro Rui Esteves. Sem querer ser pretencioso, deixo aqui o link de um outro post meu com referências mais precisas ao património português em Marrocos e aos seus construtores.
    https://aventar.eu/2010/09/28/presenca-portuguesa-em-marrocos/

  8. rui esteves says:

    Caro Frederico Mendes Paula,
    Depois deste post, resolvi explorar o que havia seu aqui no Aventar.
    E fiz cópia de todos eles (com exceção dos posts sobre a prevenção de sismos) pois escreve sobre um tema praticamente desconhecido do grande público.
    Mesmo para alguém que gosta de História — e eu leio há muitos anos ensaios sobre Portugal e a sua cultura — o tema é quase desconhecido.
    Esclareço que a minha formação profissional não tem nada a ver com História, leio porque me interessa e diverte.
    Presumo que mais uns artigos e terá matéria para publicar um livro sobre Marrocos, a sua influência na península, as praças fortes portuguesas marroquinas, os feitos e as derrotas sofridas, etc.
    Às tantas, até será uma ideia a germinar, não?
    E também tenho reparado que é uma área em expansão editorial, esta da História de Portugal.
    Abraço e obrigado pelos seus posts.

  9. jOÃO CASTANHEIRA says:

    O que conheço da história Portugal Marrocos foram os Marroquinos que me contaram o pouco ou nada que se transmite nas escolas Portuguesas confrontam-se com o património deixado por nós portugueses nesse belo P
    aís que está no meu coração

    • jOÃO CASTANHEIRA says:

      olá Frederico fale de Mougador será que conhece o rochedo do diabo perto de Agadir e sua história? Existe muito mais matéria que aquela que
      encontra nos livros.e porquê chamar-mos Alcacer Quibir a Czar el ke e Safi não é Safim
      bir ( Czar o grande)

      • jOÃO CASTANHEIRA says:

        Desculpe digitei mal Alcacer Quibir é Czar el kebir

        • Frederico Mendes Paula says:

          João Castanheira. O nome Arabe da cidade de Alcácer Quibir escreve-se القصر الكبير e lê-se em Arabe AL-QASSR AL-KABIR e significa CASTELO GRANDE. Em dialecto marroquino pronuncia-se QSAR EL-KEBIR. A designação ALCÁCER é assim a palavra portuguesa que deriva do termo Arabe AL-QASSR ou CASTELO, como em ALCACER DO SAL, que em Arabe se chamava AL-QASSR IBN ABU DANIS, ou em ALCACER CEGUER, do Arabe AL-QASSR AS-SAGHIR, que significa CASTELO PEQUENO.
          Quanto a SAFIM é o nome português da cidade de SAFI (termo francês) ou ASSAFI em Arabe اسفي
          Quanto a Mogador, é o nome português da cidade de ESSAOUIRA (termo francês) ou AS-SOUIRA em Arabe الصويرة
          https://aventar.eu/2010/09/28/presenca-portuguesa-em-marrocos/

      • Frederico Mendes Paula says:

        O Rochedo do Diabo fica na praia de Tamraght junto a Agadir. É um rochedo com altura de 5 metros onde existe um buraco que, segundo a lenda, era local onde mulheres virgens se atiravam ao mar por ordem do diabo

        • jOÃO CASTANHEIRA says:

          Obrigado Frederico eram
          promenores que me intrigavam tambem vim a saber que um santo existente em QSAR EL-KEBIR nasceu em Silves
          O buraco em centenas de vezes que estive lá não conheço mas concretamente sei que existe uma altura do ano
          que as mulheres se banham junto ao rochedo por acreditarem que assim encontram esposo e mais era uma pequena fortificação
          Portuguesa isto segundo a população de Tamraght

Trackbacks

  1. […] principal defensor da política expansionista portuguesa, contrapunha a ideia da conquista de outras praças no Norte de Marrocos, nomeadamente de Tânger, para criar um enclave de maiores dimensões e […]

  2. […] A guerra em torno da praça fez-se a partir de então de “almogaverias” ou correrias. “É a guerra de surpresas e de ciladas, aproveitando os acidentes do terreno ou a escuridão da noite.” Os “almogavares” tornaram-se numa força de elite em permanente actividade fora de portas, que fazia razias nas aldeias, roubando gado, destruindo colheitas e fazendo cativos. Eram também utilizados como força de vanguarda e de reconhecimento nas expedições de maior envergadura em que participava o exército regular. […]

  3. […] A guerra em torno da praça fazia-se de “almogaverias” ou correrias. “É a guerra de surpresas e de ciladas, aproveitando os acidentes do terreno ou a escuridão da noite.” Os “almogavares” tornaram-se numa força de elite em permanente actividade fora de portas, que fazia razias nas aldeias, roubando gado, destruindo colheitas e fazendo cativos. […]

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Alterar )

Connecting to %s